browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

As catedrais (Templárias) da França dedicadas à “Virgem”

Posted by on 21/09/2016
catedral-chartres-labirinto

Labirinto em Chartres

As catedrais do norte da França construídas pelos Cavaleiros Templários foram dedicadas ao Sagrado Feminino, à “Virgem”, à energia criativa da deusa.

Um princípio esotérico, ocultista, hermético, é a Lei da Correspondência que declara que: “Verum sine mendacio, certum et verissimum: Quod est inferius est sicut quod est superius, et quod est superius est sicut quod est inferius” (“É verdade, sem mentira, certo e muito verdadeiro: O que está embaixo é como o que está em cima e o que está em cima é como o que está embaixo”.)

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

As catedrais Templárias do norte da França dedicadas ao poder Feminino criativo da deusa

Fonte: http://www.halexandria.org

O autor Laurence Gardner [1] comparou a constelação de estrelas no signo da Constelação de Virgem com a localização das catedrais dedicadas a “Notre Dame” (a Nossa Senhora – Nossa Dama, ao Sagrado FEMININO) da França:

“As catedrais foram todas construídas muitas ao mesmo tempo, embora algumas levassem mais de um século para se completar em seus vários estágios. A Catedral de Notre Dame, em Paris, foi iniciada em 1163, Notre Dame de Chartres em 1194, Reims em 1211, e Amiens em 1221. Outras catedrais da mesma época foram as de Bayeux, Abbeville, Rouen, Notre Dame de Laon, Evreux, e Etampes.

chartres-catedral-davi-melkisedek

Esquerda, o Rei David do Velho Testamento (Janela do Norte) – Centro: frente da Catedral de Chartres, direita: Portão Ocidental da Catedral de Chartres – Melquisedeque, rei de Salém (Portão norte)

Em conformidade com o princípio hermético O que está embaixo é como o que está em cima e o que está em cima é como o que está embaixo, o rés-do-chão combinado das catedrais (Notre Dames) replica a constelação de VIRGEM desde o céu na Terra”[ Ênfase adicionada]

Ainda mais fascinante é o fato de que muitas destas catedrais dedicadas a Notre (ao FEMININO) Dame e outras catedrais foram construídas contendo labirintos de vários modelos e tamanhos em seus interiores. Estes labirintos foram derivados de uma forma arquetípica encontrada em todo o mundo e que remonta a milhares de anos. Eles tipicamente empregam um percurso não linear que passam através de vários segmentos de uma maneira não sequencial. Como uma forma (geometrica) decididamente sagrada, na medida em que vinte e duas das oitenta catedrais góticas projetadas e construídas nos tempos medievais contém labirintos alojados no seu interior[2].

Uma questão relevante pode envolver as razões para que os construtores das catedrais incorporassem labirintos como um dispositivo decididamente sagrado e, em vários casos dedicadas a Notre Dame. Esta página tentará sugerir algumas respostas para esta pergunta. Para tanto, irá incluir material sobre:

  1. a reação à construção dos labirintos pelo clero da Igreja Católica (os responsáveis posteriores pela preservação das catedrais em toda a sua glória);
  2. a conexão entre Notre Dame ( “Nossa Senhora”, o sagrado FEMININO) e uma grande variedade das religiões e tradições antigas;
  3. uma correlação precisa entre as cidades francesas e suas catedrais góticas e templárias e as principais estrelas mais brilhantes selecionadas da Constelação de VIRGEM;
  4. uma amostragem dos labirintos que uma vez adornavam suas respectivas catedrais;
  5. uma consideração decididamente especulativa de um significado mais profundo subjacente do que os construtores das catedrais (Os Cavaleiros Templários) poderiam ter tentado nos dizer ao usar as estrelas da Constelação de VIRGEM como um modelo para uma farra de construção de edifícios (igrejas) de estilo gótico (mágico) de dimensões cósmicas e
  6. uma interpretação revista relativa à mitologia.
cathedrale_de_reims_paris

A Catedral de Notre-Dame de Reims forma, juntamente com a Catedral de Chartres, a dupla de catedrais góticas mais importantes da França. Localiza-se na cidade de Reims, na região de Champagne. Foi construída no século XIII, em substituição a uma antiga igreja incendiada. O local onde se encontra a Catedral de Reims teria sido o local do batismo do rei Clóvis I, rei MEROVÍNGIO.

1) Os labirintos e a Igreja romana

Tragicamente, muitos dos misteriosos labirintos incorporadas como parte integrante do projeto original dessas antigas catedrais foram posteriormente destruídos pelo dogmático e ignorante clero da Igreja Católica nos séculos XVII e XVIII – em Auxerre em 1690, Sens em 1768, em Reims em 1778, Arras em 1795 [3], Poitiers ( “perecido há muito tempo”) [4], e Saint Omer cerca de 1778 [5], e assim por diante.

“Mas Jean-Bapiste Souchet, Canon de Chartres, que morreu em 1654, nunca ousou tentar qualquer profanação do labirinto de Chartres. Continua a ser hoje o maior, mais bem preservado, e tradicionalmente o mais mágico de todos os labirintos das catedrais templárias dos tempos medievais. “[3]

Por que o clero e a igreja de Roma destruíram tais artefatos fascinantes e sagrados? A principal razão parece ser que o clero e a igreja católica tinham tanto medo dos segredos dos Cavaleiros Templários (n. T.: que a corrupta e dogmática igreja de Roma ignora completamente AINDA HOJE) e seus projetos (ou seja, os labirintos, entre tantas outras coisas) que eles começaram uma destruição sistemática deles, por ignorarem o seu SIGNIFICADO. [3]

Havia sempre a sugestão de ALGO mágico (e pagão) sobre os labirintos, e isto era equiparado na mente do clero católico com espíritos malignos, republicanos e como herético. Gardner [1], por exemplo, observou que a palavra gótica em termos arquitetônicos não tinha nada a ver com os GODOS e seu estilo de construção, mas era derivado do grego goetik – o que significava “mágico”.

Ao mesmo tempo, apesar da integração de labirintos nos desenhos das Catedrais:

“É estranho que, entre toda a grande massa de literatura eclesiástica medieval, na verdade não há indicação do uso ou significado destes símbolos, verdadeiros monumentos, no serviço da Igreja de Roma; mas nenhuma luz parece surgir a partir desta fonte, e, certamente, os escritos das principais “autoridades eclesiásticas” da era medieval não dão apoio a qualquer teoria. “[6]

amiens_cathedrale_notre-dame

A Catedral de Notre-Dame de Amiens é uma catedral gótica francesa, edificada em Amiens. Começou a ser construída em 1220, inspirada nas catedrais de Notre-Dame de Chartres e de Paris. Esta monumental catedral localiza-se em Amiens, a maior cidade da Picardia, no vale do Rio Somme, 100 km a norte de Paris. É uma das maiores catedrais góticas da França, com o seu grande volume interior de aproximadamente 200 000 m³. As abóbadas de aresta da nave central medem 42,30 metros de altura, e são as maiores abóbadas de uma nave de todas as catedrais francesas cuja construção foi terminada, medidas passadas somente pela Catedral de Beauvais. A catedral foi listada como Patrimônio Mundial da Unesco em 1981.

Há, assim, a possibilidade de que muitos dos clérigos católicos medievais [perdoem a redundância] não tinham nenhum indício do objetivo subjacente da existência dos labirintos sagrados e, consequentemente reagiram com medo cego e completamente IGNORANTE, simplesmente destruindo o que eles não entenderam.

Alternativamente, alguns membros do clero católico pode ter reconhecido que as catedrais dedicadas a Notre Dame poderiam ser dedicadas a “alguém” (é exatamente esse o caso) que não fosse a Virgem Maria (a mãe de Jesus), ou que os labirintos eram uma espécie de pista para os indivíduos que buscavam atingir a sua própria paz interior e momentos de reflexão sem a NECESSIDADE da intercessão de padres e/ou intermediários entre eles e o seu CRIADOR(A). Claro que essa possibilidade sequer poderia ser tolerada por um clero de uma igreja (Roma) que exercia o controle sobre tudo e todos a qualquer custo.

A escritora Margaret Starbird [7], por exemplo, observou que:

“Durante esta … era, muitos belos e importantes epítetos que pertenceram à Maria (Símbolo do Sagrado Feminino) Madalena foram deslocados para a Virgem Maria e para igrejas construídas e “dedicadas” a ‘Nossa Senhora’ ostensivamente honrando a mãe de Jesus como o portador preeminente do arquetípico do feminino SAGRADO”.

“Depois de meados do século XIII, a “voz (e a vez) da noiva” foi efetiva e finalmente silenciada, embora seja sussurrado que os pedreiros construtores das catedrais da Europa mantiveram a verdadeira fé e construíram seus símbolos com as próprias pedras das catedrais góticas …”

grota-dos-druidas-acesso-catedral-chartres

O altar original da Catredal de Chartres foi construído acima da “Grotte des Druides”, que abrigava um dólmen sagrado, e era identificado com o “ÚTERO da terra.”. LINK

Como observado acima, o labirinto da Catedral de Chartres não foi destruído. Isso pode ter sido baseada no fato de que a Catedral de Notre Dame de Chartres se diz estar no terreno “mais sagrado” da Europa.

“Era tão venerado o local do terreno onde se situa a Catedral de NOTRE DAME de Chartres que ela é a única catedral a não ter um único rei, bispo, cardeal, cânone, ou qualquer (HOMEM) enterrados no solo do seu monte. Era um local de adoração pagão, desde tempos imemoriais, com culto dedicado à Deusa Mãe (Sagrado Feminino) tradicional – um local sagrado para onde os peregrinos viajavam muito antes da época de Jesus Cristo surgir na Palestina. O altar original foi construído acima da “Grotte des Druides”, que abrigava um dólmen sagrado por cima de uma CAVERNA, e era identificado com o “ÚTERO da terra.” [3]

Não admira que o clero católico sempre temeroso conteve e sempre restringiu seu “fervor” religioso em Chartres. Uma coisa é proclamar bem alto os muitos “males da magia” sobre os outros que tem conhecimento e a praticam e outra é ir contra as forças mágicas de um poder desconhecido (para TODOS os membros da igreja romana) e nenhuma vontade possível de se defender por todos os meios disponíveis. Aqueles que usam o medo para controlar os outros inevitavelmente encontram-se controlados pelo próprio medo também (e pela IGNORÂNCIA).

Uma ligação extremamente interessante, que fornece detalhes adicionais ao mistério – especialmente em relação à Catedral de NOTRE DAME de Chartres – e que demonstra a geometria oculta do labirinto dentro da catedral, são as catedrais góticas [8]. Não perca! Mas se apresse. Você não viu nada ainda!

2) Notre Dame

Muitos dos padrões dos desenhos da arquitetura encontrados nos pontos mais delicados das catedrais (mágicas) góticas (incluindo o padrão para o famoso labirinto da Catedral de Notre Dame de Chartres) foram obtidos a partir de um manuscrito alquímico grego do século II e que era dedicado à deusa padroeira da França, Notre Dame de Lumiere ( “Nossa  Senhora da Luz”). Este padrão é “reconhecido como sendo um dos projetos mais sagrados na Terra.” [3]

A Constelação de Virgem (Virgo) em si sempre esteve associada com quase todas as principais divindades femininas em qualquer uma das várias civilizações antigas em todo o mundo, incluindo:

  • Os sumérios que a conheciam como Inanna, Rainha do Céu e da Terra;
  • Os akadianos e babilônios como Ishtar, a “levando um” ou “chefe”;
  • Os egípcios que a conheciam como ÍSIS, a deusa da fertilidade;
  • Os hindus como Kauni, “A Donzela”;
  • Os persas como Khosha “, a orelha de trigo”;
  • Os hebreus como bethulah, “abundância na colheita”;
  • Os semitas como Astarte (Anunit ou Atarsamain) [3];
  • Os gregos como Demeter (ou Perséfone), a Deusa da Terra;
  • Os romanos como Virgem ou Ceres, ( “espiga de trigo ou milho”); e
  • Os anglo-saxões como Eostre ( “Páscoa”), a deusa da primavera.
bayeux_cathedrale_notre-dame

Catedral de Bayeux (Cathédrale Notre-Dame de Bayeux) é uma catedral normando-românica, localizada na cidade de Bayeux e é um monumento nacional da França. O local é antigo e já foi ocupado por santuários romanos. A catedral atual foi consagrada no dia 14 de julho de 1077, na presença de Guilherme, duque da Normandia e rei da Inglaterra.

Até mesmo os antigos chineses interpretavam a Constelação de Virgem como importante (mesmo que eles baseassem sua compreensão sobre a passagem do tempo pela lua e não do sol).

3) Estrelas da Constelação de VIRGEM/ Cidades na França

A constelação de Virgem é a segunda maior no céu (depois da Hydra) e o sexto membro do zodíaco. Alegadamente baseado na descrição das constelações da Babilônia, o padrão do conjunto de estrelas da Constelação de Virgem é retratado como uma figura de mulher, muitas vezes segurando uma espiga de trigo em uma mão [9]. Como tal, a constelação e o feminino representado têm sido associados com a Deusa Terra, a chegada da primavera, a estação portadora do crescimento das plantações, do alimento[10], e o amadurecimento da colheita, doadora do alimento [9].

Na verdade, as principais estrelas de Virgem, Spica e Vindemiatrix, estão associados com uma “espiga de trigo” e uma “coletora de uvas”(ou “vindimadora”), respectivamente (n.T.: Trigo, Uvas e Vinho, três alimentos de profunda conotação esotérica e ocultista). A Constelação de Virgo também tem sido descrita como segurando um bastão, um caduceu, ou uma escala. Estes outros símbolos coletivamente adicionam às associações da Deusa com o dom da cura, com a justiça, a sabedoria oculta, e a profecia.

virgem-jophra-zodiaco

Reprodução da Constelação de Virgem por Jophra, uma das mais esotéricas, ocultista e mística, sobre o Feminino sagrado…. Para quem tiver OLHOS PARA VER … e Thoth esta presente

Outro nome de Virgo é a Virgin. Como tal, a Constelação foi vista por alguns como representando a “Virgem” Maria, a mãe de Jesus e de seus irmãos. Enquanto a definição original comum de virgem como sendo “uma mulher, jovem que nunca se relacionou sexualmente com nenhum homem”, não há dúvida de que os Cavaleiros Templários percebiam “A Virgem” (o elemento FEMININO, como sendo qualquer deusa ou mãe, isso estava implícito nessa designação) com reverência especial quando construíram muitas das catedrais francesas (as principais). O fato de que é muito mais provável que “A Virgem” em questão poderia ser  Maria (ou ÍSIS) Madalena  (que teria casado com Jesus) do que a sua sogra, a mãe de Jesus, Maria.

[BTW, esta página foi publicada na web (no site original) em 19 de Maio de 2006 – mesma data da abertura do filme, O Código Da Vinci .., que postula que Maria Madalena foi casada com Jesus]

A Figura 1 mostra um mapa do norte da França [com base na referência 11] coberta com várias das estrelas mais brilhantes na constelação de Virgem (Virgo).

catedral_notre-dames-mapa-franca-cidades

ACIMA: Figura 1a – As cidades do Norte da França assinaladas

constelacao-virgem-catedrais-franca

ACIMA: Figura 1b, estrelas indicadas da Constelação de Virgem

catedral_notre-dames-mapa-franca-cidades-estrelas

ACIMA: Figura 1c – Constelação de Virgem transposta ao solo e… voilá… sobre as cidades do norte da França

As estrelas e suas cidades correspondentes [12] com respectivas CATEDRAIS são apresentados na Tabela 1. Note que a designação Virginis refere-se às identidades tradicionais das estrelas na Constelação de Virgem, enquanto que outras estrelas próximas e importantes de constelações adjacentes estão incluídas com o motivo de deixar mais completo o quadro.

Note-se também que a maior magnitude (Brilho) de uma estrela corresponde a um menor número (ou número negativo), por exemplo, Arcturus (alpha de Bootes) com uma magnitude de -0,05 é a mais brilhante da tabela (e na verdade é a terceira estrela mais brilhante no céu da Terra à noite). Spica é a mais (Alpha) brilhante da Constelação em Virgem. Estrelas cuja identificação específica não estava disponível para o autor foram rotuladas como, por exemplo, “W-Omicron” ( “Oeste da Omicron”). 

[O alfabeto grego é encontrado em http://www.winshop.com.au/annew/greek.html .]

TABELA 1

Estrela Constelação Virgem Magnitude Cidade correspondente *
Spica (Azimech) Alpha Virginis 0,98 Chartres Notre Dame
Porrima (Arich) Gamma Virginis 2,74 Dammartin-en-Goelle
Vindemiatrix ~ Epsilon Virginis 2.85 Amiens Notre Dame **
Heze ~ Zeta Virginis 3,38 Evreux Notre Dame
Minalauva ~ Delta Virginis 3,39 Beauvais ( Saint Pierre )
Zavijava beta Virginis 3,61 Reims Notre Dame
  109 Virginis 3,73 Bayeux Notre Dame
  Mu Virginis 3,87 Flers
Zaniah ~ Eta Virginis 3,89 Meaux ( Saint Etienne ***)
  Nu Virginis 4,04 Chaumont-Porcien
Syrma iota Virginis 4,07 Gace-O-Argentan
  W-Omicron Virginis 4.12 Saint-Quentin ( Notre Dame
  ~ Kappa Virginis 4.18 Alencon Notre Dame
  WSW-Tau Virginis 4,23 Lisieux ( São Pedro )
  Theta Virginis 4,38 Versailles
  110 Virginis 4,39 Carentan Notre Dame
Khambalia lambda Virginis 4,52 Beaumont-sur-Sarthe
  Pi Virginis 4,65 Laon Notre Dame
  Chi Virginis 4.66 Melun
  74 Virginis 4,68 Dreux ( Saint Pierre )
  ~ 61 Virginis 4,74 Orleans
  ~ Psi Virginis 4,77 Etampes Notre Dame
  Sigma Virginis 4,78 Gournay-en-Bray
  ~ Phi Virginis 4,81 Falaise-Santíssima Trindade 
  ~ Rho Virginis 4,88 ? Amiens Notre Dame
  W-78 Virginis 4,92 Rouen Notre Dame
(Tem 1 planeta!) E-70 Virginis 4,97 Abbeville Notre Dame ***
  NE-Theta Virginis > 5,00 Paris Notre Dame
  N-gama Corvus > 5,00 Sens ( Saint Etienne )
       
Arcturus Alpha Bootis -0.05 (Middle de Inglês Channel)
Denebola beta Leo 2.14 Fourmies
Gienah Ghurab Gamma Corvus 2.6 Auxerre ( Saint Etienne )
Zubenelgenubi Alpha Librae 2.75 / 5.15 Laval Notre Dame
  Pi Hydra 3,76 Tours ( São Gatien )

mur_paien_grotte_des_druides-grota-druidas

Grotte des Druides em Mur Paien : Estamos na presença de uma caverna formada por uma grande pedra plana, fixado em duas verticalmente eretas com distância de 2,20 m. Ele é conectado à parede pagã por uma galeria aberta, também formado com pedras em bruto. Os arqueólogos não concordam sobre a origem desta construção. Talvez seja uma antiga formação natural devido a um deslizamento de rochas?

* As cidades / catedrais de Chartres, Reims e Bayeux correspondem quase exatamente com as estrelas, Spica, Zavijava e 109 Virginis, e são consideradas o modelo pelo qual todas as outras cidades e estrelas são comparados. Tenha em mente que era difícil para se mudar de local as cidades – mesmo durante os tempos medievais – a fim de correlacionar as estrelas e cidades com mais exatidão.

** As cidades de Amiens, Sens e Auxerre ficam a cerca de 10-20 quilômetros a leste da estrela que lhes estão associadas. No entanto, as três cidades estão situadas ao longo de uma linha reta paralela a uma linha reta traçada entre as três estrelas que lhes estão associadas. Além disso, Paris e Abbeville estão localizadas aproximadamente à mesma distância a leste das suas respectivas estrelas.

*** Saint Etienne é a palavra em francês para Santo Estêvão, que foi morto pelo Sinédrio de Jerusalém, a pedido de Saulo de Tarso (São Paulo). Em Meaux houve aparentemente uma igreja do século XIII chamada de Saint Etienne, mais uma Notre Dame do século 17 .

A nomeação e seleção de estrelas que constituem uma constelação é, em grande medida, arbitrária. Se se olha para um mapa estelar, como a foto do Stargazing [13], percebe-se que várias estrelas não estão incluídos nas designações com letras gregas e não estão ligados por linhas imaginárias. Assim, estrelas que não são designadas com uma letra do alfabeto grego (como a 109 Virginis ) ainda pode ser incluída em uma visão tradicional da constelação de Virgem, enquanto estrelas nomeadas como Gienah Ghurab (Constelação do Corvo) e Denebola (Constelação de Leão) também podem ser incluídas em uma visão expandida da Constelação de Virgem.

arcturus-spica-denebola-triangulo-primavera

Na verdade, as quatro estrelas brilhantes: Arcturus (Constelação de Bootes), Denebola (segunda estrela do Leão), Zubenelgenubi (estrela principal-alpha de Libra) e Gienah Ghurab (constelação do Corvo) enquadram bem a Constelação da Virgem, e estas quatro estrelas podem ter sido vistas pelos designers das catedrais do norte da França como sendo parte do simbolismo (mistérios e segredos, do Feminino sagrado) da Virgem em seus planos.

Obviamente, a seleção das cidades foi limitada aos assentamentos que existiam já estabelecidos a partir do século XI até o século XIV como lugares onde se  construiram as catedrais góticas dedicadas à Virgem, à MÃE CÓSMICA. Também se levava um longo tempo para se construir uma catedral – a catedral de Notre-Dame de Reims levou cem anos (1211-1311)! Também é notório que cidades não surgem brotando em plena floração durante a noite.

Por conseguinte, as localizações entre as estrelas e as cidades nem sempre é exata. No entanto, as catedrais de Chartres, Reims, e Bayeux são, por definição localizadas com exatidão, enquanto várias cidades como Dreux, Rouen, Carentan, Fourmies, Flers, Beaumont-sur-Sarthe, Saint Quentin, e Gace-o-Argentan também estão quase exatas. Amiens, Lisieux, Evreux, Meaux, Paris e Beauvais devem ser considerados aproximados. Finalmente, várias das cidades têm catedrais que não são especificamente dedicados a Notre Dame – por exemplo, Meaux (Catedral de Saint Etienne ), Lisieux (Catedral de São Pedro ), Beauvais (Catedral de Saint Pierre ) e Tours (Catedral de São gatien ).

No entanto, com o estudo torna-se cada vez mais claro que os designers e construtores das catedrais medievais do norte da França – essencialmente os Cavaleiros Templários – tiveram de fato a intenção de imitar, de alguma forma a constelação de Virgem com a localização de várias catedrais dedicadas a Notre Dame “Nossa Senhora” (n.T.: Pois secretamente, os Cavaleiros Templários prestavam culto ao Feminino {à Deusa} sagrado, UMA HERESIA PUNIDA COM A MORTE PELA IGREJA ROMANA). E enquanto a Igreja Católica pode estar ansiosa para identificar Notre Dame como a mãe de Jesus, não há quase nenhuma razão para supor que este foi o caso.

Maria nunca foi identificada ou correlacionada pela Igreja com a constelação de Virgem (pois o conhecimento de astronomia de Roma sempre foi medíocre em tempos antigos… e atuais) e a vontade do clero católico para destruir os labirintos das catedrais sugere que o projeto nunca foi totalmente algo que a Igreja estivesse ansiosa para abraçar. A Igreja também é notória por reinventar a roda em seu próprio foco estreito particularmente quando se trata de interpretar a história e eventos em geral (principalmente se envolver a energia feminina) que não estão de acordo com seus DOGMAS.

4) Os Caminhos dos labirintos

Os designs dos labirintos, por sua vez, foram nada menos do que prolíficos. Por exemplo, vejamos os labirintos a seguir:

chartres-labirinto1

Catedral de Notre Dame de Chartres [14] – Construção entre 1194-1260.

reims-labirinto

Labirinto da Catedral de Notre Dame de Reims [14] – construção entre 1211 – fim do século XIII; labirinto foi destruído em 1778.

bayeux-labirinto

Catedral de Notre Dame em Bayeux [15] – labirinto de 12 pés de diâmetro, telhas vermelhas com escudos / grifos, e flor-de-lis, separados por azulejos pretos pequenos e planos.

labirinto-amiens

Catedral de Notre Dame em Amiens [16] – Construção entre 1260-1289; labirinto foi destruído em 1825, mas reconstruído em 1895. (Para este labirinto, siga as linhas pretas, e não os espaços no meio)

labirinto-saint-quentin-collegiate

Labirinto da Collegiate Church de Saint Quentin [17] – Começou em 1195 e foi concluída após 300 anos; labirinto data desde 1495 (e ainda existe) (Mais uma vez, siga as linhas pretas, e não os espaços no meio)

cathedral-saint-etienne-labirinto

Labirinto da (semelhante a Auxerre) Catedral de Saint Etienne em Sens [18] – Construção entre 1140-1164; labirinto de 30 pés de diâmetro, destruído em 1.768 (em Auxerre foi demolido em 1690).

saint-omer-collegiate-church-notre-dame-labirinto

Labirinto da igreja Collegiate Church de Notre Dame de Saint Omer [19] – Localizado na Abadia de St. Bertin; labirinto foi destruído em 1778 (no momento da destruição de Reims, possivelmente, pela mesma razão: medo e ignorância)

poitiers-church-notre-dame-dela-grande-labirinto

Labirinto da Igreja de Notre Dame de la Grande em Poitiers

A Igreja de Notre Dame de la Grande em Poitiers [20]

“Será visto que a construção é tal que aquele que faz o caminho eventualmente emerge – como o poeta da” Rubaiyat “- pela mesma porta em que ele entrou, ele não terá encontrado avisos de “non stop”, mas ele pode ter “ido e vindo” (reencarnado) um número indefinido de vezes”.(citação  da Árvore da vida?) (mais uma vez, siga as linhas pretas, e não os espaços entre elas)

5) Especulações

Na reprodução da figura da Virgem na Constelação de estrelas, em um lado dela é inevitavelmente mostrado um feixe de trigo ou outros cereais, como se identificando a Virgem (a energia da deusa) como a portadora das colheitas e bem-estar e satisfação com alimentos, simbolizando ABUNDÂNCIA. Enquanto isso soa plausível – com base em todos os vários simbolismos de várias culturas ao redor do mundo – não é necessariamente apenas isto o que os Cavaleiros Templários tinham em mente. Na verdade, as representações normais – por exemplo, da astronomia [21] ou astrologia [22] – pode, estar muito longe de uma imagem muito mais interessante do que o símbolo da Virgem realmente significa.

Virtualmente cada representação da constelação de Virgem por vários e diversos estudiosos (astronômico, mitológico, e assim por diante) ao longo da história mostra uma mulher completamente vestida deitada de lado ao longo da elíptica. Por exemplo [22]:

virgo-virgem-constelacao

Considerando Virgem em uma representação alternativa, poderíamos começar por investigar vários aspectos geométricos das estrelas da constelação e correlações com as várias cidades francesas. Por exemplo, pode-se rapidamente desenhar linhas retas, através de:

  1. Arcturus, Evreux, Dreux e Spica (Chartres) (que curiosamente é quase exatamente perpendicular à elíptica, ver item 5 abaixo); ou
  2. Arcturus, 70 Virginis , Epsilon Virginis e Beta Virginis (Reims); ou
  3. 109 Virginis (Bayeux), Evreux, e Notre Dame de Paris ; ou
  4. Beta Virginis (Reims), 109 Virginis (Bayeux) e 5 outras estrelas Virginis; ou
  5. Beta Virginis (Reims), Lambda Virginis (Beaumont sur Sarthe) e Zubenelgenubi.

A linha 05 das estrelas (acima) se aproxima muito de perto da eclíptica (o caminho do sol através das constelações e do zodíaco). Isso pode ser muito importante. Há também o fato curioso que um círculo centrado em Evreux e passando por Chartres (Spica) encontra tangencialmente um círculo maior centrado em Chartres – um que cruza Gienah Ghurab (Auxerre) e Nu Virginis (Meaux) – em um ponto que intercepta as linhas entre as estrelas de Arcturus (Bootes) e Spica (Virgem).

Esta última curiosidade pode levar alguém a transformar a figura tradicionalmente representando a Virgem girando-a cerca de noventa graus – de modo que sua figura fique perpendicular à eclíptica, ou seja, numa posição ereta. Então pode-se sobrepor uma figura relativa a que Leonardo de Vinci poderia ter chamado como a sua mulher Vitruviana. Quando isso é feito de uma forma particular, a Figura 11, verifica-se que Arcturus ( “Guardião do urso” e / ou “Guardião dos céus”) torna-se o chacra da coroa de uma figura idealizada de Virgo. As estrelas Arcturus e Spica estão, naturalmente, ligadas pelo tradicional ditado de ir da Ursa Maior, passando pelo”Arco de Arcturus; e deslizando para Spica”. Ambas estão entre as quinze Estrelas Fixas de Behenian (“mágico na astrologia medieval; e como as “fontes de energia para um ou mais planetas) [23].

Após isso, se nós também desenharmos um círculo ao redor do umbigo da figura feminina- como no desenho original do homem vitruviano de Leonardo da Vinci – a circunferência do círculo passa por Zubenelgenubi (cidade de Laval), Pi Hydra (Tours), Gienah Ghurab (Auxerre), Rho Virginis ( Amiens), 70 Virginis (Abbeville), e 109 Virginis (Bayeux). Isto é mais do que coincidência. Outras correspondências muito interessantes incluem:

  • Bayeux (109 Virginis ) em conjunção com a ponta do braço direito erguido;
  • Amiens (Rho Virginis ) em conjunção com a ponta do braço esquerdo levantado;
  • Lisieux (WSW-Tau Virginis ) em conjunção com o cotovelo esquerdo;
  • Gournay-en-Bray (Sigma Virginis ) em conjunção com o cotovelo direito;
  • Rouen (W-78 Virginis ) em conjunção com o olho esquerdo;
  • Evreux (Zeta Virginis ) em conjunção com o centro do coração (Anahata);
  • Dreux (74 Virginis ) em conjunção com o umbigo (Manipura);
  • Auxerre (Gamma Corvus ) em conjunção com a ponta do pé esquerdo;
  • Tours (Pi Hydra ) em conjunção com a ponta do pé direito; e
  • Chartres (Spica) em conjunção com o vagina (o útero) (Muladhara).

Estas junções são mostrados na Figura 11.

cathedral_virgo-virgem-vitruviana

Figura 11, a mulher “Vitruviana”

Por um lado, talvez não devamos dizer a Igreja Católica sobre o verdadeiro significado da localização da Catedral de Notre Dame de Chartres’, mesmo que seja para evitar sua derrubada e das demais catedrais Notre Dame em um acesso de fanatismo apoplético da dogmática, patriarcal e MACHISTA igreja romana. Claro, eles podem já ter começado a suspeitar que Leonardo Da Vinci como não sendo um defensor entusiasta dos seus dogmas uma vez que foi torturado pela Igreja, então talvez eles não ficariam de todos surpresos.

Por outro lado e apesar de eventuais protestos da Igreja, o desenho particular mostrado acima (com todas as correlações intrigantes também listados) sugere fortemente que os designers das catedrais dedicadas a “NOTRE DAME”, os Cavaleiros Templários, estavam talvez mais interessados em honrar a tradição local da energia pagã da deusa como o “útero da Terra” localizado no local sagrado onde Chartres foi construída do que como uma homenagem a qualquer “santa” imaculada, “virgem” ou outro dignitário qualquer e convidado de honra da Igreja.

Na verdade, parece haver uma homenagem para a energia criadora da deusa cuja fertilidade está simbolizada muito mais eficazmente pelo seu útero (gerador da vida, do homem e da mulher) do que por ela carregar um punhado de talos de trigo (“Eu sou o pão da vida”. João 6:48). (BTW, um braço carregando as hastes do trigo oferecendo-as ao mundo sempre pode ser desenhado de modo que as hastes do trigo correspondam a Catedral de Notre Dame em Paris, sem violar a escala de correlação estrelas e cidades.) [Virgo pode até dizer ao povo de Paris, ” deixe-os comer o (pão) trigo”]

Pode-se também supor que a razão do porque nenhuma pessoa morta foi sequer enterrada na catedral de Chartres ao fim de suas vidas, é que o sepultamento poderia ter sido considerado incompatível com o local cuja energia, desde tempos imemoriais, simboliza a energia da vida, o nascimento, do útero onde a vida é fecundada. O local é simplesmente demasiado sagrado para apaziguar a arrogância de celebridades e imbecis dignitários honrados por uma Igreja que tanto perseguiu as mulheres, com medo do poder feminino, tão totalmente fora da realidade sagrada.

da-vinci-homem-vitruviano-phi-golden-ratio

O Homem Vitruviano de Leonardo da Vinci é um desenho famoso que acompanhava as notas feitas pelo artista por volta do ano 1490 num dos seus diários. Descreve uma figura masculina nua separada e simultaneamente em duas posições sobrepostas com os braços inscritos num círculo e num quadrado.[1] A cabeça é calculada como sendo um oitavo da altura total. Às vezes, o desenho e o texto são chamados de Cânone das Proporções.

phi-espiral

Proporção áurea, número de ouro, número áureo, secção áurea, proporção de ouro é uma constante real algébrica irracional denotada pela letra grega phi (PHI). Esta é a proporção usada pela “NATUREZA” (o poder criativo da deusa) para criar desde o homem até uma complexa galáxia …

Há que se ressaltar que o útero é a fonte do sangue da vida – como na linhagem do Santo Graal. Podemos também lembrar que Spica (Chartres) tem mais de um significado. Além de “espiga de trigo” da Virgem, também é referido como “a indefesa” e “a vindimadora”, aquela que colhe as uvas (n.T.: Sintomaticamente, Cristo, através de Jesus declarou: .”Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador”. João 15:1)

“A indefesa” pode muito bem se referir a Maria Madalena e o seu status como a mãe dos Desposyni ( os filhos de Jesus, os “Herdeiros do Senhor” [3]), bem como o fato de que ela foi eficaz no comando das autoridades cristãs (na França, para onde se mudou indefesa em terras desconhecidas) durante grande parte da sua vida após a crucificação – e, portanto, mais do que apenas um pouco vulnerável.

Ao mesmo tempo, o símbolo “vindimadora” pode ser ainda mais interessante na medida em que pode ser uma referência ao Starfire da deusa na medida em que as uvas são ricas em ródio e irídio na forma monatômica. Lembre-se também da associação da Virgem (energia feminina) com o dom da cura, com a justiça, a verdadeira sabedoria, e o dom da profecia. O Starfire ou ORME certamente se qualifica para a prestação de muitos destes atributos.

Uma Virgo (mulher) vertical, independente e corajosa (a verdadeira “Virgin” que não pertence a nenhum homem”, mas que pode ser casada, mãe, mulher) é, portanto, representada na paisagem do norte da França estando disponível para fornecer o elixir da vida para qualquer pessoa que tenha oportunidade de seguir um labirinto (representando o caminho) sagrado para a sua realização do “encontro interior” que conduz à realização do “SER”, com a ajuda da energia da DEUSA, A GRANDE INICIADORA.

reencarnaçãociclo

Tenha em mente que, como em todos os casos de caminhos dentro de um  labirinto a saída é pelo mesmo caminho que se entra. Isto sugere um significado adicional aos labirintos: o ciclo da morte e renascimento. Talvez os anglo-saxões soubessem alguma coisa quando eles identificaram a Constelação de Virgem com Eostre (a “Páscoa”), a deusa da primavera (ou seja, o renascimento após a “morte”).

Atualização imediata: A primeira pessoa a ler esta página (que não foi o autor) sugeriu que o labirinto de Chartres pode ser sobreposto sobre a figura da Mulher Vitruviana. Esta é uma simples questão de dimensionar a figura ao labirinto da Catedral de NOTRE DAME de Chartres mostrado anteriormente para o círculo gerado pelo Homem Vitruviano de Leonardo Da Vinci (e tem todos os tipos de conexões com a Golden Ratio (PHI) e Geometria Sagrada), e que na Figura 1c acima conecta tantas cidades / catedrais da França. Quando isto é feito e o círculo é orientado de modo que a linha horizontal no labirinto é paralelo a eclíptica, obtém-se a figura a seguir:

virgin-labirinto-chartres

Isso deve ser suficiente para causar uma apoplexia, no Vaticano inteiro (e entre muitos outros ignorantes do poder feminino).

6) A conexão mitológica

Na medida em  que o Mito, muitas vezes pode ser considerado como uma história condensada adequada para uso em tradições orais, vale a pena considerar uma história particular, como relatada por Julius DW Staal [24].

Sob o disfarce de Astrea (deusa da Justiça), A Virgem se misturou com os mortais que eram membros de uma raça de ouro inexplorada de homens que nada sabia sobre brigas ou guerras. Eles eram todos agricultores comunais e tudo estava calmo – até que uma raça dos homens de prata começar a aparecer na Terra. Esta segunda raça era ligeiramente inferior, mas, no entanto e apesar de sua tendência para os caminhos criminosas Astrea fez um esforço para orientá-los e ensinar-lhes. Quando a raça de prata acabou, então foi criada uma raça de bronze, uma raça enamorada pelas espadas e armas de guerra. Astrea detestou esta raça e deixou a Terra, tomando novamente o seu lugar no céu.

O curioso sobre esses deuses e deusas e suas partidas da Terra é que aqueles que os reverenciaram aqui nunca pareceram ter entendido como e para onde os luminares como Virgem / Astrea tinham ido. Naves espaciais não eram exatamente um produto de consumo no momento e, portanto, os meios e destinos não eram fáceis de serem entendidos para aqueles que decididamente não sabiam.

Um cenário óbvio levou essas pessoas que não conheciam viagens espaciais a acreditar que seus deuses e deusas haviam partido da rotina diária na Terra apenas para tomar residência em cima de altas montanhas como o Monte Olympus ou do Monte Kailash. Neste último exemplo, intrigante que tem sido dito que a “antiga cosmografia identifica o monte Kailash com a poderosa montanha Sumeru, o pico central do mundo”. [25]

deusa-feminino-sagrado

É difícil perder a semelhança entre “Sumeru” e “sumeriano” de tal forma que se pode justificar em concluir que Kailash e Olympus são apenas mais um lugar onde o terráqueo suspeita que seus deuses e deusas – que tinham sido tão influentes em suas vidas – agora residiam. A má notícia foi que seus protetores e guias os tinham deixado a seus próprios cuidados. A boa notícia foi que, pelo menos, suas divindades ainda estavam, por assim dizer, perto do bairro e, assim, possivelmente disponível para assistência e / ou intervenção em nome do seu público adorador.

Uma segunda possibilidade é que os terráqueos acreditavam que os deuses e deusas (o que era provável que sejam os Anunnaki ) literalmente deixaram a Terra e subiram aos céus – mas neste caso permaneceram à vista e visíveis àqueles deixados para trás. Assim as Constelações forneciam um meio de manter a ilusão de que as deidades ausentes estavam ainda perto o suficiente para manter o controle sobre os seus filhos e filhas / ou enfermarias. Na verdade, as constelações podem até mesmo sugerir àqueles no chão da Terra que havia mensagens para serem  lidas por sua aparência nos céus noturnos. Era apenas uma questão de interpretação das posições relativas das estrelas da constelação de tal modo a tornar o simbolismo moderadamente óbvio.

No caso da CONSTELAÇÃO de VIRGEM (Virgo) – vendo a constelação na forma mostrada na Figura 11 acima – a sua mensagem pode estar mais para o sexo sagrado (gerador da vida na Terra) ao invés de vestida com decoro, e especificamente a de uma conexão com o Starfire, o poder do sangue sagrado (óvulo) da deusa de gerar VIDA. Chartres  como esta fonte de maná proveniente das entranhas da Terra (via Grota dos Druidas) – possivelmente com o uso de seu incrível labirinto – tornou-se assim verdadeiramente o “útero do mundo” pelas mãos do conhecimento da energia feminina da deusa (ÍSIS, Maria Madalena, etc) que os Cavaleiros Templários veneravam …


Referências:

[1] Laurence Gardner, A Linhagem do Santo Graal, a linhagem oculta de Jesus Revelada, , Element Books, Harper Collins, Londres, 1996.

[2] http://www.gracecathedral.org/enrichment/excerpts/exc_20010328.shtml

[3] Laurence Gardner, The Magdalene Legacy, The Jesus and Mary Bloodline Conspiracy,Element Books Harper Collins, Londres, 2005.

[4] http://www.sacred-texts.com/etc/ml/img/fig055.jpg

[5] http://www.sacred-texts.com/etc/ml/img/fig054.jpg

[6] http://www.sacred-texts.com/etc/ml/ml12.htm#img_fig053

[7] Margaret Starbird, “O” Sagrado Feminino “, edição especial; Segredos do Código Da Vinci , US News and World Report, 2006, extraído em parte de Dan Burstein, editor, Secrets of the Code: O Guia Não Autorizado para os mistérios por trás do Código da Vinci , Serviços de Distribuição cliente, 2004.

[8] http://members.home.nl/peregrine/The%20Gothic%20Cathedrals.html

[9] http://chandra.harvard.edu/photo/constellations/virgo.html

[10] http://www.coldwater.k12.mi.us/lms/planetarium/myth/virgo.html

[11] Grande Atlas Mundial , Readers Digest, Pleasantville, Nova York, 1979

[12] http://en.wikipedia.org/wiki/Virgo

[13] http://www.stargazing.net/david/constel/constel/virgo.html

[14] http://www.labyreims.com/e-intromed.html

[15] http://www.sacred-texts.com/etc/ml/img/fig052.jpg

[16] http://www.arch.columbia.edu/DDL/projects/amiens/maze-8.gif

[17] http://www.simurgh.net/nada/space/quentin.htm

[18] http://www.sacred-texts.com/etc/ml/img/fig053.jpg

[19] http://www.sacred-texts.com/etc/ml/img/fig054.jpg

[20] http://www.sacred-texts.com/etc/ml/img/fig055.jpg

[22] http://www.accd.edu/sac/ce/scobee/StarChart.htm

[21] http://www.astrology-insight.com/virgo.htm

[23] http://en.wikipedia.org/wiki/Behenian_fixed_stars

[24] Julius DW Staal, Patterns in the Sky, mitos e lendas das Estrelas , McDonald e Woodward Publishing, Blacksburg, Virginia, de 1988.

[25] http://www.nectravels.com/tibet/kailash_manasarovar.htm

virgo-virgem-feminino-sagrado-deusahttp://thoth3126.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *