browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Atlântida e os deuses da Antiguidade – final.

Posted by on 07/08/2016

atlantida-vimanaOs deuses da Antiguidade e a Atlântida – Parte 3, final.

A descrição da civilização de Atlântida fornecida por Platão, no livro “Timeo e Crítias”, pode ser assim resumida: 

No princípio dos tempos, os “deuses” dividiram a Terra entre si de acordo com suas respectivas dignidades, poderes e inclinações. Cada um se tornou “divindade” principal em seu território onde foram erguidos templos, símbolo da grandeza daqueles “deuses”; templos dirigidos por cleros de sacerdotes onde eram realizados rituais, entre os quais, os sacrifícios…

Tradução, edição e imagens:   Thoth3126@protonmail.ch

Atlantis and the Gods of Antiquity por Manly P. Hall – “In The Secret Teachings of All Ages”, 1928

Fonte: http://www.sacred-texts.com/eso/sta/sta 07.htm[

Primeira e segunda partes em: 

  1. http://thoth3126.com.br/atlantida-e-os-deuses-da-antiguidade/
  2. http://thoth3126.com.br/atlantida-e-os-deuses-da-antiguidade-parte-2/

ATLÂNTIDA foi o tema de um artigo curto, mas importante que apareceu no Annual Report of the Board of Regents of The Smithsonian Institution [Relatório Anual do Conselho dos Regentes do Instituto Smithsonian] para o exercício findo agora no distante 30 de junho de 1915.

Atlantis-Cole_Thomas_The_Course_of_Empire_Destruction_1836-02

“A História da Atlântida”, escreveu Inácio Donnelly, “é a chave da mitologia grega (e de todos os povos antigos). Não pode haver nenhuma dúvida de que esses deuses da Grécia eram seres humanos. A tendência para anexar atributos divinos para os importantes, antigos e históricos governantes terrestres esta profundamente implantada na consciência da natureza humana.

Um Nome recorrente  Uma antiga lembrança:

Autores antigos, gregos e depois romanos designavam as tribos do noroeste da África como atalantes,  atarantes. Outros autores clássicos, os chamavam como os atlantioi. As tribos berberes da África setentrional conservavam suas próprias lendas sobre  um reino guerreiro de Attala, localizado ao largo da costa africana, com ricas minas de ouro, prata e estanho, e que enviavam para a África não apenas esses metais, mas também muitos exércitos conquistadores. Attala está agora submersa no oceano mas, segundo uma profecia, reaparecerá um dia. Os bascos, habitantes do sudoeste da França e norte da Espanha, acreditam-se descendentes de Atlântida, a que chamam Atlaintika. Marinheiros fenícios e cartagineses eram notoriamente familiarizados com uma próspera ilha ocidental por eles chamada Antilla.

Parte 3, final:

Adonis era originalmente uma divindade andrógina que representava a energia solar que no inverno era destruída pelo princípio do mal, o frio – o javali. Depois de três dias (meses) no túmulo, Adonis subia (com o fim do inverno) triunfante no dia 25 de março (solstício de primavera para o hemisfério norte), em meio à aclamação de seus sacerdotes e seguidores, “Ele ressuscitou!” Adonis nascia de uma árvore de mirra. A mirra, o símbolo da morte por causa de sua ligação com o processo de embalsamento do corpo, era um dos presentes trazidos pelos três Reis Magos à manjedoura de Jesus Cristo.

Nos Mistérios de Adonis o neófito passava pela morte simbólica do deus e, era “levantado” pelos sacerdotes, entrava em estado abençoado de redenção possível graças aos sofrimentos de Adonis. Quase todos os autores acreditam que Adonis teria sido originalmente um deus da vegetação diretamente relacionado com o crescimento e amadurecimento de flores e frutas. Em apoio a este ponto de vista descrevem os “jardins de Adonis”, que eram pequenos cestos de terra em que as sementes eram plantadas e alimentadas por um período de oito dias. Quando essas plantas prematuramente morriam por falta de terra suficiente, elas eram considerados emblemas do deus Adonis assassinado e geralmente eram lançadas no mar, com imagens do deus.

Na Frígia (hoje parte da Turquia) existia uma escola notável de filosofia religiosa que se centrava em torno da vida e do destino prematuro de outro deus salvador, conhecido como Atys, ou Átis, por muitos considerado sinônimo de Adonis. Esta divindade (Também) nasceu à meia-noite no dia 24 de dezembro. De sua morte há dois registros. Em um deles ele foi ferido até a morte como Adonis, no outro ele castrou a si mesmo sob um pinheiro e ali morreu. Seu corpo foi levado para uma caverna pela Grande Mãe (Cibele), onde permaneceu através dos tempos sem se decompor. 

Para os ritos de Atys o mundo moderno está em dívida com o simbolismo atual da árvore de Natal. Atys concedeu a sua imortalidade para a árvore sob a qual ele morreu, e Cibele levou a árvore com ela quando ela removeu o corpo. Atys permaneceu três dias no sepulcro, ascendeu à vida em uma data correspondente a manhã da Páscoa católica e judaica, e por esta ressurreição venceu a morte para si e para todos os que foram iniciados nos seus mistérios.

“Nos Mistérios dos frígios”, diz Julius Firmicus “, que são chamados de os Mistérios da Mãe dos deuses, a cada ano um pinheiro é cortado e no interior da árvore a imagem de um jovem é amarrada dentro da árvore! Nos Mistérios de ÍSIS o tronco de um pinheiro é cortado: o meio do tronco é bem cavado, o ídolo de Osíris feito a partir dessas peças ocas é enterrado. Nos Mistérios de Prosérpina num corte de árvore é montado a efígie da Virgem, e quando a árvore é conduzida pelas ruas da cidade é lamentada 40 noites, mas na  quadragésima noite ela é queimada! ” (Veja Sod, os Mistérios de Adoni .)

Os Mistérios de Atys incluía uma refeição sacramental, durante o qual o neófito comia alimentos de um tambor e bebia água de um címbalo. Depois de ser batizado com o sangue de um touro, o novo iniciado era então alimentado exclusivamente com leite para simbolizar que ele ainda era um bebê filosófico, recentemente renascido, agora fora da esfera da materialidade mundana. (Ver Frazer The Golden Bough .) Existe uma possível conexão entre esta dieta láctea prescrita pelo rito de Átys e a alusão de São Paulo sobre comida para bebês espirituais? Salústio dá uma chave para a interpretação esotérica dos rituais de Átys. 

Poseidon, o Senhor dos Mares.

Cibele, a Grande Mãe, significa os poderes vivificantes do universo, e Atys esse aspecto da inteligência espiritual que está suspenso entre as esferas divinas e animais. A Mãe dos deuses, amando Atys, deu-lhe um chapéu estrelado, significando os poderes celestiais e a conexão com Deus, mas Atys (a humanidade), se apaixonando por uma ninfa (ser simbólico das propensões animais inferiores no ser humano), perdeu sua divindade e perdeu seus poderes criativos. É assim evidente que Atys representa a consciência humana e que seus mistérios estão preocupados com a recuperação dos poderes representados pelo chapéu estrelado. (Veja Salústio sobre os Deuses e do Mundo .)

Os ritos de Sabazius eram muito semelhantes aos de Baco e acredita-se que as duas divindades são idênticas. Baco nasceu em Sabazius ou Sabaoth, e estes nomes são freqüentemente atribuídos a ele. Os Mistérios Sabáticos eram realizados durante a noite, e o ritual incluía o desenho de uma cobra viva através do peito do candidato. Clemente de Alexandria escreve: “O símbolo dos Mistérios Sabáticos para os iniciados é “a divindade” (a serpente, o símbolo do CONHECIMENTO, que pode envenenar e matar o neófito) deslizando sobre o peito.

“Uma serpente de ouro era o símbolo dos ritos Sabáticos porque esta divindade representava a renovação anual do mundo pela energia solar. Os judeus emprestaram (n.t. quase tudo na cultura hebraica É EMPRESTADO de culturas muito mais antigas) o nome Sabaoth destes mistérios e adotaram-no como uma das denominações de seu Deus supremo. Durante o tempo os Mistérios Sabáticos foram celebradas em Roma, o culto ganhou muitos adeptos e mais tarde influenciou o simbolismo do catolicismo romano quando Constantino criou a Igreja católica em 315 aD.

Os  Mistérios Cabiricos da Samotrácia (uma Ilha grega no norte do Mar Egeu) eram famosos entre os antigos, ficando ao lado dos Mistérios de Elêusis na estima do público. Heródoto declara que os samotrácios receberam suas doutrinas, especialmente as que dizem respeito a Mercúrio (Thoth, Hermes), dos pelasgos. Pouco se sabe sobre os rituais Cabiricos, pois estavam envoltos em profundo segredo. Alguns consideram os deuses Cabiri como em número de sete e se referem a eles como “os sete Espíritos de fogo diante do trono de Saturno (Cronos).” Outros acreditam que os Cabiri fossem os sete peregrinos sagrados, mais tarde chamados de planetas.

O Caduceu com as duas serpentes, símbolo de sabedoria na antiguidade.

Enquanto um grande número de divindades (Cabiri) estão associadas com os Mistérios da Samotrácia, o centro dramático dos rituais se situa em torno de quatro irmãos. Os três primeiros – Aschieros, Achiochersus e Achiochersa – atacam e assassinam o quarto – Cashmala (ou Cadmillus). Dionysidorus, no entanto, identifica Aschieros com Deméter, Achiochersus com Plutão, Achiochersa com Perséfone, e Cashmala com Hermes. Alexander Wilder observa que, no ritual da Samotrácia “Cadmillus é feito para incluir o deus serpente (deus da sabedoria, do conhecimento) Tebano (de Tebas, hoje Luxor, Egito), Cadmus, o Thoth do Egito, o Hermes dos gregos, e o Emeph ou Esculápio dos alexandrinos e fenícios.”

Aqui, novamente, esta mais uma repetição da história de Osíris, Baco, Adonis, Balder, e Hiram Abiff. O culto de Átis e Cibele também estava envolvido nos mistérios da Samotrácia. Nos rituais dos Cabiri pode ser traçado uma forma de adoração à arvore do pinheiro, pois esta árvore, sagrada para Atys, foi desbastada pela primeira vez na forma de uma cruz para, em seguida, ser cortada em honra do deus assassinado, cujo corpo foi descoberto embaixo da árvore.

“Se você deseja inspecionar as orgias dos Corybantes”, escreve Clemente de Alexandria: “Então, saiba que, depois de ter matado o seu terceiro irmão, se cobria a cabeça do corpo morto com um pano roxo, coroavam-no e levavam-no na ponta de uma lança, e o enterravam sob a base do Monte Olympus. Esses mistérios são, em suma, assassinatos e funerais. [Este Pai da IGREJA de Roma, antes de (Concílio de) Nicéia em seus esforços para difamar os ritos pagãos aparentemente ignora o fato de que, como o mártir Cabiri, Jesus Cristo foi abominavelmente traído, torturado e finalmente assassinado!] 

Os Mistérios do Cabiri eram divididos em três graus, o primeiro dos quais celebravam a morte de Cashmala, nas mãos de seus três irmãos, o segundo, a descoberta de seu corpo mutilado, as partes que tinham sido encontradas e se reuniram depois de muita trabalho; e o terceiro – acompanhado por grande alegria e felicidade – sua ressurreição e a consequente salvação do mundo. O templo dos Cabiri na Samotrácia continha uma série de divindades curiosas, muitos deles criaturas disformes que representam os poderes elementais da Natureza, possivelmente, os Titans báquicos. 

As crianças eram iniciadas no culto aos Cabiri com a mesma dignidade que os adultos, e os criminosos que chegavam ao santuário estavam a salvo de perseguição. Os ritos da Samotrácia estavam particularmente preocupados com a navegação, os Dioscuri – os irmãos Castor e Pólux, ou os deuses da navegação – estando estes deuses entre aqueles propiciados pelos membros desta seita. A expedição dos Argonautas, ouvindo o conselho de Orfeu, parou na ilha de Samotrácia com o objetivo de ter seus membros iniciados nos ritos Cabiricos.

Heródoto relata que quando Cambises entrou no templo do Cabiri ele foi incapaz de conter sua alegria ao ver diante de si a figura de um homem de pé e, de frente para o homem, a figura de uma mulher. Teria Cambises sido familiarizado com os princípios da astronomia divina, ele teria percebido que ele estava então na presença da chave para o equilíbrio universal. “Eu pergunto”, diz Voltaire,” quem eram esses Hierofantes, estes sacerdote sagrados, que celebravam seus antigos Mistérios da Samotrácia, e de onde vieram e os seus deuses Cabiri?'” (Ver Mackey Encyclopædia da Maçonaria .)

atlantida-piramide

Clemente de Alexandria fala dos Mistérios dos Cabiri como “o mistério sagrado de um irmão morto por seus irmãos”, e da “morte Cabiri” como sendo um dos símbolos secretos da antiguidade. Assim, a “alegoria” (todos os ritos sagrados das antigas religiões são ALEGORIAS de conhecimento e sabedoria profundas da Criação Universal) do verdadeiro EU (Atma-Alma) assassinado pelo não-eu (o EGO humano temporário) é perpetuada através do misticismo religioso de todos os povos. A morte filosófica e a ressurreição filosófica são os Menores e os Grandes Mistérios, respectivamente.

Um aspecto curioso do mito da morte do deus é o do Enforcado. O exemplo mais importante dessa concepção peculiar é encontrada nos rituais nórdicos onde Odin se enforca por nove noites nos ramos da árvore do mundo e sobre a mesma ocasião também perfura seu lado direito com uma lança sagrada. Como o resultado deste grande sacrifício, Odin, enquanto suspenso sobre as profundezas do Nifl-heim, descobre, pela meditação, as runas ou o alfabeto rúnico pelo qual, mais tarde, vai registrar as façanhas e a história de seu povo (nórdico, os Vikings) que assim foram preservadas. 

Devido a esta experiência notável, Odin às vezes é mostrado sentada em uma árvore da forca e ele se tornou o patrono de todos os que morreram enforcados. Esotericamente, o Enforcado é o espírito humano que está suspenso do céu por um único segmento. A Sabedoria, e não a morte, é a recompensa para este sacrifício voluntário, durante o qual a alma humana, suspensa sobre o mundo material da ilusão, meditando sobre sua irrealidade, buscando a redenção, desenvolve conhecimento, adquire sabedoria, usa o discernimento e assim é recompensada pela conquista da auto-realização.

A partir de uma análise de todos esses rituais antigos e secretos, torna-se evidente que o mistério do deus morrendo era universal entre as faculdades iluminadas e veneradas da doutrina (secreta) sagrada. Este mistério foi perpetuado no cristianismo na crucificação e morte do Deus-homem-Jesus, o Cristo. É importante que o segredo desta tragédia mundial e do Mártir Universal deva ser redescoberto se o Cristianismo (ou melhor dizendo, o catolicismo romano) quizer alcançar as alturas alcançadas pelos “pagãos” nos dias de sua supremacia filosófica. 

O mito do deus moribundo é a chave para a redenção e a regeneração universal e individual de cada alma encarnada no planeta, e aqueles que não compreendem a verdadeira natureza desta suprema alegoria não têm o privilégio de ter algum conhecimento, discernimento e considerar-se sábio ou verdadeiramente um ser realizado espiritualmente.

Ecos da Atlântida são encontrados nas cerâmicas de povos europeus muito antigos, como em Jaen, na Espanha.

A Herança da civilização Atlante:

É possível que religião, filosofia e conhecimentos científicos dos sacerdotes de todas as civilizações ao longo do Mundo Antigo sejam uma herança da civilização Atlante que se aniquilou levando para o fundo do mar, quase sem deixar vestígios, uma grandiosa página da história da espécie humana. Os Atlantes adoravam o sol, devoção que foi perpetuada entre pagãos e mais tarde católicos. A cruz e a serpente eram, e ainda são emblemas sagrados que, entre os atlantes, representavam a sabedoria divina.

Mitologias de muitas nações falam de deuses que “vieram do mar e dos céus”. Entre nativos americanos, especialmente na América Central e América do Norte, os shamans falam de homens adornados com plumas (Gracianos do planeta Gracyea) e conchas que saem das águas oceânicas para instruir o povo sobre artes e os ofícios. Entre os caldeus [Mesopotâmia], existe Oannes, criatura meio homem, meio anfíbio, que sai do mar para instituir entre os selvagens os princípios da civilização: escrita, leitura, cultivo do solo, cultivo de ervas curativas, a ciência da astronomia, as formas de governo e os mistérios sagrados da religião. Também o “deus-Salvador” maia, Quetzalcoatl, (a Serpente Emplumada, cuja origem esta no planeta Gracyea) saiu do mar e, depois de instruir e civilizar o povo, subiu ao céu e voou, de volta  às suas origens à bordo de um barco mágico conduzido por serpentes para escapar da ira do deus Tezcatlipoca.

Muitos estudiosos acreditam que esses “iniciadores”, “deuses-mestres”, semi-deuses que povoam as Eras Míticas, foram sacerdotes, homens de ciência ou apenas homens acostumados com tecnologia, artefatos e instituições da civilização que sobreviveram ao aniquilamento da Atlântida. Em todo o mundo, esses Mestres são lembrados como seres gloriosos, que usavam jóias, muito ouro, de sabedoria assombrosa e que tinham como símbolos do sagrado as recorrentes presenças da serpente (Sabedoria, conhecimento, discernimento) e da emblemática cruz (sacrifício).

Stonehenge, uma herança da Atlântida?

Nos lugares onde viveram, esses Mestres sacerdotes da sabedoria antiga promoveram a construção de grandes edifícios e templos que remetem à descrição do Grande Santuário da Cidade das Portas Douradas em Atlântida. Essa poderia ser a origem das pirâmides do Egito, México e América Central e outras, pouco faladas, como as pirâmides Chinesas e na Bósnia; o mesmo se aplica aos mounds, as colinas artificiais da Normandia e da Bretanha e numerosas edificações piramidais espalhadas por todo o globo. 

Construções ciclópicas de templos e locais sagrados tais como Sacsayhuaman (Peru), Baalbek (Líbano),  Stonehenge   (Inglaterra), Teotihuacan (México), Miradol (El Mirador- Guatemala).

 Possivelmente, o cataclismo que destruiu Atlântida aconteceu em meio a já um processo de colonização, de expansão territorial    dos Atlantes pela Europa, África (Egito) e demais continentes.

Os Atlantes promoveram a primeira grande guerra do mundo (DESCRITA NO RAMAYANA, contra a antiga ÍNDIA, então conhecida como BHARATA); todas as outras guerras subseqüentes foram travadas como esforço infrutífero de justificar aquela primeira e consertar, compensar    prejuízos sofridos. Antes da submersão da Atlântida, uma minoria de Iluminados, percebendo que sua terra estava definitivamente amaldiçoada, desviada do Caminho da Luz, após receberem orientação superior, cincoenta anos antes do afundamento final do continente, eles começaram a migrar para lugares distantes levando consigo a “Doutrina Secreta” de todos os saberes e os registros do mundo antigo e pré dilúvio, sendo o principal local de sua migração o delta do Rio Nilo, eles são os criadores da civilização do Antigo Egito.

A ocultista e pioneira da disseminação da Doutrina Secreta no Ocidente, H. P. Blavatsky, orientada pelos Mestres da Sabedoria Antiga (El Morya Khan e Kuthumi Lal Singh) escreveu sobre as causas esotéricas da destruição da civilização Atlante correspondente à Quarta Raça Raiz Humana, sendo a atual, a Quinta Raça Raiz:

“Sob a influência do mal [corrupção generalizada, até mesmo com sacrifícios humanos] a raça Atlante tornou-se uma nação de magos negros. A primeira conseqüência foi a guerra. Essencialmente, essa situação foi desfigurada em alegorias como a saga de Caim, os Gigantes semidivinos, Noé, sua retidão de caráter e sua missão de preservar as sementes da Humanidade em uma Arca”.

 poseidonis-vulcãoNo final da existência da Atlântida, assim como será AGORA NO FINAL DESTE CICLO, a Natureza [a Grande Deusa] acabou com a guerra, prostituição, sacrifícios humanos, e a corrupção generalizada afundando a Atlântida em meio ao caos das erupções vulcânicas, imensos terremotos e maremotos com gigantescos tsunamis. A lembrança dessa tragédia atlante (humana) aparece em todos os livros sagrados antigos e contemporâneos como alegorias e ritos de mistérios, nos Dilúvios, de Gilgamesh, Utnapishtim, e no Antigo Testamento judaico-católico.

A herança Atlante, não é somente um tesouro de maravilhas: artes, tecnologia, ciências, filosofia, conhecimento, religião; também tem igualmente a sua cota de ódio, conflitos, intolerância, competição, discórdia, perversão, luxúria, egoísmo, tanto o positivo assim como o negativo também constituem um legado desses ancestrais (O MESMO MUNDO QUE ESTAMOS VIVENDO HOJE E QUE VAI TERMINAR DA MESMA FORMA, com a diferença de que será, desta vez, um EVENTO GLOBAL!!).

Deus é a Verdade e a Luz é Sua sombra.  Platão


{nota:  Nos registros de um antiquíssimo Templo budista em LHASA, no TIBET, há para ser visto uma antiga inscrição caldeia inscrita cerca de 2.000 anos a.C. (ou mais antiga ainda…) onde se pode ler:

Quando a estrela Baal caiu sobre o lugar onde agora é só mar e céu, as sete cidades com suas portas de ouro e seus templos transparentes tremeram e balançaram como as folhas de uma árvore na tempestade. E eis que um dilúvio de fogo e fumaça surgiu a partir dos palácios, a agonia e os gritos da multidão preencheram o ar. Eles procuraram refúgio em seus templos e cidadelas e o sábio Mu, o hierático sacerdote de Ra-Mu, se levantou e lhes disse:

Será que eu não previ tudo isso”?

E as mulheres e os homens em suas roupas brilhantes e pedras preciosas se lamentavam:

“Mu, salve-nos.”

E Mu respondeu:

“Vocês morrerão junto com os seus escravos e suas riquezas materiais e de suas cinzas surgirão novas nações. E se eles também se esquecerem que são superiores, não por causa do que eles usam ou possuem, mas do ( bem e a Luz) que eles colocarem para fora de si mesmos, a mesma sorte  vai cair sobre eles!”

Muito em breve a história do final de Atlântida se repetirá, mas desta vez os eventos serão a nível GLOBAL.

As chamas e o fumo sufocaram as palavras de Mu. A terra das sete cidades e seus habitantes foram despedaçados e engolidos para as profundezas do oceano revolto em poucos dias”.} (Postado em setembro 2015)

Parte 3 de 3, final.

Mais informações sobre Atlântida em:

  1. http://thoth3126.com.br/as-tabuas-de-esmeralda-de-thoth-o-rei-sacerdote-de-atlantida/
  2. http://thoth3126.com.br/uma-vida-em-atlantida/
  3. http://thoth3126.com.br/atlantida-restos-de-uma-imensa-cidade-encontrada-na-costa-de-cuba/
  4. http://thoth3126.com.br/atlantida-triangulo-das-bermudas/
  5. http://thoth3126.com.br/a-historia-secreta-do-planeta-terra/
  6. http://thoth3126.com.br/atlantida-o-continente-perdido/
  7. http://thoth3126.com.br/bimini-road-atlantida-misterios-nao-resolvidos-do-mundo/
  8. http://thoth3126.com.br/atlantida-um-habitante-de-dois-planetas-xi/
  9. http://thoth3126.com.br/o-misterio-do-triangulo-das-bermudas/
  10. http://thoth3126.com.br/atlantida-um-habitante-de-dois-planetas/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

15 Responses to Atlântida e os deuses da Antiguidade – final.

  1. Tony

    Ola Thot bom dia.
    Inicialmente gostaria de parabeniza lo pelo seu sitr que sempre tras enorme quantidades de informações a respeito de diversos assuntos normalmente desconhecidoa ou ignorados pela maioria das pessoas.
    Gostaria se possivel saber sua opnião a respeito de Jesus Cristo.
    Ja que somos produtos de alterações geneticas feitos pelos Anunakis para servirmos de uma especie de escravos, e logo depois a guerra emtte os irmaos criadores, me pergunto de qual tipo de grupo Jesus Cristo pertence?
    E quando ele se refere AO PAI CRIADOR ele fala de quem?
    Essa parte esta meio confusa na minha cabeça.
    Penso que se ele pertença a outra raça mesmo que a nivel vibracional e dimencional diferente da nossa então pq ainda aim se fala de vingança divina etc dando uma conotaçao que nos leva a pensar que ele represente a mesma raça que nos criou.
    O que vc pensa sobre isso?

    • Thoth3126

      Caro Tony, pesquise, aqui no blog mesmo, com a palavra SANANDA e voce vai encontrar postagens que podem te ajudar a esclarecer as suas dúvidas. Muita Luz e Paz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *