browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

AGHARTA – 6 e 7 – Conclusão

Posted by on 21/05/2016

smoky_god-livro

Livro “The Smoky God” ou Uma Viagem ao Mundo Interior do reino de AGHARTA – 6ª e 7ª PARTES: CONCLUSÃO

Temo que essa história aparentemente incrível, que eu vou relatar será considerada como o resultado de um intelecto distorcido e superexcitado, pelo glamour de desvendar um mistério maravilhoso, mais do que um registro verdadeiro das experiências     incomparáveis  ​​relatadas pelo pescador norueguês  Olaf Jansen, cuja eloquente loucura então apelou para a minha imaginação em que todo pensamento e crítica analítica foram efetivamente dissipados pela beleza da sua História …

“Aquele que controla os outros pode ser poderoso, mas aquele que domina a si mesmo é mais poderoso ainda.” Lao Tsé, 600 a.C./531 a.C.(Filósofo chinês, fundador do Taoísmo, escreveu o Tao Te Ching)


Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

“The Smoky God, or A Voyage Journey to the Inner Earth“, é um “romance” publicado em 1908 por Willis George Emerson, que o apresenta como um relato verdadeiro de um marinheiro norueguês chamado Olaf Jansen, e explica como o saveiro dele navegou através de uma entrada no polo norte para o interior da Terra onde ele entrou em contato com uma outra civilização.

Fontehttp://www.ourhollowearth.com/PartSix.htm

PARTE VI E VII: Conclusão

Ao concluir esta história das minhas aventuras, gostaria de afirmar que acredito firmemente que a nossa ciência ainda está em sua infância sobre a cosmologia da Terra (n.t. lembrar que a história se passa em torno de 1875)

Há tanta coisa que ainda é obscurecida pelo conhecimento “aceito” no mundo de hoje, e sempre permanecerá assim até que a terra de “The Smoky God”(Agharta) seja conhecida, descoberta e reconhecida pelos nossos geógrafos.

agharta-polonorte-entrada

Foto de satélite da entrada para a terra interior, no polo norte.

Partes anteriores em:

  1. http://thoth3126.com.br/the-smoky-god
  2. http://thoth3126.com.br/agharta-2-a-historia-de-olaf-jansen/
  3. http://thoth3126.com.br/agharta-3-alem-do-vento-norte/
  4. http://thoth3126.com.br/agharta-4-no-mundo-no-interior-da-terra/
  5. http://thoth3126.com.br/agharta-5-entre-imensos-blocos-de-gelo/

É a Terra de onde vieram as grandes toras de cedro que foram encontradas por exploradores em águas abertas distante ao longo da borda norte da crosta terrestre, e também os corpos de mamutes cujos ossos são encontrados em grandes camadas congelados na costa da Sibéria.

Vários exploradores do Polo Norte já fizeram muito. Sir John Franklin, De Haven Grinnell, Sir John Murray, Kane, Melville, Hall, Nansen, Schwatka, Greely, Peary, Ross, Gerlache, Bernacchi, Andree, Amsden, Amundson e outros foram todos se esforçando para invadir a cidadela congelada de mistério das regiões do Norte.

Acredito firmemente que Andree com dois bravos companheiros, Strindberg e Fraenckell, que navegaram a bordo do balão “Oreon” da costa noroeste de Spitsbergen numa tarde de domingo de 11 de Julho de 1897, estão agora “dentro” do mundo interior (em Agharta), e sem dúvida estão sendo entretidos como meu pai e eu fomos entretidos pela raça gigante de bom coração que habita o Continente no interior da Terra.

Tendo, na minha maneira humilde, dedicado muitos anos a estes problemas, estou bem familiarizado com as definições aceitas das leis da gravidade, bem como a causa da atração da agulha magnética na bússola, e eu estou preparado para dizer que é minha firme convicção de que a agulha numa bússola é influenciada unicamente por correntes eletromagnéticas que envolvem completamente a terra como um manto, e que essas correntes elétricas em um circuito sem fim passam para fora do extremo sul das aberturas no cilindro da Terra, difundindo e espalhando-se por toda a superfície “de fora”, o nosso mundo conhecido, e correndo loucamente em seu curso em direção ao Pólo Norte. 

torus

Um tórus, um modelo de campo eletromagnético com seus dois pólos

E enquanto estas correntes aparentemente saem correndo para o espaço na curva da Terra ou na sua borda, mas elas voltam a cair novamente para a superfície “dentro” e continuam o seu caminho para o sul ao longo do interior da crosta terrestre, para a abertura do chamado Pólo Sul. (1)

1″Mr. Lemstrom concluiu que uma descarga elétrica, que só pode ser vista por meio do espectroscópio estava ocorrendo na superfície do solo ao seu redor, e que a partir de uma distância que parece como uma exibição fraca de Aurora, os fenômenos de luz pálida e  flamejante (auroras boreais) são algumas vezes vistos no topo das montanhas do Spitzbergen. ” – O Manual do Ártico, página 739.

Quanto à gravidade, ninguém sabe o que é (n.t. isso no final do século XIX), porque não foi determinado se é a pressão atmosférica que faz com que a maçã caia, ou se, 150 milhas abaixo da superfície da terra, supostamente um meio caminho através da crosta terrestre existe alguma poderosa atração magnetita que a atrai. Portanto, se a maçã, quando deixa o ramo da árvore, é puxada ou impelida para baixo para o ponto de resistência mais próximo, ainda é desconhecido para os alunos da física.

Aurora azul intenso

Aurora Boreal, fenômeno luminoso que ocorre em ambos os polos (no sul é aurora austral)

Sir James Ross afirmou ter descoberto o pólo magnético em cerca de setenta e quatro graus de latitude norte. Isso é errado – o pólo magnético é exatamente a metade da distância através da crosta terrestre. Assim, se a crosta terrestre tem 300 milhas de espessura, que é a distância que eu estimo que seja, então o pólo magnético esta, sem dúvida 150 milhas abaixo da superfície da terra, não importa onde o teste seja feito. 

E, neste ponto específico 150 milhas abaixo da superfície, a gravidade da superfície cessa, torna-se neutralizada; e quando passamos para além desse ponto em direção à superfície para “dentro” da terra “interior”, uma atração inversa aumenta geometricamente em poder, até que outras 150 milhas de distância sejam percorridas, o que nos levaria para o (continente no) “interior” da Terra.

Assim, se um buraco for perfurado para baixo através da crosta terrestre, em Londres, Paris, Nova York, Chicago ou Los Angeles, a uma distância de 300 milhas, ele conectaria as duas superfícies (e civilizações, a interna e a nossa, de superfície). Enquanto a inércia e o impulso de um peso caindo desde a superfície “externa” o levaria muito além do centro magnético, ainda, antes de chegar à superfície de “dentro” da terra ele iria diminuir gradualmente sua velocidade, depois de passar a meio ponto do caminho, para finalmente, fazer uma pausa, parar sua queda e imediatamente “cair” de volta para a superfície “de fora”, e continuar assim a oscilar, como o balanço de um pêndulo com o poder removido, até que ele finalmente iria descansar no centro magnético, ou nesse ponto específico exatamente na metade da distância entre a superfície “exterior”, e a superfície “interior” da terra.

A rotação da Terra em seu ato diário de rodopiar em seu movimento em espiral – a uma taxa maior do que mil milhas por hora, ou cerca de 17 milhas por segundo – faz dela um vasto corpo de geração de eletricidade, uma máquina (dínamo) enorme, um poderoso protótipo do franzino dínamo feito pelo homem, que, na melhor das hipóteses, é apenas uma imitação fraca do original elaborado pela natureza.

Os vales deste Continente da “terra interior” (Agharta), na fronteira com as águas superiores do norte mais distante fica coberto com as mais belas e exuberantes flores da primavera. Nem centenas e milhares, mas em milhões de hectares, dos quais o pólen das flores são espargidos para longe, em quase todas as direções por giros em espiral da terra e da agitação do vento daí resultante, e são essas flores ou o pólen dos vastos prados florados  da terra “interior” que produzem as neves coloridas das regiões árticas que tanto tem mistificado os primeiros exploradores do norte. (2)

agharta-MAP of Inner Earth

(2)Kane, vol. I, página 44, diz: “Nós passamos dos penhascos vermelhos” de Sir John Ross na manhã de 05 de agosto. As manchas de neve vermelha de que derivam o seu nome podiam ser vistas claramente a uma distância de 10 milhas da costa.”

La Chambre, em um registro da expedição de balão de Andrée, na página 144, diz: “Na ilha de Amesterdã, a neve é ​​tingida de vermelho por uma distância considerável, e os sábios estão coletando-a para examiná-la microscopicamente. Ela apresenta, de fato, certas peculiaridades; acredita-se que essa neve contém muitas plantas pequenas (micro-organismos). Scoreby, o famoso baleeiro, já havia comentado sobre isso. “.

Além de qualquer pergunta, essa nova terra “interior” é o lar, o berço, da raça humana, e analisada do ponto de vista das descobertas feitas por nós, tem necessidade de ter uma influência mais importante sobre tudo que físico, paleontológico, arqueológico, filológica e as teorias mitológicas da antiguidade em nossa civilização “externa”, na superfície.

A mesma idéia de “retornar” para uma terra de mistérios – para o início, para a origem (a inocência) do homem – é encontrada em tradições egípcias das regiões terrestres anteriores dos deuses, heróis e homens, a partir dos fragmentos históricos de Manetho, totalmente verificados pelos registros históricos retirados das escavações mais recentes de Pompéia, bem como das tradições dos índios norte-americanos.


Agora é uma hora da madrugada – o novo ano de 1908 está aqui, e este é o terceiro dia do mesmo, tendo por fim terminado o registro de minhas viagens e estranhas ao mundo da “terra interior”. Desejo da-la ao mundo, eu estou pronto, e mesmo sentindo saudade, para o meu descanso tranquilo que estou certo vai se seguir as provações da vida e suas vicissitudes. 

abertura-agharta-polo-norte

Estou velho em anos, e maduro tanto com as minhas aventuras e com as tristezas, ainda que muito enriquecido com os poucos amigos que tenho, em amizades cimentadas por mim em minhas lutas para levar uma vida justa e vertical. Como uma história que foi contada uma noite inteira, a minha vida está desaparecendo. O pressentimento é forte dentro de mim de que eu não viverei para ver o nascer de outro dia de sol. Assim, posso concluir a minha mensagem. Olaf Jansen.

PARTE SETE: Posfácio do Autor Willis George Emerson:

Eu encontrei muita dificuldade em decifrar e editar os manuscritos de Olaf Jansen. No entanto, eu tomei a liberdade de reconstruir apenas algumas poucas expressões, e ao fazer isso de nenhum modo alterei o espírito ou o seu significado. O texto original não foi nem acrescido nem retirado de suas partes originais.

É impossível para mim expressar minha opinião quanto ao valor ou a confiabilidade dos relatos das histórias maravilhosas feitas por Olaf Jansen. A descrição dada aqui das terras estranhas visitadas e das pessoas encontradas por ele, a localização das cidades, os nomes e as direções dos rios, e outras informações aqui combinadas, obedecem, em todos os sentidos, para os desenhos brutos confiados para minha custódia por este antigo homem dos mares do norte, cujos desenhos juntamente com o manuscrito é minha intenção em alguma data posterior dar para o Smithsonian Institution, para preservação em benefício daqueles interessados ​​nos mistérios das “terras mais distantes do Norte” – o círculo de silêncio congelado no Ártico. 

almirante-byrd

O Almirante da Marinha dos EUA, RICHARD EVELYN BYRD (25/10/1888 – 11/03/1957) Almirante da Marinha dos EUA foi um aviador, pioneiro e explorador dos dois polos, que sobrevoou o Pólo Norte em 9 de maio de 1926, e dirigiu numerosas expedições à Antártida, sobretudo um vôo sobre o Pólo Sul em 29 de novembro de 1929. Foram cinco suas expedições ao continente austral/Antártida, entre a primeira em 1929 e a última em 1956. Entre 1946 e 1947, levou adiante a grande operação chamada HighJump (que visava expulsar alemães remanescentes do nazismo de uma base alemã do pólo sul-Neuschwabenland), durante a qual descobriu e cartografou 1.390.000 km2 de território antártico. Em 1955 realizou a expedição Deep Freeze também na Antártica, tendo voado pela última vez sobre o polo austral em 1956. Este homem também esteve no ‘REINO DA TERRA INTERIOR”.

Sobre outras “visitas” ao reino de AGHARTA, acesse:

  1. http://thoth3126.com.br/monte-shasta-outra-visita-a-terra-interior/
  2. http://thoth3126.com.br/monte-shasta-outra-visita-a-terra-interior-parte-2/
  3. http://thoth3126.com.br/monte-shasta-outra-visita-a-terra-interior-parte-3-final/
  4. http://thoth3126.com.br/agharta-o-mundo-intra-terreno-em-nosso-planeta/
  5. http://thoth3126.com.br/agharta-e-o-almirante-richard-e-byrd/
  6. http://thoth3126.com.br/aghartatelos-uma-cidade-subterranea-sob-o-monte-shasta/
  7. http://thoth3126.com.br/agharta-o-mundo-intra-terreno-em-nosso-planeta/
  8. http://thoth3126.com.br/aghartha-o-reino-da-terra-interior/
  9. http://thoth3126.com.br/o-reino-de-agharta-visto-pela-federacao-galactica/
  10. http://thoth3126.com.br/aghartha-e-area-51-um-visitante-na-terra-interior/

É certo que há muitas coisas na literatura védica, em “Josephus,” em “Odyssey,” a “Iliad,” Terrien de Lacouperie’s “Early History of Chinese Civilization,” Flammarion’s “Astronomical Myths,” Lenormant’s “Beginnings of the History,” Hesiod’s “Theogony,” Sir John de Maundeville’s writings, e Sayce’s “Records of the Past,”, que, para dizer o mínimo, estão estranhamente em harmonia com o texto aparentemente incrível encontrado no manuscrito amarelo do antigo homem nórdico, Olaf Jansen, e que agora, neste ano de 1908, pela primeira vez é dada ao mundo. FIM

Saiba mais em:

  1. http://thoth3126.com.br/brasilia-jk-akhenaton-eo-egito/
  2. http://thoth3126.com.br/geometria-sagrada-a-flor-da-vida-e-a-linguagem-da-luz/
  3. http://thoth3126.com.br/a-conexao-terramaldekmarte-em-gize-cydonia-e-teotihuacanmirador/
  4. http://thoth3126.com.br/vietnam-gigantesca-caverna-descoberta/
  5. http://thoth3126.com.br/grand-canyon-misterios-de-uma-imensa-caverna-revelados/
  6. http://thoth3126.com.br/pedra-da-gavea-uma-esfinge-no-brasil/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth(172x226)http://www.thoth3126.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *