browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Mudancas climaticas: Tragedia na Argentina, chuva em excesso

Posted by on 03/04/2013

Número de mortos pelas chuvas já passa de 50 na Argentina. Foram 46 mortes em La Plata e 8 na região da capital, Buenos Aires. Mais de 2.500 estão desabrigados em La Plata. A violenta tempestade que atingiu ontem La Plata, em apenas três horas caíram mais de 300 milímetros de chuva, também deixou a capital Buenos Aires debaixo d’água.

Tradução e imagens: Thoth3126@gmail.com

Fontewww.clarin.com 

A tempestade foi brutal e deixou um saldo trágico: Fontes do governo confirmaram há pelo menos 50 mortos nas provincias. “Agora nós nos encontramos com a pior situação”, disse pela manhã o governador Daniel Scioli, que não descartou que o número de mortos possa subir.

Há mais de 2.200 pessoas evacuadas e que permanecem encalhadas em carros e telhados de casas aguardando o resgate. “Um monte de gente nervosa, ansiosa e preocupada com a insegurança nesses bairros”, reconheceu Scioli, que esclareceu que eles estão tomando todas as medidas possíveis para conter a situação. “Esta é uma enorme tragédia, uma catástrofe”, disse ele.

Apenas depois das 15:00 horas, enquanto a presidente Cristina Kirchner após visitar a área em uma ação relâmpago, uma centena de pessoas saquearam um supermercado. Piquetes também foram desenvolvidas em diferentes partes da cidade com cortes de trânsito, vizinhos reivindicam assistência. Alguns grupos de bairro Altos de San Lorenzo convocam para uma manifestação às 07:50 horas da noite, na Praça San Martin ao lado do Governo.

“Eu nunca vi nada assim. Esta situação é sem precedentes”, disse Scioli, ao explicar que os mortos  “foram aparecendo, na medida que as águas estavam descendo o seu nível”.

O governador explicou que a chuva torrencial – 311 milímetros caíram em pouco mais de três horas – pegou os platenses de surpresa e não deu tempo de praticamente se fazer nada. “Alguns não tiveram tempo para escapar dessa armadilha mortal, com um volume de água tão grande caindo em tão pouco tempo”, disse ele. Ele acrescentou que, neste momento, a principal tarefa de funcionários, trabalhadores humanitários e profissionais de saúde é a obrigação de assistir as vítimas. “Nossa principal preocupação é salvar tantas vidas quanto pudermos”, disse ele.

 

Por isso, ele acrescentou que se trabalha “para evitar maiores conseqüências, a prioridade é a vida humana”. E explicou que as equipes de resgate que viajam em barcos e helicópteros que buscam “para aqueles que foram parar ou em uma árvore ou no telhado de sua casa ou em alguma situação extrema”.

Além de mais de 2.200 pessoas evacuadas e autoevacuados (cujo número não foi especificado), dezenas de vizinhos de ontem continuam presos em seus carros, onde a tempestade atingiu. Há também os refugiados em telhados das casas. Muitos usam redes sociais e se comunicam com rádios e emissoras de televisão para obter ajuda.

“Minha mãe esta na Rua 43, no centro, em cima de um ônibus de uma empresa a partir de 7 da noite de ontem, sem ninguém para resgatá-la com os outros passageiros”, disse Fernanda Alonso, jornalista da tn.com.ar.  Eva, a mãe fica com os demais ilhados sobre os bancos “porque a água chega até seus tornozelos”, disse a jornalista. Junto com sua mãe tem mais cerca de 20 pessoas.

Da mesma forma, dezenas de pessoas esperam em seu carro para que alguém venha em seu socorro. Em um desses veículos é pego com um bebê de 10 meses. O mesmo se aplica para o líder dos deputados da UCR (partido União Cívica Radical) de Buenos Aires, deputado Ricardo Jano, que permanece preso em uma estação de serviço já há 12 horas. No local há mais 80 pessoas, que de acordo com o deputado, ainda não receberam ajuda.

Bairro La Loma em La Plata completamente inundado.

Janus disse que ontem as 20:00 horas foi à estação para ajudar a sua filha, que ficou presa na chuva, mas não conseguia sair. O parlamentar acrescentou que “há lugar com muitas pessoas” que até agora não foram atendidas. “Estamos com muito frio, porque todo mundo está molhado até a cintura. Estamos nas ruas 520 e 19 (esquina). Aqui estão 80 pessoas dormindo, entre os quais há crianças”, disse ele em uma declaração à Rádio 10.

A situação é desesperadora. Em várias áreas da cidade, incluindo o centro, a água subiu para mais de cinco metros de altura. “Há casas que estão entre um e dois metros de água. Tive que resgatar pessoas de telhados”, disse o sargento Frederick Langone à TN, Bombeiro de Berisso , acrescentando que há seis barcos e três lanchas que estão mobilizados para prestar ajuda as pessoas. “Existe muita correnteza e produz o que chamamos de efeitos colaterais:. Muitas pessoas que querem escapar e ficam abandonados na água. Estamos tentando cobrir todos os tipos de chamada”, disse ele.

No que diz respeito à área em que estão intervindo Langone disse que “todos os caminhos para a cidade de La Plata estão inundados.” “Estamos evacuando as pessoas que estão numa situação complicada. Todos os sistemas de emergência estão funcionando. Estamos priorizando salvar vidas humanas, mais do que qualquer outra coisa”, disse ele. Confrontada com esta situação trágica, as autoridades declararam feriado administrativo e educacional em toda a cidade.

Buenos Aires
Fortes chuvas na madrugada da terça-feira deixaram ao menos 8 mortos na região da capital Buenos Aires, segundo as autoridades. A chuva de terça-feira foi um recorde histórico para abril em Buenos Aires, com mais de 155 milímetros acumulados em menos de sete horas, segundo um comunicado do Observatório Central de Buenos Aires (OCBA).

 A inundação de ruas e casas atingiu com maior força os bairros da zona norte da capital, onde tem crescido nos últimos 10 anos a construção de edifícios, sem ser compensada com obras de infraestrutura hídrica para o deságue, segundo entidades ambientalistas. As inundações acontecem na capital argentina pela existência de antigos cursos d’água, agora debaixo da terra, que obstruem um deságue normal para o Rio da Prata.

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *