browser icon
You are using an insecure version of your web browser. Please update your browser!
Using an outdated browser makes your computer unsafe. For a safer, faster, more enjoyable user experience, please update your browser today or try a newer browser.

Monte Shasta – visita à Terra Interior, parte 1

Posted by on 28/09/2016

Dentro do Monte Shasta,  em Sacramento, na Califórnia, nos EUA, em uma visita ao reino da Terra Interior, à cidade de Telos, no reino de Agharta.

A minha história com o Monte Shasta começa seis meses antes de eu ser levada para os caminhos subterrâneos dentro da enorme Montanha. Nós (meu marido, seu filho de um casamento anterior e nossas duas crianças pequenas, dois meninos com idades entre 2 e 4 anos e o meu gato siamês, Pixie) tinhamos embalado tudo o que  tínhamos de bens em um reboque U-Haul e nos mudamos para a montanha  deserta…

Tradução, edição e imagens:  Thtoh3126@protonmail.ch

Uma mulher descreve a sua mística visita a uma civilização no interior da Terra sob a montanha do Monte Shasta, em Sacramento, na Califórnia, EUA.

Fonte: http://onelight.com/telos/vishasta.html

Um amigo nosso e sua família nos tinham precedido por cerca de uma semana e quando nós  chegamos no Monte Shasta nós deixamos o U- Haul em seu lugar e nos dirigimos para a montanha para acampar durante a noite.

Paramos em um camping e saímos para montar acampamento. A energia  que sentímos no acampamento não nos fez sentir bem e por isso tomamos o rumo de volta ao nosso caminhão U-Haul e nos dirigimos mais acima da montanha. Nós tomamos o rumo de Panther Meadows e  decidimos acampar por lá. Quando nós descarregamos o caminhão é que eu descobri que o meu gato Pixie tinha ido embora. Fiquei arrasada.

Voltamos para o primeiro acampamento, mas  não conseguimos encontrá-lo. Eu o chamei bastante e chamei, mas sem sucesso. Voltamos  a Panther Meadows e passamos a noite. Estava muito frio, como era  a primavera (de março a junho) a estação do ano e fizemos uma fogueira muito agradável para ficarmos mais aquecidos.

Uma das duas áreas de camping em Panther Meadows, ao fundo o cume do Monte Shasta, um vulcão adormecido desde o ano de sua última erupção em 1786 com 4.322 metros de altitude.

Coloquei os meninos na parte de trás da picape (que tinha uma concha campista caseira de proteção que mantinha fora o vento frio), embalando-os em lotes de cobertores  então eles ficaram bem quentinhos. Meu marido se juntou a eles e eu me sentei perto do fogo  a maior parte da noite, mantendo-o aceso e esperando que meu gato Pixie iria aparecer. Nosso  pequeno acampamento foi cercado com olhos brilhantes e inquisidores de animais de hábitos noturnos que apareceram para nos fiscalizar. Foi uma noite inspiradora.

Na manhã seguinte voltamos a descer a montanha para a casa do nosso amigo. Ele  nos levou a um hotel local e nos apresentou a “Mother Mary” (como ela era  carinhosamente chamada por muitos que buscavam sua sabedoria) que possuía um hotel-restaurante.  Quando ela descobriu que nós não havíamos encontrado um lugar para ficarmos, ela nos levou  no andar de cima e nos colocou em uma suíte de dois quartos no que eu fiquei muito  sensibilizada. Isso nos deu a chance de tomar banho, etc, e um lugar para o  meninos se aquecerem e ficarem confortável.

À medida que os dias passavam, encontramos uma casa e nos instalamos. Muitos fins de semana (E muitas noites durante a semana) nós passávamos um tempo no Panther Meadows e eu nunca deixei de procurar meu gato Pixie. O meu marido e os meninos fizeram um monte de exploração no local  o que me deixava sozinha no parque de campismo uma boa parte do tempo.

Ocasionalmente, os caminhantes e outros campistas paravam pelo parque de campismo e  eu iria conversar com eles e dividir uma xícara de café que eu sempre fazia ou então a água que tínhamos com a gente. Vários fins de semana nós caminhávamos até a pousada e dormiamos lá durante a noite.

Assinalado dentro do círculo vermelho a área de acampamento de Panther Meadows, na Trinity National Forest (Floresta Nacional Trindade) quase aos pés do cume do monte Shasta.

O lodge se queimou inteiramente vários anos depois que saímos de lá. Foi relatado como tendo sido um incêndio provocado. Foi uma pena, porque o alojamento oferecia abrigo aos caminhantes e alpinistas cansados e tinha muito caráter. Lá  era mesmo o local da única água disponível.  Seis meses depois que chegamos em Monte Shasta, fomos mais uma vez ao Panther Meadows acampar no fim de semana. Chegamos na sexta-feira à noite, definimos o local do acampamento, fizemos o fogo, tomamos o nosso jantar e depois apenas nos sentamos e apreciamos  o céu noturno estrelado. Os meninos realmente amaram o local e mal podiam esperar para entrar na floresta para mais aventuras de exploração na parte da manhã.

Como de costume nosso  público de animais residentes rodearam nosso parque de campismo com aqueles curiosos olhos brilhantes. Estava quente o suficiente, então, nós dormimos do lado de fora do trailer  em sacos de dormir, mas eu raramente dormia quando estávamos lá em cima. Eu quase me sentia rude para ir dormir com tantos amigos em torno de nós e eu  gostava de manter o fogo aceso para que pudéssemos tomar um café da manhã quente  no início da manhã. Eu nunca parecia ter sono lá em cima, próximo à montanha.

Este fim de semana especial foi o fim de semana em que eu fui levada para dentro do interior do Mt. Shasta.  O meu marido e os três garotos tinham ido explorar novamente a floresta e eu estava no  processo de limpar a bagunça do café da manhã e recolhendo os sacos de dormir e guardando-os quando notei um jovem (eu pensei que ele era um outro jovem  hippie, fazendo a sua jornada na montanha como tantos faziam) atravessando o campo em direção ao nosso acampamento. Ele era um jovem magro, vestido com  a moda do dia, jeans e camiseta. Ele não tinha mochila ou cantil com ele. Eu pensei que ele deveria ter acampado nas proximidades e havia deixado suas  coisas lá enquanto ele fazia um pouco de exploração por perto.

Ao se aproximar do acampamento eu vi que ele era loiro e tinha uma barba rala bem cuidada e aparada. Eu ri, porque ele não parecia  ter idade suficiente para ser capaz de crescer a barba.  Ele parou a uma curta distância e perguntou se estava tudo bem, se ele poderia  tomar uma xícara de café que havia estado sentindo o cheiro toda a manhã. Eu sorri e o convidei para entrar em nosso acampamento e peguei uma xícara de café. Sentamos ao lado do fogo por um tempo e falamos sobre a montanha e o clima e vários temas irrelevantes, que eu não posso mesmo me lembrar agora.

Eu fui atraída pelo jovem, sentia me perfeitamente segura com ele – até mesmo confortável com a companhia dele, como se eu o conhecesse há muitos anos. Parecia que nós compartilhávamos tantos interesses e crenças. Nós conversamos sobre Paramahansa  Yogananda, filosofia oriental, cura magnética e pela cor, os sonhos de voar, Atlântida e até cheguei a falar sobre UFOs. Eu disse a ele  sobre George (JW George Van Tassel, é claro.) e o Integratron  e descobri que ele sabia tudo sobre George.

Eu disse a ele que George tinha  me contado sobre a Irmandade, que tinha estado em Monte Shasta e que tinham ido para o Peru depois, devido à necessidade de um ambiente mais estável,  etc .Ele sorriu e disse que também tinha ouvido falar dessas histórias. Ele perguntou para mim se eu gostaria de ir para dentro da montanha para ver por mim mesma o que ainda havia por lá.

Pensando que ele estava brincando comigo, eu disse que sim, que eu adoraria fazer isso. Era algo que parecia realmente emocionante. Levantamo-nos e então partimos na direção da que ele tinha vindo. Ele disse que a entrada para o interior da montanha estava por perto e que só levaria alguns minutos para  chegar lá.  Ele estava certo – nos tomou apenas alguns minutos. Passamos todo o  gramado nas árvores e em poucos minutos estávamos na frente de uma rocha de forma estranha. Eu acho que ela tinha, provavelmente, 10 pés (3 metros) de altura e 5 pés (1,50 metros) de diâmetro.

A frente da rocha era plana e os galhos das árvores próximas  parcialmente a escondiam. O topo da rocha era inclinado para o chão na parte de trás de modo que parecia um triângulo torto. Lembro-me de que o chão em torno dela era muito difícil para se caminhar em comparação com o  terreno mais suave que tínhamos cruzado para chegar lá.

Não havia a camada  de folhas e de agulhas dos pinheiros caídas, etc, para amortecer o nosso passo.  Ele caminhou até a porta e a tocou. Ela se abriu, internamente, pelo  seu toque. Ele me fez sinal para segui-lo, o que eu fiz. Hoje eu me admiro de que eu não estava nem um pouco com medo de ir junto com ele montanha à dentro nem mesmo me ocorreu, naquele momento, a possibilidade de não ir com ele.

Na medida em que adentrei pelo portal de rocha maciça, quando eu atravessei a porta aberta, vi um conjunto de sete degraus que desciam  a um pequeno patamar e continuava para baixo à direita do caminho.  Havia um pouco de umidade, cheiro de mofo, não desagradável, mas indicando  que nós tínhamos entrado numa área que não era muito agraciada com a presença  de ar fresco. Era óbvio que estávamos dentro de uma montanha porque as paredes eram de pedra.

Avançamos em nosso caminho e parei para olhar ao redor. Eu vi que nós estávamos  em uma pequena sala árida que me deu a sensação de que nós tínhamos entrado em um caminho ou um vestíbulo. O quarto estava banhado com uma luz suave de uma fonte que não pude identificar. Não havia nenhuma evidência de lâmpadas ou lâmpadas de iluminação indireta.

Descemos para o chão do quarto e o jovem caminhou até a parede mais distante, tocou nela e uma porta se abriu. A porta não estava visível  desde o local que eu estava. Era encaixada na parede, de tal maneira que enquanto não abrisse não se saberia exatamente onde estava, você não teria nenhuma idéia de que existia uma porta naquela parede.

Eu segui o jovem atravessando o caminho pela porta e me encontrei em uma sala muito grande, com o teto totalmente de pedra. Esta sala enorme também estava bem iluminada com uma luz de origem indeterminada.  À medida que atravessamos a sala para o que parecia ser um grande corredor, eu vi que havia uma série de entradas ao redor da sala cada um dos quais  parecia ter um grande corredor saindo a partir dela.

Caminhamos para o outro lado da sala e continuamos andando pelo corredor.  (Talvez uma passagem seria uma descrição mais precisa.) A  passagem nos levou para outra sala grande. Este outro salão tinha móveis e  grandes capsulas fechadas com vidro. Ele me levou para uma das cápsulas e apontou para algumas peças de pedra lisa. Quando cheguei mais perto das cápsulas foi que eu vi que havia  algum tipo de símbolos de escrita em cada pedra. Eu não poderia reconhecer nenhum idioma.

Virei-me para lhe perguntar o que as pedras representavam e antes que eu pudesse perguntar  ele sorriu e disse: “Você não tem memória agora, mas estas são as tábuas sagradas que você e seus colegas de trabalho em Atlântida trouxeram consigo quando as águas da inundação subiram para destruir a terra”.  (n.t – O dilúvio descrito em todas as civilizações antigas, que ocorreu em 10.986 a.c., quando o que restava do continente de Atlântida afundou)  Ele passou a explicar que (eu não tinha certeza sobre a quem ele se referia como “nós” no  tempo) nós tínhamos tomado as tábuas sagradas e as levado para uma caverna onde as escondemos.

Na medida em que ele foi contando a história, pude ver em minha tela mental pequenos submersíveis, para duas pessoas cada um, que estavam se movendo muito rápido através de águas profundas e agitadas. Eles gradualmente diminuíram a velocidade na medida que se aproximavam de uma caverna, na qual eles entraram e eu pude vê-los emergirem e saírem da água.

A caverna era muito grande.  Na medida em que os ocupantes dos pequenos submersíveis abriam os veículos e saiam para fora eles eram recebidos por outros que rapidamente tomavam posse das sagradas estelas de  pedra e desapareciam por entradas dentro da caverna. À medida que as estelas sagradas  foram retiradas dos pequenos submersíveis os seus ocupantes retomaram seus lugares em seu interior e saíram da caverna, assim como eles tinham entrado.

Nesse ponto, a minha visualização da antiga cena parou, mas eu tinha uma sensação de ter estado lá. Demorei alguns minutos  para mim sair para fora da sensação de ansiedade e, ao mesmo tempo,  de excitação que eu tinha experimentado enquanto eu observava os pequenos submergíveis na água. Havia um sentimento de grande alívio e realização quando as estelas sagradas de pedra foram entregues na caverna e eu podia ouvir as orações de agradecimento, sendo oferecidas.

Havia pouca atividade nesta sala enorme. Ela continha uma série de bancos sem encosto para as costas, que estavam colocados em frente de cada cápsula. Eu tive o mesmo sentimento neste salão de como se eu estivesse em um museu. Neste momento, eu percebi que eu ainda não sabia como o era o nome do jovem. Ele não tinha  me dado o seu nome. Perguntei-lhe qual era seu nome e ele disse que eu podia  chamá-lo de Mikel.  Mikel me fez sinal para segui-lo novamente e entrou em outra sala.

(A propósito, a sala de “museu” e esta nova sala é o que eu diria que eram  quartos bastante normais. Os tetos tinham provavelmente apenas 15 pés (4,50 metros) de altura e  o teto e as paredes eram cobertas com um material que quase  parecia ser de metal, exceto que eu não sentia o frio que eu sinto quando eu  estou perto de metal, [Se isso faz algum sentido para você]. O piso era  muito suave e eu não tenho ideia de que tipo era a cobertura brilhante dele.)

Esta segunda sala continha sete cilindros de grande porte, colocados na posição vertical. Eu acho que eles provavelmente tinham, cada um, cerca de 10 pés (3 metros) de altura e 4 pés (1,20 metros) de diâmetro. Novamente,  Eu não sei o tipo de material de que eles foram construídos, embora  parecessem ser de vidro, eu não acho que fossem. Os cilindros estavam preenchidos  com uma substância líquida (parecia com uma consistência gelatinosa) e cada um tinha um feixe de luz que brilhava para baixo a partir do seu topo.

A substância líquida  tinha uma cor diferente em cada um dos cilindros. As cores pareciam corresponder  muito bem com as sete cores que eram designadas para os sete principais chakras do corpo humano, as mesmas do espectro solar, vermelho, laranja, amarelo, verde, azul celeste, azul escuro e violeta.

Nesta sala, havia um número de pessoas (para mim eles pareciam ser  tão humanos quanto eu sou) trabalhando em torno dos cilindros. Eles estavam cada um colocando  pequenos pedaços de papel (pelo menos parecia ser papel) sobre os vários  cilindros coloridos. Vi que cada pedaço de papel tinha algo escrito sobre ele.  Mikel explicou que eles estavam  trabalhando na cura de vários indivíduos e da Mãe Terra, ela própria.

Eles inscrevem um texto (Ou em anexos, se uma combinação de cores for necessária, usando um anexo para cada cor utilizada) com o nome da pessoas ou a localização para que a cura seja solicitada. Os anexos ficariam com a cor do cilindro em que fosse jogado na medida que a sua energia de cura fosse dispensada. Quando o anexo atingisse a cor exata do cilindro ou o tom exato exigido pela inscrição, ele se dissolveria.

Nós ficamos observando eles trabalharem na cura com as cores durante algum tempo e Mikel me perguntou se eu gostaria de entrar em um estudo de cura pelas cores. Eu concordei que talvez eu fizesse isso.  Quando estávamos saindo do salão de cura, Mikel olhou para mim e disse: “Sua família já esta voltando para o acampamento. Temos que retornar também”.

Nós saímos do interior da montanha da mesma forma em que entramos. Quando novamente estávamos na floresta do lado externo, Mikel me disse: “Nós vamos nos encontrar novamente, pois há muito mais para você ver e para recordar. Tenha cuidado ao voltar a descer a montanha. Caminhe   lentamente e você vai descobrir algo querido ao seu coração. ” Mikel não retornou ao acampamento comigo. Ele acenou e voltou  à entrada de montanha. (Publicado em Outubro de 2013.)

Fim da parte 1 de 3.

Continua…

Saiba mais em:

  1. http://thoth3126.com.br/agharta-o-mundo-intra-terreno-em-nosso-planeta/
  2. http://thoth3126.com.br/brasilia-jk-akhenaton-eo-egito/
  3. http://thoth3126.com.br/aghartha-o-reino-da-terra-interior/
  4. http://thoth3126.com.br/aghartha-e-area-51-um-visitante-na-terra-interior/
  5. http://thoth3126.com.br/aghartha-e-area-51-um-visitante-na-terra-interior/
  6. http://thoth3126.com.br/a-conexao-terramaldekmarte-em-gize-cydonia-e-teotihuacanmirador/
  7. http://thoth3126.com.br/vietnam-gigantesca-caverna-descoberta/
  8. http://thoth3126.com.br/grand-canyon-misterios-de-uma-imensa-caverna-revelados/
  9. http://thoth3126.com.br/pedra-da-gavea-uma-esfinge-no-brasil/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

17 Responses to Monte Shasta – visita à Terra Interior, parte 1

  1. Enio

    Obrigado!
    Obrigado!
    Obrigado!

    Enio

  2. Roberto

    Aguardo ansiosamente pelas outras partes.

  3. Laura

    Eu tb estou aguardando ansiosamente pelas outras partes…rsrsrs…. Abro o email procurando, procurando e nada! Vou lhe passar uma ordem (telepaticamente) para que faça essa tradução logo. Usarei meus poderes, muito paranormais, para influenciá-lo. Amando seu blog. abço

    • Thoth3126

      Olá Cara Laura, seus “poderes” funcionaram bem, como de costume, na virada da noite, às 00:06 de amanhã, dia 27 de novembro, já esta programado a próxima parte. Segure-se na poltrona, pois é muito interessante porque fala dos eventos futuros que eu também “vi que vão acontecer”. Muita Luz e Paz.

      • Laura

        Uffa! Que delícia! Não vejo a hora de ler a última parte. Ai, ai! Morrendo de inveja (boa…rsrsrs) de vcs. Essa experiência é uma das melhores coisas que pode acontecer na vida. Fico encantada, mas, sinto tão distante de mim. Bom saber que meus poderes funcionam….hehehe….fiquei animada. Obrigada.

  4. Sarah

    Quando será postada a parte 2?

    • Thoth3126

      Olá Sarah, será dia 17 a 2ª parte e dia 21 a 3ª e última parte. Muita Luz e Paz.

  5. Sonia Maria Teixeira da Silva

    Estou lendo sobre o Monte Shasta. Há coisas estranhas acontecendo: durante uma semana um sono estranho tomou conta de mim, mal fazendo o que precisava. Mas,, assim que comecei a ler… se foi….
    Vi aqui em Banning, CA formações de nuvens como sobre o Monte Shasta. Demoraram mais de hora e consegui fotografar muitas vezes.
    Por tudo que li, que sei que é pouco, Monte Shasta chama-me a atenção e quero ir lá, mas não consegui da primeira vez. Tem algo de mim lá e vou correndo ler a sua segunda parte. Muita PAZ e agradeço por tudo que tenho lido aqui. ~São como tijolinhos que me trazem um tanto de sabedoria….

    • Thoth3126

      Cara Sonia, vale muito fazer uma visita ao Monte Shasta, é um local sagrado. Não deixe de ir. Muita Luz e Paz.

  6. Vania

    Gostaria de continuar lendo as partes 2 e 3 deste depoimento. Onde posso acessá-las?
    Grata.

    • Thoth3126

      Cara Vania, as sequencias estão sendo publicadas durante esta semana. Muita Luz e Paz.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *