browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A vida oculta de Marilyn Monroe como escrava mental – parte III, final.

Posted by on 28/08/2016

Marilyn Monroe: a sua vida oculta, como uma escrava mental original do programa de controle mental Monarch (MK-ULTRA), em Hollywood (parte III e final)

Marilyn Monroe é possivelmente a figura feminina mais emblemática da cultura norte americana e o símbolo sexual mais conhecido de todos os tempos, em todo o planeta. 

No entanto, por trás do sorriso fotogênico de Monroe e de seu corpo escultural, havia uma mulher frágil que foi explorada de todas as formas possíveis e submetida ao controle da mente por manipuladores poderosos.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

 A terceira e final  parte desta série de três partes vão passar um olhar sobre o final da vida oculta de Marilyn, uma  escrava mental do programa de Controle da Mente Monarch em Hollywood.(n.t. uma programação mental que muitas mulheres da atualidade sem nenhuma consciência, mas muito “sedutoras”, estão seguindo à risca)

A vida oculta de Marilyn Monroe, como escrava do Programa Monarch (MK ULTRA) de controle da mente, em Hollywood (parte III e FINAL)

http://vigilantcitizen.com

A Última Sessão

No final de junho de 1962, Marilyn posou para uma sessão de fotos com o fotógrafo Bert Stern para a revista Vogue. Seis semanas depois, ela foi encontrada morta em sua cama. Há algo preocupante sobre essas imagens, pois mostram uma mulher sensual, apesar da passagem do tempo para M. Monroe, bêbada (provavelmente também drogada com remédios, barbituricos) e com olhos já um pouco perdidos de sua faísca sedutora. Se foi intencional ou não, esta última sessão de fotos é simbólica por vários motivos.

No livro de Stern The Last Sitting, o fotógrafo decidiu incluir fotos que foram riscadas por Marilyn porque foram consideradas insatisfatórias. Agora, sabendo que ela seria “barrada” algumas semanas mais tarde na indústria cinematográfica, provavelmente porque ela foi considerada insatisfatória pelos seus manipuladores, há algo de profético sobre estas imagens.

Sabendo o que iria acontecer com ela algumas semanas depois desta filmagem, este véu vermelho no rosto na foto acima e esses olhos semi cerrados pode simbolicamente representar o sacrifício final de Marilyn Monroe pela indústria do “entretenimento”.

A sessão de fotos  aconteceu nas dependências do (ainda hoje) famosíssimo Bel Air Hotel em Los Angeles e, supostamente havia uma grande quantidade de consumo de álcool no ar. Existem também rumores de que Marilyn e o fotógrafo se tornaram “íntimos” durante a sessão de fotos.

Esta sequência de fotografias, tomada no momento mais difícil de sua vida – depois de um “aborto”, um divórcio, uma “hospedagem” forçada em um hospital psiquiátrico, e todos os tipos de abuso, também será lembrada como a mais reveladora e mais íntima.

Na medida que a vida de Marilyn Monroe se tornava mais e mais difícil, ela também se tornou cada vez mais e mais sexual – que é o que os escravos da programação Beta são programados para fazer, e talvez sendo a sedução sexual o único poder que ainda lhe restava. No entanto, como outros escravos MK-ULTRA, ela não sobreviveu após a idade de 40, pois morreu aos 36 anos de idade.

A Sua Morte

Marilyn Monroe foi encontrada morta por seu psiquiatra Ralph Greenson em seu quarto em 5 de agosto de 1962. Apesar de sua morte ter sido classificada como um “provável suicídio”, devido ao “envenenamento barbitúrico agudo”, ainda é uma das teorias da conspiração mais discutidas de todos os tempos. De fato, há um grande número de evidências e fatos que apontam para o seu assassinato, mas a verdade sobre sua morte nunca foi oficialmente reconhecida.

Desde a morte prematura de Marilyn Monroe, ainda uma jovem mulher quando morreu, um grande número de outras “celebridades” perderam suas vidas em circunstâncias muito semelhantes. Para aqueles que estão cientes do lado obscuro e negro da “indústria do entretenimento” (ou da morte se preferirem), o modus operandi da elite oculta das trevas se tornou bastante evidente e mais claro.

No caso de Marilyn, a evidência é bastante surpreendente. Na verdade, tanta evidência foi destruída que é difícil não acreditar em um trabalho de encobrimento pelos poderosos de Hollywood, contumazes devoradores da vitalidade sexual de MM. Jack Clemmons, o então primeiro oficial da polícia de Los Angeles (LAPD-Los Angeles Police Department), que investigou a cena da morte, fez o registro da ocorrência afirmando que ele acreditava que ela havia sido assassinada. Muitos outros detetives disseram a mesma coisa, mas nenhuma acusação formal de assassinato jamais foi feita.

Três pessoas estavam presentes na casa de Marilyn no momento de sua morte: a governanta Eunice Murray, o seu psiquiatra Dr. Ralph Greenson, e seu médico Dr. Hyman Engelberg. A investigação em torno da morte de Marilyn revelou que o Dr. Greenson chamou a polícia mais de uma hora após o Dr. Engelberg ter anunciado a sua morte. O comportamento dos três presentes na cena foi descrita como “erráticos”. Aqui estão algumas partes do calendário oficial de eventos daquela noite fatídica.

  • Entre 19:00-19:15: Joe DiMaggio Jr., filho do jogador de beisebol Joe DiMaggio (e, portanto, ex-enteado de Monroe) telefonou para ela falando sobre o seu rompimento de noivado com uma menina em San Diego. DiMaggio Jr., disse em entrevista que M. Monroe parecia alegre e otimista falando ao telefone. Como estava em serviço com os fuzileiros navais na Califórnia, DiMaggio foi capaz de precisar a hora da sua chamada telefônica, porque ele estava assistindo o sétimo inning do jogo de beisebol entre o time dos Balm a partida sendo jogada em Baltimore. De acordo com registros do jogo o sétimo inning aconteceu entre 10:00 e 10:15 Eastern Daylight Time-EDT, assim, Monroe recebeu o telefonema de DiMaggio Jr às cerca de 07:00 horas, no horário da Califórnia.

  • Entre as 19:30 – 19:45 : Peter Lawford (cunhado do Presidente Kennedy) telefonou a M. Monroe para convidá-la para jantar em sua casa, um convite que ela havia declinado mais cedo naquele dia. De acordo com Lawford, o discurso de Monroe foi arrastado e estava se tornando cada vez mais indecifrável. Depois de lhe dizer adeus a conversa termina abruptamente. Lawford tenta chamá-la de volta, mas recebe um sinal de ocupado. Registros telefônicos mostram que esta é a última chamada na linha principal da casa de Marilyn Monroe, que ela recebeu naquela noite.

  • 20:00 : Lawford telefona para a governanta Eunice Murray, que está passando a noite na casa de hóspedes de M.Monroe, em uma linha diferente, perguntando a empregada se ela poderia ir ver se MM estava bem. Depois de apenas alguns segundos, a governanta Eunice Murray retorna ao telefone dizendo a Lawford que ela está bem. Não convencido do fato , Lawford vai tentar durante toda a noite entrar em contato com Monroe. Lawford telefona a seu amigo e advogado Milton A. “Mickey” Rudin, mas é aconselhado a manter-se afastado da casa de Monroe para evitar qualquer constrangimento público que poderia resultar se Monroe, possivelmente, estivesse sob a influência de alguém.

  • 22:00 : A governanta Eunice Murray passa pela porta do quarto de Monroe e mais tarde testemunha que viu a luz em baixo da porta, mas decidiu não perturbar Monroe.

  • 03h00 : Eunice Murray chama psiquiatra pessoal de Marilyn, Dr. Greenson, na segunda linha telefônica, ela não consegue acordar MMonroe. Ela tem certeza de que algo está muito errado depois de espreitar pela janela fechada do quarto de MM.

  • 03h40 : Dr. Greenson chega e tenta arrombar a porta, mas não consegue.Ele olha pela janela francêsa e vê Monroe deitada na cama segurando o telefone e aparentemente morta. Ele então quebra o vidro para abrir a porta trancada  para socorre-la. Ele chama Dr. Hyman Engelberg. Há alguma especulação de que uma ambulância pode ter sido chamada para a casa de Monroe neste momento o que, posteriormente, foi desmentido

  • 04h30 : Políciais são chamados e chegam pouco depois. Os dois médicos e Murray são questionados e indicam a hora da morte como cerca de 00:30 da madrugada. A Polícia nota que o quarto esta extremamente arrumado e a cama parece ter roupa limpa sobre ele. Eles afirmam que a governanta Murray estava lavando lençóis quando eles chegaram. A polícia nota que a mesa de cabeceira tem vários frascos de comprimidos, mas o quarto não possui nenhum meio para se tomar pílulas já que não há copos e a água esta desligada. Monroe era uma conhecida viciada em pílulas, mesmo enquanto consumia álcool, costumava toma-las. Mais tarde, um copo é encontrado deitado no chão ao lado da cama, mas a polícia afirma que ele não estava lá quando o quarto foi revistado.

  • 05h40 : O agente funerário Guy Hockett chega e observa que o estado de rigor mortis do corpo de Marilyn Monroe indicava a hora da morte como entre 21:30 – 23:30 A hora mais tarde é alterada para coincidir com as declarações das testemunhas.

  • 06:00 : A empregada Murray muda a sua história e agora diz que ela voltou para a cama à meia-noite e só chamou o Dr. Greenson, quando ela acordou às 3 da manhã e notou que a luz continuava acesa. Ambos os médicos também mudam suas histórias e agora afirmam que Monroe morreu por volta de 3h50. O Policial percebe que Murray parece bastante evasiva e extremamente vaga e ela acabaria por mudar a sua história várias vezes. Apesar de ser uma testemunha-chave, Murray viaja para a Europa e não é mais questionada novamente.

    – Wikipedia, “A morte de Marilyn Monroe”

Frascos de comprimidos encontrados junto ao corpo de Monroe.

Para resumir alguns acontecimentos estranhos que aconteceram naquela noite: a polícia foi chamada mais de uma hora depois que Monroe foi encontrada morta, o quarto foi limpo pela empregada e lençóis foram trocados depois que ela foi encontrada morta, havia vários frascos de comprimidos em sua quarto, mas sem água, um copo mais tarde foi encontrado no chão, mas não estava lá quando o quarto foi revistado em primeiro lugar, o tempo de morte dada pelas testemunhas mudou várias vezes. Finalmente, a principal testemunha (e uma possível suspeita), Eunice Murray deixa o país e nunca mais é questionada novamente.

Circunstâncias que rodearam a autópsia de Monroe também são extremamente suspeitas, como a conclusão dos relatórios mais importantes que mostram claramente que ter tomado comprimidos não foi a causa de sua morte. Além disso, parece haver um claro esforço para suprimir todas as provas que possam levar à verdadeira causa da morte de Monroe.

“O patologista, Dr. Thomas Noguchi, não conseguiu encontrar qualquer vestígio de cápsulas, pó ou a descoloração típica causada por Nembutal no estômago ou intestinos de Monroe, indicando que as drogas que a mataram não havia sido engolidas. Se Monroe as tinha tomado durante um certo período de tempo anterior (o que poderia explicar a falta de resíduo), ela teria morrido antes de ingerir a quantidade encontrada em sua corrente sanguínea. Monroe foi encontrada deitada de bruços. Há também evidências de cianose, uma indicação de que a morte tinha sido muito rápida. Noguchi pediu ao toxicologista para fazer exames de sangue, fígado, rins, estômago, intestino e urina, que teria revelado exatamente como as drogas entraram no corpo de Monroe. No entanto, o toxicologista, depois de examinar o sangue da vítima, não acreditava que ele precisava verificar outros órgãos internos de Monroe, mesmo porque os órgãos foram destruídos, sem serem examinados. Noguchi depois perguntou sobre as amostras, mas as fotografias médicas, os slides desses órgãos que foram examinados e o formulário com os dados do exame mostrando hematomas no corpo havia desaparecido, o que tornava impossível investigar a causa da sua morte.

O relatório toxicológico mostrava altos níveis de Nembutal (38-66 cápsulas) e hidrato de cloral (14-23 comprimidos) no sangue de Monroe. O nível encontrado era o suficiente para matar mais de 10 pessoas. Um exame do corpo descartou a injeção intravenosa, como a fonte para envenená-la com as drogas. O legista Dr. Theodore Curphey supervisionou a autópsia completa. Além da causa da morte, conforme indicado na certidão de óbito, os resultados nunca foram tornados públicos e nenhum registro dos resultados foi sequer mantido.

– Ibid.

Em 1985, o jornalista britânico Anthony Summers investigou as circunstâncias da morte de Monroe. Ele conseguiu obter uma entrevista com a empregada doméstica Eunice Murray para uma reportagem da BBC. Ela inadvertidamente admitiu alguns fatos condenatórias.

“Para o  programa da BBC Eunice Murray inicialmente repetiu a mesma história que ela tinha dito a Robert Slatzer em 1973 e a polícia em 1962. Ela aparentemente percebeu a equipe de filmagem guardando as câmeras e começando a arrumar as malas para, em seguida, dizer em off: “Por que, na minha idade, eu ainda tenho que encobrir essa coisa?” Sem ela saber, o microfone ainda estava ligado. Murray passou a admitir que Marilyn Monroe havia “conhecido” os Kennedys. Ela contou que na noite da morte da atriz, “Quando o médico chegou, ela não estava morta.” Murray morreu em 1994 sem revelar mais nenhum detalhe.

– Ibid.

Apesar de todos esses fatos, a verdade sobre a morte de Marilyn ainda não é um céu aberto.Como é o caso de muitas outras mortes de celebridades, há uma aura de mistério em torno dela e um monte de perguntas não respondidas. Em outras palavras, o caso se encaixa no perfil de um típico  assassinato promovido por integrantes da elite oculta que tem o poder de manter a aplicação da lei somente para o público comum, e em alguns casos não revelar e até distorcer a verdade.

O criador da Igreja de Satã, o satanista
Anton LaVeyJayne Mansfield (outro ícone sexual de Hollywood) em um ritual satânico de iniciação com o mesmo. O homem que viria a fundar a Igreja de SATàgrandemente influente em Hollywood, de acordo com Springmeier, LaVey era um manipulador do programa mental MK-ULTRA e Marilyn Monroe então se tornou uma das suas escravas “gatinha”. LaVey teve uma relação íntima mais profunda com ambas Monroe e Mansfield, a quem manipulava para o MK-ULTRA.  Church of Satan

Alguns pesquisadores tentaram apontar quem instigou o assassinato. Alguns citam os Kennedys (n.t. Afinal ela foi uma boneca sexual nas mãos dos dois irmãos, um presidente e o outro um senador e secretário de estado, sendo íntima de homens tão poderosos no governo dos EUA, ela deveria saber de muita coisa…), a própria CIA, seus psicólogos ou outros indivíduos.

Talvez seja mais prudente dar um passo atrás e olhar para o quadro mais amplo: a maioria das pessoas ao redor de Monroe faziam parte do mesmo sistema. Não foi uma única pessoa que decidiu matá-la, ela era uma escrava MK-ULTRA que foi “jogada para fora do trem da vida”. Como muitos outros depois dela, ela era uma celebridade que foi explorada enquanto ela era útil e foi sumariamente eliminada quando sua programação começou a se quebrar e sua “utilidade” se esgotar.

“O significado mais profundo é que todos os escravos mentais do Programa Monarch são dispensáveis se cruzarem a linha, e muitas destas vítimas supostamente foram “descartadas”, de tal forma depois que atingem uma certa idade e não são mais desejáveis como prostitutas e/ou escravos (porque envelhecem e os seus ATRIBUTOS FÍSICOS já não são tão desejáveis para poderosos consumidores” e para influenciar a decadência moral da massa ignorante), ou se de algum modo se libertarem da sua programação e passam a ser considerados um “risco”. “

– Op. Cit. Gorightly.

Os símbolos (os escravos mentais e …. ) atuais da programação Beta na indústria do entretenimento de hoje

Enquanto Marilyn Monroe tornou-se rapidamente em um ícone (o maior de todos) muito maior do que a sua própria existência, que representa tudo o que é quente, sex apeal e glamouroso em Hollywood, ela também se tornou, no mundo sombrio do MK-Ultra, um símbolo de programação Beta em Hollywood. Hoje, mais do que nunca, muitas  jovens atrizes criadas na indústria do entretenimento seguem AVIDAMENTE os passos de Marilyn Monroe – como se tudo fosse (e É) planejado para elas. Manipuladas (talves até conscientemente) por manipuladores, elas são levadas para fazer a fama e a fortuna, mas também passam por traumas baseados em controle da mente, abusos, exploração, break downs e, às vezes, a morte prematura.

Em todos os casos, essas celebridades são feitas para encarnar Marilyn Monroe em uma fase da sua carreira, como se fosse um requisito doentio exigido pelos marionetistas e satanistas do MK-ULTRA, que fazem questão de identificar os seus escravos para as massas completamente ignorantes do jogo e sem nenhuma noção de realidade, se deixando arrastar para uma existência sem sentido, materialista e centrada nos prazeres físicos mundanos e cada vez mais permissivos.

Muitos acabam sucumbindo, seguindo a trilha dos seus ídolos e se matando com overdose de álcool e drogas. Quantos vídeos já foram feitos, ou sessões de “fotografias” foram feitas para apresentar novas e grandes estrelas de quem é dito que “canalizam” algo de Marilyn Monroe? É demais para ser somente coincidência. Em alguns casos, a semelhança não é somente de estética. Aqui estão alguns exemplos.

Britney Spears

Um dos casos mais evidentes de controle da mente na indústria do entretenimento de hoje é Britney Spears. De sua infância como uma Mouseketeer (na infância aparecia em programas da Disney) a sua vida adulta vivendo sob a tutela de seu pai e sua noiva (aka os seus manipuladores), Britney sempre foi acompanhada de perto por figuras poderosas.

Britney Spears aqui “canaliza” Marilyn Monroe, com serviço completo, com um visual loiro platinado, diamantes, pulsos amarrados, lábios carnudos e vermelho sangue..

Como tantos outros escravos, ela passou por avarias, abuso de substâncias, e é muitas vezes descrita como uma “zumbi drogada” por aqueles mais próximos a ela. Britney “canaliza” Marilyn Monroe, com serviço completo, com um visual loiro platinado, lábios carnudos e vermelho sangue.

Suas mãos estão amarradas literalmente por cordas negras, pelos punhos, o que pode representar o seu próprio estado na indústria do entretenimento. A figura dos “diamantes também está presente.

Na tentativa de copiar Marilyn Monroe, alguns novos escravos exageram e beiram o ridículo, já que não possuem o mesmo magnetismo e apelo sexual que MM possuía naturalmente.

Britney Spears está supostamente “obcecada” com (o poder e a capacidade de sedução e o erotismo de) Monroe. De acordo com Wonderwall, Britney exige que uma coleção de DVDs sobre Marilyn Monroe  esteja a mão em todos os seus quartos de hotel. Ela também visita o túmulo de Marilyn regularmente e quer ser enterrada no mesmo cemitério. Seriam os escravos beta programados para adorar e imitar Marilyn Monroe?

Anna-Nicole Smith

A vida de Anna-Nicole Smith foi muito semelhante à de Monroe, até o também final trágico. Famosa por suas curvas e seu comportamento “loira burra e gostosa”, uma persona popularizada por Monroe, sua vida no centro das atenções era típico de um escravo Beta. Nos últimos anos de sua vida, ela estava em um relacionamento com seu advogado Howard K. Stern – que atuou mais como um manipulador do Programa MK-ULTRA do que um marido.

Neste vídeo (que originalmente foi postado no artigo Quando Insiders expõe o lado feio da indústria do entretenimento ), vemos Anna-Nicole demonstrando comportamento estranho … perfeitamente possível para uma mente programada, um alter-personalidade ligada. A triste cena é filmada por Stern, que parece ter provocado o episódio.

Acima Anna-Nicole Smith, em uma recriação do filme de Marilyn Monroe “Gentlemen Prefer Blondes”. Anna Nicole Smith foi encontrada morta em um quarto de hotel na Flórida. Ela perdeu a vida aos 39 anos, devido a uma “combinação de ingestão de drogas”…

Anna-Nicole também teve que passar por alguns acontecimentos extremamente traumáticos. Por exemplo, em 2006, logo após dar à luz sua filha, seu filho de 20 anos, veio visitá-la … E misteriosamente morreu, em seu quarto de hospital. A causa de sua morte nunca foi esclarecida, mas, como sempre, a razão dada pelos meios de comunicação foram as “drogas”.

Isso foi um sacrifício praticado pela elite das trevas, ocultista e satanista para traumatizar Anna-Nicole Smith, uma escrava Beta? Uma coisa é certa, o evento a mudou completamente para o resto de sua vida. (Note que Monroe perdeu dois bebês em gestação e existem acusações de que foi forçada a abortá-los por pessoas não identificadas).

Outra das inúmeras ocasiões em que Anna Nicole Smith foi usada exatamente como Marilyn Monroe.

Menos de três semanas depois da morte de seu filho, Anna-Nicole se “comprometeu” com seu manipulador Howard. K. Stern em uma cerimônia oficial. Cinco meses depois, Smith foi encontrada morta em um quarto de hotel na Flórida. Ela perdeu a vida aos 39 anos, devido a uma “combinação de ingestão de drogas”. Em suma, a semelhança de Smith para Monroe não era apenas física, ela foi programada para reviver a vida de Monroe e causar efeito semelhante nas massas.

Outros celebridades que sofrem de programação Beta como Monroe

Aqui estão outras personalidades com personas Beta que estão associados (e procuram se associar com as imagens de) com Marilyn Monroe:

A problemática Lindsay Lohan recriando imagens da última sessão de fotografias  de MM com o mesmo fotógrafo Bert Stern.

Como Monroe, Lohan procura ser um símbolo sexual, cujas viagens para ser internada em centros de reabilitação para alcoólatras e drogados (centros de reprogramação) e comportamento errático freqüentes são uma reminiscência da quebra da psique de Monroe.

Acima, Megan Fox em pose muito sedutora posa com um livro sobre Marilyn Monroe enquanto mostra a sua tatuagem no seu braço direito com o rosto de Marilyn Monroe.

Desde então, Fox mais tarde, mais comportada no entanto removeu a tatuagem. Ela declarou em uma entrevista:

“Eu vou removê-la. É um caráter negativo, pois ela sofria de transtornos de personalidade e era bipolar. Eu não quero atrair este tipo de energia negativa em minha vida”.

Será que ela aprendeu a verdade sobre Monroe e o que ela representa para a indústria do entretenimento MK-Ultra?

Katy Perry é definitivamente usada para empurrar para a massa ignorante que quer cada vez mais PÃO E CIRCO a Agenda Illuminati – incluindo  o simbolismo de programação mental Beta. Acima ela está posando aqui como M. Monroe com um padrão quadriculado em preto e branco maçônico/ocultista em segundo plano e ao fundo.

Como mencionado em artigos anteriores neste blog (o original), Courtney Stodden, na foto acima, tem todos os comportamentos de uma escrava da programação mental Beta.

Ela se casou com seu manipulador quando ela tinha apenas 16 anos de idade e ele tinha 51 anos. Seus vídeos on-line são tudo sobre ser um gatinho Beta exibindo múltiplas personalidades.

 Nicki Minaj muitas vezes imita o visual de Marilyn Monroe.

Em seu vídeo “Hino Nacional”, Lana del Rey recriou o “Happy Birthday Mr. President” de Marilyn Monroe. As imagens em muitos de seus vídeos aludem à programação Beta.

Lana Del Rey em pé na frente de uma imagem de Marilyn Monroe.

Embora seja normal para celebridades serem inspiradas por uma estrela icônica, como Marilyn Monroe, sua imagem é sistematicamente utilizada nas estrelas empurrando a agenda dos Illuminati sobre a massa incauta que adota o padrão dos comportamentos (na maioria degradantes) de seus “ídolos”.

Como outros símbolos descritos neste site, ainda o símbolo da loira fatal extremamente sexy e erótica, Marilyn Monroe é usado para representar a presença da programação Beta na cultura popular para corromper ainda mais as massas.

Em Conclusão final

Nesta série de artigos divididos em três partes, nós procuramos olhar a juventude de Marilyn Monroe, seu surgimento e carreira, morte e legado. Em todas essas etapas, a vida de Monroe foi impressa com traumas, abusos e controle da mente. Como uma vítima de programação Beta, quando não estava trabalhando em um projeto, ela era literalmente usada para prestar os seus “serviços íntimos” aos poderosos. Já no fim de sua curta vida, Marilyn era “modelo” presidencial a “serviço” de JFK, uma situação que poderia ter sido explosiva se revelado ao público. Ambos morreriam pouco depois em circunstâncias que permanecem ainda extremamente sombrias e suspeitas.

O Satanismo, programas de controle mental, sexo, álcool, drogas, prostituição, Hollywood, perversão, fama, poder e dinheiro, imagens e músicas, são usados com um fim específico, a degradação, cada vez mais acentuada de nossa sociedade planetária…

Mesmo depois da morte de MM, sua imagem continua a ser usada ad nauseam para influenciar e identificar aquelas mulheres que estão seguindo seus passos pelo mesmo sistema que controlava toda a sua vida. Porque é que as figuras mais emblemáticas de nossa cultura pop, muitas vezes acabam vivendo vidas trágicas? Será que é porque há algo de muito errado na “indústria do entretenimento“? Vou deixar Marilyn Monroe, ela própria, em suas palavras, resumir a situação.

Hollywood é um lugar onde eles te pagam 50 mil dólares por um beijo e 50 centavos pela sua alma Marilyn Monroe 

(n.t. e a maioria esmagadora aceita, afinal é pela FAMA e o poder de INFLUENCIAR e IMBECILIZAR as massas ignorantes à serviço de seus mestres…)

Saiba MUITO mais acessando:

  1. http://thoth3126.com.br/programa-de-controle-mental-monarch-mk-ultra/
  2. http://thoth3126.com.br/angelina-jolie-e-parte-de-um-esquema-de-controle-muito-sutil-e-inteligente/
  3. http://thoth3126.com.br/batons-contaminam/
  4. http://thoth3126.com.br/os-anjos-caidos-the-watchers-os-vigilantes/
  5. http://thoth3126.com.br/marilyn-monroe-sua-vida-oculta-como-escrava-do-programa-de-controle-mental-monarch/
  6. http://thoth3126.com.br/midia-dos-eua-as-6-corporacoes-que-controlam-a-informacao/
  7. http://thoth3126.com.br/grande-midia-7-pecados-que-eles-nao-querem-que-voce-saiba/
  8. http://thoth3126.com.br/grupo-bilderberg-misterios-e-controle-alienigena/
  9. http://thoth3126.com.br/diet-coke-zero-e-mortal/
  10. http://thoth3126.com.br/reptilianos-mais-informacoes/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e  mencione as fontes.

Thoth-flordavidawww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *