browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

América Latina prefere a China do que EUA e Europa

Posted by on 05/02/2015

dragao-china

América Latina prefere apostar na China do que nos EUA

Empenhada no desenvolvimento econômico e combate à exclusão social, a América Latina está apostando na CHINA, em detrimento dos parceiros tradicionais, os EUA e os países da União Europeia.

Este é um dos resultados da III Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) realizada em Janeiro, nos dias 28 e 29, na Costa Rica.

Edição e imagens:  Thoth3126@gmail.com

Países da América Latina preferem apostar nas suas relações com a CHINA do que nos EUA e Europa.

Por Natalia Kasho

Fontehttp://portuguese.ruvr.ru/

Realizada nos dias 28 e 29 de janeiro, em San José, Costa Rica, a reunião contou com a participação de 33 países da região, a maioria deles representados ao mais alto nível. Em particular, a cúpula mostrou-se favorável à criação de novas plataformas de diálogo coletivo e cooperação com a RÚSSIA e a ÍNDIA.

San José - Costa Rica. 28/01/2015. Presidenta Dilma Rousseff durante 2ª Sessão Plenária da III Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC). Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

28/01/2015- San José- Costa Rica- Foto oficial durante III Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC). Foto: Roberto Stuckert Filho/ PR

A América Latina já possui um mecanismo similar para com a CHINA. O Foro CELAC-CHINA ainda não fez o seu primeiro ano, mas a região deposita nele suas esperanças para a recuperação econômica e o combate à pobreza, o que foi comprovado na cúpula de San José ao abordar a elaboração de uma estratégia de cooperação com a CHINA.

Um dos objetivos desta, denominada Plano de Cooperação, consiste em duplicar o comércio bilateral, elevando-o nos próximos dez anos para US$ 500 bilhões de dólares. A meta tinha sido proposta pelo presidente da CHINA, Xi Jinping, em 9 de janeiro, na I Reunião dos Chanceleres do Foro CELAC-CHINA, em Pequim, e apoiada pela cúpula costa-riquense.

A CHINA irá investir na região US$ 25 bilhões de dólares anuais durante os próximos dez anos. As principais áreas de cooperação serão a energia, infraestrutura e inovação.

canal-interoceanico-nicaragua02

Projeto de construção (US$ 40 bilhões) de um novo canal entre os oceanos Atlântico e Pacífico na Nicarágua, é um dos maiores investimentos da China na América Latina.

A CHINA faz recuar de maneira eficaz os EUA e a UE, seus principais competidores nos mercados na América Latina, destacou Piotr Yakovlev, perito do Instituto da América Latina da Academia das Ciências da RÚSSIA, ao referir-se aos resultados mais relevantes da III Cúpula da CELAC:

“Presenciamos, em termos gerais, o início de um novo tempo político nas relações entre a CHINA e a América Latina. Estamos testemunhando uma grande reviravolta geopolítica, quando a CHINA se volta de cara à América Latina e esta lança o desafio aos Estados Unidos, consciente das possibilidades objetivas dos EUA e da Europa se tornarem limitadas no mercado latino-americano e continuarem se reduzindo de ano para ano”.

O Plano de Ação, principal documento final da cúpula costa-riquenha, realizada sob o lema “Construindo Juntos”, assume o compromisso de proporcionar um avanço significativo ao relacionamento da CELAC com a RÚSSIA e a ÍNDIA.

celac-china-dilmabachelet

A presidente Dilma Rousseff com a colega Michelle Bachelet, do Chile, na quinta-feira, 29 de janeiro, na cúpula da CELAC (Foto: Reuters/Juan Carlos Ulate)

Para este efeito, a cúpula propôs, em particular, promover novos mecanismos de cooperação coletiva, similares ao Foro CELAC-CHINA. De acordo com Piotr Yakovlev, esta iniciativa está fadada ao sucesso:

“A RÚSSIA e a ÍNDIA vieram a ser atores bastante importantes do mercado latino-americano, tanto política quanto economicamente. A América Latina está procurando hoje diferentes oportunidades para diversificar suas relações externas, sem se centrar já apenas nos Estados Unidos e na Europa”.

Vê com toda a razão a RÚSSIA e a ÍNDIA como uma alternativa, como parceiros promissores e importantes no desenvolvimento, sobretudo, das relações econômicas e comerciais. Mas também na manutenção de um certo diálogo político, porque há identidade ou semelhança dos pontos de vista sobre uma série de grandes problemas globais”.

brics-bandeiras

Os chamados países que integram o grupo conhecido como BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) parece começar a ter maior relevância para os países da América Latina.

A III Cúpula da CELAC tem refletido um aumento indiscutível da influência dos países latino-americanos e caribenhos no mundo. Este é, talvez, o seu principal resultado.

Mais informações em:

  1. http://thoth3126.com.br/o-brasil-esta-a-venda-e-a-china-compra/
  2. http://thoth3126.com.br/china-investe-pesado-na-a-latina-e-brasil/
  3. http://thoth3126.com.br/russia-e-china-assinam-acordo-de-400-bilhoes/
  4. http://thoth3126.com.br/russia-e-china-abandonam-o-dolar-americano/
  5. http://thoth3126.com.br/canal-na-nicaragua-russia-e-china-desafia-os-eua/
  6. http://thoth3126.com.br/china-um-golpe-de-estado-no-mercado-mundial-de-ouro/
  7. http://thoth3126.com.br/china-passa-a-controlar-campos-de-petroleo-e-gas-dentro-dos-eua/
  8. http://thoth3126.com.br/china-abre-caminho-para-o-oriente-medio-e-europa/
  9. http://thoth3126.com.br/chinag-77-discutem-uma-nova-ordem-mundial/
  10. http://thoth3126.com.br/china-construira-linha-de-trem-de-alta-velocidade-entre-moscou-e-pequim/
  11. http://thoth3126.com.br/china-espiona-e-rouba-segredos-dos-eua/
  12. http://thoth3126.com.br/china-se-prepara-militarmente/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth-escribawww.thoth3126.com.br

3 Responses to América Latina prefere a China do que EUA e Europa

  1. Manuel

    E faz muito bem, A China está ajudando a derrubar a cabala.

  2. Ed

    A Amérdica Lat(r)ina está tirando a máscara.
    Com tantos governos esquerdumes não poderia ser diferente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *