browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Registrada a Maior explosão de uma estrela em outra galáxia

Posted by on 24/07/2014

A Maior explosão com enorme emissão de luz por uma estrela em galáxia vizinha foi registrada pelos telescópios do planeta inteiro, tamanha foi a quantidade de Luz e Energia liberadas pelo evento cósmico.

Um mesmo evento que ameça acontecer com a estrela BETELGEUSE, na Constelação de Órion, muito mais mais próxima da Terra e em fase final da queima de seu combustível, o hidrogênio.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@gmail.com

A erupção, que é classificada como a maior explosão de raios gama produzidos até aqui pelo universo, com a maior emissão de luz e energia já detectados a partir de um evento como esse.

NASA Goddard Space Flight Center, em Greenbelt, Maryland

http://www.astronomy.com e http://www.astronomy.com/en/News-

Uma explosão recorde em emissão de raios gama de uma estrela moribunda foi registrada em 27 de Abril em uma galáxia distante e que impressionou os astrônomos ao redor do mundo. A erupção, que é classificada como uma explosão de raios gama (Gama Ray Burst-GRB) e designada GRB 130427A, produziu a maior quantidade de luz e energia emitida já detectada a partir de um evento como esse. 

Este quadro mostra um intervalo de três horas durante a explosão, e terminando aos 30 minutos do evento. A equipe do Fermi escolheu este intervalo para demonstrar o quão brilhante a explosão foi em relação ao resto do céu. Esta explosão foi brilhante o suficiente para que o Fermi autonomamente deixasse o seu modo de levantamento normal para dar ao instrumento LAT uma visão melhor, para registrar a exposição de três horas que após a explosão não cobre todo o céu da maneira usual. / / NASA / DOE / Fermi LAT Collaboration

Nós esperamos muito tempo por uma explosão de raios gama como esta que foi  chocante, de lacrimejar os olhos de tão brilhante“, disse Julie McEnery do Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland. “A imensa explosão de GRB durou tanto tempo que um número recorde de telescópios no solo do planeta foram capazes de registrá-la enquanto observações espaciais ainda estavam em curso.

Imensas e energéticas explosões de Supernovas emitem explosões de raios gama. / / NASA / Dana Berry / Skyworks Digital

Logo após às 3:47 hora EDT, no sábado, dia 27 de abril o Fermi Gama Ray Burst monitor registrou a altíssima erupção de luz da explosão de alta energia de raios gama na constelação de Leo (Leão). A explosão ocorreu quando o satélite Swift da NASA estava passando entre os alvos, o que retardou a detecção da explosão do seu telescópio de alerta de ruptura por menos de um minuto.

O Telescópio de Grande Área do Fermi (LAT) registrou um raio gama com uma energia de pelo menos 94 bilhões de elétron volts (GeV), ou cerca de 35 bilhões de vezes a energia da luz visível do dia, e cerca de três vezes maior do que o recorde anterior de registro do LAT. A emissão GeV da explosão durou horas, e permaneceu detectável pelo LAT para a maior parte de um dia, estabelecendo um novo recorde para a maior emissão de raios gama já registrada de um GRB.

Registro do evento com lentes óticas.

As explosões de raios gama são as explosões mais brilhantes do universo. Os astrônomos pensam que elas ocorrem mais quando estrelas massivas ficam sem o seu combustível nuclear (quando o hidrogênio acaba) e então entra em colapso sob seu próprio peso (implodindo). Na medida em que o núcleo da estrela colapsa em um buraco negro, jatos de material são expelidos para fora da estrela/sol a velocidades próximas à da luz. Os jatos de energia são expelidos por todo o caminho até a estrela colapsar e continuam para o espaço exterior, onde eles interagem com os gases anteriormente liberados pela estrela e geram ondas brilhantes de luz que se desvanecem com o tempo. 

Posteriormente A explosão também foi detectada e registrada em lentes ópticas comuns, em infravermelho, e nos comprimentos de onda de rádio por observatórios terrestres, com base na posição exata rápida do satélite Swift. Os astrônomos aprenderam rapidamente que o GRB foi localizado a cerca de 3,6 bilhões de anos-luz de distância (da Terra, portanto já aconteceu há muito tempo), o que para esses eventos é uma distância relativamente perto.

A mesma região do céu antes da enorme explosão com emissão de raios gama (Gama Ray Burst-GRB) ser registrada.

Se o Gama Ray Burst (GRB) esta perto o suficiente da Terra, os astrônomos costumam descobrir uma supernova no local da explosão solar cerca de uma semana após a explosão. “Este GRB esta o mais próximo das 5 por cento das explosões, de modo que o grande desafio agora é encontrar uma emergente supernova, que acompanha quase todos os longas GRBs vistas à esta distância”, declarou o cientista Neil Gehrels do Goddard Space Flight Center da NASA. Observatórios terrestres estão monitorando o local da emissão/explosão do GRB 130427A e esperam encontrar uma supernova subjacente em torno do dia 20 de Maio.

Sobre Betelgeuse link:

  1. http://thoth3126.com.br/estrela-betelgeuse-pode-explodir-em-uma-supernova/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth-escribawww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *