browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Monte Shasta – visita à Terra Interior, parte 2

Posted by on 29/09/2016

Dentro do Monte Shasta, em Sacramento, Califórnia, EUA, em uma visita ao reino da Terra Interior, à cidade de Telos, no reino de Agharta.

Eu tomei o meu caminho de volta ao nosso acampamento e cheguei lá um pouquinho antes da minha família. O fogo tinha se apagado, embora o café ainda estivesse quente. Meu  marido e eu tomamos uma xícara de café e decidimos voltar para a base da  montanha mais abaixo antes do escurecer. Eu não tinha mencionado o meu pequeno passeio anterior no interior da montanha.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Uma mulher descreve a sua mística visita ao interior da terra sob a montanha do Monte Shasta, em Sacramento, na Califórnia, EUA.

Fonte: http://onelight.com/telos/vishasta.html

SEGUNDA PARTE

Na medida que tomamos o rumo para descermos da montanha eu disse a meu marido para dirigir devagar, porque  eu queria respirar o ar da chegada da noite na floresta nas encostas da montanha. Ele foi atencioso e fomos passeando lentamente e contornando as muitas curvas da estrada montanha abaixo.  Ao dobrar uma curva bastante grande, havia um grande cavalo parado de pé bem no meio da estrada. Meu marido pisou nos freios e chegamos a parar completamente, porque o cavalo estava parado.

Aberturas no polo norte para a Terra Interior em imagens feitas pelos astronautas desde a Apolo XI.

Eu vi um leve movimento com o canto do meu olho e quando eu virei minha cabeça para ver o que era, vi meu gato Pixie. Ele estava encolhido numa vala. Eu imediatamente pulei do caminhão porta afora, que rangeu e com meus movimentos bruscos e o barulho eu o assustei. Ele fugiu e subiu o barranco. Eu o segui barranco acima, tropeçando nas rochas soltas e recebendo um punhado de arranhões em minhas mãos enquanto eu escalava o aterro.

Segui-o por entre as árvores, chamando seu nome enquanto eu corria. Estávamos em uma área pantanosa e de repente eu me encontrei chapinhando em água até os tornozelos. O pensamento da possibilidade de ser mordida por uma  cobra ou de cair em areia movediça passou pela minha mente, mas eu rapidamente neguei tal possibilidade. Depois de seguir meu gato perdido por uma certa distância, eu parei e comecei a chamar seu  nome, mais e mais alto. Estava ficando escuro em meio as árvores e eu estava tendo dificuldade em ver o meu caminho à frente.

Finalmente eu ouvi um grito lamentoso de gato e sabia que ele estava começando a lembrar-se do som da minha voz e do seu nome, Pixie. Me mantive  chamando pelo seu nome e avancei lentamente pelo meu caminho em direção aos seus miados. Eu o encontrei agachado em uma pequena abertura. Eu fiquei muito quieta e  então me abaixei no chão e estendi meus braços para ele. Mantive uma conversa com ele até que finalmente começou a caminhar e muito lenta e cautelosamente se aproximou de mim. Quando ele chegou perto o suficiente me aproximei e ele deixou eu pega-lo. Eu estava chorando e ele estava “chorando” também.

Virei-me para tomar o caminho de volta para o caminhão esperando que eu estivesse indo na  direção certa. Depois de caminhar por alguns minutos eu deixei sair  um suspiro de alívio, pois mais à frente de nós estava a estrada, o caminhão e que droga se o cavalo estivesse ainda em pé no meio da estrada.  Na medida em que eu descia o barranco e voltava para o caminhão, o animal fanfarrão caminhou para fora da estrada por entre as árvores. Pixie estava em cima de mim. Me fazia carinho me lambendo e chorando. Ele miou tanto em sua felicidade pelo nosso reencontro que  no instante em que voltamos a descer a montanha ele já tinha perdido a voz.

Ele  não parecia nada ruim pelo desgaste sofrido na floresta. Talvez um pouco mais fino do que  da última vez em que eu o havia visto, mas ele estava lindo para mim.  Como esse rapaz da cidade sobreviveu seis meses na montanha está além da minha  compreensão. Só posso pensar que ele recebeu ajuda. O que quer ou quem lhe permitiu sobreviver, eu sou eternamente grata por que ele foi trazido de volta para nós.  Escusado será dizer que Pixie nunca mais foi acampar com a gente de novo, mas nós  continuamos com as nossas viagens semanais para Panther Meadows, em Monte Shasta.

Uma das duas áreas de camping em Panther Meadows, ao fundo o cume do Monte Shasta, um vulcão adormecido desde o ano de sua última erupção em 1786 com 4.322 metros de altitude.

O fim de semana seguinte estávamos de volta ao acampamento Panther Meadows. Como de costume, meu marido e as crianças foram explorar as florestas nas encostas da montanha e eu me vi olhando para o caminho que me levaria para o interior do monte Shasta e para  Mikel. Ele apareceu um pouco depois das 10 horas daquela manhã e partimos  por entre as árvores mais uma vez. Depois de entrar na montanha, passando o “museu” e a sala de cura,  Mikel tomou uma outra passagem dessa vez. Esta passagem era mais estreita do que as anteriores que eu tinha visto, e era definitiva e completamente de rocha. Novamente, havia luz iluminando tudo.

Andamos a uma curta distância pelo corredor e vi que estávamos nos aproximando de uma zona que continha várias peças de máquinas. As aparentes máquinas acabaram por se mostrarem como veículos. Mikel caminhou até o primeiro  e indicou-me para acompanhá-lo no embarque. Era um pequeno veículo com dois assentos.  Pareciam assentos. Eu não vi nenhum painel ou qualquer tipo de instrumentação. Havia uma pequena área em uma superfície que tinha três botões. Ele empurrou um e o veículo saiu do chão.

Ficou pairando lá até que ele empurrou o segundo botão e o veículo  começou a se mover para a frente. Não havia volante ou quaisquer meios visíveis de controle do veículo. (Nunca consegui descobrir para que o terceiro botão servia).  À medida que tomamos o nosso caminho através de vários túneis, observei pedaços de lava  (Pelo menos foi o que eu pensei que eles fossem) no chão do  túnel e embutidos nas paredes. Partes dos túneis eram bastante  estreitos e outras partes abertas em áreas maiores. Era um labirinto de  túneis com muitas ramificações. Eu não tinha ideia de quão longe nós tínhamos ido, se tínhamos nos deslocado para cima ou para baixo ou andamos no mesmo nível.

Houve uma variação definida na temperatura durante o percurso que percorremos nos vários túneis. Nada realmente desagradável, mas havia locais que  estavam mais quentes do que os outros.  Alcançamos o que eu vou identificar como um cais de desembarque, onde havia um  número de veículos similares estacionados e vazios. Saímos do pequeno transporte e tomamos nosso caminho através de outra passagem para um grande salão que estava em completo contraste com os túneis que acabamos de viajar dentro.

O local tinha um teto muito alto e estava cheio de plantas verdes luxuriantes, árvores e flores, muitas das quais eu não conseguia identificar. O enorme salão estava quente, não muito quente, e eu podia sentir a umidade no ar.  Parecia haver luz solar direta no ambiente, mas eu não vi nenhuma abertura  que admitisse a luz solar. Perguntei a Mikel sobre a luz e o calor e ele me disse que era realmente  luz solar que alcançava o salão através de uma série de aparelhos de espelhos que eram usados para repassar os raios solares a partir do topo da montanha.

Ele  passou a explicar que havia muitos salões como este que eram  usados para cultivar o alimento necessário para sustentar a guarda e o pessoal restante no interior da montanha e para manter um equilíbrio apropriado do ambiente para os ocupantes dentro da terra na montanha. Ele me apontou para o que parecia ser um sistema de ventilação perto do teto. Ele explicou que havia  muitos deles distribuídos por todo o interior da montanha.  

Caminhamos entre as plantas e árvores, falando sobre a Irmandade, o futuro da Mãe Terra, as civilizações perdidas do nosso passado, o  trabalho a ser feito para preservar a nossa sociedade atual, sobre 

A PRÓXIMA INCLINAÇÃO DO EIXO POLAR NORTE/SUL DO PLANETA TERRA (n.t. Em ABRIL DE 2018, quando o hoje norte se transformará em leste quando a Terra se inclinar para à direita girando sobre seu próprio eixo em 90º – noventa graus),

e por último mas não menos importante, mas verdadeiro e impressionante, a beleza de uma noite repleta de estrelas sem lua.

Inversão polar à vista: Nos últimos 150 anos o polo norte demonstrou uma rápida aceleração da mudança de local a cada período de 50 anos, sendo que a maior alteração, a mais espetacular, se deu apenas nos DEZ ÚLTIMOS ANOS.

Para saber mais sobre mudança dos polos:

  1. http://thoth3126.com.br/mudanca-dos-polos-nortesul-esta-acontecendo-agora/
  2. http://thoth3126.com.br/mudanca-nos-polos-norte-muda-muito-rapido-polo-sul-se-arrasta/
  3. http://thoth3126.com.br/sons-misteriosos-sendo-ouvidos-em-todo-o-planeta/
  4. http://thoth3126.com.br/novo-telescopio-no-polo-sul-spt-south-pole-telescope/
  5. http://thoth3126.com.br/poderosa-emissao-de-onda-de-energia-do-nucleo-da-terra-foi-gravado/
  6. http://thoth3126.com.br/mudanca-a-inversao-dos-polos-magneticos-aconteceu-antes/
  7. http://thoth3126.com.br/sinal-de-mudanca-no-campo-eletromagnetico-da-terra/
  8. http://thoth3126.com.br/a-grande-mudanca/
  9. http://thoth3126.com.br/mudanca-dos-polos-nortesul-esta-acontecendo-agora-final/
  10. http://thoth3126.com.br/amas-a-anomalia-magnetica-sobre-o-brasil/

Descobrimos que nós dois preferíamos a visão de uma noite sem lua, porque só então a verdadeira beleza do nosso Universo e das estrelas serão apreciados em sua plenitude. Quando estávamos saindo eu perguntei-lhe se nós ainda estávamos no Monte Shasta e ele  disse que sim, que ainda estávamos. Ele me fez sinal para que voltássemos para o cais de desembarque e o pequeno veículo nos levou de volta ao nosso ponto de partida.  

Voltamos para as árvores e para a clareira no prado coberto pela relva. Mikel me disse então de que na próxima vez que nós nos encontrássemos que iríamos “viajar”. Eu perguntei o que ele queria dizer com isso e ele apenas sorriu e me disse: “Aguarde e você vai ver”.

Mudanças Observadas da localização do PÓLO NORTE entre 1831-2007. Observar um aumento e a aceleração e rapidez das mudanças nos últimos 6 ANOS APENAS (2007/2001). Crédito de imagem: Arnaud Chulliat (Institut de Physique du Globe de Paris). Saiba mais emhttp://thoth3126.com.br/mudanca-nos-polos-geomagneticos/

O clima já tinha alcançado o estágio em que eu senti que era muito frio para tomar os meninos e lavá-los para acampar durante a noite nas encostas da montanha, agora gelada. Nós vínhamos postergando o próximo acampamento de fim de semana, mas as colchas pesadas tinham sido postas para fora do armário e foram colocadas em nosso reboque de camping. Nosso reboque caseiro campista era, provavelmente,  não o mais bonito dos reboques campistas, mas era muito sólido. Eu poderia colocar os meninos na parte de trás com as colchas e os cobertores sob eles, em torno deles e sobre eles e assim eles ficariam em situação agradável, acolhedora e quentinha.

Eles foram apresentados às suas roupas de baixo para o inverno pela primeira vez , o que, a princípio, não deixou eles muito felizes, mas como ficou mais frio eles quase ficaram contentes em ter que usá-las.  O sábado de manhã chegou e nós não tínhamos certeza de que a montanha não começaria a ostentar um manto de neve muito em breve, então eu decidi não levar os meninos comigo. A estrada montanha acima poderia ser muito perigosa para se viajar com  neve e gelo.

Não queria correr o risco de tê-los lá em cima com a possibilidade de queda de neve. Quando fomos pela primeira vez ao Monte Shasta, lá ainda havia manchas de neve em áreas que não recebiam muita luz solar, mas  a possibilidade de mais neve tinha sido leve. Tínhamos comprado correntes para por nos pneus do caminhão e sempre carregava gasolina e água extra com a gente na parte de trás do trailer. Eu não teria sido capaz de colocar as malditas correntes sozinha, mas pelo menos eu as levava comigo em caso de encontrar alguma alma útil que teria pena de nós e nos ajudaria se necessário.

Peguei o carro e me dirigi para a montanha sozinha. Eu nunca  tive nenhum problema de ficar sozinha e sempre me aquecendo com a energia do que me rodeia e deixando meus pensamentos vaguearem em qualquer direção que escolhesse.  Parei no hotel e iniciei conversa com Mãe Maria. Ela estava levando o seu grupo até a montanha no período da tarde para a última sessão do ano e perguntou se eu gostaria de me juntar a eles. Ela era uma  grande dama. Seu coração certamente era tão grande quanto o próprio Monte Shasta, o seu amor era sem limites.

Os jovens (comumente referidos como hippies  naqueles dias) que foram atraídos para o Monte Shasta sempre acabavam se hospedando em seu hotel, buscando não apenas a sua sabedoria e conselhos, mas também abrigo e comida. Ela mantinha sessões de meditação e ensinamentos sobre a montanha tantas vezes quanto ela  podia. Era uma visão inspiradora ver os jovens enquanto estavam agrupados em torno dela, deixando se levar em cada palavra e em cada gesto feito por ela. Durante os meses do inverno ela iria realizar meditações no lobby do hotel.

Naqueles  dias, ela tinha poucos clientes pagantes.  Eu sinto que a minha associação com a Mãe Maria e o nosso amigo (que tinha sido  um discípulo de Yogananda) são os dois relacionamentos que me definiram em uma  busca espiritual que percebo tem continuado até hoje. Hoje apenas sentada aqui no meu computador, na tentativa de trazer de volta essa história, com alguma aparência de ordem, os acontecimentos daqueles cerca de 30 anos ou mais no passado, os sentimentos vem novamente à superfície e que eu não tinha mais sentido e experimentado em muitas luas.

O Monte Shasta

Estou lembrando da paz e do contentamento que eu experimentei na montanha e as ondas de energia que colocava os pelos dos meus braços em posição de sentido. Eu estou  experimentando uma indesejada  urgência de sacudir a poeira de meus velhos manuais e mais uma vez me tornar em uma facilitadora da informação. Eu me pergunto.  Mas, eu discordo. Devo voltar para a minha viagem até a montanha naquela agora distante manhã de sábado.

Deixei Mãe Maria, com a promessa de que eu gostaria de participar do seu grupo, se fosse possível. Eu pulei no caminhão (eu tenho uma vaga lembrança dos dias em que eu podia pular em um caminhão) e dirigi até a montanha. Depois que eu cheguei a Panther Meadows eu fiquei feliz por não ter trazido os meninos porque estava muito frio e ventoso lá em cima. Eu tinha estacionado o caminhão de modo que eu pudesse ficar dentro dele e assistir a área na floresta de onde Mikel comumente aparecia e, logo ele apareceu. Eu saí para encontrá-lo e nós rapidamente mais uma vez entramos na  montanha.

A antecipação de sua última promessa de que iríamos viajar foi  quase mais do que eu podia suportar. Fiz um enorme esforço para não empurrá-lo através de portas e passagens para baixo para que ele pudesse se mover mais rápido. Mas para minha surpresa, não entramos no corredor onde tínhamos tomado o pequeno veículo de dois lugares que tinha nos transportado através dos túneis na minha última visita. Em vez disso, continuamos andando pelo corredor principal no interior da montanha até que chegamos a uma porta muito maior do que a média. Mikel segurou a porta aberta para mim e eu fiquei totalmente encantada com o que vi quando entrei num salão.

Agora John (n.t. a quem o relatório foi mandado originalmente), por favor, tenha paciência comigo, pois as minhas habilidades descritivas normalmente deixam algo a desejar, mas vou tentar explicar o que eu vi de tal forma que você será capaz de vê-lo também. Havia uma série de consoles independentes ao longo do lado esquerdo do salão. Cada console era aproximadamente do mesmo tamanho e forma de uma mesa pequena. Havia um painel conectado à parte traseira de cada console, que subia cerca de quatro pés (1,20 metros) acima da área de trabalho e parecia ter um pé (cerca de 30 centímetros) de profundidade.

Havia uma pequena bancada com objetos parecidos com botão, como nos painéis e entre a parte inferior do painel havia uma série de teclas coloridas que cintilavam. Eu percebi que, na medida que as cores se tornavam mais clara ou mais escura a velocidade da cintilação aumentava ou diminuía. Mikel explicou brevemente que os consoles tinham características que permitiam o acompanhamento das atividades e de qualquer flutuação de temperatura nas diferentes partes no interior da montanha. Eu suspeitava que era uma explicação bastante limitada e que o objeto tinha maiores implicações do que foram dadas para mim naquele momento, mas eu não quis questionar mais.

Em toda a parede do lado interno da porta pela qual entramos no salão havia uma espécie de mapa. Eu reconheci o nosso sistema solar e os vários planetas em uma metade do mapa. A outra metade do mapa e os planetas ali mencionados e as estrelas – sóis – (eu acho que eram estrelas), eu não estava familiarizada. No mapa estelar havia várias luzes pulsantes em várias partes dos dois mapas e de tempos em tempos, alguns deles mudavam de posição. Não tive muito tempo para dar uma olhada real o que eu realmente queria fazer, mas Mikel  parecia ter algum outro destino em mente para irmos.

Na área em frente à porta de entrada, havia um grande objeto de forma cilíndrica, que tinha uma superfície brilhante, assim como o metal pode refletir. Quando nos aproximamos do objeto pude ver que não era de metal – e quase tinha a aparência de uma espécie de tecido. Mikel caminhou até o objeto, tocou em uma área cerca da altura de sua metade do objeto e uma abertura silenciosamente se abriu. Nós entramos. Eu vi que havia cinco lugares no interior, todos ligados a uma sólida barra que atravessava o piso do objecto indo até a parede oposta da porta de entrada. Mikel tomou  um dos assentos e eu segui o seu exemplo. Não tinha ideia do que me esperava, mas  tinha confiança em Mikel de que ele não colocaria a minha vida em perigo.

A abertura pela qual entramos no objeto cilíndrico foi fechada, e eu vi que a área que estávamos era realmente separada do casco externo. O objeto era  na verdade, dois objetos, um colocado dentro do outro. Eu estava começando a sentir as “borboletas no meu estômago” e me encontrei fazendo respirações profundas e lentas em um esforço para me acalmar.  Perguntei a Mikel por alguma explicação do por que estávamos naquele objeto cilíndrico e o que iría acontecer. Ele me explicou que o cilindro interior, em que estávamos, era, na verdade, em termos simplificados, uma forma de MÁQUINA DE VIAJAR NO TEMPO. Estávamos começando a nossa jornada nesse dia viajando em uma máquina do tempo !

Ele explicou que aquela máquina do tempo tinha sido criada e trazida para aqui literalmente a milhares de séculos antes e havia sido usada por várias civilizações da Terra até o momento em que a forma pessoal de viagem “astral” ou  projeção dirigida da consciência tinha sido aperfeiçoado. Ele disse que neste dia (com a viagem no tempo) eu veria uma história do passado que poucos neste momento estão prontos para ver. Para qual propósito, que dia e por que eu não tinha ideia do que era a projeção de consciência referida por ele, assim a nossa viagem ia começar dentro daquele tubo.

Eu de repente me encontrei olhando para cenários que não conseguia identificar. Era quase  como assistir a uma tela de cinema, exceto que eu tinha a sensação de movimento.  Mikel agiu como um guia me informando na medida em que as diferentes cenas apareciam diante de mim. Eu não me lembro de ter visto qualquer janela no objeto cilíndrico em que nós tínhamos entrado, mas tenho certeza de que eu era capaz de ver o que Mikel estava me mostrando. No começo eu pensei que eu estava voando e então eu percebi que eu estava apenas observando e então eu também percebi que estava sentada em um nave cujo interior era muito  semelhante a nave que George Van Tassel tinha me levado a bordo, vários anos antes.

Na medida que o cenário se acelerava e mudava eu reconheci o planeta Saturno com seus anéis (embora ostentasse várias luas que nunca tinham sido vistas  ou pelo menos eu não estava ciente delas) e então eu sabia onde eu estava quando eu vi o Planeta Terra, ficando à vista. Estávamos viajando muito perto da superfície do planeta, e parecia haver muito pouca habitação humana naquele momento. Cada vez que circulávamos o planeta, a superfície se alterava. A energia do planeta Terra mudava e as cores que emanava também mudavam.  

Vi barcos à vela se transformarem em embarcações muito sofisticadas de longo curso que podiam viajar abaixo ou acima da superfície da água. Vi naves que voavam circulando o planeta, quase em formação, e observei  como eles iriam rumo ao espaço até ficarem invisíveis para o olho humano e outras embarcações descendo para o planeta para tomarem os seus lugares.

Vi terra vazia  tornar-se desenvolvida, alimento sendo cultivado, edifícios sendo construídos e sendo destruídos, indo e vindo, e com cada novo desenvolvimento, as cores do planeta novamente se alteravam. Eu vi todas as civilizações nascendo e morrendo.

Vi massas de terra continentais subindo e descendo e eu senti o trauma de QUANDO UMA MUDANÇA DOS POLOS ocorreu. Vi pedaços de continentes inteiros se romper,  despedaçarem e se afastarem.

Eu vi enormes formas animais bonitas vindo para o planeta e eventualmente desaparecendo. Eu vi a luz (aura) em torno de todas as formas de vida humana e também testemunhei como o ser humano passou gradativamente de ser uma bela luz para um  tipo de ser como uma massa escura, com uma densa escuridão, sem luz. Eu testemunhei o renascimento ou a segunda vinda dos seres de luz e, mais uma vez, as cores do planeta se alteravam.

E  muito mais memorável, eu senti e me tornei una com o batimento do coração de tudo o que existiu no planeta. Eu experimentei a alegria da descoberta  e as dores da destruição. Experimentei toda a gama de emoções junto com o planeta. Eu me encontrei chorando e celebrando os renascimentos e os momentos de despertar que ocorreram.  Há muito mais … provavelmente levaria um volume inteiro para explicar em detalhes  todos os fatos e eventos que assisti passarem, mas eu acho que você entenderá onde eu estava, naquele dia e momento.

Sempre parecia haver a presença dos observadores do planeta. Em momentos diferentes a forma e o tamanho dos seus veículos se modificavam, mas não houve uma vez  durante o nosso pequeno passeio, que eles não estivessem presentes.  Vou relatar o resto da viagem na próxima edição.

Fim da parte 2 de 3.

Continua…

Link para a parte 1:

  1. http://thoth3126.com.br/monte-shasta-outra-visita-a-terra-interior/

Saiba mais em:

  1. http://thoth3126.com.br/agharta-o-mundo-intra-terreno-em-nosso-planeta/
  2. http://thoth3126.com.br/brasilia-jk-akhenaton-eo-egito/
  3. http://thoth3126.com.br/aghartha-o-reino-da-terra-interior/
  4. http://thoth3126.com.br/aghartha-e-area-51-um-visitante-na-terra-interior/
  5. http://thoth3126.com.br/aghartha-e-area-51-um-visitante-na-terra-interior/
  6. http://thoth3126.com.br/a-conexao-terramaldekmarte-em-gize-cydonia-e-teotihuacanmirador/
  7. http://thoth3126.com.br/vietnam-gigantesca-caverna-descoberta/
  8. http://thoth3126.com.br/grand-canyon-misterios-de-uma-imensa-caverna-revelados/
  9. http://thoth3126.com.br/pedra-da-gavea-uma-esfinge-no-brasil/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

3 Responses to Monte Shasta – visita à Terra Interior, parte 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *