browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Chuva de meteoros Lyrids na Constelação de Lyra

Posted by on 21/04/2016

Chuva de meteoros na Constelação de Lyra

Chuva de meteoros LYRIDS: 

A Terra está entrando em um fluxo de detritos da passagem do antigo Cometa Thatcher (C/1861 G1) , a fonte do show anual da chuva de meteoros Lyrids

Normalmente, a chuva de meteoros Lyrids é leve (entre 10-20 meteoros por hora), mas filamentos de poeira da cauda do cometa ainda não identificados, por vezes, podem provocar explosões de meteoros dez vezes mais forte. 

Tradução e imagensThoth3126@gmail.com

Chuva de meteoros na Constelação de Lyra com pico de queda entre 22 e 23 de Abril.

http://earthsky.org/ e http://www.spaceweather.com/

Os meteorologistas do clima espacial esperam que o pico da queda de meteoros vai ocorrer em 22 – 23 de Abril . O fotógrafo Jeff Berkes pegou esse meteoro no início (foto a seguir) da chegada da chuva de meteoros Lyrids durante uma profunda exposição da Via Láctea em 14 de abril de 2014:

Todos os anos, no final de abril a Terra passa pela cauda empoeirada do Cometa Thatcher (C/1861 G1), e esse encontro provoca uma chuva de meteoros – os Lyrids (porque ocorre na Constelação de Lyra). Este ano, a chuva terá o seu  pico máximo na segunda-feira pela madrugada, dia 23 de abril. Pesquisadores calculam uma taxa de 10-20 meteoros por hora, apesar de que explosões tão altas com 100 meteoros por hora possa ser possível.

Na verdade, os Lyrids não tem nada a ver com a Constelação de Vega. A verdadeira fonte do chuveiro são os restos da passagem do cometa Thatcher.Todo ano, em abril, a Terra atravessa a cauda empoeirada desse cometa. Flocos de poeira do cometa, a maioria não muito maiores do que grãos de areia, caem na atmosfera da Terra viajando a cerca de 49 km / s (110.000 mph) e se desintegram com flash de raios de luz.

A chuva de meteoros aparece próximo da brilhante estrela Vega  na constelação de Lyra:

A nebulosa M57 – Nebulosa do Anel (também catalogado como Messier 57 , M57 ou NGC 6720, assinalada acima ) é uma nebulosa planetária que fica no norte da Constelação de Lyra. Tais objetos são formados quando uma concha de gás ionizado é expulso em torno ao meio interestelar por uma estrela gigante vermelha, que estava passando o último estágio de sua evolução antes de se tornar uma anã branca.

Os meteoros Lyrids são tipicamente tão brilhantes como as estrelas da Constelação da Ursa Maior, que são de brilho mediano. Mas alguns são mais intensos, ainda mais brilhantes do que Vênus. Essas “bolas de fogo” dos meteoros Lyrids brilham num show de uma fração de segundo e deixam para trás rastros de detritos em fumaça que perduram por alguns minutos.

A Nebulosa do Anel M57, localizada em Lyra.

Ocasionalmente, a chuva se intensifica. Na maioria dos anos em abril não há mais do que 5-20 meteoros por hora no momento de pico do chuveiro. Mas às vezes, quando a Terra desliza através de uma nuvem extraordinariamente mais densa de detritos do cometa, ocorre um aumento da taxa de meteoros que caem. Observadores do céu em 1982, por exemplo, contaram 90 meteoros Lyrids por hora. Uma explosão ainda mais impressionante foi documentada em 1803 por um jornalista em Richmond, Virgínia, que escreveu:

“Estrelas cadentes. Este fenômeno elétrico [sic] foi observado na madrugada da quarta-feira última em Richmond e seus arredores, de uma maneira que alarmou a muitas pessoas, e admirando cada pessoa que viu o fenômeno. Desde uma até às três horas da manhã, os meteoros estrelados pareciam cair de todos os pontos no céu, em quantidades que lembram uma chuva de foguetes nos céus … ” [ ref ]

Quais serão os efeitos dos Lyrids este ano? A única maneira de saber com certeza é ir para fora à noite e olhar. Observadores de meteoros experientes sugerem a seguinte estratégia de visualização: Agasalhe-se.

Vega é uma estrela brilhante branca e azul com cerca de três vezes maior do que o tamanho do nosso Sol e há 25 anos-luz de distância.

 

Traga uma cadeira reclinável, ou espalhe um cobertor grosso sobre um ponto fixo na terra. Deite-se e olhe para cima um pouco para o leste. 

Meteoros podem aparecer em qualquer parte do céu, embora seus caminhos tendem a apontar para o ponto central radiante de onde les parecem se originar – ou seja, em direção a estrela Vega na Constelação de Lyra.

Você pode ter visto a estrela Vega se voce assistiu ao filme CONTATO (1997), com Jodie Foster, filme de Carl Sagan, o sinal alienígena de rádio recebido no filme foi oriundo de Vega.

Quantos meteoros Lyrids posso esperar  ver cair?

Você pode localizar um meteoro Lyrid a qualquer momento durante o período do chuveiro (16-25 abril), mas a maioria dos meteoros provavelmente cairá nas horas escuras antes do amanhecer do dia 23 de abril. A lua vai estar fora do caminho, e você pode ver a partir de cerca de 10 a 20 meteoros Lyrids por hora  no pico do chuveiro.

Naturalmente, as chuvas de meteoros são notórias por desafiar as previsões mais cuidadosas. Os Lyrids permanecem como exceção. Uma explosão de meteoros Lyrid é sempre uma possibilidade (embora nenhuma explosão Lyrid esteja prevista para 2015). 

meteoro-queda-NASA

Uma bola de fogo causada por meteoro caindo em direção à terra, cortesia da NASA / George Varros

Por exemplo, os observadores americanos viram uma explosão de cerca de 100 meteoros Lyrids  por hora em 1982. Cerca de 100 meteoros por hora foram vistos na Grécia em 1922 e no Japão em 1945.

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth-tehuti

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *