browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Inversao dos Polos Magneticos já aconteceu antes…

Posted by on 06/11/2016

A Inversão dos Pólos Magnéticos da Terra já aconteceu antes… Há cerca de 12 mil anos. O Enigma dos Mamutes da Sibéria.

Os mamutes congelados da Sibéria é um dos mistérios que continuam desafiando a ciência moderna que, baseada em meras teorias faz algumas especulações razoáveis e admite que a solução desse enigma pode contribuir para desvendar diversos outros fatos inexplicáveis e ainda mais nebulosos da história do planeta terra. 

Em 1900, nas margens do rio Beresovska, na Sibéria Setentrional, na Rússia, se encontrou o primeiro exemplar conservado de mamute em meio à lama congelada…

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A Inversão dos Pólos Magnéticos da Terra já aconteceu antes… Há cerca de 12 mil anos. O Enigma dos Mamutes da Sibéria.

Fontehttp://frankherles.wordpress.com/2009/05/02/o-enigma-dos-mamutes-da-siberia/

Por Roberto Pereira, trecho extraído do livroGrandes Enigmas da Humanidade 

 O fato em si não era inteiramente novo, já que antes tinham sido encontrados restos congelados de outros animais antigos. Mas nunca um exemplar tão grande, e em tão bom estado de conservação. Além disso, aquele mamute morrera de pé e tinha ainda restos de capim entre os dentes! Se morrera comendo, como ficara de pé? E por que não cuspira o alimento nos estertores de sua agonia? 

polonorte-comparison1_strip

Naquela época a ciência já sabia que os mamutes tinham desaparecido da face da Terra há, pelo menos, 10 mil anos e, logo, diversas expedições acorreram ao local para examinar o estranho achado. Descobriram que, apesar da idade, a carne do mamute estava ainda tão bem conservada que cães e lobos disputavam seus pedaços. A primeira explicação apresentada pelos cientistas foi de que o animal afundara no gelo, morrendo assim quase instantaneamente. Mas não havia nem jamais houvera geleiras naquela região da Sibéria: apenas neve durante o inverno. Neve que se derrete na estação quente. A outra teoria afirmando “que o animal morrera afogado” também não foi aceita. Se tivesse se afogado, ele, certamente, cuspiria os ramos encontrados na sua boca e nunca teria ficado de pé e haveria água em seus pulmões. 

Finalmente, outros cientistas levantaram a teoria de que aquele mamute ficara preso no barro pegajoso e afundara lentamente de pé, até ser coberto pela neve e pela lama gelada. Mas um exame mais detalhado do solo provou que naquela região jamais houvera camadas de lama elástica, capazes de prender, até a morte, um gigantesco mamute de quase dez toneladas. Havia ainda outro problema: o alimento encontrado na boca do animal incluía delicados carriças, capim e ranúnculos, que só vicejam, hoje em dia, muito mais ao sul. Tudo aquilo junto formava um respeitável quebra-cabeça cientifico, para o qual durante muitos anos, dezenas de sábios eruditos  não conseguiram nenhuma explicação satisfatória. Afinal, seria ilógico admitir que o pesado animal interrompera sua refeição e correra depois centenas de quilômetros para o Norte, com o capim na boca, para morrer congelado de repente, de pé. 

Poucos mistérios desafiam tanto a argúcia dos sábios como a morte instantânea dos mamutes da Sibéria, por congelamento, ainda enquanto se alimentavam com capim fresco.

A Ciência Oficial se apóia em fatos provados, mas quando eles não existem, ela costuma montar teorias completas sobre frágeis indícios indiretos, e sobre a lógica também. Seria mais lógico admitir, por exemplo, que aquele tipo de capim crescera outrora naquela mesma região, e que o mamute morrera e fora congelado de repente – quase que instantaneamente -, enquanto pastava. Os anos foram passando e outros animais congelados foram sendo encontrados na Sibéria, com sinais claros de morte instantânea por congelamento e sem sinais visíveis de violência. Todos eles haviam sido congelados. O problema era saber como. 

Em qualquer processo de congelamento de carne é necessário que a queda de temperatura seja acentuada e muito rápida, caso contrário se formam grandes cristais de água nas células – o que provocaria desidratação que estragaria a carne em pouco tempo. Para se congelar uma galinha ou um peru, por exemplo, a -40 ºC,  são necessários 20 minutos; e pelo menos meia hora para se congelar meio boi.  Um animal do porte  de um mamute, quase duas vezes o tamanho de um elefante atual, teria que ser congelado a -100 ºC , em poucos minutos, para que sua carne ainda pudesse ser comida pelos cães, 10 mil anos depois. 

Só havia um problema: O exame do exemplar congelado do rio Beresovka mostrou que o animal comera pequenos ramos de floridos, pouco antes de morrer. Grande quantidade de vegetal foi encontrada intacta, ainda não digerida, em seu estômago. E sabe-se que tais plantas não crescem onde a temperatura é inferior a -5 º Celsius. A única explicação satisfatória seria a morte instantânea dos animais, devido a um súbito rebaixamento da temperatura da Sibéria. E tanto o exame da carne do mamute como a analise dos vegetais que comera provou, sem sombra de duvidas, que tal catástrofe ocorrera em 10.000 anos a.C.(época do dilúvio de Noé). 

Nos últimos trinta anos, numerosos cientistas russos viajaram até a região do rio Beresovska, em busca de novos indícios. E hoje se aceita, como a mais provável, a tese levantada por Immanuel Velikovski de que somente uma súbita mudança na inclinação do eixo de rotação da Terra poderia causar fenômenos meteorológicos capazes de explicar a repentina morte dos mamutes siberianos (e nós estamos próximos de nova mudança dos pólos magnéticos do planeta e com as suas conseqüentes catástrofes naturais). 

Segundo alguns astrônomos, baseado em simulações em computador, somente a força eletromagnética de algum astro errante, um grande planeta ou uma pequena estrela (uma do tipo Anã Marrom-Brown Dwarf) passando através do sistema solar e suficientemente próximo da Terra poderia mudar o eixo de rotação terrestre. 

Isso certamente provocaria marés no magma interno da Terra, abalando a fina crosta sólida do nosso mundo – de 30 a 90 km de espessura. Os vulcões, situados quase todos na zona equatorial, entraram em erupção, arremessando lava, pedras e, principalmente grandes quantidades de poeira superaquecida, se elevaria até a estratosfera. Depois, seguindo o movimento normal dos ventos, essa poeira dirigir-se-ia, espiralando, rumo aos pólos. O frio das grandes altitudes as congelaria e, quando ela atingisse a Sibéria, mergulhando rumo ao solo, poderia perfeitamente estar a mais (nesse caso, apesar da redundância é menos) do que –100º Celsius. (Esse efeito de congelamento instantâneo foi muito bem demonstrado no filmeThe Day After Tomorrow”(O Dia Depois de Amanhã)

O quadro fica, então mais fácil de imaginar. Chegando às regiões setentrionais (norte) do planeta a poeira congelante subitamente escurece o sol. Os animais, que naquela época pastavam nas planícies verdejantes do Alasca, do Norte do Canadá e da Sibéria, olham espantados para a noite que chega de repente. E pouco depois são atingidos pelos ventos super gelados provocados pelas poeiras vulcânicas que cai do céu. Os animais sentem o ar frio queimar seus olhos e pulmões, e em segundos estão mortos enrijecidos nas posições em que estavam. Horas depois o vento diminui, mas durante semanas cai do céu poeira e neve que, lentamente, recobre os corpos congelados dos animais que, como estátuas geladas, acabam sendo totalmente cobertas por uma densa camada de neve e gelo. 

A súbita mudança do eixo da Terra alteraria também o clima da Sibéria e de outras regiões do planeta,– e isso ajudaria a conservar praticamente intactos, os animais durante os milênios seguintes. Velikovski aponta outros indícios dessa mesma catástrofe como  à súbita mudança no clima do Alasca, o secamento do grande lago que existe onde hoje é o deserto do Saara e a abertura do estreito de Gibraltar, que provocou o alagamento da região mediterrânea pelas águas do Atlântico. 

Tudo isso, acreditam muitos cientistas, ocorreu mais ou menos em torno de 10.000 a.C. (n.T. exatamente em 10.986 a.C. e provocou o afundamento final de Atlântida em um ÚNICO DIA) Velikovski acredita que todos esses fatos se explicam pelo mesmo fenômeno cataclísmico, o da inversão dos Pólos Magnéticos do planeta. Esses são os fatos. Essas são as hipóteses. No entanto, mesmo com os recursos da ciência moderna, não existem ainda meios para unir todos esses indícios numa única teoria à prova de qualquer duvida. Mas alguns cientistas acreditam que estão na pista certa. E outros ainda mais ousados, chegam a levantar a hipótese de que se algum dia existiu o continente da Atlântida, ele teria afundado naquela mesma época e pela mesma razão. Assim, enquanto na Sibéria morriam os derradeiros gigantes da pré-história terrestre, no Atlântico afundava o continente onde, segundo Homero (e Platão), existiu a mais brilhante das antigas civilizações da Terra.

Fontes

1. Velikovski, Manuel – Mundos em Colisão,  – Edições Melhoramentos

2. Pereira, Roberto e Lisboa, Carlos Luiz – Grandes Enigmas da Humanidade – Editora Vozes de Petropolis

3. Heuvelmann, Bernard – Sur la piste des Betes Ignorées – Edição de librarie Plon, Paris 

Matéria publicada originalmente em português no Blog de RS Maike

Sobre mudança nos polos da Terra saiba mais em:

  1. http://thoth3126.com.br/mudanca-dos-polos-nortesul-esta-acontecendo-agora-final/
  2. http://thoth3126.com.br/mudanca-nos-polos-magneticos-a-ciencia-se-dobra-as-profecias/
  3. http://thoth3126.com.br/mudanca-nos-polos-geomagneticos/
  4. http://thoth3126.com.br/polo-norte-muda-muito-rapido-dados-alarmantes-do-noaa-2/
  5. http://thoth3126.com.br/amas-a-anomalia-magnetica-sobre-o-brasil/
  6. http://thoth3126.com.br/sinal-de-mudanca-no-campo-eletromagnetico-da-terra/
  7. http://thoth3126.com.br/campo-magnetico-39-baleias-piloto-morrem-encalhadas-em-praia-da-nova-zelandia/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

2 Responses to Inversao dos Polos Magneticos já aconteceu antes…

  1. Guilherme

    Se utiliza corriqueiramente esse exemplo do gigante mamute congelado, no entanto quando vamos buscar provas do achado morremos procurando. As únicas fotos facilmente encontradas na internet são de um achado atual, de um mamute pequeno, talvez do tamanho de um terneiro jovem, ou de um pequeno filhote de elefante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *