browser icon
You are using an insecure version of your web browser. Please update your browser!
Using an outdated browser makes your computer unsafe. For a safer, faster, more enjoyable user experience, please update your browser today or try a newer browser.

A Ameaça Alienígena: (10a) Atividade Híbrida Independente

Posted by on 24/02/2016

etseufosA AMEAÇA ALIENÍGENA – Relatório Secreto, Objetivo e os planos dos Alienígenas. Livro de David M. Jacobs.

Capítulo 10 – Atividade Híbrida Independente, parte 1: 

A atividade híbrida independente é resultado normal do fenômeno de   abdução e do programa de cruzamento entre a nossa raça e extraterrestres, tendo profundas implicações para o futuro da interação humano-alienígena.

Edição e imagens:  Thoth3126@gmail.com

A AMEAÇA ALIENÍGENA – Relatório Secreto, Objetivo e os planos dos Alienígenas. Livro de David M. Jacobs.

Capítulo 10 – Atividade Híbrida Independente, parte 1: 

Ela envolve seres híbridos que podem, por curtos períodos de tempo, se “passar” por seres humanos, em nosso ambiente, sem serem notados pela sociedade humana, agindo discreta, independente e livremente da presença e do controle dos GREYS.

Quando encontrei pela primeira vez relatos sobre atividades híbridas independentes numa regressão com Emily, tive grandes dúvidas. O episódio envolvia relações sexuais românticas com um ser “humano” bonito. Eu nunca tinha ouvido falar disso antes e o fato de híbridos com aparência humana fazerem amor com mulheres nos seus quartos parecia mais a satisfação de uma fantasia do que um procedimento de abdução. Naquela época, eu tinha pouco conhecimento do comportamento dos adultos híbridos e não conhecia Emily tão bem para confiar na possível realidade de sua narrativa.

Eu já havia sido enganado no passado e não queria repetir a experiência. Disse-lhe que as memórias às vezes não são o que parecem. Falei com ela sobre os problemas das falsas memórias e tentei gentilmente convencê-la de que era possível que o seu relato fosse uma fantasia. Emily ficou receptiva à idéia e de olhos abertos a essa possibilidade. Então, falei com as pessoas do Fundo para as Pesquisas de Óvnis, a organização que a enviara, e lhes disse que deveriam ser extremamente cuidadosos com o seu testemunho. Lembrei-lhes que a fabulação é um problema comum e que toda a sua história poderia ser um rico exemplo daquilo.

abdução

No ano seguinte, entretanto, comecei a ter notícias da atividade híbrida independente. Finalmente, como com outras partes do fenômeno de abdução, esta prova tornou-se grande demais para ser ignorada e tive de reconhecer que a atividade híbrida independente era uma parte integrante do fenômeno. Como isso ocorre? A maioria da atividade híbrida independente é realizada por seres híbridos de estágio avançado com projeto pessoal. Os relatos dão a entender que eles podem subsistir na sociedade humana por até doze horas. E achamos que a maioria da atividade híbrida independente ocorre entre híbridos e abduzidas. (Entretanto, esses dados podem se modificar, à medida que os pesquisadores obtenham maiores informações sobre a atividade híbrida independente.)

Parece que a maioria da atividade híbrida independente se relaciona exclusivamente com abduções, mas geralmente acontece fora dos lugares da atividade normal dos óvnis. A atividade híbrida independente ocorre na casa de uma abduzida ou no seu ambiente de trabalho. Às vezes essas abduções ocorrem ao ar livre, tanto à noite quanto de dia, em locais onde os passantes não podem ver os híbridos. O caso de “Deborah”, uma mulher solteira de 31 anos, fornece um bom exemplo de atividade híbrida independente. Ela recebeu um telefonema de um estranho, que marcou um encontro para uma “entrevista de emprego”. Ela foi a um escritório mobiliado modestamente com uma mesa e duas cadeiras.

Quando ela se sentou, a atividade híbrida começou imediatamente e consistia num “entrevistador” de aparência estranha, que lhe fez perguntas bizarras. Quando a entrevista terminou, ela teve a forte impressão de ter tido relações sexuais com ele. Voltou para casa com a lembrança da “entrevista”, esquecendo os detalhes. Dias depois ela passou pelo edifício, mas ele estava vazio. A maioria das abduzidas ignora a freqüência da atividade híbrida independente. Ela é uma exceção e não a “regra”, mas, à medida que os investigadores descobrem mais eventos de abdução, torna-se mais freqüente a presença de híbridos com projeto pessoal, bem como a ocorrência de atividade híbrida independente.

É importante notar que há pouca prova de híbridos que realizem atividades humanas “normais” – trabalhando num emprego, morando num apartamento e assim por diante. Quando os híbridos aparecem no local de trabalho de uma abduzida, ou mesmo em outros lugares, como um bar ou restaurante, eles estão realizando funções legadas ao programa de abdução. Eles não aparecem porque estão interessados no trabalho ou no lazer dos humanos.

Quando em público Os híbridos de estágio avançado se esforçam para se  “passar” por humanos, mas dentro de certos limites. A bordo dos óvnis, uma das razões pelas quais os híbridos são facilmente reconhecíveis é que usam roupas indistintas, bejes ou brancas. Em público, entretanto, eles se vestem como os humanos, misturam-se com o resto da população humana e não são notados. Em geral, eles usam roupas comuns. Os homens usam jeans ou cáqui, camisetas ou camisas de mangas longas. As abduzidas, até agora, não relataram que os mesmos se vestissem mais formalmente, usando ternos ou, mais esportivamente, usando short.

Os híbridos de estágio avançado também se vestem com roupas de aparência militar, como macacões de serviço que parecem uniforme de pilotos. Como eles parecem tão humanos, é fácil confundi-los com militares, e muitas abduzidas têm ligado suas abduções a militares. Durante muitos anos, as abduzidas têm informado que havia soldados envolvidos nas suas abduções, ou que homens uniformizados, às vezes em vizinhanças de bases militares, estavam presentes durante seus eventos de abdução. Os híbridos às vezes abduzem pessoas e as levam para bases militares abandonadas, ou áreas desertas onde ocorrem atividades militares. As abduzidas às vezes vêem militares sendo abduzidospor vezes em uniforme.

Tudo isso, além da crença existente de um “acobertamento” por parte do governo americano (e demais países), tem levado muitas abduzidas e pesquisadores a concluir que o Governo está conspirando secretamente com os alienígenas. Alguns abduzidos chegaram mesmo a peticionar ao secretário de Saúde e Serviços Humanos, requerendo uma investigação sobre as atividades de abdução dos militares. De fato, não há prova de que o governo americano ou militares estrangeiros estejam envolvidos com a abdução de pessoas. É bem possível que as abduzidas estejam se lembrando de fragmentos de atividade híbrida independente, durante a qual foram levadas para locais de aparência militar. Elas não conseguem entender essas experiências nem colocá-las no seu contexto real, por falta de hipnose competente ou porque a informação sobre a atividade híbrida independente não era conhecida do hipnotizador.

abdução-exame

É imperativo obter mais dados sobre a atividade híbrida independente. Precisamos saber por que, por exemplo, eles viajam muitas vezes em camionetes ou até em helicópteros. Às vezes os helicópteros são “reais”; às vezes a abduzida pensa que está vendo um helicóptero, mas é uma ilusão. Algumas abduzidas relatam terem visto helicópteros voando em torno de suas casas. É claro que a maioria dos helicópteros são reais. Sua proximidade das  casas das abduzidas pode ser fruto de uma coincidência e eles nada têm a ver com a abdução. Entretanto, alguns desses helicópteros são parte de uma atividade híbrida independente. Para complicar as coisas, a análise de alguns relatos sobre helicópteros revela que não têm caudas ou rotores, e têm um formato mais circular ou tubular, e não fazem barulho. Isso é uma “memória anteparo” de um óvni.

Precisamos obter informações sobre como os híbridos reagem em contato com a sociedade humana. Ocasionalmente, um híbrido poderá demonstrar um interesse passageiro por algo que vê em público. Em um dos eventos de atividade híbrida independente na infância de Susan Steiner, com o seu híbrido de projeto pessoal, os dois passearam pela vizinhança antes de irem para um óvni. Durante a caminhada, ele perguntou qual era o carro do pai dela, por que as pessoas colocavam plantas nas janelas e o que estava fazendo alguém que acendia um cigarro. Quando Susan explicou sobre o cigarro, ele riu e disse que aquilo era uma “bobagem”.

Atividade híbrida afetuosa

Algumas abduzidas estabelecem relacionamentos com os seres híbridos independentes que incluem amor, afeto e bondade. Freqüentemente, a sua qualidade carinhosa resulta em laços profundos com a abduzida. “Emily” se recorda de ter tido um relacionamento amoroso e romântico com o seu híbrido de projeto pessoal, que lhe falou de sua futura vida juntos, dos filhos que estavam produzindo, e às vezes sobre o programa de abdução. Um exame cuidadoso do caso de Emily revela que a conversa era geralmente numa direção – e nos termos do híbrido. Quando ela fazia perguntas, às vezes ele respondia, às vezes silenciava. Ele é quem comandava. Ele dava as ordens e ela obedecia. Ele raramente fazia perguntas sobre sua vida em família, seu trabalho, ou sobre a sociedade e a cultura humanas.

A razão principal do seu contato com Emily era a reprodução. Na maioria das ocasiões eles tinham relações sexuais, geralmente um mínimo de duas em cada evento. Ele jogava conversa fiada e dizia que a amava; dizia que voltaria e ela se entristecia, quando ele partia. Mas seria um erro presumir que ele não fosse sincero. Como ele é um híbrido de estágio avançado, há fortes razões para crer que ele se envolveu profundamente no relacionamento, que veio a durar vários anos. Há também indicações de que os híbridos independentes não são monógamos e que desenvolvem simultaneamente vários “projetos”. A maioria dos encontros de Emily, como parte de atividade híbrida independente, ocorreu em locais escolhidos especialmente pelos híbridos. Uma noite, por exemplo, quando Emily e uma amiga, Kelly Peterson, passavam de carro por um estacionamento, notaram uma camionete que as seguia.

Depois de alguns quarteirões, Kelly ficou tão irritada que, quando pararam num sinal vermelho, saiu do carro para reclamar com o chofer da camionete. Quando voltou, estava calma. Ele disse a Emily que tudo estava bem e que elas iriam seguir um outro carro que havia parado em frente ao seu. Os três automóveis então seguiram para um aeroporto abandonado que tinha uma torre de controle de vôo. Emily e Kelly saíram do carro e dois híbridos de projeto pessoal conhecidos se aproximaram. Elas conversaram um pouco com os híbridos e depois foram com eles ao edifício para ter relações sexuais. Quando começaram as relações sexuais entre Kelly e seu híbrido de projeto pessoal, o híbrido de Emily levou-a para o porão do edifício, onde conversaram e também tiveram relações sexuais.

Depois os híbridos acompanharam as mulheres de volta ao carro. Kelly e Emily disseram adeus e foram embora. Elas não se lembraram nada de suas experiências, mas chegaram em casa com duas horas de atraso. Emily relatou esse evento sob hipnose. Ela nada falou de suas memórias à amiga Kelly, que tem uma vida de eventos fora do comum. Então, dois meses e meio depois de minha sessão com Emily, Kelly decidiu examinar suas experiências fora do comum. Em nossa primeira sessão, eu lhe perguntei sobre a camionete que as seguira. Ela ficou surpresa, pois viera à sessão com uma lista de coisas estranhas que lhe haviam acontecido e esse incidente não era muito importante. Ela se recordava vagamente de ter sido seguida e se perguntava por que havia chegado em casa com duas horas de atraso, e nada mais.

Entretanto, durante a sua sessão de hipnose, ela confirmou todos os detalhes do evento – desde as instruções recebidas do chofer da camionete até as suas relações sexuais com um híbrido (ela não sabia das relações sexuais de Emily na torre). Kelly também lembrou-se de que a relação com seu híbrido de projeto pessoal já durava toda a sua vida. Os relatos das duas mulheres divergem apenas quando os híbridos as separaram para ter relações sexuais na torre. Elas divergem também sobre o tipo de veículo usado pelos híbridos: Emily pensa que foi um helicóptero, enquanto Kelly acha que foi um avião, embora estivesse muito escuro para ver os detalhes. Depois da hipnose, Emily e Kelly discutiram o evento e refizeram fisicamente seu caminho. Elas encontraram o local onde a atividade de abdução ocorrera – era uma instalação desativada da NASA. Como a entrada estava fechada, elas não puderam prosseguir na sua investigação.  

abdução-ufo2

O caso deDonna

As experiências de Donna com a atividade híbrida independente começaram quando ela era ainda criança, e quando completou vinte anos já estava encontrando seu híbrido publicamente. Um desses encontros ocorreu no verão de 1969, quando Donna e seus amigos estavam num quebramar, contemplando o oceano no Maine. Quando Donna se afastou de seus amigos, o híbrido subitamente apareceu. Ele vestia jeans, camiseta e blusão. Seus cabelos escorriam até abaixo das orelhas. Ele e Donna se esconderam sob o quebra-mar e ele lhe disse tê-la visto representar numa peça de teatro amador, na noite anterior.

Ele disse: “Eu vi você.” Perguntei o que ele queria dizer. Ele disse: “Tenho observado você. Eu vim para ver você.” Como ele soube onde eu estava? Ele viera não nesta semana, mas na anterior, e se sentara no balcão. Ele estava assistindo? Sim. “Por que você não veio falar comigo?” “Naquele momento eu não podia, ou não dava tempo.” Algum tipo de problema com o tempo. E agora ele está ali, oh, e me sinto tão bem. Perguntei sobre os meus amigos, podia apresentá-los? Ele disse: “Não. Não se preocupe com eles.” Você protestou, ou não se preocupou? Não me preocupei. Ele estava ali e era tudo o que importava. Não consigo ficar muito tempo longe dele. É como se cada poro no meu corpo desejasse se abrir para ele.

Então você não se pergunta como ele veio? Agora não. Olha, ele está aqui. Oh, estou tão feliz de tê-lo comigo. Ele pode ficar comigo? “Tenho certeza de que encontraria um meio de ficar. Não sei como, mas sei que há um meio. Não é possível neste momento, mas não vamos pensar nisso agora. Vamos aproveitar os momentos juntos. Você está agachada? … Não, embaixo do quebra-mar. Estamos sentados e olhando para o encontro das águas no quebra-mar… aqui é meio afastado. “Onde você esteve?” “Tenho estado ocupado”… Ele tem projetos. Às vezes têm a ver com pessoas, às vezes com outras coisas. Algo de que ele quer tomar conta, manter em níveis aceitáveis. Ele diz que gostaria de ficar mais tempo comigo, mas não pode. Há algum tempo ele vem monitorando essa área.

Então ele diz que vocês deviam aproveitar os momentos juntos? Certo. Eu disse a ele que nós sempre aproveitamos. os momentos juntos. E ele tem sido um grande amigo há muito tempo. Gostaria que pudéssemos nos encontrar mais vezes. Então, ele me dá um daqueles beijos – puxa – Oh. Estou ficando bem embaraçada, pois ele sabe que gosto tanto e, puxa, eu poderia me transformar num ferro em brasa… sabia? Ele se diverte vendo até que ponto pode me excitar. Ele realmente se diverte. É uma gozação. E eu lhe digo: “Você está se divertindo, não é?” “Hum, Hum”. “Você sabe exatamente o que está fazendo”.“Hum, Hum”. Bem, Donna, não pense que eu não a conheço…” Ele sabe que eu gosto disso tanto quanto ele… Só não gosto de onde nós estamos. Acho que ele percebe meu desconforto. “O que você está fazendo?” “Vamos para outro lugar” …

Ele se levanta bem rápido, pega na minha mão e diz: “Vamos.” Ele sobe no quebra-mar, vai para um carro que está parado na rua, dá a volta e senta-se no chão, de costas para o pneu… Eu estou achando graça e rindo. Ele está fazendo papel de bobo. E está sorrindo e se divertindo… É como brincar de pique. E eu estou rindo e me sento ao seu lado, junto do pneu. E ele diz: “Vamos, está pronta?” “Pronta? Aonde vamos?” “Venha comigo.” Corremos pela rua e entramos num parque do outro lado. Eu tropeço num arbusto. Tropeço e caio no chão. Ele diz: “Grande dançarina, não consegue nem ficar em pé.” E estou gargalhando no chão. E ele me empurra e eu rolo no chão e ele também rola. E estamos gargalhando e ele está me agarrando.

E, quanto mais ele me agarra, mais eu rio. A grama está molhada. E ele pára de rir. E pergunta como é que eu tenho cuidado do meu corpo. Eu digo: “Do mesmo jeito que sempre cuidei.” Ele diz que tem de verificar. Eu quero saber para que ele quer verificar. Ele vai verificar para ver se eu o tenho mantido como se deve. Eu pergunto por que, puxa, ele iria se interessar pelo meu corpo? Ele pensa que é proprietário dele? Agora ele é quem está rindo. Ele diz: “De certo modo.” Agora vou mostrar a ele, e tentarei me levantar. Ele não está me deixando. Eu estou pressionando. Estou tentando levantar. “Esse corpo é meu, não seu”. E ele diz: “Sim, mas você me deixa visitá-lo de vez em quando.” E então ele dá um daqueles olhares longos. Então eu me sinto como se estivesse derretendo.

Ele olha nos seus… Bem profundamente nos meus olhos… Sim, ele estava montado na minha barriga, quando tentei me levantar, aí ele chegou muito perto e olhou pra mim. Aí ele veio ainda mais perto e me deu um daqueles longos beijos. A gente sente o cérebro explodindo e os dedos dos pés tinindo, e todo o resto do corpo absolutamente – como fogos de artifício! Vai em cada curva, em cada poro do seu corpo… minha barriga começa a se contrair. Todos os músculos do estômago e das costas começam a se movimentar, minha cabeça pula para trás. E é tudo resultado daquele olhar. Eu simplesmente… Oh! Ele agora se agacha ao meu lado e diz: “Bem, eu pensei que você ia para algum lugar.” Eu me espreguiço um pouco. Eu me alongo. “Não, acho que vamos ficar aqui.”

“Você gostou?” “Sim”. “Você quer que eu faça de novo?” “Sim”. Vamos fazer de novo. Sim. Eu sinto quando ele vem em cima do meu corpo. A sensação é de ser completamente esmagada. Pressão extrema… Ele está empurrando para baixo o mais duro que pode e a sua mão vem dentro da minha blusa, nas minhas costas. Ele me beija e depois me aperta do lado. Sua mão está acariciando o meu corpo, mas ele não parou de me beijar. Ele me perguntou se eu quero ficar mais apertada. Será que ele vai deixar alguma coisa comigo? Se ele quiser. Tenho a sensação de estar flutuando. Eu estava de calcinha, short e uma blusa leve. Boto minhas calças porque começa a ficar frio naquela hora e ainda posso sentir a sua mão na minha barriga…

UFO ovni

Ele tinha de tirar a mão da sua barriga e o corpo também para você se levantar? E minhas calças estão abertas… Mas ele está usando jeans? Hum, hum. Sim. Dá pra ficar assim… (Eu me sinto) arrebatada, como se estivesse flutuando e de repente – “boom!” De repente, o que foi? Oh. Traduzir “boom”. De repente, você está dominada pelo ato e está flutuando. É como se você estivesse inebriada, mas não bêbada. Você não tem contato total com seu corpo, mas com o estímulo que vem de dentro. A diferença entre isso e o sexo normal é que muito do sexo normal é estímulo externo e isso aqui é completamente fechado bem no seu centro e se irradia. Tudo está em “absoluto” – uma consciência ampliada do estímulo interno, mas ao mesmo tempo é como se estivesse flutuando nele. A fluência dele é, não como se fossem vagas, num crescendo.

É quase num crescendo oscilante. Eu posso senti-Io todo da ponta dos meus pés às palmas das minhas mãos. É como se eu tivesse totalmente eletrificada. Quando ele me faz gozar, não é somente o estímulo mental, há mais alguma coisa no seu beijo, que vai além… A impressão que tenho é que vou desmaiar a qualquer momento se ele demorar muito. Eu fui-me embora… E você sabe quando eu fico ainda mais tesuda, mais tesuda? É quando ele fala que deixou alguma coisa comigo. Então passou de um alto nível para uma exclusão. Isto é totalmente e absolutamente o ápice da experiência cinética… Ele “faz a coisa dele” e depois fica ali um pouco.

Ele acaricia o meu cabelo. Eu tenho um cabelo muito longo. Ele põe o meu cabelo para trás, depois segura a minha cabeça com as mãos, olha para mim e eu fico com muito sono. Quando consigo acordar, tudo já está no seu lugar. Suas calças já estão de novo no lugar, sua camisa já está arrumada? Está tudo no lugar… E quando eu acordo ele está atrás de mim me abraçando. Me abraçando muito apertado. A sua cabeça está na grama ou no peito dele? No braço dele. E a sua perna está em torno do meu corpo, ele está mais ou menos me ninando. Ele tem uma reação sexual normal? Ele faz tudo o que você espera? Não, é mais frio. Controla tudo. É muito deliberado e conserva energia. Muito orientado. Muito focado. É como se o seu interior fosse muito concentrado – é mais do que o ato, mas é como um objetivo; alguma coisa a que ele aspira.

Talvez seja uma forma de colocar… Eu penso, mas sou suspeita. Gosto de dizer que ele está desfrutando. Mas quase que se torna, depois de um certo ponto, mais comercial… Aí então ele diz alguma coisa pra você? A maior parte do tempo, estou mais ou menos fazendo sons como “hum, hum”. Para cada som que faço, ele me aperta mais ainda. É como se estivesse abraçando e segurando ao mesmo tempo. Ele vai tentar voltar logo. Ele agora tem uma oportunidade melhor de voltar mais cedo. … Ele pode voltar e ver você com mais freqüência agora? Eu digo: “Você não precisa ir?” E ele diz: “Não, não preciso, fique aqui comigo só mais um pouco.” Eu digo: “Eu gosto de abraçar você, gosto de sentir você perto de mim.” Eu só tenho esse sentimento de empatia por ele e o deixo escorregar por minhas costas e hum, digo: “Deixe-me agarrá-lo.” E ele quer isso?

Ele quer. Ele quer. Não sei se deseja ou não. Não sei, mas acho que está gostando disso. Tenho a impressão de que isso é o tipo de coisas de que ele sente falta… é uma questão difícil. “Se pudesse vir comigo, você viria?” Ele pergunta isso a você? Ele pergunta, mas eu também pergunto a ele: “Se pudesse ficar, você ficava?” Eu sei que não é possível. (Ele diz) com o sentido de “você precisa me carregar com você, ou me carregar com você ou me ter com você”… Eu digo a ele que ele é como um raio de luar na minha vida e que eu me lembro de como ele se sente. Ele diz que eu devo guardar esse sentimento todo o tempo, e que ele está sempre comigo, que sempre está me observando; ele olha pra mim muito mais do que eu sei, eu preciso olhar para as estrelas, porque quando ele está assim, como agora, não tem vontade de voltar, mas precisa… “Você é parte do meu objetivo, mas não do meu trabalho”…

Naquele momento, nós nos sentamos. “Vai acontecer logo. Guarde-me no seu espírito, no seu ser. Aproveite o que você é, o que você está fazendo.” Eu acho que ele sabe que estou gostando muito do que ele está fazendo naquele verão… E nós voltamos e ficamos mais ou menos onde estávamos. Ele fica em pé atrás de mim e me abraça. Ele disse: “Vamos olhar juntos a lua.” E depois coloca as mãos nos meus ombros. Eu me viro e olho para ele mais uma vez. E ele me dá um beijo muito suave, não como os outros. Um beijo muito gentil. E, então, dá uns passos para trás. E há um meio sorriso no rosto dele. O que eu lembro depois é ter voltado o rosto e ficado olhando para a lua. Você vê quando ele vai embora? Acho que sim. Eu o vejo desaparecer. Daquele jeito. Para cima e para longe.

aliens-abductions

Anos mais tarde Donna ficou grávida e, quando ela estava no hospital depois do que parecia ter sido um aborto espontâneo, o seu híbrido a visitou. A perda da criança ocorrera em circunstâncias misteriosas. Não houve sangue nem resto do feto, e o híbrido indicou para ela que talvez não tivesse havido um aborto. Ele chegou ao seu quarto vestindo uma roupa branca de enfermeiro. “Não se preocupe. Tudo está como devia ser”, disse a ela. Donna protestou, dizendo que um aborto não é como devia ser. Ele colocou a mão na sua cabeça e ela teve uma grande sensação de alívio. Ele então encarou-a nos olhos para ver se ela estava bem. Ele lhe disse que ela era “importante” e necessária para a realização da sua tarefa. Ele estava muito feliz porque eles poderiam continuar a trabalhar juntos.

Ela ficou irritada e perguntou: “Por quê?” Ele disse que havia tantas ramificações que ela não compreenderia completamente. E, além disso, isso lhes dava a oportunidade de ficar juntos. Eles receberam uma “existência especial” juntos; era uma dádiva ele poder vê-la tão freqüentemente. Ele lhe disse que tem uma ligação com ela que não é ativada com outros projetos simultâneos. Donna estava sempre feliz em ver o seu híbrido, e ele lhe disse que também estava feliz em vê-la. Quando eles estavam juntos, falavam de como estavam tão felizes juntos e como ficariam juntos no futuro. As relações sexuais de Donna com seu híbrido diminuíram depois que ela sofreu uma histerectomia, mas ele ainda a visita ocasionalmente. Eles se abraçam e se beijam e até têm alguma atividade sexual, mas isso agora é raro.

Continua na parte 2

Para saber mais:

  1. http://thoth3126.com.br/reptilianos-do-interior-da-terra-os-arquivos-lacerta-parte-i/
  2. http://thoth3126.com.br/nobreza-negra-da-europa-principe-charles-e-descendente-de-dracula/
  3. http://thoth3126.com.br/projeto-serpo-programa-de-intercambio-com-zeta-reticuli-2/
  4. http://thoth3126.com.br/category/reptilianos/
  5. http://thoth3126.com.br/zeta-reticuli-1e-2-o-mapa-estelar-do-sistema-solar-duplo/
  6. http://thoth3126.com.br/dulce-book-conexao-draconiana-reptiliana-capitulo-13/
  7. http://thoth3126.com.br/o-governo-oculto-secreto-nos-eua-ii/
  8. http://thoth3126.com.br/eisenhower-presidente-dos-eua-teve-reunioes-secretas-com-seres-extraterrestres/
  9. http://thoth3126.com.br/tecnologia-de-orion-e-outros-projetos-secretos/
  10. http://thoth3126.com.br/illuminati-revelacoes-de-um-membro-no-topo-da-elite-2a-explosivo/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *