browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

NASA, Nações (ONU) Unidas e o Clima Espacial,

Posted by on 19/08/2016

solar-flareA ONU e as Tempestades Solares e seus efeitos sobre a Terra em todos os países.

Em 1958, a Assembléia Geral da ONU, “reconhecendo o interesse comum da humanidade para promover o uso pacífico do espaço exterior … e desejando evitar a extensão das atuais rivalidades nacionais a este novo campo ….” criou a Comissão para o Uso Pacífico do Espaço Exterior (Committee on the Peaceful Uses of Outer Space-COPUOS).

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

A ONU e as Tempestades Solares e seus efeitos sobre a Terra em todos os países.

Fonte: http://science.nasa.gov/

Autor: Dr. Tony Phillips | Crédito: Science @ NASA

As Nações Unidas abraça estudos sobre o Clima (Tempestades Solares) Espacial:

Voltemos para o final de 1950. A União Soviética tinha acabado de lançar o primeiro satélite artificial, o Sputnik. Os Estados Unidos, foi pego desprevenido, e estava lutando para recuperar o atraso, dar o pontapé inicial de uma corrida espacial durante a Guerra Fria que iria durar décadas. O espaço exterior era para ser ganhado, e parecia que tudo poderia acontecer.

ONU-uncopuos_med

O Comitê da ONU para o Uso Pacífico do Espaço Exterior (UNCOPUOS). Crédito: Serviço de Informação das Nações Unidas

Dentro deste vazio entrou as Nações Unidas. Em 1958, a Assembléia Geral da ONU, reconhecendo o interesse comum da humanidade para promover o uso pacífico do espaço exterior … e desejando evitar a extensão das atuais rivalidades nacionais a este novo campo ….” criou a Comissão para o Uso Pacífico do Espaço Exterior (Committee on the Peaceful Uses of Outer Space-COPUOS).

O COPUOS se tornou um fórum para o desenvolvimento de leis e tratados que regem as atividades espaciais dos países. Além disso, o cenário para a cooperação internacional em clima espacial foi estabelecido para lidar com problemas que nenhuma nação da Terra poderia enfrentar sozinha.

Como o passar dos anos, a adesão ao COPUOS inchou de 18 para 74 nações, enquanto itens como detritos espaciais, asteroides próximos da Terra, gestão de desastres com origens baseadas no espaço exterior e de navegação global foram adicionados à agenda regular do comitê. Em cada reunião anual, em Viena, Áustria, os membros do COPUOS conferem e debatem sobre estas questões, que apresentam algum desafio ou perigo para todo o planeta.

solarflareearth

“Fortes tempestades solares podem derrubar redes de energia de países e continentes inteiros, desativar satélites e embaralhar sistemas de localização via GPS”

Este ano, um novo item está na agenda: o CLIMA ESPACIAL.

“Este é um desenvolvimento significativo”, diz Lika Guhathakurta da sede da NASA em Washington.

“Ao adicionar o clima espacial para a agenda regular sobre Ciência e da Subcomissão Técnica, o  COPUOS, da ONU está reconhecendo a atividade solar como uma preocupação a par com a queda de detritos orbitais e asteroides e (meteoros e cometas) se aproximando muito da Terra.”

O clima espacial é o equivalente do clima exterior no espaço próximo a Terra. Em vez de vento, chuva, areia e neve, no entanto, o espaço tem tempestades de radiação, o vento solar, erupções e ejeções de massa coronal. A fonte poderosa de influência SOBRE o clima espacial é o sol, e, apesar de tempestades solares serem lançadas a distantes  93 milhões de milhas da Terra, elas podem ser pesadamente  sentidas no nosso (na estrutura tecnológica e distribuição de energia) planeta.

“Fortes tempestades solares podem derrubar redes de energia de países e continentes inteiros, desativar satélites e embaralhar sistemas de localização via GPS”, diz Guhathakurta. “É um problema global agravado pela crescente dependência mundial em tecnologias de eletrônicos sensíveis “.

Nesta reunião, os membros da Subcomissão de Ciência e Tecnologia-Science and Technical Subcommittee ouviram falar sobre alguns dos impactos econômicos potenciais de clima espacial. Por exemplo, o moderno sistema de prospecção de petróleo e gás freqüentemente envolvem perfuração direcional para explorar petróleo e gás em reservatórios profundos da Terra. Esta técnica de perfuração depende de posicionamento preciso usando sistemas globais de navegação, GPS.

tespestadesolar-geomagnetic storm of March 13, 1989

Danos permanentes provocados no Transformador da New Salem Jersey Usina Nuclear GSU causados pela tempestade geomagnética severa de 13 de março de 1989. Fotos de cortesia da PSE & G. Mais

As cabeças das perfuratrizes poderiam perfurar em local errado, no entanto, se o sol (Flares solares) interferir com a recepção do sinal GPS. Partículas energéticas solares nos pólos magnéticos podem forçar a mudança de rota de voos de companhias aéreas internacionais que resultam em insegurança, atrasos e aumento do consumo de combustível. Correntes de terra induzidas geradas por tempestades magnéticas podem danificar transformadores e aumentar a corrosão em oleodutos críticos.

“O clima espacial é um perigo significativo natural que requer uma preparação global”, diz o professor Hans Haubold do Escritório das Nações Unidas para Assuntos do Espaço Exterior. “Este novo item deve estar conectado a agenda de ciência espacial com a tecnologia espacial para o benefício de toda a humanidade.”

A elevação do clima espacial na agenda COPUOS da ONU coincide com o 10º  aniversário da International Living com um programa Estrela em 14 de fevereiro. O programa é um grupo ad hoc de nações que se uniram em 2003 para estabelecer as bases para a cooperação mundial no estudo do clima espacial. A ONU vai ajudar a elevar os seus esforços para um próximo nível.

Tempestadesolar

Um estudo financiado pela NASA, pela Academia Nacional de Ciências, estabelece as conseqüências econômicas de clima espacial severo. Mais

Um problema-chave em que a ONU pode ajudar a resolver uma lacuna – muitas lacunas, na verdade – na cobertura das tempestades em torno de nosso planeta. 

Quando uma tempestade solar varre o campo eletromagnético da Terra, ocorrem ondas de ondulação de ionização na atmosfera superior da Terra,  com fluxo de corrente elétrica através do solo, e o campo magnético do planeta inteiro começa a tremer. 

“Estes são fenômenos globais”, diz Guhathakurta, “por isso temos de ser capazes de controlá-los por todo o mundo.” Os países industrializados tendem a ter uma abundância de estações de monitoramento. 

Elas podem acompanhar o magnetismo local, correntes elétricas em solo, de ionização, e fornecer os dados para os pesquisadores. Os países em desenvolvimento são as lacunas, particularmente em baixas latitudes em torno do equador magnético da Terra. Com a ajuda da ONU, os pesquisadores podem ser capazes de estender as redes de sensores em regiões onde era uma vez politicamente inviável.

O clima espacial pode desempenhar um forte papel no clima da Terra, também. Por exemplo, o mínimo de Maunder, um período de 70 anos quase desprovido de manchas solares no final do 17º até o início 18º século, coincidiu com  invernos prolongados e muito frios no hemisfério norte. Os pesquisadores estão cada vez mais convencidos de que as variações na atividade (Ciclos) solar tem efeitos regionais no clima e tempo que não se importa e da atenção para as fronteiras nacionais existentes entre países e, portanto, só pode ser estudada em detalhes significativos por consórcios de países, pois todos são afetados.

“O novo item na agenda permanente da Ciência e Tecnologia Subcomissão é uma importante oportunidade para aproveitar o esforço de todos os países membros para garantir uma ação global coordenada”, comenta Terry Onsager da agência dos Estados Unidos National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) que monitora clima, oceanos, terremotos  e outras catástrofes naturais.

Agora que o Clima Espacial foi elevado a um lugar permanente na agenda do COPUOS, será uma questão de conversa normal entre os diplomatas da ONU, cientistas e planejadores para atender emergências. Isto é importante porque, enquanto o espaço já não é para ser disputado, ainda é verdade que, no âmbito do clima espacial quase tudo pode acontecer a todos os países da Terra.

Saiba mais sobre o Comitê de Uso Pacífico do Espaço Exterior em: http://www.oosa.unvienna.org/oosa/COPUOS/copuos.html

Mais informações em:

  1. http://thoth3126.com.br/supertempestade-solar-poderia-causar-o-caos/
  2. http://thoth3126.com.br/tempestades-solares-ameacam-redes-de-distribuicao-eletrica/
  3. http://thoth3126.com.br/sol-se-agita-tempestade-solar-com-emissao-de-cme-rumo-a-terra/
  4. http://thoth3126.com.br/supertempestade-solar-poderia-causar-o-caos/
  5. http://thoth3126.com.br/anatomia-de-um-flare-solar-gigante/
  6. http://thoth3126.com.br/ciclo-solar-24-surpreende-o-mais-fraco-em-100-anos/
  7. http://thoth3126.com.br/buraco-negro-sugando-energia-do-nosso-sol-ou-ufo-gigante/
  8. http://thoth3126.com.br/as-manchas-solares-sunspots-e-os-ciclos-de-atividade-do-sol/
  9. http://thoth3126.com.br/apice-do-ciclo-solar-24-em-2013-e-a-quebra-das-modernas-tecnologias/ 

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *