browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

N.S.A. (EUA) espionou alto escalão do governo brasileiro

Posted by on 07/07/2015

manipulação-ocidente

WikiLeaks revela que EUA (através da agência NSA) espionou alto escalão do governo brasileiro.

O WikiLeaks revelou neste sábado (dia 4) que a Presidente Dilma Rousseff, alguns ministros de seu governo e assessores diretos da chefe de Estado foram espionados pela Agência Nacional de Segurança (NSA) dos EUA em 2011. A visita da Presidenta Dilma Rousseff aos EUA terminou na quarta-feira, 1º de julho. O economista e professor de Relações Internacionais Nildo Ouriques faz um balanço dessa viagem, falando com exclusividade para a Sputnik Brasil.

Edição e imagens:  Thoth3126@gmail.com

A questão da espionagem feita pelos EUA foi convenientemente esquecida pelo governo do Brasil na visita de Dilma a Obama

Fonte: http://br.sputniknews.com e http://br.sputniknews.com/opiniao

Uma lista confidencial com 29 números de telefone foi publicada pelo site, até o do avião presidencial brasileiro estava grampeado. O WikiLeaks mostrou que membros da equipe econômica, chefes militares, diplomatas e um diretor do Banco Central tiveram seus passos acompanhados pelos EUA.

Entre os nomes que figuram na relação, estão o do ministro do Planejamento, Nélson Barbosa, que na época era secretário executivo do Ministério da Fazenda, o ex-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, do atual embaixador brasileiro nos EUA, Luiz Alberto Figueiredo, do ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, José Eliton Carvalho Siqueira, e do ex-diretor do BC Luiz Awazu Pereira da Silva.

nsa-spy-game

“A divulgação mostra que os EUA terão que percorrer um longo caminho para provar que sua vigilância contra governos aliados acabou”, destacou o editor-chefe do WikiLeaks, Julian Assange.

O jornalista Glenn Greenwald publicou em 2013, no jornal The Guardian, uma série de informações secretas dos EUA reveladas pelo ex-técnico de informações da NSA, Edward Snowden, hoje asilado na Rússia. A presidente Dilma Rousseff estava entre as autoridades de muitos países espionados pela inteligência norte-americana, que também monitorava a ação de muitas empresas.

O porta-voz da presidência do Brasil, ministro Edinho Silva, preferiu minimizar os fatos. “O governo americano reconheceu os erros e assumiu compromissos de mudar de prática. Para nós o episódio está superado.”

Dilma Rousseff encerrou na quarta-feira (1) uma visita oficial aos EUA, em que se encontrou com o presidente norte-americano, Barack Obama. Em 2013, ela cancelou uma viagem semelhante depois da divulgação da espionagem da NSA. Desde então, as relações diplomáticas entre os dois países estavam estremecidas.

nsa-espiona-brasil

Veja as autoridades brasileiras cujos telefones foram grampeados

  • Dilma Rousseff, presidente
  • Nélson Barbosa, ministro do Planejamento, na época era secretário executivo do Ministério da Fazenda
  • Antonio Palocci, ex-chefe da Casa Civil
  • Luiz Alberto Figueiredo, atual embaixador brasileiro nos EUA
  • José Eliton Carvalho Siqueira, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional
  • André Amado, diplomata da Subsecretaria de Ambiente e Tecnologia
  • Everton Vargas, ex-embaixador do Brasil em Berlim
  • Fernando Meirelles de Azevedo Pimentel, subsecretário de assuntos internacionais do Ministério da Fazenda
  • José Maurício Bustani, embaixador do Brasil na França, que foi removido da Diretoria da Organização Internacional para Proibição de Armas Químicas por pressão do governo norte-americano
  • Luiz Awazu Pereira da Silva, ex-diretor da área internacional do Banco Central
  • Luiz Balduíno, atual secretário de assuntos internacionais do Ministério da Fazenda
  • Luiz Filipe de Macêdo Soares, ex-representante permanente do Brasil junto à conferência de desarmamento, em Genebra
  • Marcos Raposo, ex-embaixador do Brasil no México e chefe do cerimonial da Presidência da República
  • Paulo Cordeiro, da Secretaria de Assuntos Políticos
  • Roberto Doring, assessor do ministro das Relações Exteriores
  • Valdemar Leão, assessor financeiro do Itamaraty

Questão da espionagem foi convenientemente esquecida na visita de Dilma a Obama

Liderando uma comitiva com mais de 90 pessoas, incluídos ministros de Estado e empresários, a Presidenta Dilma desembarcou no sábado à noite em Nova York para, no domingo, reunir-se com homens de negócios dos EUA, buscando atrair investimentos para o Brasil.

US President Barack Obama and President of Brazil Dilma Rousseff

Na segunda e na terça-feira, 29 e 30, ela manteve reuniões com o Presidente Barack Obama, e os dois líderes anunciaram medidas de colaboração, entre elas o fortalecimento das relações comerciais, a cooperação em programas de preservação ambiental e a liberação da exigência de vistos para as pessoas que viajam frequentemente entre o Brasil e os Estados Unidos não como turistas.

O professor de Relações Internacionais Nildo Ouriques, diretor-presidente do IELA (Instituto de Estudos Latino-Americanos da Universidade Federal de Santa Catarina), avalia a importância do evento internacional e conclui que a questão mais importante é saber o que o Brasil deveria ter feito, nesta e em outras oportunidades, para afirmar a sua soberania, “não apenas diante dos Estados Unidos, mas do mundo”.

O Professor Ouriques comenta:

“Sempre que se realizam essas visitas de Estado, sobretudo de um presidente brasileiro, aos Estados Unidos, o que se pode observar é aquela tradicional ‘servidão voluntária’ dos nossos governos em relação aos EUA.”

O especialista em América Latina exemplifica: “O destaque na imprensa, os analistas políticos, os parlamentares, etc. exaltam essas reuniões e sempre afirmam tratar-se de ‘oportunidade histórica’ para o Brasil se relacionar com os Estados Unidos, como se os EUA fossem um país que não tem uma tradição de intervenções e de expansionismo imperialista na América Latina e especialmente no Brasil.”

“Destituído dessa densidade histórica”, argumenta o presidente do Instituto de Estudos Latino-Americanos da Universidade Federal de Santa Catarina, “esse tratamento faz com que a visita presidencial se transforme quase que exclusivamente numa oportunidade de negócios para a classe empresarial brasileira. O que equivale a dizer, efetivamente, que se compromete o futuro da nação e a possibilidade de o Brasil ser um país independente.”

manipulação-ocidente

“A própria Presidenta Dilma”, continua Nildo Ouriques, “na reunião com o Presidente Obama, caracterizou o que chama de ‘relação muito importante’ para o Brasil no terreno bilateral e multilateral, centrando no comércio, em serviços e equipamentos na área de petróleo e gás, na área de biocombustíveis, no que chamou de eficiência energética e energia renovável, e na atividade naval, e fez uma breve incursão no que chamou de ciência, tecnologia e inovação.”

A análise feita pelo Professor Ouriques continua: “Isso que a Presidenta Dilma, na reunião com Obama, chamou de ‘áreas estratégicas’ são áreas que definitivamente caracterizam a nossa posição adversa de mero exportador de matérias-primas e produtos agrícolas, colocando todo o esforço econômico para fomentar uma infraestrutura capaz de atrair investimentos, o que é muito ruim para o Brasil neste momento.

Nildo Ouriques, finalmente, em sua fala exclusiva para a Sputnik Brasil, considerou que “os casos estratégicos que deveriam merecer a atenção presidencial, como a estrutural espionagem dos EUA que violou segredos da Petrobras e da própria Presidenta Dilma, foram convenientemente esquecidos pela arrogância estadunidense” (e servidão do governo brasileiro).

E o professor Nildo Ouriques conclui: “Nós não poderíamos esperar algo diferente, mas a questão é saber o que o Brasil deveria fazer, nesta e em outras áreas, para afirmar a sua soberania, não apenas diante dos Estados Unidos, mas do mundo.”

contagem-regressiva
EUA espionaram 29 telefones do governo Dilma e até do avião presidencial do governo brasileiro

De acordo com documentos coletados pelo ex-técnico da agência Edward Joseph Snowden, que foram liberados para a imprensa, telefonemas e e-mails foram rastreados através de pelo menos três programas. O Brasil aparece com destaque em mapas da NSA, como alvo importante no tráfego de telefonia e dados, ao lado de países como China, Rússia, Irã e Paquistão. Só em janeiro de 2.013, a NSA rastreou 2,3 bilhões de dados nos EUA, e o Brasil ficou apenas um nível abaixo na escala de monitoramento.

Mais informações sobre espionagem na Internet da NSA:

  1. http://thoth3126.com.br/edward-snowden-como-comecou-o-escandalo-de-espionagem-dos-eua/
  2. http://thoth3126.com.br/espionagem-global-por-edward-snowden/
  3. http://thoth3126.com.br/echelon-o-esquema-de-espionagem-global-dos-eua/
  4. http://thoth3126.com.br/facebook-uma-conspiracao-da-cia/
  5. http://thoth3126.com.br/nsa-e-a-vigilancia-em-tempo-real-na-internet-nos-eua/
  6. http://thoth3126.com.br/eua-e-a-espionagem-da-nsa-snowden-pede-asilo-a-russia/
  7. http://thoth3126.com.br/eua-nsa-grava-100-de-telefonemas-de-outros-paises/
  8. http://thoth3126.com.br/facebook-microsoft-e-apple-sao-processadas-por-ajudar-governo-dos-eua/
  9. http://thoth3126.com.br/eua-espionam-o-mundo-todo/
  10. http://thoth3126.com.br/os-eua-espionaram-milhoes-de-e-mails-e-ligacoes-de-brasileiros/
  11. http://thoth3126.com.br/eua-e-a-espionagem-na-internet-programa-xkeyscore/
  12. http://thoth3126.com.br/windows-8-e-um-chip-em-seu-computador-para-a-espionagem-da-nsa/
  13. http://thoth3126.com.br/skynet/
  14. http://thoth3126.com.br/os-eua-podem-desligar-a-internet-de-qualquer-pais-em-qualquer-momento/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação  original e a citação das fontes.

thoth-escribawww.thoth3126.com.br

One Response to N.S.A. (EUA) espionou alto escalão do governo brasileiro

  1. Manuel

    Isto é o que se chama “amigos da onça”!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *