browser icon
You are using an insecure version of your web browser. Please update your browser!
Using an outdated browser makes your computer unsafe. For a safer, faster, more enjoyable user experience, please update your browser today or try a newer browser.

“Energia negra” foi ejetada do Sol em enorme explosão

Posted by on 31/05/2014

Fogos de artifício negros (ejeção de plasma “frio”) na superfície do Sol (no centro da foto).

A escuridão do material ejetado é um sinal de que o plasma era relativamente denso e frio para a atmosfera circundante do sol. Esta não é a primeira vez que o sol produziu  uma explosão de energia negra .

Desde o lançamento do satélite SDO-Solar Dynamics Observatory, criado para estudar o sol,  em fevereiro de 2010, os pesquisadores já catalogaram muitos casos de plasma (NEGRO)frio emergentes dos locais de emissão de flares da superfície solar.

E, logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas“.  Mateus 24:29

Tradução,edição e imagens:  Thoth3126@gmail.com

Fontes: http://www.spaceweather.com/ e NASA-Science

Uma Espiral de energia negra: A mancha solar (Sunspot) AR1667, em deterioração entrou em erupção em 06 de fevereiro de 2013, produzindo um duplo flare classe-C9, uma  erupção solar que durou mais de 10 horas desde o seu início até o fim. A explosão lançou uma lenta e enorme espiral, uma pluma de plasma de cor negro no espaço. O satélite SDO-Solar Dynamics Observatory da NASA gravou a ejeção da espiral de plasma negro:

Fogos de artifício negros (ejeção de plasma “frio”) na superfície do Sol em enorme Ejeção de Massa Coronal em 07 de junho de 2011, registrado pelo satélite SDO-Solar Dynamics Observatory.

A escuridão do material ejetado é um sinal de que o plasma era relativamente denso e frio para a atmosfera circundante do sol. Esta não é a primeira vez que o sol produziu uma explosão de energia negra . Desde o lançamento do satélite SDO-Solar Dynamics Observatory, em fevereiro de 2010, os pesquisadores já catalogaram muitos casos de plasma frio emergentes dos locais de emissão de flares da superfície solar.

“FRIO” nesse caso tem um significado especial, no entanto, quando é sobre o sol. A temperatura das gotas escuras é de  “apenas” de cerca de 20.000 graus Kelvin em comparação com 40.000 a 1.000.000 de graus Kelvin para o gás no ambiente circundante ao Sunspot.

A deteriorada mancha solar AR1667 provavelmente não vai mais entrar em erupção novamente. Os Meteorologistas do clima espacial da NOAA colocam as probabilidades de um flare (M-classe ou mais forte) significativa hoje em 10% ou menos.

NASA-Science – AutorDr. Tony Phillips | Crédito: Science @ NASA

No dia 7 de junho de 2011, satélites em órbita da Terra  detectaram um flash de raios-X localizado e vindo do extremo oeste do disco solar. Foi registrado apenas um flare de classe “M” (de médio) na escala de labaredas solares-Flares, a explosão a princípio parecia ser mais uma erupção “normal” – isto é, até que os pesquisadores analisaram os filmes …

Nunca tinha visto nada parecido“, diz Alex Young, um físico solar no Goddard Space Flight Center. “Metade do sol parecia estar explodindo em pedaços.

A NASA então lançou novos vídeos de alta resolução do evento registrado pelo Solar Dynamics Observatory (SDO). Os vídeos são grandes, normalmente de 50 MB a 100 MB, mas vale a pena esperar para download. Clique na seta para lançar o primeiro filme, em seguida, desloque-se para comentários:

Abaixo um close-up da erupção ocorrida no sol em 07 de junho mostra a queda balisticamente de manchas escuras de plasma de retorno  em direção à superfície do sol. [ 99 MB Quicktime ] [ mais ]

Em termos de força bruta, esta realmente foi apenas uma erupção de classe média“, diz o cientista Alex Young, “mas tinha uma aparência  dramática e única causada por todo o material de cor NEGRA. Nós não costumamos ver isso rotineiramente.”

O físico solar Angelos Vourlidas do Laboratório de Pesquisa Naval em Washington DC chamou o evento de um caso de “fogos de artifício negros“.

A explosão foi provocada por um filamento magnético instável perto da superfície do sol“, explica ele.”Esse filamento estava carregado com plasma frio (1) plasma que explodiu em um spray de gotas escuras e serpentinas.

Fogos de artifício escuros (guiada, 200px)
Bolhas de plasma são canalizados para as manchas solares por campos magnéticos. [ 67 MB Quicktime ] [ mais ]

As bolhas de plasma eram tão grandes como o tamanho de planetas, muito maiores do que a Terra. Elas se ergueram da superfície solar e caíram balisticamente, movendo-se sob a influência da gravidade do Sol como bolas atiradas ao ar, explodindo “como bombas” quando atingiram a superfície estelar.

Algumas bolhas, no entanto, eram mais parecidas com mísseis teleguiados. Nos filmes do SDO podemos ver material “sendo pegado” por campos magnéticos e canalizados para grupos de manchas há centenas de milhares de quilômetros de distância, observa Young.

O satélite Solar Dynamics Observatory (SDO) também detectou a emissão de uma onda de choque de energia negra do local da explosão. O ‘tsunami solar’ se propagou para além da outra metade do sol, visivelmente tremendo com filamentos de magnetismo e gerando loops em sua rota.[91 MB Quicktime]

A ação de Longo Alcance tornou-se um tema-chave da física solar desde que o satélite Solar Dynamics Observatory (SDO) foi lançado em 2010 para acompanhar e registrar eventos solares. O observatório freqüentemente vê explosões em uma parte do sol afetando outras partes da nossa estrela. Às vezes, uma explosão provoca uma outra … e outra … com uma seqüência em dominó de erupções solares explodindo ao redor de toda a estrela.

A explosão de 7 de  junho de 2011 não pareceu desencadear quaisquer grandes explosões secundárias, mas certamente foi sentida muito longe“, diz Young.

Fogos de artifício escuros (onda circular, 558px)

Este  filme ultravioleta extremo da explosão com 13 MB mostra uma onda de plasma estilo “Tsunami solar” reverberando para longe do local da explosão. [ 13 MB Quicktime ] [ mais ]
É tentador olhar para os filmes e concluir que a maioria do material que explodiu na erupção caiu de volta no sol – mas isso não seria verdade, de acordo com Vourlidas. “A explosão também impulsionou uma ejeção de massa coronal significativa (CME) da atmosfera do sol (para o espaço interplanetário).”

Ele estima que a nuvem de energia concentrava cerca de 4,5 x 10 15 gramas de massa, colocando-a entre as top das 5% de todas as maiores CMEs (Ejeção de Massa Coronal) registrados na Era Espacial. Para comparação, a CME mais maciça já registrada foi de 10 16 gramas, apenas um fator de ~ 2 maior do que a nuvem de energia gerada em 07 de junho(2). A quantidade de material que caiu de volta para o sol em 07 de junho foi aproximadamente igual ao montante que voou para longe , disse o físico Vourlidas.

Apesar de tão marcante quanto parece ser a erupção de 7 de junho de 2011, Alex Young diz que esse tipo de evento pode não ser tão raro afinal. “Na verdade”, diz ele, “ele pode ser totalmente comum.

O Solar Dynamics Observatory (SDO) é um satélite da NASA que estuda processos do Sol que afetam diretamente a vida na Terra, e cujo lançamento ocorreu de Cabo Canaveral em 11 de fevereiro de 2010. É uma espaçonave construída com três eixos, com quatro telescópios embutidos em sua estrutura, dois painéis solares e duas antenas de longo alcance. Entre seus principais instrumentos estão o Extreme Ultraviolet Variability Experiment, que medirá a irradiação de raios ultravioleta do astro em alta definição, o Helioseismic and Magnetic Imager, que estudará a variação e as características do interior solar e os componentes da atividade magnética em sua superfície. Além disso, transporta o revolucionário Atmospheric Imaging Assembly, capaz de trasmitir imagens do disco solar inteiro, em faixas de ultravioleta e infra-vermelho não alcançadas antes por suas predecessoras. Após o lançamento, o satélite foi colocada pelo foguete Atlas numa órbita com o perigeu inicial de 2.500 km, que será mudada aos poucos, com periódicos ajustes, que a estabilizarão na sua planejada órbita geossíncrono circular a 36 mil km de altitude da Terra.

Antes do Solar Dynamics Observatory (SDO) ser lançado a apenas três anos, os observatórios espaciais observavam o sol com cadências relativamente lenta e / ou campo de visão limitado. Eles poderiam ter facilmente perdido a majestade de tal explosão de 07 de junho, pegando apenas um instantâneo único fora do centro, no início ou no final da explosão para poder sugerir o que realmente aconteceu.

Mais informações
Notas de rodapé: 1– “Frio” tem um significado especial no sol: As bolhas de plasma registraram uma temperatura de 20.000 Kelvin ou menos. Isso é relativamente frio (em termos solares). A maior parte do gás circundante tinha temperaturas entre 40.000 e 1.000.000 K. 2– Contendo cerca de 1015 gramas de matéria, as ejeções de massa coronal não são tão grandes como parecem. Seria preciso uma centena dos CMEs iguais à 7 de junho para fazer um cometa de tamanho decente; exemplo, o núcleo de massas o Cometa Halley cerca de 2 x 1017gramas. “Lembre-se que esta é apenas uma nuvem de gás magnetizada saindo da coroa solar muito tênue”, observa Vourlidas. “A nuvem é grande, mas realmente não é muito grande em relação a coisas como cometas, luas e planetas.”

Se o físico Alex Young estiver certo, mais fogos de artifício negros podem estar no horizonte solar. Fique atento.

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *