browser icon
You are using an insecure version of your web browser. Please update your browser!
Using an outdated browser makes your computer unsafe. For a safer, faster, more enjoyable user experience, please update your browser today or try a newer browser.

Esculhambando com as nossas Mentes …

Posted by on 26/08/2016

Esculhambando com as nossas mentes: A linha cada vez mais TÊNUE entre “notícia, publicidade e CONTROLE”.

fabricação de consentimento é endêmica nas sociedades modernas. Ao longo da história, a necessidade de “persuadir e influenciar” sempre foi manipulada por essas pessoas estabelecidas no poder como um meio de manter a autoridade e sua legitimidade. Em anos mais recentes, a manipulação global da mente pública de massa tornou-se menos sobre fazer discursos e muito mais sobre como se tornar uma presença generalizada (com influência) nas vidas de cada indivíduo …

Tradução, edição  e imagens: Thoth3126@protonmail.ch
 
www.truth-out.org –  Por Kingsley Dennis, Truthout | Análise Notícias
 
(Imagem: Jared Rodriguez / Truthout ; Adaptado: Brian Hillegas , Reigh LeBlanc , Abrinsky )

… Edward Bernays foi muitas vezes chamado de “o pai das relações públicas”, como foram os seus ensinamentos e pesquisas que estimularam os anos de propaganda do pós-guerra. Bernays, um sobrinho de Sigmund Freud, utilizou idéias psicológicas e psicanalíticas para construir um sistema de informação – propaganda – capaz de manipular a opinião pública.

Bernays, aparentemente, considerou que um tal aparelho de manipulação fosse necessário porque a sociedade, segundo sua opinião, era composta de muitos elementos irracionais – o povo, a massa – que poderia ser perigoso para os mecanismos eficientes de poder (ou a chamada “democracia”).

Bernays escreveu que, A manipulação consciente e inteligente dos hábitos organizados e opiniões das massas é um elemento importante na sociedade democrática[1] Tendo em mente que Bernays estava trabalhando no início dos anos de 1920, podemos esperar que os mecanismos de propaganda – a manipulação da mente de massa – progrediu a um grau muito mais avançado desde então. No contexto das nossas sociedades modernas de massa, a propaganda se transformou em um mecanismo para não apenas moldar a opinião pública (n.t.-Sobre qualquer assunto), mas também para consolidar o controle social.

Modernos programas de influência social não poderiam existir sem os meios de comunicação atuais. Hoje ele existe como uma combinação de experiência e conhecimento da tecnologia, a sociologia, o behaviorismo (comportamento) social, psicologia, comunicação e outras técnicas científicas. Quase todas as nações precisam de alguns meios de comunicação controlados se ela quiser regular, controlar e influenciar os seus cidadãos. Por meio da grande mídia, o controle de uma autoridade é capaz de exercer influência psicológica sobre a percepção da realidade das pessoas.

Esta capacidade trabalha lado a lado com os componentes mais físicos, tais como a aplicação do sistema legal e as leis de segurança nacional (controle de movimentação, vigilância e monitoramento). O Controle do Estado, atuando como uma “máquina psicológica”, instiga específicas manipulações psicológicas, a fim de atingir os objetivos desejados dentro de suas fronteiras nacionais (e muitas vezes além).

Exemplos dessas manipulações psicológicas das massas incluem o uso deliberado de símbolos culturais específicos e significantes incorporados à cultura que catalisam e geram reflexos condicionados na população em geral. Esses gatilhos têm incluído as palavras “vermelhos” e “comunista” durante os anos do “macarthismo” de 1950 nos Estados Unidos ,  e “terrorista muçulmano” durante a guerra contra o terror atualmente “construída”.

Reações específicas das massas podem, assim, ser alcançadas, tornando o povo aberto à mais manipulação neste estado. Este é um processo de re-formação psíquica que funciona repetidamente para amolecer as pessoas através da exposição continuada e extensiva a certos estímulos. Estes são os símbolos artificiais e de origem humana, pelos quais nós vivemos , a fim de permitir a construção de uma sociedade complacente (n.t. Imbecil e apalermada).

A Mídia de hoje, que inclui a presença dominante da publicidade, usa extensivamente a noção de “atratores” e de “padrões atrator” para a consciência público-alvo. Este tipo de manipulação de símbolos é muitas vezes referido no ramo como neuromarketing. Corporações da mídia estão usando o enorme crescimento das comunicações globais para continuar a moldar a sua ciência de atingir (n.t. – moldar e induzir) a consciência humana. No caso do neuromarketing, muitos anunciantes testam seus comerciais em primeira audiência usando técnicas de tomografia cerebral, a fim de saber qual parte do cérebro de uma pessoa está sendo ativada por um atrator particularmente mais forte.

Por exemplo, descobriu-se que atratores específicos podem ignorar a parte lógica do cérebro e seu impacto na parte emocional. Em tais casos, como na indústria cinematográfica, os anunciantes colocam um símbolo de prêmio (como um Globo de Ouro ou Oscar), que provou ser um “atrator forte” e eficaz, que influencia a parte emocional do cérebro. A filosofia aqui é para ajustar o nível de consciência de um anúncio em relação ao nível mensurável de consciência do consumidor. [2]

Os anunciantes estão cientes de que a consciência de uma pessoa passa em mensagens indiretamente para o corpo em forma de resposta galvânica da pele, resposta da pupila, a resposta elétrica do nervo, etc, e assim cada elemento da promoção na tela deve elucidar a recepção correta consciente. Para alcançar este conjunto correto de padrões de atrator, todos os elementos do pacote de publicidade são deliberadamente trabalhados: a música, o visual, o roteiro, a voz.

Interessante e simbólicos atratores fortes que têm o maior impacto para persuadir o público incluem recursos visuais, tais como faces sorridentes  e animais bonitos (cães que sacodem suas caudas e gatinhos ronronando. Em termos de atratores sonoros, que incluem palavras como “honestidade”, “integridade”, “liberdade”, “esperança e mudança”, “amizade”, etcetera. A partir daqui, está claro como os políticos usam uma grande quantidade desses padrões de attractor em seus discursos e material promocional. [3]

Outros métodos de propaganda descarada incluem órgãos governamentais utilizando o que pode ser chamado de “realidade da verdade”, liberando estatísticas aparentemente precisas que “comprovam situações plausíveis”. Essa é a tática especialista-de laboratório-vestido-em-jaleco-branco. Para tal propaganda / informação ser eficaz, ela não pode estar muito longe da verdade, em outras palavras, ela deve ter a aparência da realidade. Os números sobre o  desemprego, do Comércio e mercado financeiro são um exemplo disso.

E como o público, a massa em geral têm o conhecimento e / ou recursos para verificar e confirmar esses números? Aquelas pessoas que sabem são geralmente aqueles que têm interesse em manter a ilusão, como os vendedores e financiadores dos produtos vendidos. E quando uma nação libera seus números de desemprego, será que os números realmente incluem os muitos que estão desempregados mas não assinalados, ou são desapossados ou são imigrantes? Como norma, as estatísticas que tem uma conotação negativa geralmente são retiradas da menor pilha possível. Uma vez que uma alegação falsa ou adulterada é disseminada e aceita pelo público, torna-se estabelecido e difícil de desconstruir ou invalidar a afirmação falsa, salvo em que uma persuasiva anti-propaganda seja bem eficaz.

As sociedades modernas são configuradas para acomodar tanto o individualismo bem como a massa coletiva da população. No entanto, as formas que o individualismo aceites tem são muitas vezes uma bainha para esconder o funcionamento de uma psique de massa. É o que poderia ser chamado de “liberdade permitida” que é fornecida para o “homem moderno” em busca de ganhos materiais (n.t. somente isso, ganhos materiais e nada mais, voce não deve pensar…), desde que exista uma contribuição para o plano geral da autoridade que decide.

A LIBERDADE, então, é apenas uma expressão de mobilidade dentro de um sistema pré-descrito: não denota liberdade externa em relação ao próprio sistema . Exemplos são os clichês da estrela do rock que os principais meios de comunicação gostam de promover e publicar para adornar suas primeiras páginas. Exemplos notáveis são as palhaçadas de artistas furiosos (n.t. – vocalistas de bandas de rock) destruindo quartos de hotel e jogando televisores fora da janela – o comportamento que mais tarde foi transformado copyright corporativo dos monstros do rock. Em essência, esses ”rebeldes destruidores de hotéis” são permitidos, e até mesmo encorajados, porque as suas palhaçadas vendem discos (e influencia os jovens…). Rebeldia nesse formato é assim mais um contributo para uma sociedade consumista, embora através de uma lente diferente.Atualmente há modos diferentes, há muitas formas em que o individualismo é permitido para se manifestar.

A exibição da diversidade na informação proveniente dos meios de comunicação dá a ilusão de notícias e reportagem independente. No entanto, os principais meios de comunicação de qualquer nação ou nações é de propriedade de apenas um pequeno punhado de pessoas jurídicas com relações de alto nível com o Estado (n.t. ou que controlam o estado). Um indivíduo é, assim, atraído por um jornal em particular, por exemplo, em relação às suas opiniões, crenças, estilos de vida, etcetera – tudo isso sendo “o comportamento modelado diversificado” dentro do sistema.

Os principais meios de comunicação atendem a essas necessidades, operando uma variedade de jornais, que suportam estes pontos de vista mítico, quer ser politicamente à esquerda, direita, esquerda / direita do centro, liberal, independente, isto, aquilo ou qualquer outra das posições disponíveis para atender  “a diversidade dentro da unidade” da mente de massa coletiva. No entanto, a mudança em direção a propagação da realidade banal está no cerne do controle cada vez mais centralizado da mídia.

É um pouco (eu diria muitíssimo) preocupante saber que a maioria das organizações ocidentais de mídia são de propriedade de apenas um punhado de corporações gigantes: News Corp, Viacom, Time Warner, Disney, Vivendi Universal e Bertelsmann.

Por exemplo, a The Walt Disney Company é o maior conglomerado de “entretenimento” e mídia multinacionais do mundo. A Disney possui as redes de TV ABC, Disney Channel, ESPN, A & E e History Channelalém de subsidiárias de merchandising editorial e teatro. A Disney também é dona da Walt Disney Pictures, Touchstone Pictures, Hollywood Pictures, Miramax, Dimensão e Buena Vista International, bem como de 11 parques temáticos ao redor do mundo.

A News Corp vem em seguida, como a segunda maior controladora de mídia multinacional no mundo, com uma incrível gama de canais de televisão e canais por satélite, revistas e participações em jornais, gravadoras e editoras com base em todo o mundo, com uma forte presença nos mercados asiáticos.

Da mesma forma, a Time Warner detém mais de 50 revistas, um estúdio de cinema, bem como várias distribuidoras de  filmes, mais de 40 gravadoras (incluindo registros Warner Bros, Atlântico e Elektra) e diversas redes de TV  (como a HBO, Cartoon Network e CNN).

O grupo Viacom é proprietária de  redes TV CBS, MTV, VH1, Nickelodeon, Comedy Central, Paramount Pictures e cerca de 2.000 salas de cinema, como parte de seu império de mídia.

Da mesma forma, a Vivendi Universal é proprietária de 27 por cento das vendas de música nos EUA através de selos próprios, como a Interscope, Geffen, A & M, Island Def Jam, MCA, Mercúrio, Motown e Universal. Eles também possuem o Universal Studios, Studio Canal, PolyGram Films, Canal +, e numerosas empresas de telefonia móvel e Internet .

Finalmente vem a Bertelsmann, que, como uma corporação de mídia global, controla a segunda maior companhia de rádio, televisão e de produção (do Grupo RTL) da Europa com 45 estações de televisão e 32 canais de rádio, o maior  empresa de impressão e publicação da Europa (Gruner + Jahr), maior editora geral do comércio do mundo em língua inglesa  (a Random House), e o grupo maior do clube de música e do livro do mundo  (Grupo Direct) e uma das companhias eletrônica de mídia internacional e serviços de comunicações (a Arvato AG).

Em nosso meio ambiente saturado da mídia, às pessoas são permitidas viverem as suas fantasias no que é considerado uma forma menos prejudicial para ajudar a aliviar o chamado “trabalho penoso de vidas repetitivas”. (n.t. da escravidão mental imposta por quem controla o sistema) Esta construção também oferece às pessoas um espaço e ponto de conversa entre amigos e colegas de trabalho, ou oferece uma zona tampão para encobrir o embaraço de uma família não-comunicativa. E se ao final o inferno for liberado, se perder no trabalho, pelo menos você tem “True Blood” ou “Friends” esperando por você na sua tela de TV em casa!

Em termos de notícias nos principais meios de (ops controle da mente) comunicação, é sempre importante verificar a fonte ao se ler ou ouvir uma notícia, ou seja, é de uma fonte independente ou é, “de acordo com uma fonte do governo”, etc. Os principais meios de comunicação em grande parte são alimentados através de serviços de notícias globais, as duas maiores agências de noticias são a Reuters (agora Thomson Reuters) e a AP-Associated Press.

De novo este fato constitui uma centralização (e controle) das informações de imprensa. Embora ambas as empresas façam muito bem seu trabalho e relatam as notícias precisas – o que é valioso sem dúvida, mas infelizmente, pode ser tomado por alguns como prova suficiente de que a notícia não é manipulada – quando tais fontes (especialmente através de escritórios de Relações Públicas) divulga informação sobre a “notícia verdadeira”, “eles estão fazendo nada mais do que foi parodiado em 1984 de George Orwell “como Novilíngua”.

Meios de comunicação independentes, como existe agora com a chegada da era e da maturidade na internet, tem servido para contra neutralizar uma parte do poder esmagador persuasivo da propaganda controlada da mídia mainstream.

Por esta razão, existem esforços concentrados e ferozes em curso para restringir a suposta natureza “selvagem” e “sem censura” da Internet. Em outras palavras, isso significa que não há vontade social e política para conter a Internet sob a égide do controle corporativo e governamental / Estado, ou pelo menos, para vigiar o seu uso.

O que mudou o plano de jogo ao longo das últimas duas décadas tem sido o aumento da distribuição das comunicações globais e a descentralização  entre os indivíduos (n.t. Como eu estou fazendo exatamente agora ao distribuir o acesso a essa informação através do meu próprio blog).

A Internet, em particular, bem como outras formas de mídia social, têm estimulado o crescimento de pessoas que procuram informações entre si, um processo que muitas vezes é externo ao consenso de vários estados-nação. Isto teve o efeito de mudar as pessoas longe de padrões condicionados de sistemas de propaganda e de crença. Esta intervenção de baixo para cima tem seriamente comprometidas as técnicas de padronização das autoridades dominantes.

Há agora os esforços em curso para censurar sites de informações que são críticos ao Estado. Portanto, é imperativo que nossos meios de comunicação independentes sejam protegidos, nossas redes sociais da liberdade de expressão preservadas, e nosso direito de procurar e falar a verdade defendida. Mexer com a mente não tem lugar em um futuro verdadeiramente democrático e igualitário.

Notas

1. Bernays, EL (2004/1928) “Propaganda”. New York: Ig Publishing.

2. Essa idéia, bem como neuromarketing, foi dada a mim em correspondência pessoal por Darryl Howard, que me enviou sua pesquisa, “Publicidade no Novo Paradigma” (Darryl Howard & Associates).

3. Qualquer pessoa que queira saber mais sobre este assunto deve investigar Neural-Linguistic Programming (NLP).

KINGSLEY DENNIS: Kingsley Dennis PhD is a sociologist, freelance researcher and writer. He worked in the sociology department at Lancaster University, UK (2003-2008) and is the co-founder of WorldShift International. He currently lives in Andalusia, Spain and is working on new book material. Publicado em  março 2013.

Dizem que existem três tipos de pessoas no mundo:
1.   Aquelas que fazem as coisas acontecerem;
2.   Aquelas que observam as coisas acontecerem e
3.   Aquelas que ficam se perguntando o que aconteceu????
A vasta maioria da humanidade encontra-se nas duas últimas categorias.
A maioria tem “olhos para ver”, mas não enxerga o que está acontecendo.
A maioria tem “ouvidos para ouvir”, mas não compreende o que está acontecendo: “LOCAL, NACIONAL ou INTERNACIONALMENTE” 

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Thoth-flordavidawww.thoth3126.com.br

5 Responses to Esculhambando com as nossas Mentes …

  1. Alice

    Perfeito, e as pessoas se recusam a parar, olhar (e ver) e reconhecer o estado do domínio da “liberdade em que se encontram”!

  2. Hadjjezz

    muito bom esse post, a populaçao esta condicionada no sofrimento que se retirar este sofrimento delas, elas sentiram falta.

  3. Musiklover

    Linda matéria espero que o numero de despertos aumente pois tem néscios demais nao aguento mais ne sinto sozinho a tantos maçônicos cabalísticos e pessoas sem personalidade controlados pela midia da kaballah

  4. Erigleyson

    Vejam o filme “Eles Vivem” lançado em 1988.

  5. Silvio José Benevides e Maia

    Manipulação Covarde Mas Ao Alcance Do Faz E Te Ajudarei

    Na crista da onda esse post linkado.

    Máquina pública e mídia amordaçada na mão, o sistema pinta e borda com os que não sabem proteger-se, simplesmente manutenindo sua manada de zumbis cabeças feitas, prontas para fazer asneiras nas urnas.

    Hoje em dia a Internet ainda está ao alcance de muitos, sendo esta oportunidade assinatura da obrigação de tentar esclarecer os sem acesso, em favor da banda explorada pela canalhada corrupta.

    Não se esqueçam de que nossas performances serão julgadas na virada em função do que fizemos, fizermos e poderíamos ter feito.

    E o ferro que vem vindo aí próximo vai doer pra caramba.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *