browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Asteroide Apophis, atualização.

Posted by on 11/09/2016

O Asteroide Apophis em uma passagem próxima à Terra em 2036

Os astrônomos certamente desfrutam de histórias dramáticas, tanto quanto o resto de nós. Mas hoje (09 de Janeiro de 2013) eles fizeram o anúncio muito bem vindo de que as consideráveis ameaças de colisão desse asteroide com a Terra durante a passagem do asteroide Apophis não irá representar qualquer ameaça quando ele novamente se aproximar perto o bastante de nosso planeta em 2036.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Após rastrear o asteroide Apophis 99942 com o rádio radar da antena parabólica gigante da NASA, o Goldstone, os astrônomos estão agora com a certeza de que o asteroide ameaçador “praticamente não tem mais chance” de atingir a terra em 2036.

Posted By Kelly Beatty,  em Sky and Telescope

Fonte: http://www.skyandtelescope.com/

Os astrônomos certamente desfrutam de histórias dramáticas, tanto quanto o resto de nós. Mas hoje eles fizeram o anúncio muito bem vindo de que as consideráveis ameaças de colisão desse asteroide com a Terra durante a passagem do asteroide Apophis não irá representar qualquer ameaça quando ele novamente se aproximar perto o bastante de nosso planeta em 2036.

O asteróide Apophis passou a 9 milhões de milhas (14 ½ milhões de km) da Terra agora em 9 de janeiro de 2013 – uma prévia de um encontro muito, muito mais próximo previsto para acontecer em 2029. Clique endereço a seguir para uma versão interativa deste ponto de vista orbital. http://ssd.jpl.nasa.gov/sbdb.cgi?sstr=99942%20Apophis;orb=1;cov=0;log=0;cad=0#orb (NASA/JPL)

Neste momento o asteroide Apophis está no meio de uma passagem um pouco distante ainda da vizinhança da Terra, distância que se encontra dentro de 9 milhões de milhas (14 ½ milhões de km) hoje. Ele vem sendo monitorado durantes as últimas duas semanas e meia pela antena parabólica do rádio Radar Goldstone, com 230 pés (70 metros) de diâmetro na Califórnia, e essas observações e medições deram aos astrônomos a confiança para emitir um aviso de que esta “tudo limpo” para o futuro.

As observações feitas pelo radar Goldstone do asteroide Apophis descartaram a possibilidade de um potencial impacto com a Terra em 2036 “, diz Jon Giorgini, um Engenheiro em Dinâmica (dynamicist) do JPL-Jet Propulsion Laboratory da NASA, o Laboratório de Propulsão à Jato. Com base em cálculos revisto da órbita do asteroide, diz ele que o Apophis, então, surgirá a distância de pelo menos 14 milhões de quilômetros – sendo o mais provável algo mais próximo a 35 milhões de quilômetros.

O rádio Radar Goldstone, com antena parabólica de 230 pés (70 metros) de diâmetro, situado no Deserto de Mojave, na Califórnia e operado pelo JPL da NASA. http://echo.jpl.nasa.gov/asteroids/Apophis/Apophis_2013_planning.html#Goldstone

Além disso, os dados de radar melhoraram a incerteza posicional do asteróide tanto que os dinamicistas agora podem prever com precisão de décadas a sua trajetória para o futuro. “Nós estamos observando que em 75 metros de resolução, esta melhor do que esperávamos”, diz Lance Benner ( Jet Propulsion Laboratory), que está liderando o esforço de rastreamento pelo radar. “As relações sinal-ruído [dos ecos de radar] são um pouco mais forte do que nós pensamos que eles seriam, portanto, a astrometria do radar é mais precisa do que o esperado.”

O imenso asteroide Apophis foi descoberto em 2004 pelos observadores Roy Tucker, David Tholen , e Fabrizio Bernardi. Na primeira vez, os cálculos orbitais sugeriam que este asteróide com órbita próxima à Terra, inicialmente chamado como 2004-MN 4, teria uma chance de 3% de atingir o nosso planeta em 2029. Cerca de um ano mais tarde, ele foi renomeado e chamado por Apophis, o nome do deus egípcio do mal e da destruição. (Um nome apropriado, você não acha?) Felizmente, até então as observações pre-descobertas levaram a uma revisão de sua órbita, o que excluia um impacto com a Terra em 2029.

Numa sexta-feira dia 13, em abril de 2029, um asteroide com cerca de 1.000 metros de largura chamado Apophis irá passar perto o suficiente da Terra (em torno de 20 mil milhas) para aparecer brevemente como uma estrela de magnitude 3 no céu à noite. (Dan Durda)

Mas nós não estávamos fora de perigo ainda. Uma colisão ainda permanecia possível em 2036, a chance de que dependia o quase-acidente sobrevôo em 2029, quando o Apophis irá fechar sua órbita próximo à Terra por apenas 20.000 milhas (32.000 km) de distância.

Se isso ocorrer em um determinado ponto no espaço, o que os dinamicistas chamam como de um buraco de fechadura, um impacto seria muito mais provável durante essa visita de retorno em 2036. O problema é que as características orbitais do Apophis não eram conhecidas com precisão suficiente (naquele momento) para se calcular exatamente por onde ele voaria passando próximo à Terra em 2029.

Adicionado à essa incerteza havia a medida de que uma força sutil, conhecida em astronomia como o Efeito Yarkovsky, poderia alterar a órbita do asteróide. Este efeito é causado pela maneira desigual que um corpo giratório absorve a luz solar e depois a irradia de volta para o espaço. Baseados em observações da Terra, se determinou que o Apophis gira sobre si mesmo em 30 horas e meia, mas que seu giro provavelmente tem mais de um período, envolvendo eixos de rotação múltiplos.

A própria forma do objeto e a orientação do spin são desconhecidas – e  perguntas podem permanecer abertas até 2029. “Podemos obter imagens de alta-definição que mal resolvem o objeto e indicam a sua orientação axial”, explica Benner, “mas mesmo assim sendo muito otimista.” 

É concebível, que o suave mas persistente efeito Yarkovsky poderia empurrar o asteroide Apophis em linha reta através do buraco da fechadura de 2029 e levá-lo em direção à Terra . Mas, novamente, diz Giorgini, não há mais qualquer chance de isso acontecer. As observações do radio radar Goldstone  “reduziram as incertezas orbitais tanto que, independentemente do que os parâmetros físicos ainda desconhecidos  do Apophis poderiam ser, a pressão de radiação (Efeito Yarkovsky) não pode ser o suficiente para mover a região de incerteza de medição o suficiente para levar o asteroide de encontro com a Terra em 2036”. Onde quer que esse asteroide nos atingisse, coisas muito ruins aconteceriam. O Apophis tem cerca de 900 pés (270 m) de largura, e atingiria a Terra com o equivalente de energia cinética de aproximadamente 500 milhões de toneladas de TNT.

Usando observações em infravermelho do telescópio espacial Herschel, os astrônomos estimam que a faixa de temperatura na superfície do Apophis (350 graus Kelvin corresponde a cerca de 170 ° F). No entanto, o formato do asteroide é provavelmente mais alongado, e não esférico. ESA / T. Müller

Observações recentemente lançadas em infravermelho da sonda da ESA-Agência Espacial Europeia, a sonda Herschel sugerem que o diâmetro do Apophis pode ser cerca de 20% maior do que o imaginado antes. “” O aumento de 20% no seu diâmetro, entre 270-325 m, se traduz em um aumento de 75% em nossas estimativas de volume do asteroide ou de sua massa”, diz Thomas Müller (Instituto Max Planck de Física Extraterrestre), que está coordenando as observações do Herschel .

No entanto, a modelagem de sua equipe assume que o Apophis é esférico – e a forma real se pensa para ser alongada. Nós ainda não ouvimos a última palavra sobre esse demônio interplanetário. As observações de rádio radar Goldstone do Apophis vai continuar até 17 de janeiro, e um acompanhamento adicional está previsto no próximo mês com a parabólica gigante do Radiotelescópio de Arecibo, em Porto Rico.

O Radiotelescópio de Arecibo é o maior radiotelescópio fixo do mundo, e localiza-se em Arecibo, Porto Rico. Sua antena parabólica gigante tem 305 metros de diâmetro e foi construída originalmente em 1963, na cratera de um vulcão extinto, para estudar a ionosfera terrestre. Ele é operado pela Universidade de Cornell, dos Estados Unidos da América e é atualmente a principal ferramenta na busca de vida extraterrestre, através do projecto SETI@home.

Todos os sinais captados devem render posições super-precisas do asteroide e, talvez, revelar a forma final do mesmo e do seu estado de rotação. Mas a preocupação com o Apophis foi apenas adiada, não eliminada totalmente. Sua órbita não é de todo diferente da Terra, e algum dia no futuro distante, os dois corpos ou terão uma catastrófica colisão – ou um encontro tão perto que a gravidade da Terra irá arrancar o Apophis para um caminho interplanetário novo e  significativamente diferente.

Para saber mais: http://thoth3126.com.br/asteroide-apophis-possivel-rota-de-colisao-em-2036/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e a citação das fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *