browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Meteoro que caiu na Russia, update.

Posted by on 14/03/2013

Atualização sobre o enorme Meteoro que explodiu sobre a Rússia

Os fragmentos da queda  do grande meteoro que explodiu sobre a região de Chelyabinsk, na Rússia, no mês passado, dia 15, foi equivalente a energia cinética liberada de pelo menos 400 mil toneladas de TNT. 

Tradução e imagens: Thoth3126@gmail.com

www.skyandtelescope.com

Postado Por Kelly Beatty, 06 De Março De 2013 

Os danos foram limitados porque o meteoro se partiu em pedaços ainda alto na atmosfera (n.t. foi explodido por um UFO)  mas a situação poderia ter sido muito pior.
Já faz quase um mês que um grande pedaço de meteoro mergulhou na atmosfera da Terra, na manhã de 15 de Fevereiro e deu um show espetacular nos céus sobre a Rússia central, na região dos Montes Urais. Desde então, especialistas de impacto de meteoritos e asteroides para lá correram não só para descobrir de onde ele veio, mas também para encontrar, reunir e analisar muitos fragmentos do possível impacto no solo. A partir de relatórios e entrevistas recolhidas pela Sky & Telescope , os pesquisadores tiveram grande sucesso em ambas as frentes.
 
 Primeiro, vamos recapitular de onde e como este intruso veio. Graças a amplas e várias gravações de vídeo (muitas imagens são de câmeras de vídeo montadas nos painéis de carros dos cautelosos motoristas russos), tem havido uma pressão para reconstruir as circunstâncias de entrada do meteoro, assim calcular a órbita do mesmo antes do impacto. Mas equipes diferentes vêm-se com valores diferentes, conforme a tabela abaixo revela. (As incertezas não são mostradas, ver as fontes ligadas para aqueles.)
 
Órbita do Mega Meteoro Cherbakul da Rússia
Autores Semi-eixo maior Excentricidade Inclinação Periélio Afélio
Borovickaet al 1,55 au 0,50 3,6 ° 0,77 au 2,33 au
Zuluaga & Ferrin 1,73 au 0,51 3,5 ° 0,82 au 2,64 au
Chodas & Chesley 1,73 au 0,57 4.2 ° 0,75 au 2,78 au
 
A determinação dos valores surge do modo como cada equipe interpreta os vídeos, a derivação da trajetória e da velocidade ao passar pela atmosfera, e depois determina uma órbita.
 
A órbita do Meteoro de Cherbakul (como ele agora esta sendo chamado) se estendia desde o interior do cinturão de asteroides para perto da órbita de Vênus, um caminho que o objeto provavelmente havia seguido por muitos milhares de anos, atravessando a órbita da Terra a cada vez em que tomava o caminho de saída. Clique na imagem para versão maior.
 
NASA / JPL

Ainda assim, há um consenso de que o objeto veio de uma seção bem povoada do interior do cinturão de asteróides. Como tem colidido dentro em direção a Terra não é conhecido – ainda. Por exemplo, o caminho do afélio pode sobrepor-se a localização, 2 ½ UA do Sol, em que há uma forte ressonância orbital com Júpiter. Nesse caso, por perturbações gravitacionais do planeta gigante que poderia ter arrancado o objeto fora de uma órbita quase circular e para a sua eventual nova rota de colisão com a Terra.

Uma trajetória mais refinada da órbita atmosférica e de pré-colisão  pode eventualmente emergir de uma equipe liderada por Peter Brown da Universidade de Western, Ontario, Canadá. Eles estão agora analisando as posições das estrelas em imagens noturnas tiradas com os locais exatos onde vários vídeos da entrada e explosão do meteoro foram gravados. Em todo caso, aqui vai uma lista  das “top five” gravações de vídeo compilados por Brown, junto com as coordenadas exatas da câmara que tomou cada imagem:

Em qualquer caso, o meteoro intruso entrou na atmosfera com velocidade de cerca de 12 milhas (19 km) por segundo (69.508,8 quilômetros por hora) ao longo de uma faixa celeste no sentido leste-oeste, mais ou menos.

Acima: Faixa de terreno sentido leste-oeste que o meteoro de Chebarkul cruzou no último momento ou assim antes do impacto. Números azuis dão altitude do objeto, e um asterisco indica o ponto de brilho (momento da explosão) máximo, o que ocorreu (de acordo com dinamicistas da NASA) a uma altitude de 14,5 milhas (23,3 km). NASA / JPL / S. Chesley

Um satélite meteorológico vislumbrou a sua penetração ao longo da borda da Terra (aqui está uma visão reprojetada dessa imagem). De acordo com a equipe do Juri Borovicka, o caminho de vôo do bólido  tinha uma inclinação de 16 ° ½, e começou a se partir em pedaços (explodir) ainda relativamente alto, a 20 milhas (32 km) acima do solo.

A luz deslumbrante, mais brilhante que a luz do Sol de dia, certamente chamou a atenção de quem estava em seu caminho – embora alguns vídeos mostram, aparentemente, que os pedestres não se incomodaram com o espetáculo de luz brilhante como o Sol. O especialista de impactos de meteoros H. Jay Melosh nota que o que muitos estão chamando de um contrail (como uma esteira “de vapor d’água condensado “) é na verdade um rastro de fumaça.

“Provavelmente, a maioria da massa do meteoro terminou como poeira fina quando explodiu”, diz ele. O que certamente chamou a atenção de todos foi a poderosa onda de choque  da explosão do Meteoro na atmosfera, que atingiu o solo cerca de 88 segundos mais tarde. Esta explosão estourou incontáveis janelas de milhares de prédios perto da cidade de Chelyabinsk, em pleno inverno russo.

Embora muitos ficassem feridos, ninguém foi morto. Porém, o dano poderia ter sido muito, mas muito pior. “Toda a enorme energia liberada pela explosão foi distribuída por uma grande área”, explica Mark Boslough (Sandia National Laboratories).

Se esta mega explosão de meio megaton tivesse sido direcionada diretamente para baixo, ele diz, a sua bola de fogo poderia ter engolido o solo da terra embaixo. Isso é o que aconteceu durante o evento de Tunguska de 1908 (também na Rússia), que envolveu uma explosão, pelo menos 10 vezes mais potente e muito mais próximo do chão. Mas tal destino não cair sobre os moradores de Chelyabinsk ou no campo circundante, Boslough conclui. “As aldeias ainda estão lá.”

Meteoritos CherbakulA maior parte conhecida do meteorito Cherbakul, pesando 4 libras (1,8 kg) é visto aqui com dois fragmentos menores. Até agora, centenas de pedaços menores foram encontrados. Universidade Federal dos Montes Urais-Rússia.
Enquanto isso, especialistas em meteoritos russos vêm lutando para coletar os muitos pedaços de meteoritos e estilhaços que puderem. Estes caíram sobre uma vasta área perto da cidade de Cherbakul. Na maioria dos casos, os pesquisadores simplesmente olharam para pequenos furos na cobertura de neve no onipresente inverno russo e cavaram para resgatar seus prêmios cósmicos.

A maioria das peças são pequenas, não mais do que uma polegada de diâmetro, e o maior fragmento encontrado até agora pesa apenas 4 libras (1,8 kg). De acordo com uma equipe de analistas liderada por Viktor Grokhovsky ( Universidade Federal do Ural), os fragmentos são de um tipo de meteorito pedregoso comum, chamado condrito ordinário, contendo relativamente pouco ferro metálico. Dada a energia da explosão, a velocidade de entrada, e uma densidade típica dos condritos (cerca de 3,6 g / cm cúbico), Brown estima que o objeto original tinha um diâmetro de cerca de 54 pés (17 metros) e uma massa de cerca de 10.000 toneladas (era bem grande e pesado).

Mapa magnético do Lago CherbakulAo lado:Um mapa do campo magnético medido no fundo do lago Cherbakul. A área mostrada mede 100 por 60 metros. Áreas vermelhas podem indicar a localização de grandes fragmentos do meteoro Cherbakul, que caiu em inúmeros pedaços por toda a região em 15 de fevereiro de 2013. Universidade Federal do Ural.

Mas o que dizer de tão grande e misterioso buraco de 50 pés (16 m) de diâmetro, criado no gelo que cobre o Lago Cherbakul? Grokhovsky acredita que ele foi criado quando um grande pedaço de meteorito, com cerca de 2 pés (60 cm) de comprimento e pesando cerca de 200 libras (100 kg) caiu no lago.

Isso é o que os mergulhadores esperavam encontrar deitado no fundo do lago, a cerca de 35 pés (10 m) para baixo, mas depois de explorar nas escuras águas do lago eles vieram para cima de mãos vazias. No entanto, hoje cedo o pesquisador Evgeny Narkhov (também no Ural Federal University) , lançou um mapa preliminar de leituras do magnetômetro tomadas por uma área do tamanho de um campo de futebol.

O mapa do leito do lago mostra vários pontos quentes, o que sugere que o meteorito provavelmente se partiu com o impacto. “Não há pedaços pequenos e um grande, como se poderia pensar, mas vários fragmentos grandes”, observa Narkhov em um comunicado à imprensa da universidade . As análises vão continuar, mas eu estou apostando que em breve os mergulhadores voltarão a entrar em cena (e nas águas do lago Cherbakul).

A hole in Chebarkul Lake made by meteorite debris. Photo by Chebarkul town head Andrey Orlov.
Um buraco na superfície do congelado Lago Cherbakul foi feito por um meteorito que caiu no mês passado, em 15 de fevereiro, um fragmento do meteoro que explodiu na atmosfera. Photo by Chebarkul Lake por Andrey Orlov.

Enquanto isso, depois de ignorar algumas ofertas iniciais que eram claramente fraudulentas, colecionadores de meteoritos denunciam que pedaços genuínos da queda do meteoro Cherbakul estão finalmente fazendo o seu caminho no mercado negro. A taxa cobrada é de $ 30 a $ 40 por grama. Mas o orgulho nacionalista e protecionismo russo estão envolvidos, e a Duma (legislativo) russa está considerando uma proposta de lei para proibir a exportação de meteoritos – uma prática que é permitida no país, por enquanto.

Postado Por Kelly Beatty, 06 De Março De 2013.

Mais informações em:
http://thoth3126.com.br/inedito-meteoro-na-russia-foi-explodido-por-um-ufo-filme/
http://thoth3126.com.br/explosao-e-queda-de-meteoro-na-russia-destruicao-e-feridos/
 

 Ao entardecer, dizeis: haverá bom tempo porque o céu está rubro. E pela manhã: hoje haverá tempestade porque o céu esta vermelho-escuro. Hipócritas ! Sabeis, portanto discernir os aspectos do céu  e não podeis reconhecer  OS SINAIS DOS TEMPOS?”   Mateus 16: 2 e 3

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *