browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Grupo Bilderberg: Confissões de um “Assassino Econômico”

Posted by on 15/06/2016

Dê-me o controle do dinheiro de uma Nação e pouco me importa quem faça suas leis.  Meyer Amschel Bauer ( ROTHSCHILD)

 Esta é a autobiografia de um homem cujo trabalho era atrair líderes de países subdesenvolvidos de terceiro mundo a aceitarem empréstimos do FMI e do Banco Mundial.

O argumento era de que o dinheiro seria usado para expandir a infra-estrutura das estradas, ferrovias, centrais de geração de energia elétrica, as telecomunicações, o que, portanto, traria prosperidade a esses países . . . 

Edição e imagensThoth3126@protonmail.ch

Uma análise de G. Edward Griffin (da Freedom Force International) Comentário e análise do Livro: Confissões de um Assassino Econômico – Autor: John Perkins – Editora Cultrix, 272 páginas

Fontes: http://pt.wikipedia.org – http://www.pensamento-cultrix.com.br

. . . Ele fazia isso como um economista corporativo que deliberadamente exagerava o potencial de retorno econômico desses investimentos.  Embora seus projetos sempre fossem descritos como humanitários, os objetivos reais eram geralmente contratos lucrativos para as firmas multinacionais de construção e atrair os países a contrair empréstimos que eles nunca conseguiriam pagar. Ele sabia que alguns políticos e famílias bem conectadas dentro desses países se tornariam muito ricos enquanto o padrão de vida da maior parte da população declinaria.

Capa da edição em português do livro.

Quando o pagamento dos empréstimos se tornava impossível, as agências de empréstimos internacionais e as grandes empresas então agiam para tomar o controle dos recursos naturais (petróleo, minerais, etc…) do governo do país, o que também era parte do plano. Em outras palavras, no mundo moderno, a conquista pela espada deu lugar à conquista pelos empréstimos. Perkins era um estrategista-chave no alto comando das forças de conquista.

A “Corporatocracia”

Perkins é um homem com problemas na consciência. Ele se arrepende de ter vendido sua alma à “corporatocracia”, o nome que ele criou para a rede (a elite internacional, BILDERBERGs, Illuminatis, Majestic-12, Council on Foreign Relations-CFR, etc …)  de interesses empresariais e governamentais que agora condena. Ele lutou com essa culpa por muitos anos até finalmente decidir romper com tudo. Foi uma decisão difícil, porque ele queria acreditar que, de alguma forma, a despeito de toda a desonestidade e exploração, algum bem poderia eventualmente escoar e chegar ao homem comum.

Além disso, havia o fato que ele era muito bem remunerado pelo seu trabalho. Portanto, não é surpresa que o rompimento não tenha sido total. Sua primeira ação foi deixar o emprego, mas isso não significou encerrar o trabalho. Ele continuou a prestar serviços como consultor e testemunha especializada, fazendo quase a mesma coisa que fazia antes, mas recebendo até mais dinheiro em honorários de consultor do que recebia anteriormente na forma de salário. 

Sua penitência final foi escrever esse livro como um ato de confissão pública, mas isso só aconteceu após ele ter ganho muito dinheiro e adquirido segurança financeira. Não há razão para questionar a sinceridade de sua consciência, mas não devemos negligenciar o fato que ela precisou de muitos anos para amadurecer. Precisamos perceber que o autor é um ótimo exemplo do fator cobiça (e ganância) que condena em seu livro. Mas ele mesmo prontamente admite isso e o leitor não pode deixar de sentir a sinceridade de seu remorso.

Esse é um dos livros mais valiosos e também um dos mais perigosos dos nossos tempos. É perigoso porque metade dele é propaganda. É valioso porque a outra metade é verdade, e é uma verdade importante e que precisa ser melhor conhecida. Vamos começar com a propaganda.

Veja o vídeo com depoimento do próprio John Perkins: Confissões de um Assassino Econômico

(Parte 1) – A Essência do Coletivismo

Perkins provavelmente não se classificaria como um marxista (esse termo atualmente não está mais em voga), mas sabemos por seus escritos que ele é um coletivista, que é um termo mais genérico para a mesma coisa, de modo que vamos usar essa palavra para descrevê-lo. (Para uma análise do coletivismo, leia o artigo “O Abismo Entre Individualismo e Coletivismo”, que é a Parte 1 da série “O Futuro Está Chamando”.)

Como sabemos que ele é um coletivista? Porque ele mesmo nos diz isso em seu livro. Um dos chavões do coletivismo é “De cada um de acordo com sua capacidade; a cada um de acordo com sua necessidade.” Na verdade, não há nada de errado com esse sentimento. É a base da compaixão e da caridade. Entretanto, os coletivistas não estão dispostos a deixar a matéria para a caridade ou para a liberdade de escolha. O credo deles é que, se algo vale a pena ser feito, então vale a pena fazer por qualquer meio, desde uso da força, corrupção e a coerção.

O modo mais fácil de identificar um coletivista é observar como ele se propõe a ajudar os necessitados. Se ele defender a verdadeira caridade (alguém dar do seu próprio dinheiro) e a liberdade de escolha de dar ou não dar, ele é um individualista. Se ele advogar a pseudocaridade (dar o dinheiro dos outros) e o uso da tributação para coagir todos a participarem, queiram ou não, então ele é um coletivista. Perkins aceita o modelo coletivista. Ele escreve: “Países como o meu deveriam assumir ações decisivas para ajudar os doentes e os famintos do mundo” [pág. 72]

Isso significa que os líderes políticos em países como os EUA deveriam ter o poder de confiscar os rendimentos de uma classe de cidadãos e dar esse dinheiro às pessoas de outras classes sociais ou até mesmo para cidadãos de outros países. Basta dizer que isso supostamente é para algum propósito humanitário, como ajudar os doentes e os famintos do mundo. O uso da coerção para a redistribuição da riqueza é a base do socialismo, do comunismo, do nazismo, do fascismo e de todas as demais variantes de coletivismo.

Outro dogma do coletivismo é a crença que os cidadãos devem ser tratados de formas diferentes, dependendo de quem eles são e que classe representam, novamente, algo sempre justificado pela afirmação que algum propósito humanitário está sendo alcançado. Essa é a lógica que está por trás das leis que discriminam com base em coisas como raça, gênero, idade, geografia, religião, ocupação, nível de renda e tipo de indústria. Em todos os casos, alguém é beneficiado à custa dos outros. No tratamento dos cidadãos, o coletivismo institucionaliza a desigualdade e apresenta-a como uma virtude.

Perkins não vê nada de errado com esse modelo e está contente em ser beneficiário dele. Em 1982, ele fundou a Independent Power Systems, uma empresa voltada à produção de energia elétrica de formas não prejudiciais ao meio ambiente. O objetivo era louvável, mas a realidade é que esses sistemas ainda não eram economicamente viáveis. Entretanto, o desenvolvimento de novas fontes de energia era visto como benéfico à sociedade, de modo que os coletivistas no Congresso americano aprovaram leis concedendo tratamento tributário privilegiado às empresas desse setor industrial.

Supostamente, era uma coisa humanitária a fazer. Isso significa que essas empresas receberam uma vantagem econômica sobre seus concorrentes que usavam a tecnologia tradicional. A IPS foi além disso e fez lobby para obter favores adicionais. Perkins se vangloria: “Recebemos apoio até do Congresso americano, que excluiu a IPS de um determinado imposto, que depois nos deu uma vantagem significativa sobre a concorrência.” [pág. 194].

Não há um sinal de remorso aqui, nenhum sentimento de culpa, nenhum apelo para a confissão pública. Para um coletivista, usar a influência política para obter vantagens sobre seus concorrentes é algo totalmente aceitável. Desde que haja um propósito humanitário, é parte do credo coletivista. Como George Orwell expressou em seu livro A Revolução dos BichosTodos os animais são iguais, mas alguns são mais iguais do que os outros.”

Modelos Marxistas

Perkins revela sua afinidade com o coletivismo de muitas formas. Os dois grandes modelos em sua vida eram marxistas: o general Omar Torrijos, presidente do Panamá, e Jaime Roldós, presidente do Equador. Ambos defendiam o controle estatal sobre a indústria, educação, bem-estar social, emprego, comunicações, transportes, e todas as outras esferas importantes da atividade nacional. A competição no livre mercado não seria uma opção. Ambos os homens tinham afinidades com Fidel Castro e com o bloco soviético.

Perkins escreve: “No dia de ano novo de 1980, tomei uma resolução… Resolvi que durante o ano seguinte faria a maior mudança da minha vida e que no futuro tentaria me moldar tomando como exemplo heróis modernos como Jaime Roldós e Omar Torrijos.” [pág. 175].

Como todos os coletivistas, especialmente aqueles com afinidades com a variedade marxista, Perkins odeia o capitalismo. Ele descreve a corporatocracia a quem serviu como “o império global, que tem suas raízes no capitalismo”. [pág. 170]

Essa atitude pode ser rastreada aos seus professores marxistas na faculdade. Ele escreve: “Promover o capitalismo freqüentemente resulta em um sistema que lembra as sociedades feudais medievais… [pág. 51].

“Eu me lembrei de um professor de Economia nos meus tempos de faculdade de administração, um homem do norte da Índia, que falava sobre os recursos limitados, sobre a necessidade humana de crescer continuamente e sobre o princípio do trabalho escravo. De acordo com esse professor, todos os sistemas capitalistas bem-sucedidos envolvem hierarquias com cadeias de comando rígidas, incluindo umas poucas pessoas, que do alto controlam as ordens decrescentes de subordinados, e um exército enorme de trabalhadores na base, que em termos econômicos relativos podem na verdade ser caracterizados como escravos.” [pág. 81].

O que o professor de Perkins deixou de lhe dizer, e que ele não descobriu por sua própria conta, é que o sistema que ele detesta não é o capitalismo, mas o coletivismo. Simplesmente porque aqueles que estão no topo são ricos, isso não os torna capitalistas — ou qualquer outra coisa. Os homens mais ricos do mundo hoje são coletivistas que buscam parcerias (ou a compra da consciência dos) com os políticos. Eles conquistam riquezas, não pela excelência na eficiência produtiva e pelo marketing brilhante, mas por serem excelentes em fazerem lobby e exercerem influência política — exatamente aquilo que Perkins fez com sua firma IPS.

Eles não gostam da competição no livre mercado. Eles querem leis que eliminem a concorrência por meio da criação de monopólios e cartéis apoiados pela força do governo. O que Perkins não compreende é que ele foi preso em uma cilada de palavras. Aquilo que chama de capitalismo é na verdade o coletivismo, a coisa exata com a qual ele ainda está comprometido. Parece que Perkins nunca conheceu um marxista do qual ele não tenha gostado. Ele descreve muitos deles em seu livro e, sem exceção, todos são pessoas maravilhosas, que lutam para melhorar a sorte da humanidade contra a oposição dos capitalistas sem coração que se preocupam apenas com seus lucros.

Quando Mao Tse-tung levou o comunismo à China, os coletivistas nos Estados Unidos, tanto no governo quanto na mídia, asseguraram ao povo americano que Mao não era comunista, mas apenas um reformador agrário que estava tentando fazer o que era melhor para o sofrido povo chinês. Quando Fidel Castro levou a revolução a Cuba, os coletivistas asseguraram ao povo americano que Fidel não era comunista, mas apenas um reformador agrário que estava tentando fazer o que era melhor para o sofrido povo cubano.

Agora ouvimos a mesma canção ser cantada nas páginas desse livro. Perkins usa a personagem de uma mulher colombiana chamada Paula para entregar o recado: “Vou ser franca”, disse Paula um dia, enquanto estávamos sentados em um café. “Os índios e todos os fazendeiros que vivem ao longo do rio que vocês estão represando os odeiam. Até mesmo as pessoas das cidades, que não são diretamente afetadas, simpatizam com os guerrilheiros que atacam o seu canteiro de obras. O seu governo chama essa gente de comunistas, terroristas e narcotraficantes, mas a verdade é que eles são apenas pessoas com famílias que vivem em terras que a sua empresa está destruindo.” [pág. 154].

“Sei que alguns dos guerrilheiros receberam treinamento na Rússia e na China… O que mais eles poderiam fazer? Eles precisavam aprender um pouco sobre armamento moderno e sobre como enfrentar os soldados que entram nas escolas deles. Às vezes eles vendem cocaína para levantar dinheiro para os suprimentos. De que outra maneira poderiam comprar armas?” [pág. 156].

manipulação-ocidente-nwo

Não é necessário ser um especialista em política internacional para identificar esse tipo descarado de propaganda. A propaganda marxista pode ser facilmente identificada se você conhecer a fórmula. O primeiro estágio é enfocar a atenção nas injustiças que possam ser encontradas dentro do atual sistema (que são muitas). O segundo estágio é apresentar as questões de tal forma a criar simpatia pelas “vítimas” e ódio contra os “exploradores”. O terceiro estágio é afirmar que o problema nunca poderá ser solucionado até que o atual sistema seja substituído por um sistema totalmente novo que ofereça justiça e respeito ao homem comum.

Que sistema seria esse? Nos dias mais antigos, seria descrito como socialismo ou comunismo. Nos tempos recentes, palavras mais enganosas são usadas, como democracia. Os nomes são irrelevantes. Em todos os casos, as reformas propostas envolvem a expansão do poder do governo em nome do bem maior da sociedade. 

Eles são todos irmãos do marxismo (o totalitarismo que a NWO-Nova Ordem Mundial/Illuminatis, Bilderbergs querem implantar no planeta), e o DNA comum a eles é o coletivismo.

A ironia é que, nos últimos cinqüenta anos, quase todas as injustiças que os marxistas e leninistas usaram para justificar a expansão do governo foram elas próprias causadas pela expansão prévia do governo.

Em outras palavras, eles advogam mais daquilo que causou originalmente o problema. Para sermos justos com Perkins, é preciso dizer que o livro dele realmente não inclui a solução “revolucionária” tipicamente encontrada em propaganda marxista. Ele acredita que é possível produzir mudanças dentro do sistema existente como resultado de aumentar a conscientização do público, uma onda maciça de indignação e uma decisão de modificar a ética pela qual nossas instituições existentes são governadas.

Concordo com essa avaliação, embora discorde com o que essas éticas deveriam ser. Mas o fato que Perkins não advoga uma mudança do sistema é evidência convincente que ele não está seguindo uma agenda oculta. Claramente, ele é um coletivista com uma afinidade pelos marxistas e leninistas; mas, deixando isso de lado, acredito que ele é exatamente aquilo que afirma ser: um homem com um sentimento de culpa na consciência.

O Plano Mestre

É a consciência de Perkins que torna esse livro uma leitura essencial, porque isso é o que o motivou a expor o funcionamento interno da corporatocracia a qual ele serviu. Somente quem esteve dentro poderia contar essa história. Se um pesquisador ou jornalista independente escrevesse essas coisas, o público nunca acreditaria. Entretanto, vindo de um dissidente com credibilidade, elas assumem uma crua realidade que não pode ser facilmente ignorada. “Claudine me disse que havia dois objetivos básicos no meu trabalho.

Primeiro, eu devia justificar os enormes empréstimos internacionais que canalizariam rios de dinheiro de volta para a Main [a empresa para a qual Perkins trabalhava] e outras companhias americanas (como a Bechtel, Halliburton, Stone & Webster e a Brown & Root) por meio de gigantescos projetos de engenharia e construção.

Segundo, eu trabalharia para a falência dos países que recebiam esses empréstimos (depois de terem pago à Main e às outras contratadas americanas, é claro)  de modo que eles seriam dependentes para sempre de seus credores e assim representariam alvos fáceis quando precisássemos de favores, incluindo bases militares, votos na ONU, ou acesso a petróleo e outros recursos naturais.” [pág. 38].

“O aspecto velado de cada um desses projetos era que eles pretendiam criar grandes lucros para os contratantes, e fazer a felicidade de um punhado de famílias ricas e influentes nos países recebedores, enquanto assegurava a dependência financeira a longo prazo e, portanto, a lealdade política de governos ao redor do mundo. Quanto maior o empréstimo, melhor. O fato de que a carga da dívida colocada sobre um país privaria os seus cidadãos mais pobres da saúde, educação e de outros serviços sociais por décadas no futuro não era levado em consideração.” [pág. 39].

A sutileza da construção desse império moderno faria os centuriões romanos, os conquistadores espanhóis e as forças colonizadoras européias dos séculos XVII e XIX se envergonharem. Nós, os Assassinos Econômicos, somos astutos; aprendemos com a história. Hoje nós não usamos espadas. Não envergamos armaduras ou roupas especiais para nos proteger. Em países como o Equador, a Nigéria e a Indonésia, nós nos vestimos como professores e donos de lojas. Em Washington e Paris, parecemos burocratas do governo e banqueiros. Parecemos humildes, normais. Visitamos os locais do projeto e passeamos pelas aldeias empobrecidas. Professamos o altruísmo, falamos oficialmente sobre as maravilhosas coisas humanitárias que estamos fazendo.

Cobrimos as mesas de conferências das comissões dos governos com as nossas planilhas eletrônicas e projeções financeiras, e proferimos palestras na Harvard Business School sobre os milagres da macroeconomia. Somos conhecidos, acessíveis. Ou nos apresentamos como tais e somos aceitos. É assim que o sistema funciona. Raramente recorremos a alguma coisa ilegal porque o próprio sistema é construído sobre subterfúgios, e o sistema por definição é legítimo (mas extremamente corrupto).”

Entretanto — e esse é um grande empecilho — se falharmos, uns tipos ainda mais sinistros entram em ação, os quais nós, os Assassinos Econômicos, chamamos de CHACAIS, homens cuja linhagem remonta diretamente aos impérios primitivos. Os chacais estão sempre presentes, espreitando nas sombras. Quando eles aparecem, os chefes de Estado são derrubados ou mortos em violentos ‘acidentes’. Se por acaso os chacais falham, como falharam no Afeganistão e no Iraque, então os antigos modelos ressurgem. Quando os chacais falham, jovens americanos são enviados para matar e morrer.” [pág. 22]. 

Agora você sabe por que incentivo todos a lerem esse livro. Apesar do viés coletivista do autor, não há dúvida que ele conhece bem o assunto. Ele esteve ali, viu a ação e a fez acontecer. Ele dá os nomes, datas e os detalhes íntimos que somente poderiam vir de quem fez parte do esquema. 

Se essas informações são novas para você, sua visão dos eventos mundiais mudará para sempre. O perigo é que leitores sem qualquer conhecimento do coletivismo não serão capazes de lidar com as informações. Eles ficarão indecisos, vacilando entre a corporatocracia e as guerrilhas anticorporatocracia que afirmam estarem meramente defendendo seu hábitat nativo contra o desenvolvimento industrial predatório.

Os leitores não terão como saber que essas forças opostas são meramente manifestações diferentes da mesma coisa. Eles estarão preocupados com uma única questão: Qual grupo eles mais odeiam? Se odiarem os coletivistas empresariais, provavelmente serão simpáticos aos marxistas coletivistas. Se não gostarem dos marxistas, serão levados a apoiar a corporatocracia. O coletivismo ganha em ambos os casos. Sem essa compreensão, aqueles que apóiam as preocupações ambientalistas dos povos nativos facilmente poderão ser levados a acreditar que esse é um livro apenas sobre cobiça e capitalismo decadente.

Eles serão atraídos ao chamado da sirene por mais controle do governo para restringir essas grandes e más empresas e para capacitar mais as agências internacionais a introduzirem infindáveis regulamentações gerenciadas por um exército global de burocratas humanitários que certamente colocarão as coisas em ordem. E, ao fazerem isso, eles tornarão as coisas muito piores do que são atualmente. É por isso que separei um tempo no início desta análise para abrir a porta para uma compreensão mais profunda das questões ideológicas.

Se pudermos subir acima do viés coletivista do autor e se também reconhecermos que a corporatocracia está baseada no coletivismo, e não no capitalismo, então essa obra pode servir como um livro-texto sobre a realidade dos planos financeiros ocultos dos tempos modernos.

Análise elaborada por G. Edward Griffin — Freedom Force International)

Mais informações em:

  1. http://thoth3126.com.br/grupo-bilderberg-misterios-e-controle-alienigena/
  2. http://thoth3126.com.br/a-verdade-sobre-os-grandes-bancos-ocidentais/
  3. http://thoth3126.com.br/grupo-bilderberg-entrevista-com-banqueiro-suico/
  4. http://thoth3126.com.br/illuminati-hierarquia-dos-conspiradores-o-comite-dos-300/
  5. http://thoth3126.com.br/historia-dos-illuminati-e-da-nova-ordem-mundial-nwo/
  6. http://thoth3126.com.br/reptilianos-livro-body-snatchers-cap-11-e-12/
  7. http://thoth3126.com.br/banco-mundial-ex-executiva-denuncia-elite-global/
  8. http://thoth3126.com.br/h-s-b-c-opio-e-drogas-a-origem-do-banco-ingles/
  9. http://thoth3126.com.br/illuminati-revelacoes-de-um-membro-no-topo-da-elite-explosivo/ 

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e a citação das fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

11 Responses to Grupo Bilderberg: Confissões de um “Assassino Econômico”

  1. luiz carlos drumond

    ACORDA PLANETA TERRA !!! EM DEFINITIVO !

  2. Silvio José Benevides e Maia

    Por que está lá no livro dos livros que ninguém endireita o que Deus fez torto. Esse mundo era e ainda é para ser de provas e expiações. Aí está a excelente ferramenta para isso:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *