browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Entrevista com um Alienígena – Capítulo Catorze

Posted by on 25/05/2016

alien-entrevista-bannerLivro “ALIEN INTERVIEW” – Entrevista com um alienígena. Baseado em notas pessoais e transcrição de entrevistas de Matilda O’Donnell MacElroy.

Se você estudou o fenômeno UFO, você já está familiarizado com a infame transmissão de rádio de “Guerra dos Mundos, e a invasão de Marte” de Orson Welles feita em 30 de outubro de 1938. Esta dramatização de rádio fictícia de um invasão da Terra por “extraterrestres” incitou uma histeria mundial sobre OVNIs e aliens um pouco antes da queda do UFO perto de Roswell, NM, no ano de 1947.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Livro “ALIEN INTERVIEW”  (Entrevista com um alienígena)

Fonte: http://www.bibliotecapleyades.net/vida_alien/alieninterview/alieninterview.htm

Capítulo Quatorze do livro “ALIEN INTERVIEW” – Entrevista com um alienígena – Comentários de Airl sobre as transcrições das entrevistas – Chapter Fourteen – Airl Reviews The Interview Transcripts

Transcrição oficial da entrevista TOP SECRET – Força Aérea do Exército dos EUA, Base do Exército ROSWELL Airfield, 509  Bomb Group: ASSUNTO ENTREVISTA ALIEN

Capítulo Quatorze – Comentários de Airl sobre as transcrições das entrevistas

(Nota pessoal Matilda O’Donnell MacElroy): “Pouco depois que eu terminei recontando a entrevista anterior com Airl para o taquígrafo registra-la, eu ui chamada com urgência para o escritório do oficial comandante da base de ROSWELL. Eu fui escoltada por quatro policiais militares fortemente armados.

roswell2

Manchetes de jornal local sobre a queda e o resgate de UFO na região de Roswell em JULHO de 1947.

Quando cheguei, fui convidada para sentar em uma grande sala de um escritório improvisado que havia sido arranjado com uma mesa de conferência e cadeiras. No interior do escritório havia vários dignitários que eu tinha visto em vários momentos na “galeria”. Eu reconheci alguns deles porque eles eram homens famosos. Fui apresentada a esses homens, que incluía os seguintes personagens:

Para minha surpresa Charles Lindbergh também estava presente no escritório. O Secretário Symington explicou-me que o Sr. Lindberg estava lá como um consultor para o chefe do Estado Maior da Força Aérea dos EUA. Havia vários outros homens presentes na sala que não foram apresentados. Eu assumo que esses homens eram assessores pessoais para os funcionários ou agentes de algum serviço de inteligência do governo dos EUA.

Toda esta súbita atenção, não só do Secretário de estado e dos generais, mas de tais pessoas, mundialmente famosas como o Sr. Lindbergh e o General Doolittle, me fez perceber como extremamente importante era o meu papel como uma “intérprete” para a comunicação com a extraterrestre Airl, como pode ser visto através dos olhos dos outros. Até este momento eu não estava realmente ciente disto, exceto em um sentido periférico. Eu suponho que isso aconteceu porque eu estava tão absorta em detalhes daquela situação extraordinária de ser interprete para uma alienígena. De repente, comecei a compreender a magnitude do meu papel. Eu acho que a presença destes homens nessa reunião destinava-se, em parte, para me impressionar com este fato!

ufo-crash

O secretário me instruiu para não ficar nervosa. Ele disse que eu não estava metida em nenhum problema. Ele me perguntou se eu achava que a extraterrestre estaria disposta a responder a uma lista de perguntas que eles haviam preparado. Ele explicou que eles estavam muito ansiosos para descobrir muitos mais detalhes sobre Airl, sobre sua espaçonave, o Domínio, e muitos outros assuntos que Airl tinha divulgado nas transcrições das entrevistas até então. Claro, eles estavam interessados ​​principalmente em questões relacionadas com a segurança militar e informações para a construção do disco voador alienígena.
  
Eu disse a eles que eu estava muito certa de que Airl não tinha mudado de idéia sobre responder perguntas, assim como nada havia mudado que poderia causar-lhe para confiar nas intenções dos homens presentes na galeria. Repeti que Airl tinham comunicado tudo o que ela estava com liberdade e disposta para discutir. Apesar disso, eles insistiram que eu deveria pedir novamente à alienígena Airl se ela iria responder a perguntas. E, se a resposta fosse ainda um “NÃO”, deveria perguntar se ela estaria disposta a ler as cópias escritas das “traduções” das transcrições da minha entrevista para uma correção caso necessário . Eles queriam saber se Airl iria verificar que a minha compreensão e tradução de nossas entrevistas havia sido correta.

Desde que Airl podia entender Inglês fluentemente, o secretário perguntou se eles poderiam ser autorizados a observar por si mesmos, enquanto Airl lesse as transcrições e verificasse se as anotações estavam corretas e de acordo com o que ela transmitiu. Eles queriam que ela escrevesse em uma cópia da transcrição se as “traduções” estavam corretas ou não, e fazer uma observação de qualquer coisa que não estivesse precisa nas transcrições. Claro, que eu não tinha escolha a não ser obedecer as ordens e eu fiz exatamente o que o secretário havia me solicitado.

Foi-me dada uma cópia das transcrições, com uma página para assinatura, que  era para eu mostrar a Airl. Após a Alien completar a sua revisão, eu também fui direcionado para solicitar que Airl assinasse a página de rosto, atestando que todas as traduções nas transcrições estavam corretas, ou conforme alterada por ela. Cerca de uma hora mais tarde, entrei na sala de entrevista, conforme as instruções recebidas, com cópias das transcrições e página de assinatura para entregar a extraterrestre Airl como os membros da galeria, incluindo os generais, (e o Sr. Lindberg também, eu presumo) e outros observando através do vidro da sala de galeria.

Airl-Matilda-alien-entrevista
Fui para o meu lugar habitual, sentando cerca de 4 ou 5 pés em frente a Airl. Eu apresentei o envelope de transcritos para Airl, e passei telepaticamente a ela as instruções que havia recebido do Secretário. Airl olhou para mim, e olhou para o envelope, sem aceitá-lo. Airl me disse telepaticamente:

“Se você lê-los eles estão precisos em tua própria estimativa, não há necessidade para eu revê-los também As traduções feitas estão corretas. Você pode dizer ao seu comandante que você transmitiu um registro fiel de nossa comunicação… “

Assegurei à extraterrestre Airl que eu já os tinha lido, e as anotações eram gravações exatas de tudo o que eu disse para a transcrição da datilógrafa. Eu então perguntei:

“Você vai assinar a folha de rosto, então?”, 
“Não, eu não vou.”, Disse Airl. 
“Posso perguntar por que não?”, eu disse.

Eu estava um pouco confusa a respeito do por que ela não estava disposta a fazer uma coisa tão simples.

“Se o teu comandante não confiar em seu próprio pessoal para fazer um relatório honesto e preciso para ele, qual a confiança que a minha assinatura na página vai dar-lhe? Por que ele vai confiar em uma marca de tinta em uma página feita por um oficial extraterrestre do Domínio, se ele não confia em seu próprio e leal pessoal ? “

Eu não sabia bem o que dizer sobre tudo isso. Eu não podia discutir com a lógica de Airl, e eu não podia forçá-la a assinar o documento também. Sentei-me na minha cadeira por um minuto me perguntando o que fazer a seguir. Agradeci a Airl e disse-lhe que precisava ir perguntar aos meus superiores para obter mais instruções. Coloquei o envelope das transcrições no bolso interior do meu casaco do uniforme e começou a levantar-me da cadeira.

terra-prisão-ufos-ets

Naquele momento, a porta da sala da galeria se abriu! Cinco policiais militares fortemente armados correram para o quarto! Um homem em um casaco de laboratório branco seguido de perto por trás deles. Ele empurrou um carrinho que levava uma máquina em forma de caixa com um monte de mostradores e a colocou no rosto dela. Antes que eu pudesse reagir, dois dos policiais do exército agarraram Airl e seguraram-na firmemente mantendo-a presa na cadeira estofada que ela havia estado sentada desde o primeiro dia de nossas entrevistas juntas. Os outros dois MPs agarraram-me pelos meus ombros e me empurraram de volta para sentar em minha cadeira e me seguraram lá. O outro MP estava em frente de Airl, apontando um rifle diretamente para ela, a não mais de seis (15 cm) polegadas de sua cabeça.

O homem de jaleco rapidamente colocou o carrinho atrás da cadeira de Airl. Ele habilmente colocou uma faixa de cabeça circular sobre a cabeça de Airl e voltou para a máquina no carrinho. De repente, ele gritou a palavra “clear!” Os soldados que estavam segurando Airl a soltaram. Naquele instante, vi se enrijecer e estremecer o débil e pequeno corpo de Airl . Isso durou por cerca de 15 ou 20 segundos. O operador do aparelho virou um botão na máquina e o corpo da Alien caiu para trás na cadeira. Depois de alguns segundos, ele virou a maçaneta novamente e o corpo de Airl endureceu como antes. Ele repetiu o mesmo processo várias vezes.

Sentei-me na minha cadeira, que está sendo segura durante todo o tempo pelos MPs. E eu não entendia o que estava acontecendo. Eu estava apavorada e paralisada pelo que estava acontecendo! Eu não podia acreditar! Depois de alguns minutos, vários outros homens vestindo jaleco branco entraram na sala. Eles examinaram brevemente Airl que agora estava caída com indiferença na cadeira. Eles murmuraram algumas palavras um para o outro. Um dos homens acenou para a janela da galeria. Uma maca foi imediatamente levada para dentro da sala por dois assistentes. Estes homens levantaram o corpo mole e inerte de Airl na maca, amarrando-o sobre o peito e braços, e foram para fora da sala.

ufocerrogordojunho2006
Eu fui imediatamente escoltada para fora da sala de entrevista com os MPs (Polícia do Exército) e levada diretamente aos meus aposentos, onde eu permaneci trancada no meu quarto com a MPs permanecendo em guarda fora da porta. Após cerca de meia hora, houve uma batida na porta do meu quarto. Quando eu a abri o General Twinning entrou, em conjunto com o operador da máquina de jaleco branco. O General apresentou o homem para mim como Dr. Wilcox. Ele me pediu para acompanhá-lo e ao médico. Saímos do quarto, seguido pelos MPs. Depois de várias voltas e mais voltas através do complexo militar entramos em uma pequena sala onde Airl tinha sido levada pela maca.

O general me disse que Airl e o Domínio foram considerados como uma grande ameaça militar para os Estados Unidos. Airl tinha sido “imobilizada” para que ela não pudesse partir e voltar para sua base no Cinturão de Asteroides, como ela mesma disse que iria fazer na entrevista anterior. Seria um grave risco para a segurança nacional dos EUA, permitir que a Alien Airl pudesse relatar o que ela observou durante o seu tempo na base de ROSWELL. Então, havia sido determinado que uma ação decisiva seria necessário para evitar isso.

O general me perguntou se eu entendia por que tudo aquilo era necessário. Eu disse que sim, embora eu certamente não concordasse que o que eles fizeram fosse necessário e eu certamente não concordava com o “ataque surpresa” contra  Airl na sala de entrevista! No entanto, eu não disse nada sobre isso para o general, porque eu estava com muito medo do que poderia acontecer para mim e para Airl se eu protestasse.

matilda-odonnell-mac-elroy (1)

Matilda

O homem de jaleco branco, o Dr. Wilcox, me pediu para me aproximar da maca e ficar ao lado de Airl. A extraterrestre estava perfeitamente imóvel na cama. Eu não poderia dizer se ela estava viva ou morta. Vários outros homens em jalecos brancos, que eu assumi também serem médicos, ficaram no lado oposto da cama. Eles tinham ligado duas peças do equipamento de monitorização na cabeça, braços e peito de Airl. Um desses dispositivos que reconheci da minha formação como enfermeira cirúrgica como uma máquina de EEG (Eletroencefalograma), que é usado para detectar a atividade elétrica no cérebro. O outro dispositivo era de um quarto de hospital normal, um monitor de sinais vitais, o que eu sabia que seria inútil já que a extraterrestre Airl não tinha um corpo biológico como o nosso.

O Dr. Wilcox explicou-me que ele tinha administrado uma série de eletrochoques “suaves” para Airl em uma tentativa de dominá-la o tempo suficiente para permitir que as autoridades militares tivessem tempo para avaliar a situação e determinar o que fazer com Airl. Ele me pediu para eu tentar me comunicar com Airl, telepaticamente. Tentei durante vários minutos, mas não conseguia sentir nenhuma comunicação de Airl. Eu não podia nem sentir se Airl estava presente no corpo por mais algum tempo! “Eu acho que você deve tê-la matado”, eu disse para o médico. O Dr. Wilcox me disse que eles iriam manter Airl sob observação e que eu seria convidada a voltar mais tarde para tentar estabelecer comunicação com Airl novamente. “

Muito mais informações em:

  1. http://thoth3126.com.br/o-governo-oculto-secreto-nos-eua/
  2. http://thoth3126.com.br/grupo-bilderberg-misterios-e-controle-alienigena/
  3. http://thoth3126.com.br/o-governo-oculto-secreto-nos-eua-ii/
  4. http://thoth3126.com.br/category/serpo-zeta-reticuli/
  5. http://thoth3126.com.br/aliens-eles-estao-entre-nos/
  6. http://thoth3126.com.br/henry-deacon-01/
  7. http://thoth3126.com.br/resumo-do-quadro-geral-do-atual-momento-na-terra/
  8. http://thoth3126.com.br/o-maior-dos-segredos/
  9. http://thoth3126.com.br/henry-deacon-segredos-desvelados-3/
  10. http://thoth3126.com.br/area-51-janet-airlines-uma-misteriosa-companhia-aerea-do-governo-americano/
  11. http://thoth3126.com.br/majestic-12-area-51-aliens-j-rod-greys-ufos-por-dan-burisch-parte-1/
  12. http://thoth3126.com.br/entrevista-com-um-alienigena-introducao/
  13. http://thoth3126.com.br/entrevista-com-um-alienigena-capitulo-um/
  14. http://thoth3126.com.br/entrevista-com-um-alienigena-capitulo-dois/
  15. http://thoth3126.com.br/entrevista-com-um-alienigena-capitulo-tres/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *