browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Mudanças climáticas: indústrias de SP avaliam parar produção por falta de água

Posted by on 28/08/2015

Seca-no-brasil

Afetadas pela escassez de água, indústrias do estado de S.P. já avaliam parar produção. 

A indústria de São Paulo, cuja atividade de janeiro a junho caiu 8,7%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), atravessa também o pior momento da crise hídrica. “Estamos chegando no fundo do poço e se os reservatórios, tanto o Alto Tietê como o Cantareira, não se recuperarem a prioridade absoluta vai ser o abastecimento humano, e aí vamos ter que parar a produção”, alerta a gerente do Departamento de Meio Ambiente, da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Anicia Pio.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Em São Paulo, a falta de água pode paralisar a produção do setor industrial do estado e afetar o emprego de milhões de trabalhadores

Maria Martín,  São Paulo 26 AGO 2015 – 12:45 BRT – Fonte: http://brasil.elpais.com

O setor, que consome 10% da água disponibilizada na região metropolitana, foi obrigado a reduzir em 30% a captação do insumo em Campinas na terça-feira (18) e prepara-se para novas restrições nas regiões abastecidas pela Bacia do Alto Tietê, onde o governador Geraldo Alckmin, depois de ano e meio de crise, acabou de reconhecer oficialmente a gravidade do cenário abrindo assim a possibilidade de suspender captações de água do setor privado, tanto da agricultura como da indústria. 

poluição-03

Com duas crises avançando de mãos dadas sobre o setor, a Fiesp diz não ter como calcular os efeitos de uma, a econômica, e de outra, a hídrica, mas Pio destaca o aumento do orçamento dedicado pelas empresas para garantir a qualidade do insumo. “A água captada nos rios piorou muito, a vazão se reduz e os poluentes acabam se concentrando. Temos casos de indústrias que gastam dez vezes mais do que gastavam antes para tratar essa água”, relata a gerente.

A necessidade de investir mais em tratamento, no entanto, não é exclusiva de indústrias que precisam de água potável no seu processo produtivo, como a de bebidas, farmacêuticas ou a alimentar. “A água é tão ruim que qualquer indústria precisa de um tratamento para que fique em condições, da indústria de vidros à metalúrgica”, completa.

Embora calcular o impacto econômico do desabastecimento em São Paulo é difícil, Pio relata os efeitos sofridos pela indústria, responsável por 25% do PIB do Estado, em um cenário de abastecimento incerto. “Há empresas que mudaram de região e outras que não se instalaram. Houve quem decidiu transferir os investimentos dedicados na região para outras.

poluição-colapso-ambiental-civilização

Ninguém mais quer se instalar nestas bacias porque não conseguem licenciamento ambiental [para a captação de água], e nas empresas localizadas em regiões críticas [as abastecidas pelo Cantareira e o Alto Tietê, principalmente] pesa um item de segurança na hora de pedir financiamento: o sistema financeiro vê mais risco nelas. No final, essas regiões, não recebem nenhum novo investimento ao não ser que a produção não dependa de água”, relata Pio.

A preocupação dos bancos pela crise hídrica já foi exposta em várias ocasiões por um dos maiores especialistas em recursos hídricos do Brasil, o professor José Galizia Tundisi. “A crise hídrica afeta a economia até tal ponto que têm vários bancos preocupados pelos possíveis impactos, inclusive a inadimplência.

José-Galizia-Tundisi-água

José Galizia Tundisi, presidente do Instituto Internacional de Ecologia e membro da Academia de Ciências, é aos 77 anos um dos maiores especialistas em gerenciamento de recursos hídricos no Brasil. Tundisi foi convidado a visitar mais de 40 países que sofreram problemas de desabastecimento para ajudar a encontrar soluções.

As empresas dependentes da água no seu processos produtivo podem reduzir a produção”, afirma Tundisi. A agência de risco Standard & Poors também dedicou um relatório em fevereiro aos efeitos de um possível racionamento energético e hídrico na qualidade do crédito. A agência acredita que as consequências devem ser limitadas, embora tenha reconhecido a dificuldade de “predizer o potencial impacto de um racionamento de água no setor”.

Pio acredita que a portaria publicada no Diário Oficial na semana passada, na qual é reconhecida a “criticidade” da crise hídrica na bacia do Alto Tietê, que abastece quase cinco milhões de pessoas, não é mais que um reconhecimento de uma realidade antiga.

Cerca de 69% das indústrias contavam com poços artesianos, mas 14,7% deles tinham secado nos últimos meses, segundo um estudo desenvolvido pelo Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Educação Continuada, em parceria com o Núcleo de Economia Industrial e Tecnologia da Unicamp, realizada em novembro de 2014.

“O Governo declara oficialmente que existe uma crise porque a situação é de preocupação. Mas ele [o governador Geraldo Alckmin] sempre negou e passou o ano inteiro dizendo que não há racionamento.

Mas da mesma forma que as pessoas ficam sem água à noite, aquela pequena indústria que depende da rede pública sofre também com esse racionamento horário”, afirma Pio que se reconhece “chateada” pela falta de compensação do Governo estadual com o setor. “Só se fala de cortar, caçar, restringir [captações], mas qual é a contrapartida? O Governo não fez as obras que devia fazer e agora nós [cidadãos e indústria] temos que pagar a conta? Vai ter fundos para socorrer o setor ou vamos todos embora de São Paulo”, questiona a executiva.

contagem-regressiva


 “Ao entardecer, dizeis: haverá bom tempo porque o céu está rubro. E pela manhã: hoje haverá tempestade porque o céu esta vermelho-escuro. Hipócritas!!! Sabeis, portanto discernir os aspectos do céu e não podeis reconhecer  OS SINAIS DOS TEMPOS?  –  Mateus 16: 2 e 3


Saiba mais sobre mudanças climáticas em:

  1. http://thoth3126.com.br/supervulcao-de-yellowstone-e-25-vezes-maior-do-que-se-pensava/
  2. http://thoth3126.com.br/vulcao-cumbre-vieja-mega-tsunami-pode-atingir-o-brasil/
  3. http://thoth3126.com.br/o-futuro-dos-eua-por-ned-dougherty/
  4. http://thoth3126.com.br/mudanca-nos-polos-magneticos-a-ciencia-se-dobra-as-profecias/
  5. http://thoth3126.com.br/super-vulcao-em-yellowstone-pode-destruir-os-eua/
  6. http://thoth3126.com.br/uma-visao-pessoal/
  7. http://thoth3126.com.br/yellowstone-forte-tremor-no-super-vulcao
  8. http://thoth3126.com.br/yellowstone-erupcao-levaria-a-evacuacao-dos-eua-para-o-brasil/
  9. http://thoth3126.com.br/mudancas-climaticas-na-india-onda-de-calor-mata-mais-de-800-pessoas/
  10. http://thoth3126.com.br/mudancas-climaticas-onda-de-frio-artico-congela-e-mata-nos-eua/
  11. http://thoth3126.com.br/mudancas-climaticas-migracao-em-massa-de-pessoas-nos-eua-por-causa-da-seca/
  12. http://thoth3126.com.br/mudancas-climaticas-o-maior-el-nino-da-historia/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth-escribawww.thoth3126.com.br

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *