browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Mudanças Climaticas: Aquecimento global perto de se tornar irreversível.

Posted by on 23/10/2013

Aquecimento global já seria irreversível 

A capa de gelo  do Ártico alcançou em setembro de 2012 sua menor área de cobertura desde 1979, quando esse fenômeno passou a ser acompanhado por cientistas de todo o mundo.

Segundo o centros de pesquisa de Estados Unidos, Japão, Dinamarca e Noruega, o recorde negativo ainda pode ser batido. As geleiras tendem a aumentar com a proximidade do inverno. O Centro Nacional de Dados sobre Neve e Gelo dos Estados Unidos (NSIDC, na sigla em inglês) divulgou imagens de satélite comparando o degelo de 1979 com o último verão no Ártico.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@gmail.com

Aquecimento global está perto de se tornar irreversível, dizem cientistas

http://www.reuters.com/

Derretimento da cobertura de gelo nos pólos, perda de florestas e a acidificação dos oceanos estão muito críticos. Pesquisadores e cientistas reunidos em Londres pediram ações urgentes.

Por Nina Chestney – LONDRES

(Reuters) – O mundo está perto de atingir um estado crítico que vai torná-lo irreversivelmente mais quente, tornando esta década crítica nos esforços para conter o aquecimento global, alertaram cientistas.

Reunidos em Londres, na Inglaterra, para a conferência “Planeta sob pressão”, pesquisadores e cientistas afirmaram que mesmo com diferentes estimativas, as temperaturas do mundo parecem caminhar no sentido de um aumento médio de 6ºC até 2100, caso a emissão de gases do efeito estufa aumente sem controle.

Com o crescimento das emissões, especialistas dizem que o mundo está perto de atingir limites que vão tornar os efeitos do aquecimento global irreversíveis, como o derretimento da cobertura de gelo das calotas polares e a perda maciça de florestas.

Registro da cobertura de gelo na região do Polo Norte e Círculo Polar Ártico no inverno de 1979.

Esta é a década crítica (2010-2020). Se nós não invertermos a curva nesta década nós vamos ultrapassar estes limites, disse Will Steffen, diretor executivo do instituto de mudança climática da Universidade Nacional da Austrália. Apesar deste senso de urgência, um novo tratado global sobre mudança climática que obrigue os maiores poluidores mundiais, como os Estados Unidos e a China, a cortar emissões só será acordado em 2015 – para entrar em vigor somente em 2020.

Nós estamos à beira de grandes mudanças, disse Steffen. Nós podemos … alcançar o topo do aumento das temperaturas em dois graus, ou cruzar o limiar além do qual o sistema se desloca para um estado muito mais quente.” 

Pieces of ice fall from the front of Argentina’s Perito Moreno glacier near the city of El Calafate, in the Patagonian province of Santa Cruz, December 14, 2009. Credit: Reuters/Marcos Brindicci

Momentos críticos:

Para a cobertura de gelo dos polos – enormes refrigeradores que retardam o aquecimento do planeta – o ponto limite já foi ultrapassado, afirmou Steffen. A cobertura de gelo do oeste da Antártica já encolheu ao longo da última década e a cobertura da Groenlândia perdeu em torno de 200 km³ por ano, desde a década de 1990.

A capa de gelo do Ártico alcançou em setembro de 2012 a sua menor área de cobertura desde 1979, quando esse fenômeno passou a ser acompanhado por cientistas de todo o mundo.

A maioria das estimativas climáticas concorda que a floresta amazônica vai se tornar mais seca na medida em que o planeta esquente. Mortes de grandes porções de floresta provocadas pela seca têm aumentado os temores de que estamos prestes a viver/ultrapassar um ponto limite, quando a vegetação vai parar de absorver emissões e começar a liberar gases na atmosfera.

Cerca de 1,6 bilhões de toneladas de carbono foram perdidos em 2005 pela floresta e 2,2 bilhões de toneladas em 2010, o que desfez cerca de 10 anos de esforços para diminuição de emissão da atividade de carbono, disse Steffen. Um dos limiares/limites mais preocupantes e desconhecido é o Siberian PERMAFROST, que armazena carbono e outros gases congelados no solo para longe da atmosfera.

Há cerca de 1,6 trilhões de toneladas de carbono lá armazenado- cerca de duas vezes a quantidade existente na atmosfera hoje – e as altas latitudes do norte estão experimentando a mudança de aumento da temperatura muito mais grave e rápido do que qualquer outra parte do planeta, disse ele.

Em caso de pior cenário, entre 30 a 63 bilhões de toneladas de carbono podem ser liberadas por ano a partir de 2040, aumentando para entre 232 até 380 bilhões até 2100. Como comparação, a quantidade de CO2 liberada por combustíveis fósseis anualmente é de 10 bilhões de toneladas.

Na Europa também é possível se perceber a diminuição significativa da presença de gelo.

O aumento do CO2 na atmosfera também tornou os oceanos mais ácidos conforme eles vão absorvendo os gases. Nos últimos 200 anos, a acidificação dos oceanos ocorreu em uma velocidade jamais vista em 60 milhões de anos, disse Carol Turley do Laboratório Marinho de Plymouth. Este fato ameaça o desenvolvimento de barreiras de coral e poderia conduzir à extinção de várias espécies de animais marinhos dentro de décadas, bem como a um aumento no número de predadores.

Como os cientistas, decisores políticos e os grupos ambientalistas se reuniram na Conferência “Planet Under Pressure” (PLANETA SOBRE PRESSÃO) em Londres, as opiniões divergiram sobre as medidas a se tomar nesta segunda década do terceiro milênio. O Professor Anthony Giddens, da London School of Economics concentrou seu foco na indústria de combustíveis fósseis, visto que as energias renováveis constituem apenas 1% da matriz energética global.

“Temos uma ENORME INÉRCIA na economia mundial e DEVERIAMOS fazer muito mais esforços para se fechar estações elétricas movidas à queima de carvão, disse ele.

A gigante holandesa do petróleo a Royal Dutch Shell se concentra trabalhando em tecnologias de ponta para emissões negativas de CO2 a longo prazo, como a captura de carbono na biomassa e no uso da terra, disse Jeremy Bentham, vice-presidente da empresa para negócios e meio ambiente global. 

(Edição por Alessandra Rizzo)

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e a citação das fontes.

www.thoth3126.com.br

2 Responses to Mudanças Climaticas: Aquecimento global perto de se tornar irreversível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *