browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Como os bancos latino-americanos continuam lucrando muito, apesar da crise

Posted by on 01/03/2016

No México, os lucros do setor bancário aumentaram quase 14% entre janeiro e junho de 2015 na comparação com a primeira metade de 2014 – ou seja, cinco vezes mais que a taxa de expansão do PIB (Produto Interno Bruto) local. Algo parecido ocorre em outras nações latino-americanas com economias em desaceleração e governados pela esquerda.

elite-empreiteiros-brasil

Bancos de países como Colômbia, Equador, Paraguai e Uruguai registraram mais ganhos nos primeiros seis ou sete meses de 2015 do que em períodos iguais do ano passado. A tendência se estende a países que passam por estagnação econômica desde 2014 e onde os políticos de governos adotam bandeiras de esquerda.

Bancos da Argentina e da Venezuela ocuparam os 10 primeiros lugares de um ranking regional de retorno sobre capital, divulgado pela publicação especializada The Banker em novembro.

Ainda que em geral a bonança tenha começado há tempo para a banca latino-americana, quando a economia regional avançava a pleno vapor, os resultados atuais chamam a atenção de especialistas.

“O lucro, devo dizer, é um pouco “surpreendente”, reconhece Claudio Loser, ex-diretor para a América Latina do Fundo Monetário Internacional (FMI), em conversa com a BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC. Então como explicar isso? E quanto mais essa festa bancária pode durar?

Negócio redondo

A despeito das características de cada sistema financeiro, que variam por tamanho e regulação, os latino-americanos têm pontos em comum, apontam analistas. Um deles é que costumam cobrar juros altos pelo crédito ao consumo (no Brasil, por exemplo, a taxa anual para cartões de crédito acaba de atingir 350,79%).

populismo-istoé

Continente com maioria dos países administrado por governos de esquerda com políticos populistas que enriquecem os bancos….

“Você pode observar taxas de lucros muito altas (dos bancos latino-americanos) porque eles tiveram acesso a fundos muito baratos e emprestaram a taxas altas” diz Loser, diretor da consultoria Centennial Latin America, em Washington.

Os créditos ao consumo chegaram a crescer cerca de 20% por ano na região durante a última década, devido à expansão histórica da classe média, que atingiu 181 milhões de pessoas ou 34% da população total. A quantidade de latino-americanos adultos com conta bancária passou de 39% do total de 2011 a 51% no ano passado, de acordo com o Banco Mundial.

Arturo Sánchez, analista de crédito da Standard & Poor’s (S&P) no México, avalia que as taxas de juros sobre o crédito na região refletem o risco assumido pelos bancos, que até agora, no entanto, evitar lidar com a alta inadimplência.

“Os resultados líquidos se mantivem graças à capacidade dos bancos na América Latina de, em geral, manter níveis manejáveis de carteiras vencidas e perdas de crédito”, apontou Sánchez. Ele acrescenta que isso permitiu aos bancos evitar aumentos nas provisões, dinheiro destinado a absorver eventuais perdas por exposição ao crédito, o que deixa margens significativas para os lucros. Trata-se, portanto, de um ciclo que parece se fechar de maneira quase perfeita para os bancos da região.

banqueiros-politicos-corruptos-brasil

Mais juros, mais dinheiro

Ao mesmo tempo há circunstâncias específicas em alguns países que impulsionam o negócio financeiro. Na Argentina e na Venezuela, por exemplo, o alto retorno dos bancos sobre o capital é atribuído aos elevados índices de inflação, que empurram os juros para cima.

O Brasil tem uma das taxas de juros real (descontada a taxa de inflação dos juros nominais) mais altas do mundo, que superou 9% na semana passada, quando a S&P retirou o país da categoria de grau de investimento.

E se juros altos pressionam o custo de captação do dinheiro para todos, os bancos tendem a driblar o problema ao repassar esse custo aos clientes. As quatro maiores instituições bancárias brasileiras (Bradesco, Santander, Itaú e Banco do Brasil) registraram lucros equivalentes a US$ 8,7 bilhões somente no primeiro semestre.

“Os bancos no Brasil são muito líquidos, estão ancorados em títulos públicos do governo e a taxa de juros subiu muito: isso também dá lucros de tesouraria”, afirma João Augusto Frota Salles, analista da consultoria Lopes Filho, no Rio de Janeiro.

charge-brasil-sem-pobreza

E agora?

Especialistas afirmam, contudo, que o panorama está mudando para a banca latino-americana. A agência S&P, por exemplo, rebaixou a nota dos principais bancos do Brasil na semana passada, um dia após retirar do país o selo de bom pagador.

Em busca de recursos fiscais, o Brasil busca agora subir os impostos aos lucros bancários, o que, na avaliação da agência de análise de risco Fitch, pode desacelerar o crédito e, segundo políticos de oposição, impor mais custos ao consumidor final.

Também se nota em outros países essa mudança de ventos que chegou com o enfraquecimento da economia e do consumo. Os lucros bancários se desaceleraram no primeiro semestre no Chile e na Costa Rica, caindo 13% e 19%, respectivamente, na comparação com o mesmo período de 2014.

Especialistas descartam que existam problemas graves no horizonte da região, que, em geral, elevou a supervisão bancária e diminuiu riscos após crises no passado.

bradesco-agencia

O Bradesco inaugurou a temporada de balanços do segundo trimestre deste ano. O lucro líquido contábil do banco chegou a R$ 4,473 bilhões, após atingir R$ 4,244 bilhões nos três meses anteriores – um aumento de 5,4%. Já na comparação com o mesmo período do ano passado, o lucro mostrou crescimento de 18,4%.

Apontam, porém, que a rentabilidade dos bancos latino-americanos poderá cair à medida que as economias forem perdendo vigor e aumentando suas carteiras vencidas e créditos de difícil recuperação.

“Não esperamos que isso irá ocorrer em níveis alarmantes e nem que colocará em xeque os sistemas financeiros da América Latina”, disse Sánchez, “mas acreditamos, sim, que irão começar a se deteriorar um pouco de forma gradual.”Postado em Setembro 2015.

Mais informações em:

  1. http://thoth3126.com.br/petrobras-investigacao-nos-eua-ameaca-arranhar-imagem-da-empresa-no-exterior/
  2. http://thoth3126.com.br/petrobras-processo-de-limpeza-do-pais-avanca-muito-rapido/
  3. http://thoth3126.com.br/petrobras-comparado-ao-mensalao-e-pequena-causa/
  4. http://thoth3126.com.br/petrobras-graca-foster-esta-saindo-da-presidencia/
  5. http://thoth3126.com.br/a-hipotese-de-culpa-para-o-impeachment/
  6. http://thoth3126.com.br/petrobras-mais-us-16-bilhoes-em-multa-em-tribunal-nos-eua/
  7. http://thoth3126.com.br/dilma-rousseff-o-movimento-que-quer-derrubar-seu-governo/
  8. http://thoth3126.com.br/corrupcao-na-petrobras-usada-para-pagar-dizimo-a-igreja-evangelica/
  9. http://thoth3126.com.br/janot-nunca-vi-um-esquema-de-corrupcao-tao-grande-como-o-da-petrobras/
  10. http://thoth3126.com.br/fundador-do-pt-jurista-helio-bicudo-pede-impeachment-de-dilma/
  11. http://thoth3126.com.br/governo-gerador-de-crises-agora-cria-uma-com-os-militares/
  12. http://thoth3126.com.br/os-estragos-do-populismo/
  13. http://thoth3126.com.br/brasil-por-que-o-pais-entrou-no-vermelho/

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

thoth-reversowww.thoth3126.com.br

3 Responses to Como os bancos latino-americanos continuam lucrando muito, apesar da crise

  1. Manuel

    Em todos os países mais ou menos controlados pela cabala das trevas, os bancos estão acima da Lei (Nacional) e só obedecem à lei da cabala (corrupção). A cabala criou o sistema financeiro de fiados, muito lucrativo, e assim controla a maioria dos bancos emissores e, através destes, a economia mundial. Quando um banco desobedece à lei da cabala é forçado à bancarrota. A cabala usa a máfia cazariana (sionismo) como tropas de choque. Se virmos bem somos todos escravos do sistema econômico, tipo Babilônia, imposto à humanidade pela liderança cabalística. No século dezenove os líderes supremos da Rússia e Alemanha opuseram-se à criação do sistema de fiados e foram severamente punidos. A Rússia com a implantação do comunismo, uma criação da cabala e a Alemanha com a primeira grande guerra, também uma criação da cabala, para dar o mandato da palestina à Inglaterra, a qual já estava sob total controle da cabala, em preparação para criar o estado da nova cazaria com o nome de cobertura de Israel.

  2. Canjjos

    É absurdo esse fato, pois enquanto o resto da economia atravessa uma crise criada cientificamente por esta tal “cabala”, objetivando a completude de sua agenda, a população se mantém estranhamente quieta para esse absurdo.

    Na verdade, percebo que a crise é, inicialmente, na consciência e falta de pensamento crítico na sociedade humana.

    Pois a questão do pensar viu sinônimo de terrorismo.

    O que é fato é o que a televisão mostra e ponto final.

    Não há debate, apenas desviar nossa atenção para as questões sem importância crucial para a nossa humanidade, compaixão e solidariedade.

    Acredito que somente um acontecimento externo poderá despertar a humanidade para o seu centro.

    Que a Paz e a Luz que há dentro de cada humano possa acordar deste sono milenar.

    Namastê!

  3. Joaquim Caldas

    O lucro exorbitante é oriundo do roubo ao consumidor,com anuência dos governos subsidiados pelo Foro De São Paulo. 400% aa sobre empréstimos e cheques especiais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *