browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Atividade solar em janeiro

Posted by on 24/01/2013

Atividade solar em Janeiro de 2013.

A atividade solar se intensifica, com emissão de CMEs-Ejeção de Massa Coronal em 23 de janeiro, registradas pelas câmeras do satélite SDO-Solar Dynamics Observatory e  com o surgimento de um enorme Buraco Coronal na superfície do Sol, com emissão de vento solar carregado de energia. 

Tradução:  Thoth3126@gmail.com

Fonte: http://www.spaceweather.com/

Há quatro manchas visíveis no lado mais distante (da Terra) do sol. Nenhum deles está ativamente “queimando”. Os Meteorologistas do NOAA colocam as probabilidades de uma labareda solar hoje de M-classe  em mais de 10%.

ERUPÇÕES solares – Emissão de Flare/CME: Dois longos filamentos de magnetismo solar eclodiram ontem, dia 23 de janeiro, lançando brilhantes ejeções de massa coronal (CME-Coronal Mass Ejection) para o espaço. Esta emissão de plasma solar passou em frente de Mercúrio:

Uma forte CME (Coronal Mass Ejection) ejeção de massa coronal aconteceu durante o dia 23 de janeiro e foi dirigida para o planeta Mercúrio (o ponto brilhante na imagem, abaixo e à esquerda do sol).  SDO-Solar Dynamics Observatory/NASA (http://www.spaceweather.com/images2013/23jan13/cme_anim.gif?PHPSESSID=65duo4cq2kasuu6i0eth81fk81)

A  segunda CME (Coronal Mass Ejection) passou muito acima do pólo norte do Sol. A Terra não estava na linha de fogo de qualquer uma das duas erupções.

O satélite SDO-Solar Dynamics Observatory da NASA gravou a erupção que lançou o CME em direção à Mercúrio:. Clique para definir o cenário em movimento:

Um enorme filamento de plasma solar é emitido pela superfície do sol em emissão de CME-Coronal Mass Ejection, no dia 23 de janeiro, não se dirigindo em direção à Terra. NASA/SDO-Solar Dynamics Observatory 

Estes dois eventos mostram que as manchas solares (Sunspots) não são necessárias para a atividade solar e emissão de CMEs. Nenhum dos filamentos que eclodiram ontem estavam com sua origem no núcleo escuro de uma mancha solar (Sunspot).

Enquanto isso, todas as manchas solares visíveis no momento estão silenciosas; sem nenhuma atividade aparente, a atividade das manchas solares esta muito baixa.

Surge um enorme Buraco Coronal ao sul do Sol: Um buraco na superfície da atmosfera do Sol – um “buraco coronal” – se abriu no hemisfério sul do Sol, e está lançando uma corrente de vento solar para o espaço. Câmeras de vídeo de Ultra Violeta, do satélite SDO-Solar Dynamics Observatory da NASA fotografou o  escuro fosso na superfície do Sol durante as primeiras horas de 23 de janeiro:

Câmeras de vídeo de Ultra Violeta, do satélite SDO-Solar Dynamics Observatory da NASA fotografaram o escuro e enorme fosso na superfície do Sol (marcado pelas setas brancas) durante as primeiras horas de 23 de janeiro.

Os Buracos Coronais são lugares na atmosfera do Sol onde o campo magnético do Sol se abre e permite que o vento solar escape. Um fluxo de vento solar que flui a partir deste furo coronal particular  deve atingir a órbita da Terra em janeiro, dias 26-27.

Se esse fluxo de plasma solar vai realmente bater em nosso planeta ainda é desconhecido. Por causa da alta latitude do sul do buraco coronal, o vento solar que foi emitido pode não atingir o nosso planeta, navegando alto acima e sobre o nosso próprio pólo sul. Observadores do céu em altas latitudes (no norte)  devem, no entanto, se manterem alertas para ocorrências de Aurora Boreal.

NASAhttp://www.spaceweather.com/

Permitida a reprodução desde que respeite a formatação e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *