browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A Frota Naval dos Cavaleiros Templários(2), final

Posted by on 10/06/2016

templarios-frota-naval-01

O IMPÉRIO MARÍTIMO, A GRANDE FROTA NAVAL DOS CAVALEIROS TEMPLÁRIOS:

A frota templária perdida é discutida no livro The Temple and the Lodge, de Michael Baigent e Richard Leigh. Eles apontam que os Templários tinham uma enorme frota naval à sua disposição, uma frota que estava estacionada fora de portos franceses e italianos no Mediterrâneo, mas em portos no Atlântico da França, Flandres e Portugal.

No conjunto, a frota templária estava orientada para a operação no Mediterrâneo – mantendo a Terra Santa abastecida com homens, armas e equipamentos, e da importação de mercadorias provenientes do Oriente Médio para a Europa. …

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A FROTA NAVAL DOS CAVALEIROS TEMPLÁRIOS E SEU IMPÉRIO MARÍTIMO, PARTE 2, final

Primeira parte em:  http://thoth3126.com.br/a-frota-naval-dos-cavaleiros-templarios-1/

Fonte: http://greyfalcon.us/The%20Knights%20Templar.htm

Por David Hatcher Childress

O Confronto Final da Ordem dos Cavaleiros Templários

… Ao mesmo tempo, a frota operava no Oceano Atlântico, nesse caso muito mais discretamente e sua base era o porto Templário em La Rochelle, na costa atlântica da França. Comércio intenso foi realizado com as Ilhas Britânicas e, muito provavelmente, com a Liga Hanseática no Mar Báltico. Assim comunidades subordinadas aos Templários (chamadas de Preceptorias na Europa), na Inglaterra e na Irlanda, ficavam geralmente localizadas nas costas marítimas ou em rios navegáveis. 

larochelle1

A principal porta para o Oceano Atlântico para os Templários foi o porto de La Rochelle, na França, construído pela própria Ordem.

A porta Atlântica primária para os Templários foi La Rochelle, que tinha uma boa comunicação com os portos do Mediterrâneo. Tecidos, por exemplo, poderiam ser trazidos da Grã-Bretanha em navios templários para La Rochelle, transportados por terra para um porto francês do Mediterrâneo, como Collioure, carregada a bordo de navios templários novamente e levada para a Terra Santa. Por este meio, foi possível evitar a passagem sempre arriscada através do Estreito de Gibraltar, geralmente controlado pelos sarracenos muçulmanos no lado africano.

Quando a Ordem dos Cavaleiros Templários foi perseguida por Filipe IV da França, a partir de 1307 e que culminou com a queima na fogueira de seu último Grão Mestre (reconhecido assim pelos historiadores) Jacques de Molay, em 1314, os Cavaleiros Templários se tornou uma organização proscrita. Filipe IV de França perseguiu a Ordem por causa de seu poder financeiro e político, mas, para muitos historiadores, a perseguição foi parte do início de uma campanha contínua contra os cristãos hereges, como os cátaros. Na verdade, existe uma grande quantidade de evidências que mostram que os Cavaleiros Templários e os cátaros estavam fortemente aliados.

Os Cavaleiros Templários foram, aparentemente, parte de um movimento secreto para restaurar os reis merovíngios, que descendiam do Sangue Sagrado de Jesus e Madalena em suas veias. A questão é: o que aconteceu com a frota templária depois que eles foram proscritos na Europa? A história “tradicional” nunca teve uma resposta para esta pergunta.

otemplo-ealoja

Para compra do livro acesse o LINK

Baigent e Leigh no seu livro The Temple and the Lodge (O Templo e a Loja) alegam de que a frota templária escapou em massa a partir de vários portos do Mediterrâneo e do norte da Europa e partiu para um destino misterioso, onde eles pudessem encontrar asilo político e segurança. Este destino, em parte, foi a Escócia.

A frota no Mediterrâneo tinha de navegar através do perigoso Estreito de Gibraltar, uma rota perigosa, então provavelmente parou em vários portos portugueses que eram simpáticos aos Templários, como o Castelo de Almourol, perto da cidade de Abrantes. A fortaleza de Almourol foi construída por um Templário, Gualdim Pais, Mestre da Ordem dos Cavaleiros Templários, em 1171.

Baigent e Leigh vão dizer que a frota templária navegou até a costa oeste da Irlanda para os portos seguros em Donegal e Ulster, onde propriedades dos Templários estavam localizadas e o contrabando de armas para Argyll era comum. A frota templária em seguida desembarcou em Argyll, navegando pelo sul das ilhas de Islay e Jura, onde os navios da frota Templária descarregou sua carga e homens que fugiram da perseguição na Europa, nas fortalezas dos templários escoceses de Kilmory,  Castelo Sweet e Kilmartin.

Robert Bruce controlava partes da Escócia, mas não tudo. Porções significativas dos planaltos do norte e do sul escoceses (highlands) ainda eram controladas por clãs que eram aliados com a Inglaterra. Robert Bruce tinha sido excomungado pelo Papa, em 1306, um ano antes da perseguição dos templários começar. Essencialmente, o decreto papal que proibiu os cavaleiros templários não era aplicável, na Escócia, ou pelo menos aos territórios da Escócia que Robert Bruce controlava.

A virada da maré para Robert the Bruce, a Escócia e os Cavaleiros Templários foi a famosa Batalha de Bannockburn, que teve lugar em 24 de junho de 1324. Ao visitar a Escócia, eu saí de Edimburgo para procurar o local da Batalha de Bannockburn. Ele é conhecido por ter ocorrido dentro de quatro quilômetros de distância do Castelo de Stirling.

LaRochelle-portotemplário

Mercadorias poderiam ser trazidos da Grã-Bretanha em navios templários para La Rochelle, transportados por terra para o porto francês dos Templários no Mediterrâneo, como em Collioure, carregado a bordo de navios templários novamente e levada para a Terra Santa e norte da África

Em 24 de junho de 1324, Robert Bruce da Escócia, com aproximadamente 6.000 escoceses milagrosamente derrotou um exército com cerca de 20 mil soldados ingleses. Exatamente o que aconteceu nunca foi realmente registrado. Acredita-se por alguns historiadores que Bruce fez isso com a ajuda de uma força especial (de cavalaria) dos Cavaleiros Templários. Afinal, 24 de junho também é um dia especial para os Cavaleiros Templários, era dia de São João.

Baigent e Leigh dizem em seu livro: “A maioria dos historiadores concorda que o exército escocês era constituído quase que inteiramente de soldados armados com longas lanças, lanças curtas e machados (infantaria). Eles também concordam que somente homens montados nas fileiras escocesas carregavam espadas, e que Bruce tinha poucos homens assim. … ” De repente, no meio da batalha, com as forças inglesas envolvidas em um combate de três a um contra os soldados escoceses, foi atacada por uma carga de cavalaria oriunda detrás das fileiras do campo escocês.

A nova força escocesa de batalha com bandeiras flanando ao vento cavalgou em linha reta para a batalha contra o exército Inglês. As fileiras inglesas quando viram a nova carga escocesa e deram uma olhada para essa nova força foi tomada de puro terror dos novos combatentes, eles literalmente fugiram do campo de batalha, dizem Baigent e Leigh em O Templo e a Loja:

“Depois de um dia de combate que tinha deixado esgotado tanto o exército Inglês assim como o exército escocês  … O pânico varreu as fileiras inglesas. O rei Edward, juntamente com 500 de seus cavaleiros, abruptamente também fugiram do campo de batalha.

templarios-cavalaria-carga

Desmoralizados, os soldados de infantaria Inglês prontamente seguiu a fuga, e a retirada se deteriorou rapidamente em uma derrota inglesa em larga escala, todo o exército Inglês abandonando suas posições, as suas bagagens, seu dinheiro, ouro e prata, armas, armaduras e equipamentos. Mas enquanto as crônicas falam de um abate terrível que se sucedeu, as perdas registradas pelos inglêses de fato não parece ter sido muito grande.

Apenas um conde é dado como morto, apenas 38 barões e cavaleiros nobres Inglêses. O colapso parece ter sido causado não pela ferocidade do ataque escocês, que estava conseguindo resistir, mas simplesmente por puro medo”.

Na verdade, o que provavelmente aconteceu foi que um contingente das forças remanescentes dos Cavaleiros Templários entrou na batalha contra o exército Inglês. Estes veteranos das ferozes batalhas das cruzadas no oriente médio, naquela época e momento, eram como os Boinas Verdes ou as melhores Forças Especiais militar da Idade Média. Todos os combatentes de repente pararam para testemunhar a carga do exército de cavalaria dos muito bem treinados e armados Cavaleiros Templários, em trajes de gala com bandeiras brancas e insígnias da cruz vermelha voando alto acima dos montados Cavaleiros do Graal (Templários).

A provável estratégia por trás desta carga de cavalaria dos Templários para a batalha teria sido o ataque frontal contra o grosso do exército inglês para tentar chegar ao lugar onde estava o Rei Edward da Inglaterra e seus guardas pessoais. Uma vez em batalha com os comandantes do inimigo Inglês, esses experientes veteranos de guerra facilmente derrotariam os cavaleiros do Rei Edward e possivelmente matariam ou capturariam o próprio rei inglês. Como se observa, o rei Edward e seus cavaleiros “especiais” imediatamente fugiram ao testemunhar a carga dos Templários contra às suas posições.

O filme multipremiado com o Oscar, Braveheart (Coração Valente) com Mel Gibson, é concluído, descrevendo esse ataque final dos Cavaleiros Templários e Robert, o Bruce em sua carga contra o rei inglês em Bannockburn.

templarios-cavalaria

Meu amigo Lionel Fanthorpe na sua volta do País de Gales tinha me dito que eu deveria visitar a Templária Rosslyn Chapel, enquanto eu estava perto de Edimburgo, assim que eu fosse em direção ao sul da área da batalha de Bannockburn. Eram apenas cerca de meio-dia quando cheguei na Capela Rosslyn na Hills Lothian, no sul de Edimburgo.

Estacionei o carro e caminhei ao redor da pequena capela muito ornamentada. Era um domingo e havia um culto na igreja acontecendo no seu interior, então eu olhei para algumas das sepulturas no cemitério no lado oeste do edifício. Quando o serviço terminar, um homem alto, magro, com um casaco de tweed esporte saiu da capela e ficou no pátio por um momento.

“Desculpe-me”, eu disse dirigindo-me diretamente a ele, “mas a Capela Rosslyn esta associada com os Cavaleiros Templários?” “Oh, sim, realmente”, disse o homem. “Esta capela foi construída por William St. Clair, um Grão-Mestre da Ordem dos Cavaleiros Templários.”

Ficamos ali por um momento falando sobre a capela e os Cavaleiros Templários, e foi durante esta conversa quando ele me disse que tinha escrito vários livros sobre Rosslyn Chapel, os Cavaleiros Templários, o Santo Graal e a Lança do Destino. “Eu co-escrevi o livro The Mark of the Beast (A Marca da Besta) com Trevor Ravenscroft, “ele disse,”todos esses livros estão para  venda na loja de presentes da capela. “

“Eu li A Marca da Besta”, eu disse. “Você é então Tim Wallace-Murphy?”

“Na verdade eu sou”, admitiu ele, um pouco surpreso que eu sabia quem ele era e que eu tinha lido um de seus livros.

Rosslyn chapel

A Capela de Rosslyn ou Catedral de Rosslyn foi construída em 1446, em Roslin, na Escócia. Foi fundada, por William Sinclair, conde (Earl) de Caithness, com o nome de Collegiate Chapel of St.Matthew. É atravessada pelo meridiano de Paris. Diz a lenda que ela foi construida pelos Cavaleiros Templários para proteger o Santo Graal, que, como se diz, está em baixo da rosa. Rosslyn é a linha rosa original, por isso a tal lenda. Foi popularizada no romance e filme O Código da Vinci pelo autor americano Dan Brown Naturalmente o Santo Graal só pode ser Maria Santíssima, mas santa Maria de Magdala que,com santo Lázaro e santa Marta teriam atingido o sul da França, bem teria chegado lá com as suas relíquias.

“É um prazer conhecê-lo,” eu disse, e nós conversamos um pouco sobre a Batalha de Bannockburn, desde que eu tinha acabado de vir da área do campo de batalha. “A acusação dos Cavaleiros Templários em Bannockburn deve ter sido um grande espetáculo”, disse eu. “Algum dos cavaleiros  Templários foi morto nesta batalha?”

“Não, nenhum só”, disse ele. “O exército Inglês fugiu com medo total dos guerreiros experientes. Nem mesmo um dos cavaleiros Templários foi morto.”

“Bem, esse é o tipo de estatística, que eu gosto”, eu disse. Particularmente, eu me perguntava se esta batalha foi a batalha recíproco para a última posição dos cátaros em Montségur. Em Montségur todos haviam sido mortos; em Bannockburn os Cavaleiros do Graal haviam triunfado completamente e nenhum só homem se perdeu.

Dr. Tim Wallace-Murphy me levou na loja onde ele me mostrou seus outros livros sobre Rosslyn Chapel e sua história. Ele também me contou a história de Rosslyn, que está conectada às Orkney Islands (Ilhas Órcades) e a tomada do Santo Graal levado a América do Norte.

O construtor da Capela de Rosslyn, William St. Clair (Sinclair), era “Jarl” (depois Earl=Conde) o último Sinclair de Orkney, que viveu em meados do século XV. Mestre Earl William, o “Jarldom de Orkney ‘ passou desde a família até a coroa escocesa como parte do dote de Margarida da Dinamarca para seu casamento com o rei Jaime III da Escócia. William não foi apenas o neto do Infante D. Henrique e o último Jarl das Órcades, ele também tinha o título um tanto peculiar de Cavaleiro do Berbigão e do Tosão de Ouro (Knight of the Cockle and the Golden Fleece).

Como o Dr. Wallace-Murphy aponta em seu livro, O Legado dos Templários e da Herança Maçônica dentro de Rosslyn Chapel, Sir William St. Clair era um membro de um grupo secreto que preservou importantes conhecimentos sobre o Santo Graal, o Santo Sangue da dinastia dos reis Merovingios, e o destino do novo (As três Américas) continente através do Atlântico. Wallace-Murphy especula que os Cavaleiros da berbigão e o Velo de Ouro era a Ordem do Graal da qual Sinclair foi possivelmente o último Grão Mestre.

templario-Spiritual-Warrior

Claramente, os Cavaleiros Templários se viam como os herdeiros do conhecimento antigo, que remontava aos tempos pré-diluvio de Atlântida. Eles lutaram por centenas de anos contra o Vaticano e contra o reinado de terror conhecido como a Inquisição da ‘santa” igreja romana. Para os Templários, a verdadeira igreja, que ensinava o misticismo, a gnosis, o feminino sagrado, a reencarnação e as boas obras, estava sendo suprimida por um poder obscuro que se chamava a “única fé verdadeira”. A opressão dessas outras religiões foi feita com os dispositivos familiares do terror, tortura e extermínio em massa.

Será que os Templários procuraram redescobrir e recriar a Atlantida na América? Henry Sinclair de Orkney tinha arriscado tudo para fazer suas viagens através do Atlântico Norte. Se ele tivesse levado o Santo Graal e, possivelmente, até mesmo a Arca da Aliança para a América? Se estas relíquias sagradas ajudaram a impulsionar a criação dos Estados Unidos, uma terra que rosa-cruzes, maçônicos, esotéricos e ocultistas, os pais fundadores, como George Washington, Thomas Jefferson e Benjamin Franklin ajudram a criar, em parte, com os ideais de conhecimento, tolerância e liberdade religiosa dos Cavaleiros Templários?

Segundo historiadores dos Templários como Michael Baigent, Richard Leigh, Henry Lincoln, Andrew Sinclair, Tim Wallace-Murphy, e muitos outros, os Cavaleiros Templários ajudaram a criar uma Escócia independente, então uma “Nova Escócia” no Canadá,para, finalmente, um independente (dos ingleses e do Vaticano) Estados Unidos da América. (n.t. E principalmente, para nós brasileiros, os Cavaleiros Templários criaram o estado de Portugal, pois já detinhm o conhecimento das novas terras à oeste, como a América do Sul e sabiam ser seu destino, através da ordem dos Cavaleiros de Cristo, em Portugal, (re)descobrir o que viria a ser o Brasil…)

Os Cavaleiros Templários nos dias de hoje?

Qual dos Cavaleiros Templários hoje? Embora, aparentemente, a Maçonaria surgiu (capenga) a partir dos Cavaleiros Templários, existem outros grupos sobreviventes?

O “Cavaleiros Templários de Aquário” já existia nos anos 1940 e 50, na Inglaterra, com sede em Canfield Gardens, em Londres, e na ilha de Jersey. O chefe da ordem era um inglês chamado Randall HC-Stevens. Randall-Stevens escreveu vários livros curiosos, incluindo um intitulado As Crônicas de Osíris, e outro intitulado Atlantis os últimos dias, que foi publicado em 1954. Neste livro raro Randall-Stevens discute vários temas, incluindo Atlantis, a Grande Pirâmide, o Templo do Rei Salomão e os Cavaleiros Templários.

templarios-divisa-nonnobisdomine

A literatura atual sobre conspiração recente pintou um retrato negro dos maçons modernos, muitas vezes colocando a culpa de um pesadelo orwelliano da criação de uma Nova Ordem Mundial-New World Order sobre os ombros de uma conspiração maçônica (mas a maçonaria e os maçons, não importa de que “rito” também são meros fantoches…). Grupos renegados Maçônicos homicidas como a “famosa” Loja P-2 organização da Itália fizeram as manchetes mundiais com as suas “operações” envolvendo lavagem de dinheiro pelo Banco do Vaticano e a Máfia. O fato de que muitos “empresários e políticos influentes” também serem maçons  é visto como parte do exclusivo clube dos fantoches dos mestres verdadeiros …

A minha opinião é que, enquanto os maçons foram um poderoso grupo político há cerca de 200 anos, a sua importância hoje em lutas de poder na moderna política é provavelmente exagerada. Além disso, suas doutrinas são muito mal compreendida, especialmente pelos católicos fundamentalistas.

Os Cavaleiros Templários nos seus dias, e posteriormente os maçons revolucionários, eram livres-pensadores que se rebelaram contra os controles artificiais de pensamento ou controles políticos e econômicos impostos pelos controladores do sistema. Os cavaleiros templários perderam sua batalha final e fugiram em massa para a Escócia e Portugal, e possivelmente, rumaram para o Novo Mundo, do qual tinham conhecimento prévio. Os maçons descendentes da Guerra Revolucionária da Escócia contra a Inglaterra e os rosacruzes de ascendência alemã e holandesa conseguiram derrotar a Coroa Britânica e rechaçar a invasão do Vaticano (em forma da Espanha monárquica) ao mesmo tempo.

Lutas de poder entre as facções religiosas, raciais e políticas ocorreram desde o início da história. A história registra que os Cavaleiros Templários, e mais tarde os maçons, representavam a liberdade filosófica e política. É difícil acreditar que os pais fundadores da América, praticamente todos membros de sociedades secretas ligadas aos Cavaleiros Templários, foram tentar criar uma nação que era para ser levada mais tarde (hoje) para um estado policial estilo Nova Ordem Mundial. 

Em vez disso, eles estavam tentando criar uma nação com salvaguardas especiais contra uma tal possibilidade. Os freios e contrapesos, garantias de liberdades e direitos inalienáveis são parte do plano para uma “nação sob Deus” verdadeiro – uma sociedade utópica onde todos os cidadãos possam viver em paz e liberdade.

No entanto, não vamos ser enganados. Existe o Cristo e também existe o Anti-Cristo. Há o Buda e há o anti-Buda, e há a Novus Ordo Seclorum, e o Anti-Novus Ordo Seclorum. Todas as profecias nos lembram que uma idade de ouro, uma vez existiu no passado, e uma nova era de ouro está prestes a se materializar logo ali, ao dobrarmos a esquina. Como devemos chamar esta nova era de luz?

entopan-fimdeciclo-serpentedefogo

De acordo com a doutrina arcana e hermética, de muitos profetas, bem como os Cavaleiros Templários, as mudanças na Terra vão destruir muitas terras, incluindo a Europa, enquanto novas terras vão se erguer dos oceanos, nos oceanos Atlântico e Pacífico. Novos países, criados por novos pioneiros, vão ocupar estas novas terras. Essas mesmas pessoas vão escapar da devastação acontecendo em seus próprios países. Talvez a nova idade de ouro ainda esteja por vir, e possa ocorrer em uma terra que ainda não está presente no planeta (n.t. Essa nova ”terra”, desde cedo vislumbrada pelos Templários é o Planalto Central do Brasil, mas esta é uma nova história…).

  1. Holy Blood, Holy Grail, de Michael Baigent, Richard Leigh e Henry Lincoln, 1982, Johnathan Cabo, Londres (publicado no Reino Unido como O Sangue Santo eo Santo Graal).  
  2. A Herança Messiânica, Michael Baigent, Richard Leigh e Henry Lincoln, 1985, Johnathan Cabo, Londres. 
  3. O Templo e a Loja, Michael Baigent e Richard Leigh, 1989, Johnathan Cabo, Londres. 
  4. Emerald Cup – Arca de Ouro, o coronel Howard Buechner, 1991, Thunderbird Press, Metairie, LA. 
  5. Os segredos de Rennes-le-Chateau, Lionel & Fanthorpe Patricia, 1991, Livros Bellevue, Londres. 
  6. A História dos Cavaleiros Templários, Charles G. Addison, 1842, em Londres. 
  7. A História das Sociedades Secretas, Arkon Daraul, 1962, Citadel Press, NY. 
  8. Os Mistérios da Catedral de Chartres, Louis Charpentier, 1975, Avon Books, Nova York, 1966, Robert Lafont, Paris. 
  9. Santo Graal outro lado do Atlântico, Michael Bradley, 1988, Hounslow Press, Willowdale, Ontário. 
  10. O Despertar dos Mágicos, Jacques Bergier e Louis Pauwels, 1960, Stein & Publishers Dia, Nova York. 
  11. Príncipe Henry Sinclair, Frederick Pohl, 1974, Clarkson Potter Publishers, New York. 
  12. A Espada e o Graal, Andrew Sinclair, 1992, Crown, Nova York. 
  13. O Legado dos Templários e da Herança Maçônica Dentro de Rosslyn Chapel, Tim Wallace-Murphy, 1993, Amigos de Rosslyn, Rosslyn, na Escócia. 
  14. O Legends Glastonbury, RF Treharne, 1967, Livros Esfera, em Londres. 
  15. São José de Arimatéia em Glastonbury, Lionel Smithett Lewis, 1922, James Clark & Co., Cambridge. 
  16. GENISIS, David Wood, 1986, Tunbridge Wells, no Reino Unido 
  17. Os Templários, os Cavaleiros de Deus, de Edward Burman, 1986, Destiny Books, Rochester, Vermont. 
  18. Os Druidas, Stuart Piggott, 1967, Thames and Hudson, London. 
  19. Atlantis para os últimos dias, HC Randall-Stevens, 1957, Os Cavaleiros Templários de Aquário, em Londres. 
  20. A busca pela Pedra do Destino, Pat Gerber, 1992, Canongate Press, Edimburgo. 

Este artigo foi extraído da Introdução ao livro recentemente reeditado de 1842, A História dos Cavaleiros Templários, por Charles G. Addison.

Saiba mais sobre os Templários em:

  1. http://thoth3126.com.br/category/templarios/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

Thoth-flordavidahttp://thoth3126.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *