browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Cometa Lovejoy: ele gosta do calor do sol…

Posted by on 20/09/2013

Cometa Lovejoy, alguns cometas gostam mais do calor do sol

Os cometas são de gelo e frágeis. Eles passam a maior parte de seu tempo em órbita pelos escuros arredores do sistema solar, seguros dos raios destrutivos da intensa luz solar. 

O frio é mais profundo no seu escuro habitat natural. Em novembro de 2011 o astrônomo amador Terry Lovejoy descobriu um tipo diferente de cometa. O gelado “andarilho” foi descoberto vagando no céu desde o seu observatório de quintal da sua casa na Austrália, e que ele estava indo em uma órbita quase que diretamente para mergulhar no sol. 

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

http://science.nasa.gov/

Autor e editor de produção: Dr. Tony Phillips – Crédito: Science @ NASA

Em 16 de dezembro, menos de três semanas depois que ele descobriu o agora chamado (em sua homenagem por tê-lo descoberto) Cometa Lovejoy, ele percebeu que o cometa faria um voo rasante (um cometa sungrazer) através da atmosfera do Sol e a apenas 120,000 km acima da superfície estelar.

O Cometa Lovejoy ao nascer do sol em 25 de dezembro de 2011. Wayne England tirou a foto no Pãntano de Poocher, no oeste de Bordertown, ao sul da Australia.

Os Astrônomos então logo perceberam um fato surpreendente: O Cometa Lovejoy gosta de calor. “Terry encontrou um cometa Sungrazer”, diz Karl Battams do Laboratório de Pesquisa Naval em Washington DC. “Nós achamos que o seu núcleo era quase tão grande como dois campos de futebol-o maior exemplar de cometa surgido em quase 40 anos.”

Cometas Sungrazers não são uma coisa nova. Na verdade, o Observatório Solar e Heliosférico (SOHO) observa uma queda de cometas em direção ao sol e sua evaporação a cada poucos dias. 

Sequência de imagens feita pela espaçonave  STEREO-A do cometa Lovejoy aproximando-se do Sol

Esses cometas kamikazes são freqüentes, são conhecidos como “cometas rasantes Kreutz“, e se pensa serem estilhaços de um cometa gigante que se rompeu há centenas (ou milhares) de anos no passado.

 Normalmente eles medem cerca de 10 metros de diâmetro, são pequenos, frágeis e facilmente são vaporizados pelo calor solar.

Com base na sua órbita, o Cometa Lovejoy foi certamente um membro da mesma família, exceto que tinha cerca de 200 metros de largura, em vez dos habituais 10 metros. Os astrônomos estavam ansiosos para ver como uma grande mentira se desintegraria. Mesmo com sua circunferência devido ao tamanho extra, não havia dúvida de que ele seria destruído.

Quando 16 de dezembro veio, no entanto, o “Cometa Lovejoy chocou a todos nós”, diz Battams. Ele sobreviveu ao seu mergulho no sol, e até floresceu”.

Imagens do telescópio espacial SDO-Solar Dynamics Observatory da NASA mostrou que o cometa se vaporizou furiosamente enquanto ele entrou na atmosfera do Sol – aparentemente à beira de se obliterar, mas ainda assim o Cometa Lovejoy ainda estava intacto quando emergiu do outro lado da coroa solar. O cometa perdeu sua cauda, durante o trânsito pelo fogo – um revés temporário. Em poucas horas, a cauda cresceu de volta, muito maior e mais brilhante do que antes.


Esta sequência de imagens, reunidas por um telescópio ultravioleta extremo a bordo da sonda da NASA STEREO-B, mostra a cauda do cometa Lovejoy balançando descontroladamente em trânsito através da corona solar.

“É justo dizer que ficamos todos chocados”, diz Matthew Knight do  Lowell Observatory e do Johns Hopkins Applied Physics Laboratory. 

“O Cometa Lovejoy deve ser bem maior do que pensávamos, talvez com até 500 metros de largura”. 

Isso o tornaria o maior cometa Sungrazer desde a passagem do Cometa Ikeya-Seka quase 40 anos atrás. Com uma cauda que se estendia do outro lado do céu, o cometa Ikeya-Seki foi realmente visível em plena luz do dia depois que passou através da atmosfera do Sol em outubro de 1965. No Japão, onde os observadores viram o cometa superaquecido apenas à distância de 1/2 grau a partir do sol, ele foi descrito como 10 vezes mais brilhante que uma Lua Cheia.

O Cometa Lovejoy não foi tão brilhante, mas ainda assim foi incrível. Apenas alguns dias depois de ter deixado o sol, o cometa apareceu nos céus da manhã do hemisfério sul. Observadores na Austrália, América do Sul, África do Sul e Nova Zelândia o compararam a um holofote que se irradiava acima do leste antes do amanhecer. A cauda estava alinhada paralelamente ao braço local de estrelas da Via Láctea e, por alguns dias, fez parecer que vivíamos sob um céu com uma galáxia dupla.

Os astronautas na Estação Espacial Internacional também testemunharam a passagem do cometa. O comandante da ISS, Dan Burbank, viu a sua quota de maravilhas, mesmo depois de voar diretamente através das luzes do Norte a bordo do ônibus espacial, ele declarou que o Cometa Lovejoy “foi a coisa mais incrível que eu já vi no espaço.” 

Uma armada de naves espaciais, incluindo a SOHO, o SDO-Solar Dynamics Observatory, as sondas gêmeas STEREO da NASA, do Japão Hinode Space, e  o microssatélite Proba2 da Europa registraram o acontecimento histórico.

“Reunimos uma montanha de dados”, disse Knight. “Mas há algumas coisas que ainda estamos tendo dificuldade em explicar.” Por exemplo, o que fez a cauda do cometa Lovejoy se mexer tão descontroladamente quando ele entrou na corona solar? 

Talvez ele estivesse nas garras de um poderoso campo magnético do sol, o que causou que o Lovejoy perdesse sua cauda dentro da atmosfera do sol para depois recuperá-la mais tarde? “Este é um dos maiores mistérios para mim”, diz Battams.

E depois há o enigma existencial final: Como o Cometa Lovejoy sobreviveu ao seu mergulho no sol?

Em janeiro de 2012 o “Cometa que gostava de calor” já iniciou o seu retorno para o sistema solar exterior, ainda intacto, deixando muitos mistérios para trás. “Ele vai estar de volta daqui a cerca de 600 anos”, declarou Knight. “Talvez vamos te-lo compreendido até lá.”

Acima: O Sol destruiu este cometa sungrazer. Este cometa foi registrado pela nave espacial SOHO (LASCO) em 1996, em 23 de dezembro. O cometa é visto com seu coma entrando na região do vento solar equatorial brilhante (orientação vertical). Manchas e imperfeições na imagem são estrelas de fundo e faixas da câmara causadas por partículas carregadas. Posicionado no espaço para observar continuamente o Sol, o SOHO já foi usado para descobrir mais de 1.500 cometas, incluindo numerosos cometas sungrazers . Com base nas suas órbitas, se acredita que eles tem origem numa família de cometas criados por sucessivas rupturas de um único grande cometa que passou muito perto do Sol no século XII. Os cometas sungrazers são submetidos a destrutivas forças de maré junto com intenso calor e radiação solar. Este cometa da foto, conhecido como SOHO 6  não sobreviveu à sua aproximação do sol.

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

2 Responses to Cometa Lovejoy: ele gosta do calor do sol…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *