browser icon
You are using an insecure version of your web browser. Please update your browser!
Using an outdated browser makes your computer unsafe. For a safer, faster, more enjoyable user experience, please update your browser today or try a newer browser.

Asteroide Apophis: em rota de colisão com a Terra ?

Posted by on 16/07/2016

Asteroide Apophis – POSSÍVEL ROTA DE COLISÃO em 2036

A Nasa pode saber o bastante sobre um asteroide se aproximando da Terra para excluir uma colisão em 2036?

Pouco depois do sol se pôr na sexta-feira, em 13 de abril de 2029, se o céu estiver claro o suficiente, as pessoas em toda a Europa e África do Norte vão ver um asteróide aparecer como um ponto brilhante de luz voando à velocidade de 19.400 milhas aéreas antes que desapareça silenciosamente abaixo do horizonte ocidental. Pouco tempo depois, se os piores temores dos astrônomos se realizarem, o asteróide vai passar por uma região do espaço menor do que 2.000 quilômetros de distância da superfície da Terra. . .

Tradução, edição e imagensThoth3126@protonmail.ch

Asteroide Apophis – POSSÍVEL ROTA DE COLISÃO em 2036

By Bruce Lieberman – UNION-TRIBUNE STAFF WRITER

http://www.signonsandiego.com/

… Nesse momento, por causa da atração gravitacional da Terra, o asteróide vai ser impulsionado  para uma nova órbita em torno do Sol – e em rota de colisão com a Terra sete anos depoisTudo soa como a premissa dos filmes “Armageddon”,  e “Deep Impact” (Impacto Profundo) ou algum outro filme blockbuster de Hollywood. Mas o asteróide, chamado 99942 Apophisé um fato científico, não ficção científica (ou PROFECIA). Em dezembro de 2004, os astrônomos causaram uma breve agitação nos meios acadêmicos quando seus cálculos estimaram que o recém descoberto asteroide – chamado mais tarde com o nome do antigo deus egípcio Apep, o Destruidor – pode colidir com a Terra em 2029.

Dados de monitoramento adicionais rapidamente descartaram a possibilidade de uma colisão em 2029. Mas o potencial de uma colisão com o planeta em 2036 é alto, o asteróide deve entrar nesse espaço gravitacional crucial, o que o coloca no topo da lista da NASA de 3.800 asteróides próximos à Terra identificados pela agência americana.  Com base nas últimas informações, o asteróide, que é quase o dobro do tamanho do Qualcomm Stadium, tem uma em 6.250 chances de colidir com a Terra em 13 de abril de 2036.

Qualcomm station, em San Diego, a metade do tamanho do Apophis.

 “Estamos muito preocupados com que as pessoas coloquem isto em perspectiva”, disse Russell Schweickart, um astronauta da Apollo e ex-chefe de uma fundação que se concentra na atenção do público sobre a ameaça dos asteróides e cometas. “Isso não é algo para se perder o sono, (mas) é algo que o governo precisa atender e se manter atento.”  Agora mesmo, a NASA está fazendo um pouco mais do que procurar e vigiar asteróides e procurando mantê-los sob rastreamento, afirmou Schweickart. Planos de desviar o Apophis, se for necessário, existem apenas nas páginas de alguns papéis acadêmicos.

No ano passado, o grupo Schweickart, a B612 Foundation – nome para o asteróide no livro, “O Pequeno Príncipe” – correspondeu-se com oficiais da NASA sobre a ameaça do Apophis. “Isso teria conseqüências devastadoras se vier a acertar a Terra”, escreveu Schweickart. “Existe a grave questão do clima, se for dirigido para o impacto com o planeta, nós saberemos o suficiente para tomar uma decisão oportuna”. Schweickart e outros cientistas da NASA pediram para colocar um emissor de sinais de rádio sobre a superfície do asteróide até 2014 para melhor poder rastrear o objeto.

Um transponder ajudaria a perceber quaisquer mínimas alterações orbitárias causadas por um fenômeno chamado de efeito Yarkovsky. Este é produzido quando um asteróide absorve a energia do sol e reirradia-a de volta para o espaço como calor. Com um lado do asteróide iluminado e o outro na escuridão, o desequilíbrio na radiação térmica produz uma aceleração minúscula. Um transponder poderia ajudar os cientistas a compreender como o efeito Yarkovsky está influenciando na trajetória da órbita do asteróide.

A NASA respondeu à solicitação de um “esperar para ver a proposta”. “Concluímos que uma missão espacial baseada unicamente em qualquer perigo de colisão percebido não se justificaria, neste momento”, escreveu Mary Cleave, administrador associado da NASA para a Direção de Missão Científica. A agência acredita que observações continuas de telescópio óptico e de rádio irá excluir Apophis como uma ameaça. Se não, a NASA vai lançar uma missão para o asteróide em 2018. Um rádio transponder, colocados em órbita ou em sua superfície, seria para determinar a posição do asteróide em 2029 com exatidão de umas poucas centenas de metros, segundo a NASA.

Se um impacto parecer provável, um foguete seria lançado para desviar o asteróide. A fase do projeto deverá ser concluída até 2020, a fim de lançar até 2024, a NASA observou. Schweickart disse que não discorda necessariamente com a análise da NASA, enquanto a agência pode projetar, construir, lançar e concluir com êxito essa missão antes de 2029. “O perigo está em ser excessivamente otimista quanto ao tempo que se leva para fazer isso.”

Se uma missão para desviar o asteróide for necessária, os cientistas concordam, ele terá de ser concluída antes de 2029, quando a órbita do Apophis poderia ser comprometida para um curso de colisão futuro. Devido às leis da física da gravidade e da mecânica orbital, atrasando a ação seria necessário, muito, mais muito mais energia para mover o asteróide mais tarde. “Assim, desse modo, será uma tarefa impossível, eu vou te dizer agora”, afirmou Schweickart. 

Em azul órbita do Asteróide Apophis que cruza com a órbita da Terra (em Branco) em 13 de abril de 2036.

Um Pinball Cósmico

A ameaça de uma colisão com um asteróide  sempre esteve conosco. Mais de quatro bilhões de anos atrás, um monte de escombros sobrou como restos do anel de gás e poeira girando em torno de um sol jovem e se converteram em planetas e luas, o nosso sistema solar.

Durante um encontro muito próximo, o objeto maior – um planeta, por exemplo – pode arrancar o menor – um asteróide – fora de sua órbita. Como as duas partes estão em dois caminhos, há uma pequena chance de que o asteróide vai passar por uma região do espaço – os astrônomos chamam de um buraco – onde a atração gravitacional do planeta pode alterar a órbita do asteróide, colocando-o em rota de colisão no futuro com o mesmo planeta.

As leis da física do “fenômeno buraco da fechadura” (Keyhole) são bem compreendidos. “Baseado no conhecimento atual da órbita do Apophis, não podemos excluir a possibilidade de se passar por um buraco de fechadura e de atingir a Terra em uma posterior passagem”, diz o cientista da NASA David Morrison em um artigo no verão passado.

A maioria dos escombros no sistema solar é o tamanho de seixos, ou ainda menor. Quando esses bits colidem com a Terra, eles queimam na alta atmosfera e são vistos ou aparecem a partir do solo, como traços de luz –estrelas cadentes. Mas existem outros muito, muito maiores. Os cientistas estimam que um asteróide com cerca de 7,5 km de diâmetro atingiu a Península de Yucatán, no México 65 milhões de anos atrás, contribuindo pelo menos, para a extinção dos dinossauros e uma revisão da evolução da vida no planeta.

Fotos da imensa (1.050 metros) rocha que pode se chocar com a Terra.

 As conseqüências de tal choque nos dias de hoje seriam surpreendentes. “O material jogado para fora da atmosfera da Terra, nesse tipo de evento, teria como conseqüência uma chuva de volta para a terra, enchendo o céu com bolas de fogo ardente e incinerando uma área talvez tão grande como a Índia ou o dobro do tamanho da Europa”, sugere Mark Chapman, um astrônomo do Southwest Research Institute em Boulder, Colorado A poeira de tal explosão iria bloquear a luz solar durante muitos meses, matando a vida vegetal e animal na superfície do planeta.

Em 1998, o Congresso americano pressionou a NASA para encontrar e acompanhar, até 2008, 90 por cento dos asteróides do interior do sistema solar com tamanho de mais de dois terços de um quilômetro de diâmetro (666 metros de diâmetro). Dos 3.800 ou mais asteróides que agora são controladas e rastreados pela NASA, 824 estão nesta categoria, mas nenhum deles parece ser uma ameaça para a Terra por pelo menos mais 100 anos.

Os Astrônomos estimam que pode haver centenas de milhares de asteróides no interior do sistema solar, que são muito menores. Dos 3.800, 748 são designados como “potencialmente perigosos”, porque eles vêm próximos de 4,6 milhões de milhas do caminho orbital da Terra e são maiores do que 500 metros de diâmetro. O asteróideApophis, tem 1.050 metros, é um desses. Chapman estimou as chances de uma colisão da Terra por um asteróide há mais de dois terços de uma milha de diâmetro durante este século em 0,02 por cento, e um menor como Apophis de 0,2 para 1,0 por cento.

O impacto causaria a destruição da vida na Terra.

Se o asteroide Apophis assumir uma rota de colisão com o planeta, ele penetraria na atmosfera terrestre a uma velocidade de cerca de 28.000 quilômetros por hora e explodiria com uma força de 870 megatons  uma explosão 58.000 vezes mais potente que a bomba atômica sobre Hiroshima.

O Apophis provavelmente atingiria nossa atmosfera em um corredor estreito, no Oceano Pacífico, enviando ondas do tsunami monstruosas para a Costa Oeste dos USA, a equipe da B612-Foundation estimou.

Prejuízos imediatos nos USA – independente e além das mortes e do colapso econômico global total subseqüente – pode chegar a US $ 400 bilhões.

Gravidade por Reboque

Dois astrônomos propuseram uma alternativa para tal catástrofe. Edward T. Lu e Stanley G. Love do Johnson Space Center da NASA sugerem uma nave espacial não tripulada estacionada ao lado de um asteróide que represente ameaça – em essência, voando em formação com a rocha. Qualquer objeto com gravidade exerce massa, assim a nave espacial -, sem tocar o asteróide – poderia arrastar ao longo do tempo o asteróide para um pouco fora do seu caminho orbital.

“A sonda irá simplesmente pairar acima da superfície,” Lu e Love escreveram na revista Nature, em novembro. “A nave vai rebocar o asteróide com nenhum apego físico, usando a gravidade como um cabo de reboque”. O atrator gravitacional one-ton poderá desviar o Apophis suficientemente fora do buraco da fechadura (Keyhole) simplesmente pairando próximo a ele por cerca de um mês, Lu e Love disseram. Uma abordagem de reboque através da gravidade permitiria evitar os riscos associados a empurrar ou colidindo com o asteróide, que pode desestabilizá-lo e quebrá-lo em pedaços.

“É um método de deflecção gravitacional totalmente controlado”, afirmou Schweickart. Como cientistas ponderar que a proposta, avança  no tempo em direção a 2029 e 2036. A partir deste ano, (em 2006) os astrônomos vão perder contato visual e radar com Apophis, e que o asteróide não vai se tornar visível novamente até 2013.

“Nós vamos ter muitos anos pela frente com basicamente nenhuma informação adicional sobre para onde ele está indo”, afirmou Schweickart. Schweickart, Chapman e outros observaram que, pela primeira vez na história os seres humanos têm a capacidade de fazer algo sobre essa ameaça iminente, por enquanto ainda a uma segura distância de 40 milhões de milhas da Terra.

“Um impacto pode ser previsto com antecedência de forma que podem ser imperfeitos os cálculos”, Chapman escreveu. “(Mas) em contraste com os dinossauros, os seres humanos têm o discernimento e capacidade de evitar sua extinção.” 

Região marcada em vermelho em que o asteróide poderá cair em 13/04/2036.

O que eles vão fazer é que ainda não está claro, afirmou Schweickart. Esse mês ele pretende falar sobre o assunto em uma reunião das Nações Unidas em Viena e vai continuar as discussões com a NASA. Mesmo se o Apophis se afaste da Terra, ele enfatiza, não será o último asteróide perigoso a se dirigir  em rota para a Terra.

“Nós precisamos saber sobre eles, e ao mesmo tempo, temos de estar desenvolvendo a tecnologia (para desviar um), e alguém precisa ser responsável por todo esse processo de pesquisa”, disse ele.

No Livro das Revelações/Apocalipse de João, Capítulo 8, versículos 10 e 11, esta escrito: 

“E o terceiro Anjo tocou a sua trombeta, e caiu do céu uma grande estrela, ardendo como uma tocha, e caiu sobre uma terça parte dos rios, e sobre a fonte das águas. E o nome da estrela era Absinto, e a terça parte das águas tornou-se em Absinto, e muitos homens morreram das águas porque se tornaram amargas” 

Idem, Capítulo 9, versículo 1 a 12, a quinta trombeta:  

“E o quinto Anjo tocou a sua trombeta, e vi uma estrela que do céu caiu na Terra; e foi lhe dada a chave do poço do abismo e abriu o poço do abismo, e subiu fumo do poço, COMO O FUMO DE UMA GRANDE FORNALHA, E COM O FUMO DO POÇO ESCURECEU-SE O SOL E O AR“… Publicado originalmente em Janeiro 2015.

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

9 Responses to Asteroide Apophis: em rota de colisão com a Terra ?

  1. Onil

    Tudo bem, o que me diz do planeta NIBIRUS, qual é a informação sobre, esta próximo da terra ou…

  2. CARLOS PERMO KENNER

    É verdade esse pedregulho está vindo em direção a nós e será inevitavel que cruze nossa órbita…. contudo existem maneiras atualmente de desvia-lo ou mesmo destruí-lo, claro que Deus não o envia de propósito para nós mas Ele mesmo pode ajudar em seu afastamento.. também já temos tecnologia para desviar algo desse tipo, o que provavelmente “pouparia Deus” de ter esse trabalho. Mas o que dizer de nossos irmãos cósmicos que zelam por nós? Já desviaram recentemente um cometa usando a tecnica descrita aqui (reboque) o que foi visto por todos inclusive filmado pelos chineses o corpo celeste sendo escoltado por algo do tipo cilindrico e que fora desviado para o Sol… quem não lembra? E aquele que explodiu na Russia? Também filmado com um UFO em sua retaguarda que disparou algo contra ele e o desintegrou a pedaços? Pois é podemos nos virar mas não estamos sós…. Existem planos para essa humanidade que ainda desconhecemos….

  3. Renato Magal

    É preocupante essa possibilidade e se formos pensar pelo lado de coisas que indicam algo que possa afirmar a tal colisão, podemos citar a tal habitação em marte que acredito que não seja em marte realmente talvez não por muito tempo até se aproveitar da órbita de algum planeta não divulgado. O planeta recém descoberto pela Nasa Kepler 452B é muito similar a terra conhecido como planeta gêmeo e pode não ser ele mas deve ter algo secreto envolvido nessa missão a marte.

    Esse assunto aborda alguns mistérios que a população mundial não tem acesso por questões de segurança. Mas deve ter algo muito bem planejado incluindo a tal area-51 e esse novo “planeta” que deve habitar alguma raça desconhecida que acredito que colaboram a muito tempo com o avanço da tecnologia que temos atualmente.

    Devem existir milhares de informações que não temos acesso o que não deixa de ser interessante.

    Mas em relação a asteroides é uma questão alarmante para nosso planeta física mente falando o que não deixa de ser interessante em relação a bíblia que contém informações sobre a vida.

    Tudo tem um sentido

  4. Marco Misek

    Mas, de acordo com Donald Yeomans, do Near Earth Object Project da Nasa, a maneira mais simples de desviar o Apophis é enviar uma nave espacial para se chocar contra o interior do asteróide, tirando-o de sua rota.

  5. Orides Holodniak

    Isso mesmo eles estão lá , os asteróides e o choque com a terra uma questão de tempo .os pequenos se chocam todos os dias mas são destruídos pela atmosfera. Até 2029 vamos desviar rotas de colisão com a nossa casa.,.

  6. Uriel

    Pelo que entendi, o asteróide cairá sobre o mar e causará uma imensa onda. O choque provavelmente ativará um grande vulcão ou muitos. A fumaça escurecerá o céu. Os 3 dias de trevas…

  7. anama

    gotei te visitar

  8. ronaldo oliveira

    amigos, a missão da Nasa é viabilizar a habitação provisória do homem em marte por 6 meses…minha ficha já caiu! Existe mais investimento em como sair fora da terra do que restaurar o planeta…já eramos!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *