browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Fraude em laboratorio gigante GlaxoSmithKline-GSK

Posted by on 29/04/2013

O Laboratório Farmacêutico GlaxoSmithKline-GSK foi condenado pela justiça dos EUA a pagar US$ 3 bilhões de penalização por ser culpado de diversas acusações.

A empresa foi a extremos para promover as vendas de suas drogas, como a distribuição de um artigo médico enganoso em jornal e o fornecimento de refeições e tratamentos em spas para médicos que se somaram a propinas ilegais, disseram os promotores. Em uma terceira instância, a GSK não conseguiu dar dados de segurança sobre seu “remédio” para diabetes Avandia ao U.S. Food and Drug Administration-FDA, Agência de fiscalização de Drogas e Alimentos dos EUA, em uma violação direta da lei dos EUA, disseram os promotores. 

Tradução e Imagens: Thoth3126@gmail.com

http://www.reuters.com/article/2012/07/02/us-glaxo-settlement-idUSBRE8610S720120702

By David Ingram – WASHINGTON | Mon Jul 2, 2012 3:02pm EDT

O Laboratório GlaxoSmithKline Plc concordou em se declarar culpado de acusações de contravenção penal (fraude) e pagar US$ 3 bilhões para resolver o que funcionários do governo na segunda-feira descreveram como o maior caso de fraude em área da saúde na história dos EUA.

O acordo, que ainda precisa de aprovação do tribunal, seria para resolver acusações de que a gigante farmacêutica britânica quebrou as leis norte-americanas na comercialização e desenvolvimento de produtos farmacêuticos/remédios. É alvo o antidepressivo Paxil da GSK para pacientes menores de 18 anos, quando foi aprovada somente para adultos, e empurrou a droga Wellbutrin para usos em que não havia sido aprovado, incluindo tratamento para perda de peso e da disfunção sexual, de acordo com um inquérito conduzido pelo Departamento de Justiça dos EUA.

A GlaxoSmithKline logo is seen outside one of its buildings in west London in this February 6, 2008 file photograph. GlaxoSmithKline Plc has agreed to plead guilty to criminal charges and pay $3 billion to settle the largest case of healthcare fraud in U.S. history, according to court filings and prosecutors. The settlement includes $1 billion in criminal fines and $2 billion in civil fines in connection with the sale of the drug company's Paxil, Wellbutrin and Avandia products. REUTERS/Toby Melville/Files

A empresa foi a extremos para promover as vendas de suas drogas, como a distribuição de um artigo médico enganoso em jornal e o fornecimento de refeições e tratamentos em spas para médicos que se somaram a propinas ilegais, disseram os promotores. Em uma terceira instância, a GSK não conseguiu dar dados de segurança sobre seu “remédio” para diabetes Avandia ao U.S. Food and Drug Administration-FDA, Agência de fiscalização de Drogas e Alimentos dos EUA, em uma violação direta da lei dos EUA, disseram os promotores.

A má conduta do laboratório GSK continuou por anos, com início na década de 1990 e continuou, no caso de dados de segurança do Avandia, até 2007. O GSK concordou em se declarar culpado de três acusações de contravenção penal, cada uma relacionada com as três drogas. Confissões de culpa nos casos de alegada má conduta corporativa são extremamente raros, tornando o acordo do Laboratório GSK especialmente incomum.

 

O acordo para resolver as acusações “não tem precedentes em tamanho e escopo”, disse James Cole, o oficial No. 2 do Departamento de Justiça dos EUA. Ele chamou a ação de histórica” e “um aviso claro para qualquer empresa que opta por quebrar a lei.”  O acordo inclui US$ 1 bilhão em multas e US$ 2 bilhões em multas civis. O laboratório farmacêutico gigante GSK disse em comunicado que vai pagar as multas através dos recursos de caixa existentes. A empresa GlaxoSmithKline Plc anunciou uma despesa de US$ 3 bilhões em novembro relativo às reclamações legais [ID: nL5E7M315A].

Uma “nova Era” na GSK

O CEO da GSK, Andrew Witty disse que a má conduta originou “uma era diferente para a empresa” e que não será mais tolerado. “Eu quero expressar o nosso pesar e reiterar que temos aprendido com os erros que foram cometidos”, disse ele em uma declaração por escrito. A liquidação do GSK supera o que havia sido o maior caso criminal envolvendo um laboratório farmacêutico na história dos EUA. Em 2009, a Pfizer Inc concordou em pagar US$ 2,3 bilhões para resolver acusações de que indevidamente comercializava 13 “medicamentos”(!!!!).

Os casos seguem uma tendência de autoridades norte-americanas em reprimir a forma como os medicamentos são vendidos, em parte por causa do aumento do custo de fornecimento de medicamentos através de programas governamentais. Parte das multas civis atende alegações de que, de 1994 a 2003, a GSK cobrou dinheiro mal pagos devidos a Medicaid, o programa de saúde do governo dos EUA para atendimento aos pobres em conjunto pelos Estados e pelo governo federal.

A empresa tinha a obrigação de dar ao governo os seus “melhores preços”, mas não conseguiu fazê-lo, disseram os promotores, e US$ 300 milhões do acordo feito vai ser destinado para ressarcir estados e outras autoridades de saúde pública. Uma parte dos US$ 2 bilhões em multas civis pode ir para um grupo de informantes que contribuíram para a investigação do governo e que são elegíveis para participar na recuperação sob a Lei de False Claims Act. Cole disse que a quantidade ainda não foi determinada.

PLANO de “Integridade”

Como parte do acordo, a GlaxoSmithKline concordou em novas restrições do governo dos EUA para evitar o uso de pagamento de prêmios ou outras práticas proibidas aos médicos. O inspetor-geral do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA supervisionará o “Acordo de Integridade Corporativa” por cinco anos. A empresa não será capaz de compensar seus vendedores com base em metas de vendas por territórios. Também foi obrigada a mudar seu programa de remuneração dos executivos ao permitir que a empresa “tome de volta” certos pagamentos para aqueles envolvidos em má conduta. Witty afirmou que a unidade da GSK dos EUA “mudou fundamentalmente os nossos procedimentos para o cumprimento de marketing e vendas. Quando necessário, foram removidos os funcionários que se envolveram em má conduta.”

Os promotores não trouxeram acusações criminais contra os indivíduos em conexão com o caso GSK, embora a resolução deixa expressamente a possibilidade de que se abram processos. Cole não quis comentar sobre a possibilidade de encargos futuros. Quase exatamente um ano atrás a GSK concordou em pagar cerca de US$ 41 milhões para 37 estados e o Distrito de Columbia, em um caso não relacionado com processos de fabricação de produtos em instalações precárias em uma fábrica em Porto Rico.

Em 2010, a empresa teve uma despesa de US$ 2,4 bilhões em conexão com o remédio Avandia para resolver reclamações de pacientes. Ações da GSK foram positivos na Bolsa de Nova York na segunda-feira, até 1,6 por cento para 46,29 dólares em 1400 EDT. O caso é EUA XGlaxoSmithKline LLC, Corte dos EUA para o Distrito de Massachusetts, No. 12-cr-10206.

(Reportagem adicional de Toni Clarke e Kate Holton ; edição por Gerald E. McCormick, Maureen Bavdek, MD Golan e Carol Bishopric)

Também emhttp://www.nytimes.com/2012/07/03/business/glaxosmithkline-agrees-to-pay-3-billion-in-fraud-settlement.html?pagewanted=2&_r=1

http://www.businessweek.com/news/2012-07-05/glaxo-pleads-guilty-fined-1-billion-in-drug-marketing-case

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

12 Responses to Fraude em laboratorio gigante GlaxoSmithKline-GSK

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *