browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Resistência contra o Papa Francisco no Vaticano

Posted by on 12/08/2013

Começou a guerra contra o Papa Francisco em um Vaticano coberto de escândalos de todas as espécies; desde financeiros, de pedofilia, etc…

Rumores que já circulam entre agentes da comunidade de inteligência em Roma, na Itália, estão indicando que os setores mais conservadores e radicais da Igreja Católica Romana, lançaram duras críticas e ataques brutais contra o comportamento reformador do Papa Francisco…

Tradução, edição e imagensThoth3126@gmail.com

Rumores que já circulam entre agentes da comunidade de inteligência em Roma, na Itália, estão indicando que os setores mais conservadores e radicais da Igreja Católica Romana, lançaram duras críticas e ataques brutais contra o Papa Francisco, através da mídia, usando sites de redes sociais, criticando o papa Francisco pelas suas atitudes iniciais de reformador da Igreja.

Fonte: http://rosaritoenlanoticia2.blogspot.com

Mais informações em: http://thoth3126.com.br/francisco-provoca-a-ira-de-grupos-conservadores-da-igreja/

Entre os argumentos apresentados como exemplo pelos católicos mais radicais e conservadores estão:

1. O Papa Francisco violou a tradição do Vaticano, ao realizar a cerimônia do Lava-Pés, na Quinta-Feira Santa, fora do perímetro do Vaticano, em Roma, na prisão de menores “Casa de Mármore”, incluindo quatro não-católicos no ritual: duas mulheres e dois muçulmanos.

CIDADE DO VATICANO, Itália, (N22/Reuters.) –
Duas mulheres jovens participaram do ritual no qual o Papa Francisco lavou e beijou os pés de 12 pessoas durante a tradicional cerimônia que comemora a Igreja Católica na Quinta-feira Santa, e pela primeira vez na história que um pontífice inclui mulheres no ritual. Além disso, o rito foi realizado de modo sem precedentes em uma instituição correcional de menores infratores de Roma em vez de nas basílicas clássicas do Vaticano como faziam todos os papas anteriores a Francisco. O papa viajou para a instituição correcional juvenil Casa del Marmo, nos arredores de Roma para a missa tradicional, que comemora o gesto de humildade de Jesus Cristo aos lavar os pés de seus apóstolos na noite antes de ser crucificado. A cerimônia era tradicionalmente limitada a presença de homens, porque de acordo com os Evangelhos, todos os apóstolos de Jesus eram homens. O porta-voz do Vaticano disse ainda que duas das 12 pessoas que o papa Francisco lavou os pés eram prisioneiros muçulmanosEnquanto era o cardeal argentino, Jorge Bergoglio incluiu mulheres no ritual quando ele era o arcebispo de Buenos Aires, e esta foi a primeira vez que houve a participação das mulheres em uma cerimônia papal realizada nesta Quinta-feira Santa.

Este é um ato sem precedentes na história e na tradição dos rígidos rituais da Igreja Romana, que, ao longo dos séculos, desde sua fundação, marginaliza e não considera a mulher. Os conservadores teriam visto com horror o “sacrilégio” do sorridente Papa Francisco, a quem, nas salas internas e escuras do Vaticano, tratariam por um termo pejorativo, que designa quem está sempre rindo e se dá bem com todos, indiscriminadamente.

2. A recusa do Papa Francisco de morar no apartamento papal no palácio do Vaticano, decidindo, para sua segurança pessoal, residir na residência Santa Marta, o hotel quatro estrelas do Vaticano, onde há muitas pessoas, e assim se afastar do isolamento que cerca o Papa, quando reside no Palácio Vaticano.

O Papa Francisco quer estar ciente do que ocorre ao seu redor extra-muros vaticanos. No apartamento papal, estaria restrito e vigiado, controlado e supervisionado e, o mais importante, desinformado e à mercê das “hienas do Vaticano”, que já planejariam extirpá-lo de seu meio.

3. No almoço em Castel Gandolfo , quando se reuniu com Bento XVI, este teria confidenciado ao Papa Francisco que uma das causas que influenciaram sua renúncia foram as ameaças que recebeu e seu medo de ser envenenado, pois já teriam decidido seu assassinato. Ao anunciar sua renúncia, tornando-a pública, Bento XVI, teria desmontado a suposta operação para matá-lo.

Pela primeira vez, um papa emérito e outro em plenos poderes se reuniram para um almoço. O papa Francisco foi neste sábado (23) a Castelgandolfo, onde o papa emérito Bento XVI mora desde que renunciou em 28 de fevereiro. Os dois se cumprimentaram e fizeram uma oração ajoelhados lado a lado. Segundo o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, antes de ajoelharem-se, o papa Francisco disse a Bento XVI: “somos irmãos”.

4. A cúpula encastelada no Vaticano se oporia totalmente aos planos do Papa Francisco de reformar, eliminar, modificar a pompa, o ritualismo, o luxo e a ostentação da Igreja Católica Romana. Francisco tem um desejo secreto e a ideia de permitir que as mulheres exerçam o sacerdócio católico, o que seria um terremoto de proporções avassaladoras.

5. A Cúria Romana e o poder rechaçariam o apelo público feito pelo Papa à Igreja Católica para reforçar o diálogo e as relações com o Islã. Ele seria acusado de uma teologia relativista.

6. O Papa Francisco marginalizou os mais altos cargos do Vaticano na cerimônia do Lava-Pés da Quinta-Feira Santa.

A cúpula de cardeais da Curia romana, encastelada no Vaticano se oporia totalmente aos planos do Papa Francisco de reformar, eliminar, modificar a pompa, o ritualismo, o luxo e a ostentação da Igreja Católica Romana.

7. Acusações ao Papa Francisco de ignorar as regras e as normas da Igreja Católica Romana porque, como Papa, age sem fazer consultas ou pedir permissão de ninguém para abrir exceções às regras eclesiásticas que se referem a ele.

8. A organização Opus Dei** proibiu (censurou) em todas as suas livrarias a venda do primeiro livro sobre o Papa Francisco, Troa.

9. A Promotoria Romana Anti-Corrupção fez apreensão significativa de centenas de caixas de documentos que comprometem e envolvem as finanças do Vaticano e pessoas importantes com a máfia italiana e gigantescas operações de lavagem de dinheiro e desvio de fundos do Vaticano em um mecanismo complicado para fazer desaparecer e lavar dinheiro.

Estes escândalos poderia ser o “Sansão” que derrubaria as colunas que sustentam a Capela Sistina e todos os edifícios opulentos da luxuosa estrutura do Vaticano.

10. Tanto a Opus Dei, bem como a Maçonaria controlada pelos Illuminati, importantes e influentes setores da área financeira, econômicos, setores mafiosos italianos, além dos próprios cardeais que formam o poder da máfia que controla o Vaticano estariam em perigo iminente devido ao confisco dessas caixas de documentos supremamente comprometedores por parte da Promotoria italiana Anti-Corrupção e pela intenção do Papa Francisco de sanear e colocar ordem nas finanças do Vaticano e em todos os negócios e empresas de investimento deste Estado religioso bilionário e escandaloso.

11. Outra motivo que teria deixado esses grupos da retaguarda do poder que controla o Vaticano extremamente irritados e furiosos é que o Papa Francisco não concorda que os infratores de batina (eclesiásticos) vivam na área do estado do Vaticano, como refugiados, escondidos, evadidos de enfrentar a lei italiana fora dos portões do Vaticano. Para isso, ele já emitiu instruções de que quem tem processos pendentes ou acusações criminais contra si deixe o solo do Vaticano, porque, em seu pontificado, o Vaticano não será o santuário dos infratores da lei…

Imaginem o que vem por aí! Que Deus proteja o humilde Papa Francisco (que parece um lótus que nasceu das águas pútridas e pantanosas do Vaticano) dos lobos ferozes, que já estariam rondando a caça!

{**n.T. sobre a OPUS DEI

O Opus Dei – expressão em latim que significa “Obra de Deus” – foi fundado pelo sacerdote espanhol Josemaría Escrivá em 1928. Trata-se de uma prelazia pessoal, figura jurídica da Igreja Católica que está prevista no Código de Direito Canônico (a constituição da Igreja). Ela dá aos seus membros o direito de seguir ordens do prelado (o líder máximo do Opus, que fica em Roma), em vez de obedecer à autoridade católica regional. Simplificando grosseiramente, é como se o grupo fosse um braço independente da Igreja, que não deve explicações a mais ninguém além do papa.

“A ascensão do Opus Dei à categoria de prelazia pessoal era o grande sonho de seu fundador”, escreve o jornalista espanhol Juan Bedoya em artigo recente no jornal El País. “Homem de grandes ambições, Escrivá queria livrar-se das dependências em relação aos bispos porque sua fundação, então com 70 mil integrantes – a imensa maioria leigos, homens e mulheres, celibatários ou casados –, tinha pouco a ver com os institutos e as congregações tradicionais.”

Os 70 mil seguidores de 25 anos atrás hoje são aproximadamente 90 mil. Na avaliação de Bedoya, esses números demonstram com sobras a situação especial desfrutada pelo Opus Dei dentro da sempre rígida Igreja Romana.No último meio século, ninguém se destacou tanto quanto a Obra de Escrivá”, afirma o jornalista. “Não se pode dizer a mesma coisa de outras congregações clássicas, como os jesuítas, que hoje são apenas 19 mil no mundo todo.” Ainda assim, e apesar de estar presente em 64 países, o Opus Dei continua sendo fundamentalmente espanhola. Na Espanha estão concentrados mais de 40% de seus membros. Outros 35% estão na América Latina. A organização também tem seus pés muito bem fincados na África e na Ásia. “Agora o objetivo é a conquista dos ex-países comunistas do Leste Europeu.”

Nesses 25 anos de história, o Opus Dei colecionou críticos. Alguns de seus detratores mais radicais chegam a chamá-lo de a “máfia santa”. Outros o acusam de ser “uma Igreja dentro da Igreja”, com poderes excepcionais e muito dinheiro sendo colocado a serviço de um conservadorismo atroz. Em parte, essa fama se deve às estreitas relações que a organização cultivou com o regime fascista do ditador espanhol Francisco Franco, de 1939 a 1975. Josemaría Escrivá, o próprio, ouvia as confissões do “generalíssimo”, como Franco era conhecido, e muitos integrantes ou colaboradores do Opus Dei foram nomeados ministros de Estado enquanto durou a ditadura na Espanha.

A organização chegou ao Brasil na década de 1950. Instalou-se inicialmente em Marília, no interior de São Paulo, e de lá acabou migrando para a capital, onde hoje mantém centros nos bairros do Pacaembu, de Vila Mariana, de Pinheiros e do Itaim, entre outros. Está presente também nas cidades de Campinas (SP), São José dos Campos (SP), Rio de Janeiro (RJ), Niterói (RJ), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Curitiba (PR), Londrina (PR) e Porto Alegre (RS). Entre numerários, supernumerários e sacerdotes, estima-se que o Opus tenha cerca de 1 700 integrantes por aqui.

Preeminência 

A influência que a “Obra de Deus” exerce sobre o Vaticano pode ser medida pelo processo incrivelmente rápido de canonização de Escrivá – o 2º mais breve na história da Igreja Romana, atrás apenas do de madre Teresa de Calcutá (leia mais nas págs. 36 e 37). De acordo com Juan Bedoya, o papa João Paulo 2º chegou ao cargo protegido e impulsionado sobretudo pelo Opus Dei. E o atual sumo pontífice também dá sinais de profunda simpatia pela “Obra”. “A organização não gozou de trato especial com os papas Pio 12, João 23 e Paulo 6º, mas foi o movimento predileto do polonês João Paulo 2º, mais conservador que os anteriores”, diz o jornalista espanhol. “Com o papa Bento 16, a organização mantém a preeminência do passado.”FIM DE CITAÇÃO.}

Mais informações em:

http://thoth3126.com.br/francisco-provoca-a-ira-de-grupos-conservadores-da-igreja/ e http://thoth3126.com.br/category/religioes/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

4 Responses to Resistência contra o Papa Francisco no Vaticano

  1. Mirtes

    Em sua recente visita ao Brasil, o Papa Francisco deixou claro que não há hipótese de mulheres serem admitidas como sacerdotes.

  2. Não sei que será ou é o autor que escreve estas afirmações! Creio, mesmo, que deverá ser um cristão que das duas 3: ou é um padre católico; ou foi algum tentativa seminarista, que nunca foi resolver o seu problema cerebralmente, ou então deve ser um dos modernos angariadores de tachos papais! Este, no entanto, é mesmo o meu parecer. Meu caro, diria eu, tenha juízo nestas coisas! Se é um simples seminarista, que terá que ser um homem inteligente, abra os olhos, por um lado, mas mantenha-se silenciado! Sabe, a realidade é muito diferente da verdade; a tentativa de resolver e princípios de mudança são formas simples, mas duras: em silêncio!

  3. Rafael do Amaral

    O Papa Francisco disse claramente aqui no Brasil que,como havia dito João Paulo II, para as mulheres, as portas estariam fechadas! Esta matéria parece-nos sensacionalista, precipitada e intrigante. Se acontecer algum atentado contra o Papa atual, como pode acontecer com qualquer celebridade, vão dizer que foi obra da Opus Dei, Dos Iluminati, da Maçonaria e sabe-se lá mais quem. Uma besteira só, de quem está jogando suspeitosamente e mal, à procura… seria de fama? Mas como?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *