browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, espaçonave vai pousar em sua superfície…

Posted by on 18/06/2014

Sonda espacial enviada para missão de pousar em cometa ‘acorda’ de sua hibernação, hora de trabalhar:

O lançamento da Sonda Espacial Rosetta, há 10 anos, foi o pontapé de uma jornada épica, o início da primeira tentativa de um encontro com um cometa em movimento se deslocando pelo interior do sistema solar.

A previsão do grande encontro da sonda espacial com o cometa é para agosto deste ano de 2014, e, quando isso ocorrer, terá início a fase mais difícil da missão.

Edição e imagens:  Thoth3126@gmail.com

Sonda espacial Rosetta acorda pronta para realizar pouso inédito em cometa

Atualizado em  20 de janeiro, 2014 – 10:51 (Brasília) 12:51 GMT

Fontes: http://www.bbc.co.uk/ e http://www.dw.de/

Após quase três anos de hibernação para economizar energia, sonda europeia despertou para tentar pouso em cometa, onde deverá recolher dados que podem ajudar a decifrar a origem do universo. Viagem já dura dez anos.

O Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, uma massa gigante, presumivelmente formada por gelo e pedra que se move rapidamente pelo espaço, é o alvo de uma das missões mais arriscadas já feitas até aqui no espaço.

 Vídeo: Sonda espacial ‘acorda’ para missão de pousar em cometa

O satélite, que passou os últimos dois anos e meio viajando pelo espaço em estado de profunda hibernação para economizar energia, está previsto para ‘acordar’ nesta segunda-feira, dia 20 de janeiro de 2014 e enviar um sinal para a Terra.

Rosetta está em estado de hibernação profunda há dois anos e meio para economizar e guardar energia

A reativação da Rosetta acontecerá a cerca de 800 milhões de quilômetros de distância da Terra, próximo a órbita do planeta Júpiter. A previsão do grande encontro com o cometa é para agosto deste ano de 2014, e, quando isso ocorrer, terá início a fase mais difícil da missão.

Durante mais de 31 meses, a sonda espacial da Agência Espacial Europeia (ESA) Rosetta ficou num estado de chamada hibernação. Todos seus sistemas de bordo foram desligados para economizar energia. Esse descanso de 957 dias foi necessário porque pois a órbita da sonda estava numa rota na qual ela não recebia mais luz solar suficiente para recarregar suas baterias. Mas agora Rosetta alcançou novamente a região solar e também se aproximou suficientemente da Terra para enviar sinais. Assim, seu despertador interno tocou pontualmente às 8 horas da manhã, no horário de Brasília, desta segunda-feira (20/01). ESA

A Sonda espacial Rosetta deverá lançar um módulo de aterrissagem, o Philae, sobre o cometa em novembro. O plano é de que o satélite siga o cometa conforme este se aproximar do Sol, rumo ao seu periélio, monitorando as mudanças que ocorrem no corpo celeste através das informações enviadas pelo Philae desde a superfície do cometa.

Se der certo, a missão permitirá que cientistas tenham um olhar sem precedentes sobre um dos objetos mais antigos do sistema solar. Acredita-se que o corpo celeste seja um remanescente original da época do surgimento do sistema solar, há cerca de 4,6 bilhões de anos, e possa dar pistas sobre a aparição da água e da vida na Terra.

A sonda Rosetta deve depositar sob o cometa 67P/Churymov-Gerasimenko a sonda mini-laboratório Philae (acima). Foi desenvolvida sob a responsabilidade do Centro Aeroespacial Alemão (DLR). Dois arpões devem aproximá-la do cometa e, em seguida, a sonda pousará no solo do cometa com três pernas que possuem parafusos de uso em gelo para perfurar o cometa. Os cientistas ainda não sabem se os arpões e os parafusos irão encontrar o apoio necessário para conseguirem se estabilizar em cima do cometa, descoberto em 1969.

“A sonda espacial Rosetta é uma missão única – tecnológica, cientifica, e filosoficamente falando, porque os cometas podem estar na origem de quem nós somos”, disse o diretor geral da Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês), Jean-Jacques Dordain.

Com um diâmetro entre 3 e 5 quilômetros, o Cometa 67P/Churymov-Gerasimenko não possui quase nada de força gravitacional. Acredita-se que o cometa seja bem duro, mas não há certeza.

Se a aterrissagem for bem sucedida, a sonda deverá ajudar a desvendar o segredo da origem do universo. O 67P/Churymov-Gerasimenko vem do Cinturão de Kuiper, uma região do sistema solar que se estende a partir da órbita do planeta Netuno para além, até os limites do sistema solar. Nesse local, flutuam principalmente blocos de gelo. Alguns deles se desvencilham da área, indo em direção ao sol, como esse cometa, cuja órbita atual foi deslocada para próximo de Júpiter.

Clique na imagem para ampliar.

Amostras enigmáticas

Os cientistas nunca conseguiram descobrir a composição exata desses cometas. A Philae deve, primeiramente, recolher amostras do solo do 67P/Churymov-Gerasimenko, analisando-as quimicamente. Os pesquisadores estão interessados em ligações orgânicas, como aminoácidos ou a composição atômica dos cometas. Dessa maneira, eles esperam encontrar pistas sobre a origem da vida. Os cometas são considerados os freezers do universo. Pelo material primitivo colhido no corpo celeste, os cientistas pretendem descobrir um pouco mais sobre o surgimento do sistema solar, que aconteceu há 4,6 bilhões de anos.

Essa função está nas mãos de um robô com dez instrumentos de análise. Entre eles, um espectrômetro de raios X que analisa substâncias químicas, além de aparelhos de medição de ondas sonoras, luminosas e eletromagnéticas, que podem examinar também o núcleo do cometa. Mesmo se a aterrissagem não der certo, a viagem de dez anos da Rosetta não foi em vão. Durante o tempo que passou no espaço, a sonda enviou dados e fotos das diferentes etapas do trajeto percorrido.

Dados do Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko

O cometa foi descoberto no ano de 1969, quando diversos astrônomos de Kiev foram visitar a Alma-Ata Astrophysical Institute para efetuar pesquisa sobre cometas. Em 20 de Setembro Klim Churyumov estava examinando fotos do cometa 2P/Comas Solá feitos por Svetlana Gerasimenko, quando encontrou um objeto do tipo cometa em um canto de uma fotografia.

Ele imaginou que o fraco objeto detectado fosse o cometa procurado, mas ao retornar a Kiev ele constatou após cuidadosos estudos que um novo cometa teria sido encontrado a menos de dois graus do cometa Comas SoláEste cometa apresenta alguns fatos pouco comuns. Antes d1840 o periélio  deste cometa era de 4,0 UA (quatro vezes a distancia entre a Terra e o Sol que é de 600 milhões de km), então não seria possível observar o cometa da Terra.

Neste ano este cometa acabou se movendo mais para o interior do Sistema Solar, após um encontro com o planeta Júpiter, fazendo seu periélio cair para 3,0 UA (450 milhões de km), Durante um século, o periélio foi gradualmente diminuindo até atingir a 2,77 UA. Então em 1959, novamente este cometa reencontrou-se com Júpiter diminuindo seu periélio em apenas 1,29 UA. Atualmente ele completa a sua revolução em torno do Sol a cada 6,57 anos.

O cometa foi observado da Terra em seis aproximações do Sol, que foram em: 1969 (descoberta), 1976, 1982, 1989, 1996 e em 2002. Ele é um objeto incomum bastante ativo por um curto período e apresenta frequentemente, cauda no seu periélioDurante a sua aparição em 2002/2003, sua cauda tinha o comprimento acima de 10º arcos minuto de comprimento, com um núcleo brilhante que excedia o brilho da cauda. Mesmo após 7 meses de seu periélio, o cometa continuava a apresentar uma cauda bem desenvolvida, mas pouco depois ela rapidamente desapareceu.

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *