browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

China: um exemplo de Amor incondicional pela Vida…

Posted by on 26/04/2015

Mulher chinesa de 88 ANOS já SALVOU mais de 30 BEBÊS abandonados nas ruas e em meio ao lixo. 

Mesmo que eu esteja ficando velha, eu simplesmente não podia ignorar aquele bebê e deixar ele morrer no MEIO DO LIXO. Ela olhava tão doce e tão necessitada que tive que leva-la para casa comigo

Percebi que se tinha força o suficiente para coletar lixo, como não poderia reciclar algo tão importante quanto vidas?, questiona ela. Lou, que tem apenas uma filha biológica, de 49 anos, dedicou sua vida desde então a cuidar de bebês abandonados. 

Tradução e edição: Thoth3126@gmail.com

Mulher chinesa de 88 ANOS já SALVOU mais de 30 BEBÊS abandonados nas ruas e em meio ao lixo. 

Fontehttp://www.dailymail.co.uk/

Último filho de Lou, Zhang Qilin, de 7 anos, foi achado por ela em uma lixeira. Seu EXEMPLO comoveu o país, onde muitas crianças (na maioria meninas) são deixadas nas ruas e nos depósitos de lixo para morrerem.

Uma mulher chinesa de 88 anos ficou conhecida em todo a CHINA por ter salvado a vida de mais de 30 crianças abandonadas nas ruas de Xinhua, na província de Zhejiang, e de ter criado várias delas com seu trabalho de reciclagem de lixo.

Lou Xiaoying, que sofre de insuficiência renal e hoje esta hospitalizada, recolheu as primeiras quatro crianças quando ainda estava com o marido, que morreu há 17 anos (quando ela já tinha 71 anos de idade).

Lou Xiaoying, que sofre de insuficiência renal e hoje esta hospitalizada.

Desde então, ela recolheu outras dezenas de bebês, que repassou a parentes e amigos para que pudessem adotá-los, segundo o “Daily Mail”.  O filho mais novo, Zhang Qilin, que tem 7 anos, foi achado numa lixeira por Lou quando ela tinha já 82 anos.

Uma lição de AMOR INCONDICIONAL: uma mulher chinesa Lou Xiaoying, hoje com 88 anos, que tirou das ruas mais de 30 recém-nascidos (Foto: Reprodução / Daily Mail)

“Mesmo que eu esteja ficando velha, eu simplesmente não podia ignorar aquele bebê e deixar ela morrer no MEIO DO LIXO. Ela olhava tão doce e tão necessitada que tive que leva-la para casa comigo, disse ela. Segundo a chinesa, os filhos mais velhos ajudaram a tomar conta de Qilin, que foi batizada com uma palavra em chinês que significa algo raro e precioso” (a vida humana).

Lou conta que tudo começou quando encontrou o primeiro bebê, uma menina, quando estava coletando lixo em 1972, abandonada na rua. “Vê-la crescer e se tornar forte nos deu tanta alegria que eu percebi que tinha um verdadeiro amor por tomar conta de crianças.

Acima: Lou à esquerda toma conta dos bebês junto com o seu marido, Li Zin. Alguns bebês ela deu para parentes e amigos após serem resgatados e cuidados por ela e sua família.

Percebi que se tinha força o suficiente para coletar lixo, como não poderia reciclar algo tão importante quanto vidas?, questiona ela. Lou, que tem apenas uma filha biológica, de 49 anos, dedicou sua vida desde então a cuidar de bebês abandonados.  O exemplo da mulher chinesa se espalhou pelo país, onde milhares de bebês são abandonados nas ruas por pais atingidos pela pobreza.

O Infanticídio de crianças não planejadas ainda é um problema grave em algumas áreas rurais da China, mas é raro em cidades, onde os pais costumam abandonar as crianças, mas não matá-las.

O destino de bebês tem horrorizado a China. Uma criança, uma menina recém nascida foi descoberta quando um transeunte foi jogar um saco de lixo no depósito de lixo e viu o que ele pensava ser um bebê morto dentro de um saco.

Ele disse à polícia que a criança estava roxa e não tinha se movido até que ele examinou o saco de lixo e seu conteúdo mais de perto. Um morador que presenciou a menina sendo levada para o hospital, disse: Ela ainda estava respirando e tinha um fraco batimento cardíaco. O sangue do seu ferimento tinha banhado todo o seu corpo.

Os médicos disseram que, se o bebê tivesse sido deixado no saco mais alguns minutos ela teria morrido de asfixia e já teria sido afetada pela falta de oxigênio, devido a sua cor já roxa. Eles disseram que o bebê havia nascido prematuro e tinha, provavelmente, entre 32 e 34 semanas de idade e pesando apenas 1,4 kg.

Um médico disse que se o corte do ferimento tivesse sido feito apenas com um milímetro de profundidade a mais e o bebê teria morrido.

PREVENÇÃO DE MAIS DE 400 milhões de nascimentos na CHINA com a polêmica Lei de Controle da natalidade:

NO AVISO na foto acima ESTA ESCRITO: “É proibido discriminar, maltratar ou abandonar MENINAS !!!”

“A  controversa política oficial do governo chines para o planejamento do nascimento de crianças”  foi introduzido em 1978 para reduzir a tensão sobre a crescente população do país e reduzir a pressão sobre os recursos naturais.

Ele restringe oficialmente casais urbanos casados,  de ter apenas um filho/filha e aqueles que quebram as regras têm que pagar uma multa ou taxa. Aqueles que seguem as regras geralmente recebem um certificado e podem se beneficiar financeiramente, como receber o salário de um mês adicional a cada ano, até que a criança complete 14 anos.

A política permite isenções em alguns casos – incluindo casais rurais, casais sem irmãos de ambos os lados, e as minorias étnicas. Residentes de Hong Kong e Macau estão isentos da política, assim como são os estrangeiros que vivem na China.

Certas partes rurais do país permitem aos casais ter um segundo filho se o primeiro a nascer é uma menina, mas muitos pais se sentem pressionados para produzir um herdeiro e acabam abandonando as meninas. Se a segunda criança é também uma menina, nenhuma criança mais é permitida. É extremamente raro na CHINA se encontrar uma família que tenha dois filhos.

O Dragão ateu chinês tem sérios problemas na sua relação com a energia feminina.

O governo chinês afirma que a política provavelmente impediu mais de 400 milhões de nascimentos e, em 2010, foi relatado que, para cada 120 meninos nascidos havia 100 meninas. Críticos dentro da própria China e ao redor do mundo condenaram a política de controle da natalidade e acusam o governo chines de impor o aborto.

Apesar do fato de que é ilegal matar bebês recém-nascidos no país, o infanticídio feminino e a falha em relatar nascimentos femininos é muito suspeita, especialmente em áreas rurais.

Uma conferência internacional sobre os direitos humanos, realizada 10 anos antes que a política fosse introduzida, proclamou: “Os pais têm o direito humano básico de determinar livre e responsavelmente o número e o espaçamento do nascimento de seus filhos“.

Apesar disso, uma pesquisa  independente de 2008 informou que 76 por cento da população chinesa apoiou a política.

Follow us: @MailOnline on Twitter | DailyMail on Facebook

Permitida a reprodução desde que respeite a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Comentários estão fechados.