browser icon
You are using an insecure version of your web browser. Please update your browser!
Using an outdated browser makes your computer unsafe. For a safer, faster, more enjoyable user experience, please update your browser today or try a newer browser.

China investe pesado na A.Latina e Brasil

Posted by on 01/09/2015

dragao-china

Conheça os principais investimentos chineses na América Latina

Nada mais simbólico sobre a presença da China na América Latina do que a recente aquisição da mina  de cobre Las Bambas, no Peru.

A aquisição da mina foi efetuada da companhia suíça Glencore Xstrata PLC por US$ 5,8 bilhões.O Brasil também está na lista dos países latino-americanos que mais recebem investimentos do gigante país asiático. 

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Conheça os principais investimentos do gigante asiático, a CHINA, na América Latina

Da BBC Mundo – Marcelo Justo – http://www.bbc.co.uk 

No ano passado, um consórcio composto pela Petrobras, a francesa Total, a anglo-holandesa Shell, e as chinesas CNPC e Cnooc ganhou os direitos para explorar a bacia de Libra, a maior reserva petrolífera brasileira.

O desembarque chinês na região da América do Sul tem se caracterizado pelo deslocamento ou aquisição de empresas ocidentais por meio de grandes investimentos de empresas ou consórcios estatais.

china-mapa-pre-sal

As companhias petrolíferas chinesas CNPC e Cnooc ganharam (em leilão) os direitos para explorar a bacia de Libra, a maior reserva petrolífera brasileira.

Esta estratégia vem sendo possível por meio de um sistema de liberação de fundos do banco estatal chinês, que permite às empresas o acesso a grandes somas e, aos governos da região, financiar projetos sociais, como habitação, ou em infraestrutura, como estradas, transportes, entre outros.

Segundo o Instituto de Governança Econômica Global (Gegi, na sigla em inglês), da Universidade de Boston, a China concedeu US$102 bilhões em empréstimos à América Latina entre 2005 e 2013.

“Com a entrada da China na Organização Mundial do Comércio, em 2001, o comércio cresceu muito e isso levou, naturalmente, a um boom nos investimentos”, afirma à BBC Mundo Amos Irwin, da Gegi.

“Em vez de comprar o cobre de uma empresa na América Latina, a China decidiu adquiri-la ou ganhar uma participação majoritária para ter mais controle”, acrescenta. A estratégia chinesa é uma complexa integração entre o seu setor financeiro e o setor produtivo.

china_mineradora_las_rambas_624x351_reuters

Mineradora de cobre Las Bambas, no Peru, foi adquirida por consórcio chinês por US$ 5,8 bilhões.

“Em relação aos montantes, os empréstimos para a indústria petroleira e para outros propósitos garantidos pelos dividendos da commodity são mais importantes do que as aquisições”, afirma Irwin.

No reino dos grandes investimentos do gigante asiático, a estrela é o petróleo. Três companhias chinesas, Sinopec, CNPC e Cnooc, disputam o conjunto dos investimentos neste setor.

Abaixo, os cinco maiores investimentos chineses na região.

1. Venezuela

Em 19 de setembro do ano passado, o ministro do Petróleo venezuelano, Rafael Ramírez, anunciou um acordo com a China National Petroleum Corporation (CNPC) para obter investimentos de US$ 28 bilhões em um novo projeto na Faixa Petrolífera de Orinoco.

china_venezuela_maduro_304x171_reuters

A Venezuela é o principal destino dos investimentos chineses na América Latina

A CNPC é a companhia mãe da Petrochina, segunda maior petroleira do mundo em termos de capital. A este acordo se somou outro de US$ 14 bilhões anunciado pelo mesmo ministro com a estatal China Petroleum & Chemical Corporation (Sinopec). A Sinopec também já foi protagonista de outros grandes investimentos chineses na região.

2. Brasil

Em outubro de 2010, a Sinopec, maior refinaria chinesa, adquiriu 40% da espanhola Repsol no Brasil por US$ 7,1 bilhões. Em 2011, expandiu suas operações no país com a aquisição por mais de US$ 5 bilhões de 30% das operações da petroleira portuguesa GALP.

As duas operações são uma clara indicação da presença da Sinopec no Brasil e da estratégia chinesa de adquirir parcialmente ou de fazer uma fusão com companhias já em atuação.

E esta estratégia não se limita ao Brasil. Dois meses depois da aquisição parcial da Repsol, a Sinopec adquiriu na Argentina a americana Occidental Petroleum por mais de US$ 2,4 bilhões.

china-plataforma-pre-sal

China aproveitou crise internacional para investir no pré-sal brasileiro

No ano passado, as chinesas CNPC e CNOOC fizeram parte do consórcio vencedor do leilão para a exploração da bacia de Libra, maior reserva de petróleo do Brasil.

3. Argentina

A petroleira China National Offshore Oil Corporation (Cnooc) se tornou a segunda maior petroleira na Argentina, atrás apenas da estatal YPF, por meio de uma série de aquisições parciais multimilionárias de diferentes companhias.

Seu maior investimento foi em março de 2010, quando comprou 50% da petroleira argentina Bridas por US$ 3,1 bilhões. Em novembro do mesmo ano, a Bridas, já de maioria chinesa, adquiriu 60% da Pan American Energy por US$ 7 bilhões. E em fevereiro do ano seguinte, a Pan American Energy adquiriu 100% dos ativos da Esso Argentina por mais de US$ 800 milhões.

china_cristina_wen_jiabao_304x171_afp

Cristina Kirchner e Wen Jiabao, primeiro ministro da China

A nacionalização da YPF em 2012, que pôs em pé de guerra vários países ocidentais, não perturbou a China, que, em janeiro do ano passado, se associou à estatal argentina para a exploração de petróleo de xisto na gigantesca reserva de Vaca Muerta.

4. Peru

Depois do setor energético – petróleo e gás –, a mineração é a área que mais capta investimentos chineses na região. Com a aquisição pelo consórcio MMG LTD das minas de cobre Las Bambas, a maior em valor na história peruana, a China elevou seus investimentos em projetos de mineração na região para US$ 19 bilhões.

Outros investimentos

Em termos de valores, os empréstimos superam qualquer investimento direto. Segundo a Gegi, a Venezuela recebeu cerca de US$ 50 bilhões em empréstimos garantidos por fornecimento de petróleo. Se a isto se somar o investimento direto, a Venezuela é o primeiro destino de investimentos chineses na América Latina.

Exemplos destes empréstimos são o fundo de investimento bilateral de US$ 17 bilhões, criado em 2007 com prioridade para investimentos agrícolas, ou os US$ 4 bilhões concedidos em 2011 pelo Banco da China para a construção de casas.

dragao chinês

No caso do Brasil, a Petrobras recebeu, em 2009, um empréstimo de US$ 10 bilhões para o desenvolvimento da produção de petróleo offshoreEm novembro de 2007, a Petrobras anunciou a descoberta do campo de Tupi, com reservas potenciais de 8 bilhões de barris de petróleo que poderiam começar a ser exploradas a partir de 2020.

A descoberta do pré-sal foi classificada como a mais importante em 30 anos, mas exigia grandes investimentos em um momento em que os mercados financeiros globais estavam secos pela crise do crédito.

O mau momento se acentuou um ano depois, com a queda do banco Lehman Brothers e a consequente crise financeira internacional. A China soube aproveitar deste momento para financiar investimentos da Petrobras por meio de um empréstimo do China Development Bank Corp.

Mas os investimentos chineses não ocorrem necessariamente dentro do território latino-americano.

china-national-petroleum-corporation

“Se a economia chinesa continuar crescendo, continuará exigindo um enorme fluxo de recursos, tanto para o consumo interno quanto para a exportação” Gegi Amos Irwin

Exemplo disso são os investimentos em refinarias de petróleo.

Em 27 de abril de 2012 foi inaugurada a pedra fundamental da refinaria Jie Yang, na província chinesa de Guagdong, empreendimento no qual a estatal venezuelana PDVSA está associada à China National Petroleum Corporation (CNPC). Juntas, pretendem construir outras duas refinarias em território chinês por um custo aproximado de US$ 16 bilhões.

O objetivo destas refinarias é processar petróleo venezuelano para uso doméstico chinês. O investimento em transportes é outro ponto forte da expansão do gigante asiático.

De acordo com o rastreador global de investimentos chineses da Heritage Foundation, a China investiu na Venezuela mais de US$ 8 bilhões em transporte, enquanto na Argentina a soma gira em torno dos US$ 3 bilhões. Apesar de o crescimento dos investimentos chineses ter diminuído nos últimos dois anos (abaixo de 7,4% no ano passado), nada indica que o fluxo de recursos vai parar.

china-CNOOC

“Se a economia chinesa continuar crescendo, continuará exigindo um enorme fluxo de recursos, tanto para o consumo interno quanto para a exportação”, afirma Irwin. “Assim, continuará forte a demanda por matérias-primas e a pressão interna para que esses recursos sejam adquiridos diretamente”, acrescentou.

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

5 Responses to China investe pesado na A.Latina e Brasil

  1. Joaquim Caldas

    Coincidência,não? Todos os países signatários do Foro de São Paulo estão entregando suas economias aos chineses e russos.Os USA que só assistem,ficam de longe?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *