browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Bancos se preparam para enfrentar a falência dos EUA…

Posted by on 26/08/2014

Insight: Com a ameaça de QUEBRA dos EUA, os grandes bancos estão tomando medidas extraordinárias

 Enquanto os Estados Unidos ameaçava dar calote em sua dívida, no mês de outubro (do ano passado), os maiores  bancos dos Estados Unidos montaram verdadeiras “salas de guerra”, gastaram muitos milhões de dólares em planos de contingência e, em alguns casos, até mesmo se prepararam para garantir a obtenção de (mais) benefícios do governo federal

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@gmail.com

Grandes Bancos se preparam para enfrentar a falência dos EUA (too big to fail…)

http://www.reuters.com/

POR DAVID HENRY E LAUREN TARA LACAPRA

NEW YORK – (Reuters) – Em uma série de entrevistas com os principais executivos de grandes bancos, novos detalhes surgiram sobre a extensão do plano de contingência que foi idealizado antes e durante a paralisação de 16 dias do governo dos EUA na medida que uma potencial falência dos do país surgiu com força.

O planejamento para os piores cenários não sai nada barato. O JPMorgan sozinho já gastou mais de US $ 100 milhões com planos de contingência para enfrentar as crises orçamentárias dos Estados Unidos nos últimos anos, incluindo esta última, dizem fontes próximas ao banco. A Comissão examinou e analisou milhares de contratos comerciais, sistemas informáticos foram atualizados para lidar com emergências fiscais, consultores contratados e novos modelos construídos para descobrir o que pode acontecer com os preços dos títulos com lastro na dívida pública do governo dos EUA.

Todo esse planejamento não pode ir para o lixo. O acordo orçamental temporário que o presidente Barack Obama assinou pouco depois da meia-noite em 17 de outubro para acabar com a paralisação do governo e eliminar a ameaça de calote (default), autoriza os gastos do governo apenas até 15 de janeiro de 2014 e facilita a aplicação do limite da dívida até 07 de fevereiro de 2014, criando o potencial para uma NOVA crise do orçamento já no início do próximo ano, mesmo que alguns republicanos (oposição à Obama) prometerem que eles vão evitar nova ameaça de Default.

“A cada crise, o cenário outrora impensável de um calote dos EUA, a maior economia do planeta, se torna uma possibilidade um pouco mais real e plausível, disseram executivos do banco”.

“Você poderia dizer no mercado que as pessoas estavam se preparando muito mais desta vez para um potencial calote do que da última vez”, disse uma pessoa envolvida com o planejamento de contingência de um grande banco dos EUA. “A ameaça mudou o mercado, e as pessoas estavam se preparando, enquanto que na primeira vez que houve crise semelhante, havia pouco movimento, porque a maioria das pessoas não pensavam que essa possibilidade poderia acontecer.”

O último orçamento que se transformou em poeira foi o terceiro em dois anos. Em agosto de 2011, as batalhas fiscais levaram ao rebaixamento de rating de crédito dos EUA pela Standard & Poors, e 16 meses depois, a discórdia resultou em cortes no orçamento generalizado em todas as agências federais, conhecidos como “sequestro”.

A “coisa certa a fazer

Em outubro, funcionários da JPMorgan Chase & Co perguntaram ao seu CEO Jamie Dimon, como lidar com os pagamentos de benefícios do governo que muitos de seus clientes recebem mensalmente. Alguns clientes dos bancos de varejo  dependem de programas sociais do governo, como a Segurança Social e vale-refeição para pagar suas contas, e Dimon decidiu que o banco iria pagar os benefícios de seu próprio bolso, se fosse preciso.

Nós vamos ter que financiá-los“, disse ele, de acordo com uma pessoa na reunião. “É a coisa certa a fazer.

O pessoal da área jurídica do banco, finanças e departamentos de risco, estavam relutantes, e embora eles tivessem ouvido Dimon, eles encontraram potenciais obstáculos. O banco deveria ter pago cerca de US $ 5 bilhões em dinheiro todos os meses, e não estava claro como o dinheiro poderia ser legalmente recuperado junto ao governo.

Pessoal da área legal do JPMorgan determinou que, por lei, os cheques da Segurança Social dos clientes não podem ser usados como garantia para empréstimos de curto prazo. Também não está claro como os reguladores iriam avaliar o risco dos empréstimos que estavam fazendo.

Outros bancos deram suas concessões aos clientes por causa da crise em Washington. O Wells Fargo, por exemplo, renunciou aos honorários atrasados para aqueles clientes que estavam atrasados com os seus pagamentos de suas hipotecas, em outubro.

A grande questão era como os  mercados teriam reagido a um calote, disseram executivos do banco. Era perfeitamente possível que o pânico poderia ter se espalhado em vários ativos, criando condições tão traiçoeiras como em setembro de 2008, quando o colapso do banco Lehman Brothers desencadeou o pior da crise financeira e da recessão mais profunda desde a Grande Depressão nos EUA, disseram os executivos de Wall Street.

No entanto, mesmo um planejamento meticuloso, é quase impossível de se proteger contra o pânico generalizado do mercado, disseram os principais banqueiros. E mesmo que não aconteça nenhum calote, a ameaça de um já é uma enorme e má notícia para a dívida do Tesouro. Os gastos do governo dos EUA, notas (bonds) e títulos públicos são vistos como ativos sem risco de crédito que formam a base para determinar o valor dos títulos de preços a nível mundial, e cada vez que um calote se aproxima, todo o estado está ameaçado, disse um executivo da Goldman Sachs Group Inc .

MUITAS INCÓGNITAS

Executivos disseram que a preparação para enfrentar um calote do governo era difícil, porque havia muitas incógnitas. Ninguém tinha certeza de como o valor dos títulos públicos inadimplentes (não resgatados pelo governo por falta de recursos orçamentários) ficaria se o governo realmente não tivesse conseguido fazer os pagamentos. Essas questões poderiam ter ferido negociações em vários mercados, o que por sua vez, levantou questões sobre como a Reserva Federal poderia intervir.

Banqueiros caracterizaram as suas conversas com o Fed como “unilateral”, com muitas de suas perguntas restantes sem resposta. O banco (Fed) central dos EUA, aparentemente, não queria dar aos comerciantes dos mercados financeiros a impressão de que tudo estaria bem se o limite da dívida não fosse aumentado.

Mas os bancos ainda gastaram muito tempo considerando as opções do Fed. O banco central, por exemplo, poderia ter dirigido as suas compras de títulos de flexibilização quantitativa para a compra de mais títulos do Tesouro, ou Treasuries vencidos. Poderia ter fornecido financiamento para Treasuries inadimplentes através da participação nos mercados de recompra. Um porta-voz do Banco da Reserva Federal de Nova York se recusou a comentar.

Quando o Lehman Brother’s quebrou, os mercados de commercial papers dispararam para cima, e o governo teve que garantir isso. Sem essa intervenção, as empresas poderiam ter passado por escassez de dinheiro e serem incapazes de pagar os seus funcionários. Se o banco central estava preocupado com questões de mercado semelhantes nesta crise fiscal, ele poderia ter comprado dívida de curto prazo conhecido como “commercial papers” das empresas.

A Reserva Federal olhou atentamente na fase que antecedeu a ameaça de calote em outubro, no “mercado de recompra”, ou “repo markets”, onde os investidores podem financiar os seus Treasuries. A Equipe de operações do Goldman passou horas ao telefone com clientes cujas garantias do Tesouro estariam vencendo no final de outubro e início de novembro, perguntando se eles queriam tentar vender esses títulos, ou trocá-los por novos títulos emitidos pelo Tesouro.

No Morgan Stanley, chamadas diárias foram realizadas entre os negociantes de papeis com obrigações do Tesouro dos EUA, aqueles que operam com acordos de recompra de títulos e entre as equipes de operações. No JPMorgan, os altos executivos e funcionários se preparavam todos os dias para descobrir como o banco iria lidar com possíveis problemas que poderiam surgir, disseram pessoas próximas ao banco.

Os problemas associados à dívida inadimplente dos títulos vencidos e não pagos se estendeu para além da turbulência do mercado financeiro, atingiu o abastecimento dos mercados com recursos, onde todos os bancos focam a sua atuação. “Nós descobrimos o que fazer com os sistemas de títulos inadimplentes, o que aconteceria com títulos com imparidade, e como o mercado iria limpar, consertar e financiar esses ativos”, disse um executivo do Morgan Stanley envolvido com o processo de planejamento. Ele acrescentou que esse planejamento reduziria os problemas operacionais e de mercado que surgem a partir de pagamentos do Tesouro com atraso, mas que não eliminaria os problemas.

Grande parte do trabalho que envolve protocolos de mercado foi orquestrada pelos EUA e a Securities Industry Financial Markets Association (SIFMA), um grupo comercial. A Presunção da SIFMA era que qualquer papel do Tesouro dos EUA quando vencesse (e não fosse resgatado por causa do calote) teria seu vencimento prorrogado e estendido seu vencimento um dia de cada vez. Estendendo os vencimentos dos papeis cria uma complicação extra para os sistemas de pagamentos de títulos dos bancos, que funcionam todas as noites e determina quais os emissores de títulos pagarão juros ao banco possuidor do papel no dia seguinte, disse o executivo da Morgan Stanley.

Se o governo não pagar seus títulos e deixá-los vencidos, esses títulos vencidos teriam que ser removidos do sistema mais amplo e seriam negociados manualmente. Se a crise tivesse acontecido e houvesse 300 ou 400 títulos inadimplentes, gerenciá-los manualmente poderia ter sido complicado, disse o executivo. Do lado do consumidor, o JPMorgan também olhou para como lidar com os pagamentos com cartão de crédito devidos por funcionários do governo (caso não recebessem o salário devido ao calote geral).

O banco estava disposto a tolerar estas obrigações, mas teria que que mudar seus sistemas para garantir que ele não iria relatar os atrasos automaticamente para as agências de crédito. O banco também estava pronto para adicionar dinheiro extra em seus caixas automáticos em caso de consumidores em pânico tentarem sacar tanto dinheiro quanto eles pudessem ter em suas mãos.

(Reportagem de David Henry e Lauren Tara LaCapra, Edição de Dan Wilchins , Martin Howell , e Tim Dobbyn )

Saiba mais sobre os EUA, terrorismo e outras manipulações em:

  1. http://thoth3126.com.br/a-guerra-ao-terrorismo-dos-eua-e-uma-farsa/
  2. http://thoth3126.com.br/a-farsa-sobre-a-al-qaeda/
  3. http://thoth3126.com.br/osama-b-ladentim-osman-um-agente-treinado-pela-e-da-cia/
  4. http://thoth3126.com.br/os-eua-hoje-e-o-eixo-do-mal/
  5. http://thoth3126.com.br/bin-laden-foi-hospitalizado-em-dubai-em-2001-em-hospital-dos-eua/
  6. http://thoth3126.com.br/osama-bin-laden-em-uma-entrevista-esclarecedora/
  7. http://thoth3126.com.br/a-morte-de-osama-bin-laden/
  8. http://thoth3126.com.br/dezembro-de-2001-funeral-de-osama-bin-laden/
  9. http://thoth3126.com.br/a-familia-bush-eua-e-o-nazismo/
  10. http://thoth3126.com.br/a-farsa-da-morte-de-bin-laden-em-01052011/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e a citação das fontes.

thoth-escribawww.thoth3126.com.br

5 Responses to Bancos se preparam para enfrentar a falência dos EUA…

  1. Flávio

    Creio que essa informação não procede, só ouço falar de crescimento economico nos USA, agora por outro lado, aqui na terrinha, tudo vai de mal a pior, e ainda ficamos a criticar, temos apenas que olhar nosso umbigo, que nesse momento esta critico demais

  2. valmir

    Da pra entender BMF a 60.000 pontos;

  3. Orlan

    Essa fase acredito que já tenha passado, eles voltaram a crescer forte.

  4. sebastião

    Eles precisam evaporar pra levar o resto do mundo junto num efeito dominó. O maior devedor do mundo e não para de gastar. O mundo está endividando em uma proporção gigantesca até o dia que estiver falido mundialmente o mundo inteiro. Não tem mais como parar mas tomar mais emprestimos para pagar os juros e seguir gastando e fazendo mais dívidas. Só o cidadão comum não pode se endividar sem ir parar no serasa e spc. O limite de credito para o cidadão é porque ele tem de pagar as dividas do governo nos aumentos abusivos de impostos. Uma nova economia vem aí mas antes tem que destruir essa. Na nova economia só terá o rico e o pobre, ou melhor, uma minoria rica e a vasta maioria pobre. A classe media ( acima de um salario minimo) não terá vez na nova economia. O conforto da classe média(carro, ar condicionado, viagens, shopping, restaurante, supermercado, diversão, etc estão com os dias contados).
    Em todas as cidades é só construindo ciclo vias para o povo andar de bicicleta, o caos se instala nos metrôs para o povo andar a pé, o caos na politica para o povo aceitar um ditador supremo, o caos na midia em geral para o povo aceitar a voz do big brother. Quem já viu filmes epicos de 1700 e 1800 onde os ricos eram ricos e os pobres realmentes pobres está prestes a vivenciar isso em carne e osso mas não como um rico e sim como um pobre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *