browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

China constrói frota de porta-aviões …

Posted by on 19/01/2016

dragão-triad

China quer ampliar influência regional com frota própria de porta-aviões

A primeira unidade está prevista para 2020.

Aventuroso e ilícito, o caminho de Pequim até seus próprios porta-aviões começou em 1998. O negociante chinês Xu Zengping envolvido na compra do porta-aviões da Ucrânia (Projeto russo) relata uma história de corrupção, traição, muito álcool e pirataria.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

China adquiriu o seu primeiro porta-aviões, uma história de corrupção, traição e muito álcool.

Autoria Matthias von Hein (av)  Fontehttp://dw.de/p/1ESN3 – © 2015 Deutsche Welle

Tamanho, prestígio, poderio militar: no mundo da marinha, os porta-aviões evocam todas essas associações. Não é de espantar que o líder chinês Mao Tsé-Tung já considerasse a possibilidade de construir essas embarcações em seu país.

china-Liaoning_first_mission

O único porta-aviões da China, o CV-16 Liaoning saiu da base portuária do norte de Qingdao, escoltado por quatro navios de guerra, para a sua primeira missão no Mar do Sul da China, onde a China enfrenta outra disputa com o Vietnã, Taiwan e Filipinas sobre a posse de um grupos de ilhas.

Mas, como se trata de um tipo de armamento extremamente complexo e custoso, até 25 de setembro de 2012 a China era o único membro permanente do Conselho de Segurança da ONU sem porta-aviões condizentes com seu status.

Naquele dia, foi colocado em operação o Liaoning, com 300 metros de comprimento, velocidade de mais de 50 quilômetros por hora, 1.500 tripulantes – e originalmente construído na Ucrânia.

Só através de muitos truques a Marinha da China entrou em posse do navio, originalmente batizado Varyag, como relatou recentemente o negociante Xu Zengping ao jornal South China Morning Post, de Hong Kong: uma história de corrupção, traição e álcool.

Xu Zengping relatou sua incrível história ao jornal “South China Morning Post”

china-porta-aviões

O negociante Xu Zengping em entrevista ao jornal South China Morning Post, de Hong Kong: uma história de corrupção, traição e álcool.

Movido a aguardente chinesa

Antes de se projetar no mundo dos negócios, Xu foi jogador de futebol profissional da Marinha, tendo, portanto, ligações estreitas com a instituição. Com o fim de contornar a resistência ucraniana a vender o Varyag para fins militares, ele fundou uma empresa de jogos de azar.

Munido da licença comercial recém-adquirida, ele voou em janeiro de 1998 para a Ucrânia, alegando a intenção de transformar o porta-aviões num cassino flutuante. Nas próprias palavras de Xu, um de seus recursos de argumentação eram os “montes de cédulas de dólar” para a diretoria do estaleiro, além de mais de 50 garrafas da mais forte aguardente chinesa.

Depois de quatro dias de negociações banhados a álcool, o acordo estava fechado: por 20 milhões de dólares o Varyag mudou de dono. Ele vinha acompanhado de 40 toneladas de documentos das próprias plantas de construção do porta-aviões. Por via das dúvidas, Xu as enviou imediatamente para a China por terra, em oito caminhões.

Viagem acidentada

Apesar desse e de outros episódios de desconfiança, e de atrasos ditados pela crise financeira na Ásia, a transação veio acompanhada por uma boa surpresa: os sistemas de propulsão ainda estavam a bordo e intactos. Provavelmente ainda hoje o Liaoning navega com as máquinas originais ucranianas.

“Tubarão Voador” pousado sobre o porta-aviões chinês: semelhança inegável com modelo russo

China-j15-plane

Um caça J-15 (Tubarão Voador) a jato embarcado no primeiro porta-aviões da China, o Liaoning Foto: AP / XINHUA

O trajeto para a sua nova casa, por sua vez, foi longo e acidentado. A Turquia interditou a travessia do estreito do Bósforo ao porta-aviões, que ficou retido no Mar Negro. O clima político só clareou depois da visita a Ancara do então presidente chinês, Jiang Zemin.

Em 2001, o Varyag iniciou viagem: através do Mar Mediterrâneo, passando pelo estreito de Gibraltar e contornando o extremo sul da África – não para Macau, mas sim direto para o nordeste da China. Segundo a revista econômica Caixin, a licença para transformação em cassino foi retirada exatamente no dia da entrada no porto de Dalian, 3 de março de 2002.

Modelo para frota chinesa

Segundo Michael Paul, do Instituto Alemão de Relações Internacionais e de Segurança (SWP, na sigla original), sediado em Berlim, a compra da embarcação militar originalmente soviética foi “enormemente importante” para a China, por representar um ganho de tempo.

Tendo o Liaoning como modelo, o primeiro porta-aviões de fabricação chinesa é aguardado para o ano de 2020. “Ao todo, esperamos uma frota de quatro porta-aviões. Isso representaria uma significativa projeção de poder, irradiando não só para a região da Ásia-Pacífico, como também para o Oceano Índico”, avalia o especialista em política de segurança internacional.

No entanto, diante do posicionamento mais agressivo de Pequim nas disputas territoriais nos mares do Sul e do Leste da China, seus vizinhos estão apreensivos, assim como os Estados Unidos.

EUA-Preparativos-guerra-China

A ascensão da China a potência militar de maior porte coloca em xeque décadas de dominância regional dos EUA no ar e em alto mar.

Hegemonia americana abalada

Desde a Segunda Guerra Mundial, os EUA são a tradicional potência “protetora” e hegemônica do Pacífico Oeste, explica Michael Paul. No entanto, o relatório do fim de 2014 da americana China Economic and Security Review Commission constata objetivamente:

“A ascensão da China a potência militar de maior porte coloca em xeque décadas de dominância regional dos EUA no ar e em alto mar, na qual Washington deposita interesses substanciais de economia e segurança.”

A recomendação da comissão é que, para reforçar sua presença no Pacífico, a Marinha americana não só construa novos navios, como também transfira 60% de suas frotas para a região.

No momento, porém, o Liaoning não está preparado para o combate. Bernt Berger, do Instituto de Segurança e Política de Desenvolvimento (ISDP, na sigla em inglês) sediado em Estocolmo, explica não se tratar de um porta-aviões realmente apto à mobilização militar, mas antes “um projeto de exercício, treinamento de tripulações e desenvolvimento tecnológico”.

dragao-china

Ele permite aos pilotos de combate da força aérea chinesa exercitarem o pouso e decolagem numa embarcação em movimento, duas das manobras militares mais difíceis de executar. Os pilotos voam com o caça J-15, apelidado “Tubarão Voador”, cópia ilegal chinesa do russo Sukhoi SU-33. A China havia comprado um avião desse tipo no início do século 21 – igualmente da Ucrânia.

Mais informações em:

  1. http://thoth3126.com.br/o-brasil-esta-a-venda-e-a-china-compra/
  2. http://thoth3126.com.br/china-investe-pesado-na-a-latina-e-brasil/
  3. http://thoth3126.com.br/russia-e-china-assinam-acordo-de-400-bilhoes/
  4. http://thoth3126.com.br/russia-e-china-abandonam-o-dolar-americano/
  5. http://thoth3126.com.br/canal-na-nicaragua-russia-e-china-desafia-os-eua/
  6. http://thoth3126.com.br/china-um-golpe-de-estado-no-mercado-mundial-de-ouro/
  7. http://thoth3126.com.br/china-passa-a-controlar-campos-de-petroleo-e-gas-dentro-dos-eua/
  8. http://thoth3126.com.br/china-abre-caminho-para-o-oriente-medio-e-europa/
  9. http://thoth3126.com.br/chinag-77-discutem-uma-nova-ordem-mundial/
  10. http://thoth3126.com.br/china-construira-linha-de-trem-de-alta-velocidade-entre-moscou-e-pequim/
  11. http://thoth3126.com.br/china-espiona-e-rouba-segredos-dos-eua/
  12. http://thoth3126.com.br/china-se-prepara-militarmente/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth-escribawww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *