browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Mudanca no Campo Eletromagnetico e a morte em massa de golfinhos no Peru

Posted by on 18/05/2013

Morte em massa de golfinhos no Peru

Nos últimos três meses foram encontrados mais de 3 mil golfinhos mortos na costa do Peru. Só nos últimos dias deram à costa 481 golfinhos sem vida. Para os especialistas as companhias petrolíferas que pesquisam petróleo nas águas vizinhas poderiam ser os principais suspeitos.

Tradução: Thoth3126@gmail.com

http://www.bluevoice.org/news_perudolphins.php

Nos últimos meses foram encontrados mais de 3 mil golfinhos  mortos na costa do Peru. Só nos últimos dias deram à costa 481 golfinhos sem vida. Para os especialistas as companhias petrolíferas que pesquisam petróleo nas águas vizinhas  constituem os principais suspeitos.

O Diretor Executivo do BlueVoice, Hardy Jones foi ao local no Peru e contou 615 golfinhos mortos no espaço com distância de 135 quilômetros de litoral. Houve reação imediata em todo o mundo. Os testes para determinar a causa da mortandade estão em andamento. A seguir um relatório do Dr. Carlos Yaipen Llanos após uma investigação com Hardy Jones, na mortalidade em massa de golfinhos no Peru:

1. Em 25 de março, recebemos uma comunicação de um sentinela voluntário da ORCA (Organização Científica para a Conservação dos Animais Aquáticos) no local indicando a presença de centenas de golfinhos encalhados.  A  ORCA e a Bluevoice decidiram executar este levantamento de 135 km desde San Jose no estado de Lambayeque para a fronteira sul do Parque Nacional de Illescas, no estado de Piura, para coletar provas visuais e amostras. Nossa pesquisa foi feita em coordenação com a Polícia de Proteção do Meio Ambiente do Peru (Polícia Ecológica).

Em causa: Os conservacionistas no Peru contados 615 golfinhos mortos ao longo de um trecho de 90 quilômetros de praias na quarta-feira

2. Como relatado anteriormente, duas espécies foram afetadas: a do golfinho comum de bico longo (Delphinus capensis) e botos de Burmeister (Phocoena spinipinnis). Contamos 615 golfinhos comuns. Todas as classes de idade foram afetadas: machos adultos, fêmeas, fêmeas lactantes, adolescentes, bebês e recém-nascidos. Contamos 19 botos, somente fêmeas e filhotes.

3. Existem carcaças em diferentes graus de decomposição a cada 10 a 30 metros, nenhum deles com mais de 5 semanas. Isso combina com o fato de que esses encalhes aconteceram logo depois de nossa pesquisa anterior. Encontramos animais mortos recentemente (não mais de 12 horas) e carcaças de vários jovens e de bebês golfinhos que demostrou “rigor mortis”, como sendo mortos em terra, tendo encalhado ainda vivos -desorientados em sua navegação. (posição de arco rígida, bico aberto, de barriga para baixo, transversal à linha da maré, não mais de 3 dias morto).

4. Necropsias foram realizadas no local. Achados macroscópicos incluem: lesões hemorrágicas, incluindo a câmara acústica, fraturas nos ossos perióticos, bolhas de sangue preenchendo o fígado e rins (os animais estavam mergulhando, de modo que os principais órgãos foram congestionados), lesão nos pulmões compatíveis com enfisema pulmonar, estado do fígado como uma esponja. Até agora, temos 12 amostras de fraturas nos ossos perióticos de animais diferentes, todos com diferente graus de fraturas e 80% deles com fratura nos ossos perioticos, compatíveis com impacto acústico e síndrome de descompressão.

5. Análise histopatológica de 30 tecidos coletados está em processo neste momento. Esperamos ter resultados até segunda-feira.Vamos avaliar as provas sépticas, corpos de inclusão viral, e confirmação microscópica da síndrome de descompressão. Essas amostras serão comparadas com as amostras  coletadas a partir de pesquisas anteriores na área. Após estes resultados serem analisados, vamos continuar testando tecidos coletados.

6. Neste ponto, as evidências apontam no sentido de impacto acústico e síndrome de descompressão.  No entanto, a grande agregação de golfinhos mortos indica/induz na direção de um surto epidêmico potencial de morbillivirus, brucelose ou ambos. Temos registros de morbillivirus na América do Sul em leões-marinhos e da população peruana de golfinhos comuns que é uma parte migratória da Costa Rica, então as chances são altas. Além disso, evidência de massa anterior de um encalhe com mortandade desta magnitude foi associada ao surto morbillivirus na Europa durante a década de 90, também em golfinhos e botos comuns.

{n.t. Citando Gregg Braden em entrevista sobre mudanças nos campos eletromagnéticos do planeta Terra e suas consequências:

“Também sabemos que os pássaros e animais marinhos (mamíferos como as baleias, golfinhos, orcas) migram através dos oceanos se utilizando da linha de grade do campo eletromagnético do planeta para sua orientação. Portanto, há especulações (já é uma CERTEZA) de que as mudanças que estão ocorrendo no campo magnético são responsáveis pelos padrões de mudança na rota das aves migratórias e dos grandes mamíferos marinhos que foram registradas em todos os oceanos da Terra”. 

“A mudança atual no campo eletromagnético também pode explicar por que as baleias, orcas e golfinhos estão encalhando e morrendo aos milhares nas costas de todos os continentes. As linhas de navegação que esse animais sempre seguiram pelos oceanos mudaram e agora levam-nos para uma praia qualquer (em terra firme)”.}

7. Isso nos leva a acreditar que o evento começou perto da costa:
a) As carcaças encontradas frescas ou com pouca decomposição, e aqueles em decomposição moderada retendo a pele. Normalmente esta é perdida quando as carcaças derivam ao largo da costa por algum tempo, assim os animais não morreram muito longe da costa.

b) fêmeas lactantes, bebês e recém-nascidos foram encontrados. Esta época de reprodução indicada e partidas com o fato de que muitas espécies de cetáceos usam águas costeiras para proteger a sua prole dos predadores e fornecer baixios mais seguros.

c) Golfinhos em busca de áreas com alta produtividade para se alimentar com vagens grandes e isso é mais importante durante a temporada de reprodução. O litoral norte do Peru tem sido um ponto quente para os pescadores nesta temporada.

8. O líder dos pescadores em San José, no Peru, pediu meu conselho para a questão do impacto acústico sobre a pesca de um ano atrás, quando uma empresa de petróleo convidou-o a bordo de um navio para ele testemunhar que as pesquisas sísmicas com ar comprimido não produzem efeitos sobre a vida marinha. Claro que, pouco sabia que os efeitos não são visíveis imediatamente, e que as espécies marinhas são afetados, dependendo da intensidade da alta frequência utilizada. Cabe ao Procurador para Assuntos Ambientais de Piura para determinar a fonte do impacto acústico.

9. Estamos conscientes de que os golfinhos continuam encalhando e morrendo. Por essa razão, estamos voltando ao local de encalhe para outra pesquisa com a Polícia Ecológica e para executar o teste no local para coletar mais amostras para análise em laboratório. Sabemos que a Instituição para o Mar do Peru coletou amostras para análise, mas não sabemos o tipo de amostras nem os seus resultados até agora.

10. Além disso, tivemos depoimento sobre as praias de San Jose que golfinhos encalhados foram “colhidos” para consumo humano, as carcaças sendo enterradas. Nós encontramos um deles não muito longe dos barcos dos pescadores. Também foram entrevistados o gerente para o Posto Médico, que  nos confirmou que a taxa de diabetes em seres humanos, principalmente pescadores, triplicaram nos últimos 6 anos. Estamos em coordenação com ela para desenvolver uma campanha de educação em informações e pesquisas sobre a relação potencial do diabetes e o consumo de carne de golfinho.

11. Nas atuais circunstâncias e depois de uma avaliação ao longo de nossa Rede de encalhe, todos os golfinhos e botos encalhados responderam a uma única UME, que começou em meados de janeiro, e continua até hoje. Com toda a contagem disponível em uma área de 350 quilômetros de litoral com encalhes relatados do norte de Piura, em Lambayeque, estimamos (O ABSURDO) em cerca de 3.000 golfinhos mortos até o momento.

Este é o maior encalhe em massa já registrada na costa do Peru e um fato sem precedentes na região sul-americana.  A situação é constrangedora e esmagadora. Mesmo as crianças foram envolvidas na coleta de carne de golfinho no extremo sul do local de encalhe (em Lambayeque), e foram tentar resgatar os golfinhos agônizantes na faixa norte (em Piura).

{n.t. A mortandade em massa de cetáceos e mamíferos marinhos costuma acontecer imediatamente antes de grandes eventos sísmicos, terremotos e erupções vulcânicas submarinas. Também é um fato que indica que nos locais onde acontecem o encalhe e a mortandade está havendo forte variação no CAMPO ELETROMAGNÉTICO do planeta, que desorienta o sistema de navegação/localização dos golfinhos, orcas e baleias, como decorrência acontecendo os encalhes nas praias do mundo inteiro, um FATO QUE VEM SE INTENSIFICANDO nos últimos anos, EM TODO O PLANETA}

Saiba mais em: http://thoth3126.com.br/mudanca-dos-polos-nortesul-esta-acontecendo-agora/

Permitida a reprodução desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *