browser icon
You are using an insecure version of your web browser. Please update your browser!
Using an outdated browser makes your computer unsafe. For a safer, faster, more enjoyable user experience, please update your browser today or try a newer browser.

Historias de Maldek – Nisor de Moor, parte 4 final.

Posted by on 20/09/2016

NISOR de MOOR – Parte 4, final. Histórias de Maldek, da Terra e do Sistema Solar

 “Antes que o povo de meu mundo (MALDEK) os apunhalasse com o garfo da ilusão, o elohim tocaram as suas harpas de fogo e cantaram a beleza de seu mundo e de sua devoção ao plano divino do Criador de Tudo Aquilo Que É.

Que o véu que fizemos cair sobre suas mentes seja em breve erguido e tirado de vocês para sempre pelo vento que está agora se elevando das profundezas da eternidade”.   Eu Sou Tob‑Vennit de MALDEK.

Nesta vida nasci no ano em que as cidades de Pompéia e Herculano foram parcialmente destruídas por um grande terremoto. O ano foi 61 ou 62 d. C. Cerca de dois anos depois de meu nascimento. Nero queimou Roma...

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

Traduzido do Livro “THROUGH ALIEN EYES – Através de Olhos Alienígenas”, escrito por Wesley H. Bateman, Telepata da FEDERAÇÃO, páginas 195 a 235. 

Nisor de Moor nasce na Terra agora como CRONOPIUS, O ESCRAVO:

… Nasci de uma garota escrava chamada Melcenta. Era uma das várias garotas escravas que seu amo (depois meu) Filbrius alugava à noite a viajantes que paravam em sua estalagem e taverna. A taverna de Filbrius se localizava numa estrada a cerca de 24 quilômetros ao norte da próspera cidade de Pompéia. Filbrius chamou-me de Cronopius em honra de um gladiador romano que uma vez viu lutar na arena em Pompéia.

Ele muitas vezes recontava cada talho e corte que alegava ter visto. Outras pessoas presentes se lembravam de que a luta durara menos de dez minutos, mas a versão de Filbrius da batalha durava uma hora. Filbrius era um grande fã de esportes. Ele realmente ficou desolado quando um viajante lhe contou que meu homônimo encontrara seu páreo e fora morto na arena romana alguns meses antes. Acho que Filbrius sacrificou um pato aos deuses para que dessem a Cronopius uma boa acolhida na outra vida. 

Passei meus primeiros anos escovando e alimentando os cavalos dos viajantes ricos o bastante para possui-los. Eu gostava de carruagens e admirava os que bravamente passavam correndo nelas. Não fosse pelo fato de me mandarem fazer as coisas, e de ser bastante espancado por filbrius, eu realmente não sabia que era escravo. Certo dia, um grego chamado Criltrenos veio à estalagem e não saia mais. Nunca ficava sem dinheiro. Passava o tempo bebendo, atrás de meretrizes, desenhando e esculpindo. Poucos homens podiam igualá-lo em qualquer dessas atividades. Acabou por comprar um pedaço de terra de frente para a estalagem e nele construiu uma belíssima casa de dois andares. Depois de a construção ser concluída, foi a Roma e retornou com vários belos cavalos e uma mulher grega idosa que ele disse ser sua tia Dimathra. 

pompeia-5

Os restos de Pompéia com o vulcão Vesúvio ao fundo, cuja erupção em 79 da nossa era destruiu a cidade.

Dimathra parecia saber mais sobre a profissão de minha mãe do que todas as garotas do lugar juntas. Ficava sentada na estalagem durante horas bebendo galões de vinho enquanto dava conselhos às garotas de Filbrius e lhes fazia as vezes de mãe. Caí-lhe nas graças e um dia comentou que eu parecia grego. Filbrius disse: “Talvez seja meio grego.” Dimathra ofereceu-se para me comprar na hora, mas meu amo se recusou a vender. Dimathra parecia um cão atrás de um osso. Mais ou menos a cada semana o preço oferecido aumentava um pouquinho. Sei agora que Filbrius tinha outros planos para mim. Dimathra irritava Filbrius, mas ele não queria perdê-la como freguesa, nem a seu rico sobrinho, então em geral sorria e recusava suas ofertas. 

Acabou por ceder o suficiente para deixar a velha grega me empregar para cuidar de seu zoológico de cães, gatos e diversas aves de terreiro. Esse arranjo foi feito depois de Criltrenos concordar em me enviar algum dia pela estrada a Pompéia e pagar meu treinamento para lutador. Filbrius gostou da idéia, pois os lutadores raramente eram mortos durante uma partida de luta. Passou a sonhar em ser o proprietário de um campeão que poderia ganhar muito dinheiro para ele. Descobri que Dimathra tinha duas religiões. Secretamente era cristã (religião não muito apreciada naqueles tempos), mas publicamente venerava o deus egípcio Osíris. Disse que passou a acreditar que os deuses de seu povo e os de Roma não existiam. 

Eu também era fascinado pelo fato de que tanto Criltrenos como Dimathra sabiam ler. Certa vez, estando embriagada, tentou ensinar-me a ler grego. Foi uma tentativa vã de ambas as partes. Confesso que não entendi nada — Tudo ainda era grego para mim! Mesmo assim, durante minha ligação com Dimathra, aprendi a falar grego. Mais ou menos um ano depois de começar a trabalhar para ela, ela comprou-me duas jovens garotas escravas de Roma. Criltrenos ficou descontente com a compra das meninas. Acho que ele pensou que duas garotas escravas era demais. Descobri então que Dimathra possuía fortuna própria, assim como seu sobrinho. Quando eu tinha 12 ou 13 anos, providenciou minha primeira experiência sexual com uma de suas criadas, Remisa. A curvilínea garota do norte da Itália quase me matou. 

Criltrenos e Filbrius formaram uma sociedade para fabricar ladrilhos de mosaico colorido e vendê-los aos artesãos de Pompéia, Herculano e, com o tempo, Roma. Criltrenos fornecia a técnica e construiu os fornos necessários. Filbrius fornecia a mão-de-obra. Logo as crianças escravas da casa se tornaram toda a força de trabalho da indústria de ladrilhos, pois nossas mães se afastavam de sua ocupação para cuidar de suas outras obrigações. Fui selecionado com três outros companheiros para carregar e conduzir a carroça puxada por bois a Pompéia. Criltrenos e Filbrius sempre iam conosco. Filbrius queria ter certeza de estar recebendo sua parcela dos lucros da venda dos ladrilhos. Sei que Criltrenos já era muito rico e nunca teria enganado Filbrius. 

Filbrius ficava sempre indeciso entre vigiar Criltrenos negociando os ladrilhos e cuidar de nós para impedir que eu e meus companheiros escravos fugíssemos. Não tínhamos intenção de escapar. Para onde iríamos? Além disso, como todas as outras crianças escravas daqueles tempos, eu acreditava que o campo estava repleto de animais selvagens que nos matariam e devorariam. Para sossegar a cabeça, Filbrius passou a nos amarrar juntos pelo pescoço com uma única corda, que ele então amarrava a algum objeto fixo. Criltrenos achou aquilo ridículo, e às vezes nos dava vários odres de vinho só para observar Filbrius tentando ajuntar uma fileira de meninos escravos bêbados. 

No ano de 78 d. C. eu tinha cerca de 17 anos de idade. Fui levado por Criltrenos e Filbrius à região sul da cidade de Pompéia, onde ficava o Fórum, que continha um templo, teatro, sala de concertos, moradia de gladiadores e uma escola de luta romana. O diretor da escola disse a Filbrius para me levar para casa e me alimentar mais, e então me trazer de volta dentro de um ano. Filbrius não ficou feliz ao ouvir isso. Comprou um códice caríssimo contendo ilustrações de golpes de lutas e decidiu ele mesmo me treinar. No ano que se seguiu eu ou estava comendo, ou então erguendo ou arremessando alguém a torto e a direito. Os outros meninos escravos ficavam com manchas pretas e roxas da cabeça aos pés. 

Filbrius sempre me mandava fazer demonstrações de golpes de luta a seus fregueses. Desafiava qualquer um de meu tamanho e peso a lutar comigo. Caso meu oponente fosse franzino, Filbrius apostava dinheiro. Se meu adversário parecia ter a mínima chance de vencer, Filbrius apostava apenas uma pequena quantidade de vinho. Na verdade, não me lembro de alguma vez ter perdido qualquer uma dessas lutas. Contudo perdi algumas para a criada (escrava de) Dimathra, Remisa. (Mas não se pode chamar nossos jogos de verdadeiras lutas greco-romanas, pois nesse tipo de luta não é permitido usar nem os pés nem as pernas.) Certa noite no ano de 79 d.C., a estalagem foi sacudida por três terremotos com intervalos de cerca de 45 minutos. O último tremor fez com que a construção começasse a ruir. Nós, da casa, corremos para a estrada onde Criltrenos, Dimathra e seus escravos se reuniram a nós. Ao sul o céu brilhava vermelho.

Criltrenos nos disse que todos iríamos imediatamente embora rumo ao norte. Disse-nos rapidamente ter lido que montanhas como o Vesúvio (perto de Pompéia) às vezes vomitavam fogo e as rochas derretidas e cinzas quentes podiam matar tudo ao redor num raio de quilômetros. Deixamos Filbrius sentado na estrada olhando para o sul, ainda tentando decidir-se a ir ou ficar. A estrada para o norte seguia a costa. O oceano acabara de entrar no campo de visão quando o Vesúvio entrou em erupção. A onda de choque que se seguiu derrubou muitos de nós. O ar ficou quente e mal conseguíamos respirar. A erupção do Vesúvio durou quase dois dias. 

pompeia-escavacoes

Escavações em Pompéia

Continuamos em direção ao norte. Eu me revezava ajudando minha mãe e Dimathra. As duas tinham dificuldades em andar tão rápido. Criltrenos me disse que se encontrássemos quaisquer patrulhas militares indo para o sul investigar a situação, eu deveria lhes dizer que era seu filho e que minha mãe era uma de suas escravas. No dia seguinte demos com várias patrulhas. Estavam ocupados em reunir escravos fugitivos, bem como em recolher quaisquer valores abandonados pelos que fugiam do sul. Levamos cerca de 16 dias para chegar a Roma. Uma semana depois, Dimathra morreu. Criltrenos esculpia e vendia seu trabalho com facilidade. Ajudei-o de todas as maneiras a meu alcance e eu mesmo aprendi um pouco da arte. Ganhei um pouco de dinheiro ensinando luta. Criltrenos vendeu as garotas escravas a uma ‘família boa.” Com as bolsas recheadas, compramos passagem num navio que ia para a Grécia. O navio primeiro pararia no Egito e a seguir na terra dos hebreus antes de navegar para Corinto. 

Durante nossa jornada, passamos pelo lugar no qual antes ficava Pompéia. O Vesúvio ainda estava lançando muita fumaça. Nosso navio também levava cerca de 15 legionários romanos a caminho da terra dos hebreus. Estavam muito infelizes com sua tarefa. Tínhamos uma pequena cabina e os soldados dormiam ao relento no convés. Nosso navio parou no porto de Alexandria, Egito, durante cerca de dois dias. O porão foi esvaziado de sua carga de passas e reabastecido com peles de crocodilo e um pouco de marfim. Ficamos a bordo do navio durante sua parada no porto. Criltrenos achava que parecíamos gordos demais, podendo ser confundidos com ricos mercadores gregos pelos ladrões egípcios que rondavam as docas. 

Quando saímos de Alexandria, uma nova vela impulsionava nosso navio. Os marinheiros romanos, gregos e hebreus estavam muito apreensivos com isso. Havia uma superstição segundo a qual uma viagem realizada com uma nova vela em geral acabava em tragédia, mas nas viagens subseqüentes a idade da vela não tinha importância. Para tranqüilizar sua tripulação, o capitão romano pegou um pequeno pedaço da vela velha e mandou costurá-lo na nova. Ouvi um dos marinheiros dizer: “Ele acha que esse truque vai adiantar? Os deuses vão ver através dela, não acha?” 

Dias depois, com a terra dos hebreus à vista, nosso navio — com sua nova vela — afundou numa tempestade. Minha mãe e Criltrenos desapareceram. Apenas um marinheiro de ascendência romana e hebréia e eu sobrevivemos nadando até a praia. Ficamos na praia na chuva esperando para ver se mais alguém conseguiria chegar à praia. Enquanto esperávamos, ele disse: “Eu disse a eles que aquele navio era um lixo” [tradução amena – W.B.]. Eu tinha uma sensação angustiante do que vocês denominam déjà vu. O nome de meu companheiro sobrevivente era Ralno. Nascera nessa terra de mãe hebréia e de um legionário romano que, em 73 d.C., foi um dos que sitiaram a fortaleza zelote de Massada. O resultado daquele sítio foi a tomada, por parte dos romanos, dessa fortaleza natural depois que 960 ou mais de hebreus zelotes cometerem suicídio. 

Pessoas de sua terra natal que sabiam da outra metade de sua ascendência transformaram Ralno num indesejável. Por isso, ele saiu de casa aos 12 anos e foi ser marinheiro. Eu estava grato por sua companhia, e ele pela minha. Vivíamos do que a terra oferecia isto é, roubávamos galinhas e saqueávamos pomares na escuridão da noite. Éramos apenas dois entre as centenas dos que viviam daquele modo em todo o país na época. Os fazendeiros protegiam seu gado com cães de guarda, mas se esforçavam muito pouco para guardar os pomares. Seu raciocínio era que, de qualquer forma, qualquer tropa de soldados romanos que estivesse passando pegaria o que quisesse das plantações. Com o passar do tempo. percebemos que o número de cães de guarda estava diminuindo. 

Enquanto estive com Ralno, aprendi muito sobre a religião de sua mãe hebréia. Ele preferia os deuses romanos porque cada um deles estava “encarregado” de diferentes aspectos da vida, ao passo que o deus de sua mãe tinha controle total sobre tudo. Concluiu que a vida era difícil porque um único deus estava sobrecarregado e não era capaz de manter tudo em ordem. Uma vez ele disse que se o deus de sua mãe quisesse recompensar ou punir alguém, simplesmente ouvia suas preces! Acabamos encontrando trabalho de colhedores de grãos na época da apanha. Nosso pagamento consistia apenas em nossa comida. De nossos colegas de trabalho ouvimos falar daqueles cristãos encrenqueiros. Lembrei-me com carinho de Dimathra, a única cristã que já conhecera. 

Ralno viajara para muitas partes do mundo conhecido. Recontou com certo orgulho ter sido um dos remadores que levaram o general romano Agrícola às Ilhas para se tornar o governador da Bretanha. Ralno tinha dois vícios, que eram ir a bordéis e beber vinho. Estava frustrado porque não tinha dinheiro para nenhum dos dois. Chegou ao ponto de passar a traçar planos para roubar e matar, se fosse preciso, para pôr as mãos em alguns siclos.Várias vezes convenceu-me a ajudá-lo a iniciar uma incursão criminosa, mas por alguma razão nenhum ricaço veio andando pela estrada na calada da noite rolando um barril cheio de ouro. 

Descartamos a idéia de ser marinheiros, pois as chances de ser contratado para a bordo de um navio eram muito pequenas. Havia muito mais marinheiros do que navios precisando de seus serviços. Tinha certeza de que se voltasse para o mar, seria apenas questão de tempo ele ir parar num túmulo aquático.Para sair da pobreza Ralno entrou no exército romano. Deu-me algumas moedas que recebera como pagamento de alistamento. 

Mais ou menos um dia depois de me despedir de Ralno fui para os campos para evitar encontrar algum romano que poderia me forçar a entrar em alguma equipe de trabalho. No decorrer de minha jornada, dei com um velho camelo com um fiapo de vida em si. Ele me seguiu. Quando parei de noite, deitou-se a vários metros de mim. O camelo tinha várias marcas estranhas no corpo. Conclui que o animal fora solto por um árabe que achou que ele estava doente e prestes a morrer. Somente um árabe soltaria o camelo. Vários dias depois meu amigo estava quase recuperado. A medida que andava, comecei a falar com meu companheiro quadrúpede. 

vesuvio-1944-_-01

Erupção do Vesúvio em 1944

Contava-lhe a história de minha vida quando ele saiu em disparada. Seu destino era uma fila de 12 camelos muito carregados que atravessava nosso caminho rumo ao litoral. Seus donos eram um grupo de hebreus. Os homens me examinaram e decidiram que eu era grego. Não os corrigi. Passaram algum tempo resolvendo o que fazer comigo. Pensei que estavam tramando alguma coisa que não queriam que os romanos soubessem. Um deles tirou uma espada curta romana e outro amarrou-me as mãos para atrás. Insistiram que fosse com eles e que não lhes criaria problemas. Quando me revistaram, encontraram as moedas. Quando devolveram as moedas à minha bolsa, senti que pouco tinha com o que me preocupar. 

Várias horas depois, chegamos a uma pequena enseada onde havia vários barcos abicados. Um navio balouçava nas ondas ao largo da costa. A tripulação grega estava nervosa porque meus captores estavam atrasados. Quando os camelos foram descarregados, vi que as cargas consistiam de espadas, pontas de lança e cabeças de flechas romanas recém-adquiridas de um arsenal romano. Os que guardavam o arsenal estavam agora recebendo novas ordens de Marte, o deus romano da guerra, na outra vida. Os hebreus me entregaram ao capitão grego do navio, que sabia que eu não era grego nativo. Ajudei-os a carregar os botes que levariam o saque ao navio.

Navegamos naquela noite e descarregamos nossa carga em outra praia. Os que receberam a carga faziam parte de um bando multirracial composto em sua maior parte de hebreus, alguns negros e até mesmo um ou dois egípcios. Nosso navio, agora vazio, foi rumo à Grécia. Perguntei ao capitão a idade de sua vela. Ele riu e respondeu: “Já esteve no mar, não é?’ Calculei minha partida da Palestina no ano de 81 d.C., quando contava cerca de 20 anos. O Coliseu de Roma foi concluído no ano anterior e descrições dele haviam chegado rapidamente aos confins do império, O imperador Tito morreu posteriormente naquele ano e Domiciano (seu irmão) o substituiu. 

Na Grécia arranjei emprego primeiro na construção de navios, depois cortando lenha para construí-los. Certo outono, quando minha equipe de corte de madeira saiu de uma área, fiquei para trás com um viúvo chamado Scora. Trabalhei tanto como pastor bem como fabricante de couro. Certo dia acidentalmente me cortei ao raspar uma pele e a ferida infeccionou. Cai de cama com febre e depois de vários dias morri enquanto dormia. O ano era 88 d.C. e eu provavelmente tinha 27 anos. 

SEIS TIOS, O TOLTECA (América Central)

Era por volta do ano de 784 d. C. Nasci no vale de Milho Verde no México e vivi lá com minha mãe, e meu pai, Serpente de Pedra. Chamava-me Seis Tios. Fazíamos parte do povo por vocês chamado tolteca. Devo contar-lhes a versão de Sharmarie de por que me chamava Seis Tios. Ele quer que vocês acreditem que meus pais estavam indecisos quanto a me dar o nome de um de seis tios ricos que, eles esperavam, se lembrariam deles no testamento. Então me chamaram Seis Tios para cobrir todas as possibilidades. Na verdade, contudo, recebi o nome porque meu pai tinha dois irmãos e minha mãe quatro, todos reconhecidos como grandes guerreiros. 

Antes de meu nascimento, o povo de minha tribo foi enviado pelos deuses ao sul numa missão. Nosso grupo ultrapassara a capacidade de nossa terra natal (norte do México) de nos prover o sustento. Antes da migração para o sul, consistíamos de inúmeras tribos isoladas que subsistiam principalmente da caça. A agricultura era praticada, mas poucos tinham a ambição de dedicar-se à trabalhosa ocupação. Meus ancestrais daquela época eram simplesmente indolentes, preferindo roubar os outros a se dedicar de corpo e alma a qualquer forma de trabalho.

Por necessidade, às vezes nossos caçadores viajavam grandes distâncias para o norte de nossa terra natal, tendo encontrado ancestrais das tribos que vocês conhecem como Hopi, Zuni, Apache e Navajo (todas tribos indígenas norte-americanas). Muitos caçadores nunca retornaram porque foram mortos pela terra inclemente ou pelo povo que molestaram, ou então eram assimilados por outras tribos. 

No tempo de meus avós, um grupo de 12 caçadores há muito tempo desaparecidos retornaram vestidos em roupas feitas de pano. Carregavam armas bem feitas e escudos pintados com desenhos jamais vistos. Contaram a seus parentes que estiveram com vários deuses, vindos a eles do céu dentro de um grande ovo. Descreveram os deuses como gigantes que escondiam os rostos por trás de máscaras que às vezes brilhavam como uma lua cheia (capacetes de sustentação de vida). Os deuses bondosos moram em seu ovo, mas se misturam com eles todos os dias e lhes dão comida e água. Disseram que os deuses construíram para eles uma caverna grande para morarem, que era fresca e confortável.  

ufo2

Em breve os “deuses” estarão retornando abertamente, voando em seus “ovos” prateados.

Durante sua permanência com os deuses, e depois que seus anfitriões começaram a conversar com eles, os caçadores aprenderam muitas coisas. Os deuses trouxeram muitas coisas mágicas para a caverna, algumas cintilavam como estrelas no céu. Os caçadores contaram aos deuses sobre os reveses de seu povo. Eles lhes deram, então, um desenho (mapa) do caminho que deviam percorrer, o qual acabaria por levá-los a uma terra nova e próspera. Disseram-lhes que saberiam o lugar pelo fato de que lá encontrariam “serpentes feitas de pedra.” Os deuses também deram aos caçadores sementes para plantar na nova terra. Depois de partilhar com os caçadores muitas outras formas de conhecimento, os deuses foram embora voando, deixando-os uma vez mais para defender-se por si mesmos. 

Os caçadores foram transformados em chefes de nosso povo. Visitaram outras tribos e narraram sua história do encontro com os deuses. Aqueles com quem entraram em contato acreditaram neles e consentiram ser reunidos numa única tribo. Essa nova tribo tinha 12 divisões, cada qual liderada por um dos 12 que tinha encontrado os deuses. Como o destino de nosso povo se chamasse “a terra das serpentes de pedra,” vários homens nascidos naquela época foram chamados Serpentes de Pedra, como meu pai. (Mas uma das motivações básicas da mudança da tribo para o sul se baseava na possibilidade de encontrar uma região que tivesse abundância de certos tipos de cactos, tais como agave, que pudessem fornecer-lhes um suprimento inesgotável de bebidas alcoólicas.) 

O plano de viagem esquematizado pelos deuses para os 12 chefes foi idealizado de tal maneira, que eles poderiam liderar o povo a certas regiões para se estabelecerem por vários anos para praticar agricultura, caçar e pacificamente assimilar quaisquer dos povos locais à tribo, antes de deixar o local e seus nativos em melhores condições do que quando os haviam encontrado. A primeira colônia se localizava nas praias agora denominado de Golfo do México. O local era chamado Atlan no mapa dos deuses (antigamente uma pequena parte do reino da Era Dourada que vocês chamam ATLÂNTIDA). 

Durante a permanência da tribo em Atlan, surgiu outro grupo dizendo também ter se encontrado secretamente com os deuses. Era uma mentira deslavada. Os impostores contaram que os deuses lhes disseram ter modificado seu plano de assimilação gradual de outros povos à nação tolteca porque era demorado demais. Esse povo, que afinal obteve o controle sobre os toltecas, estabeleceu uma religião que incluía o sacrifício humano. O novo plano era se mudar rapidamente para o sul, derrotar qualquer povo que encontrassem a caminho do local das serpentes de pedra e deixar para trás tropas militares para manter o controle sobre os povos derrotados. Posteriormente, o número de soldados das tropas militares deixadas em Atlan aumentou, e vários séculos depois assumiu uma nova identidade tribal. Chamavam a si mesmos de Aztecas e depois foram para o sul, para o vale do México, seguindo o exemplo de seus ancestrais toltecas. 

Os 12 chefes originais dos toltecas ficaram muito velhos e seus apelos à fidelidade ao plano original dos deuses passaram a não ser atendidos. Nenhum dos 12 chefes originais viveu o bastante para ver a terra das serpentes de pedra. Quatro anos depois da saída de Atlan, os toltecas vitoriosos entraram na antiga cidade agora chamada Teotihuacán (antiga Miradol). A distância podia-se ver fumaça subindo do vulcão atualmente denominado Popocatapetl. Naquela época a cidade se encontrava em estado muito precário, tendo uma população de cerca de 18 mil pessoas. Não opuseram resistência organizada aos toltecas. Teotihuacán abrigara muitas culturas diferentes durante sua longa existência, as tribos eram atraídas para lá pelos edifícios da cidade que, segundo acreditavam, foram construídos numa época antiga pelos deuses. As várias culturas que ocuparam a cidade numa época ou outra pereceram de doenças, fome ou vítimas de incontáveis conquistadores, dos quais os toltecas eram apenas os mais recentes. 

No dia em que os estandartes emplumados dos toltecas foram colocados no topo do edifício atualmente chamado pirâmide de Quetzalcoatl (decorada com serpentes emplumadas esculpidas em pedra), eles começaram a sacrificar a população da cidade. Não pararam até que mais de mil habitantes tinham sido mortos. [Esse banho de sangue foi provavelmente causado pela energia psíquica armazenada em Teotihuacán/Miradol desde a matança que se sucedeu no local após a destruição do planeta Maldek. – W.B.] Os chefes toltecas realmente tentaram reconstruir alguns dos edifícios da cidade, bem como concluir a construção da Pirâmide do Sol, como é agora chamada, deixada inacabada pelos gracianos depois da matança realizada pelos krates maldequianos logo após o início dos tempos. 

Nasci no período de três anos em que os toltecas ocuparam Teotihuacán. Eu era jovem demais para perceber o que estava ocorrendo quando fui aninhado nos braços de minha mãe durante sua fuga da cidade com milhares de outras pessoas. Os que olharam para trás viram quatro veículos espaciais gigantescos sobrevoando a cidade. Três eram discos negros; o quarto era prateado de forma triangular e portava o emblema da serpente emplumada. Os que estavam presentes contaram ter visto a cidade explodir em chamas. Quando os que ousaram retornar ao local foram lá meses depois, encontraram a cidade completamente enterrada sob vários metros de solo. O que agora pareciam colinas cobriam os antigos edifícios de Miradol. Lembro-me agora da afirmação de Opatel Cre’ator no dia em que visitamos Miradol durante minha primeira vida: “Quisera ter os meios de queimar e enterrar totalmente este lugar.” Não fazia idéia de quantas vezes Teotihuacán foi enterrada pela Federação e novamente tirada de baixo da terra por culturas posteriores durante sua longa história”. 

Durante sua conquista do México, Hernan Cortez, perseguido por dezenas de milhares de astecas, refugiou-se nas ruínas enterradas de Teotihuacán. Não sabia que os montes de solo que o circundavam e a seu bando na verdade continham edifícios antigos. Liderando um ataque encarniçado, Cortez capturou o chefe de guerra asteca Mulher Serpente. O exército asteca debandou e fugiu assustado. Acreditavam que Cortez adquirira poderes mágicos dos deuses na época em que acampou dentro da cidade enterrada. Depois da conquista, os astecas disseram a Cortez que a cidade de Teotihuacán fora encontrada enterrada quando os astecas chegaram ao vale do México cerca de 200 anos antes. Disseram que a cidade era um lugar “onde os homens iam dormir e despertavam na presença dos deuses.” 

Após Teotihuacán ser novamente enterrada na época da ocupação tolteca, passou a ser evitada e nunca mais foi ocupada por grande número de povos pré-colombianos. Somente depois da virada do século passado foram feitos esforços efetivos para se descobrir (desenterrar) outra vez o antigo local. Atualmente constitui uma grande atração turística. (Fico imaginando quando a Federação irá sepultá-la novamente.) Depois que os toltecas saíram de Teotihuacán, espalharam-se, reunindo-se em vários grupos menores. Muitos anos depois, os grupos novamente se reuniram por causa da guerra. A reunificação ocorreu quando eu tinha cerca de 14 anos de idade. 

teotihuacan-méxico

O complexo de Pirâmides construídas pelos gracianos, do planeta Gracyea, em TEOTIHUACAN, México.

O grupo de toltecas ao qual eu pertencia morava numa área atualmente denominada Yucatán. Dividíamos a região com os que vocês denominam Maias. Alguns de nossos líderes se casaram com integrantes da aristocracia Maia. Eu tinha por volta de 19 anos e casei-me com uma mulher Maia. Não tivemos filhos. Iniciara-me na atividade agrícola, cultivando principalmente milho e coco. Certo dia, quando estava bêbado, caí de uma árvore e fiquei bastante machucado. Meus três companheiros de copo, julgando-me morto, me enterraram vivo. 

MINHA VIDA ATUAL

Atualmente vivo no planeta Seron, localizado próximo aos confins da Federação. Vivo aqui há cerca de sete meses terrestres. Tenho cerca de 331 anos terrestres de idade. Sou casado e tenho dois filhos, uma menina e um menino (ambos com mais de 200 anos de idade). Minha mulher é de um planeta chamado Distra. Levaria cerca de 28 dias terrestres para viajar de minha localização atual até a Terra. Como mencionei no início de minhas narrativas, sou atualmente o 862° Senhor de Planejamento da Casa de Magail, uma subdivisão da Casa nodiana de Domphey. Ocupo-me muito pouco das atividades comerciais da casa de comércio. Meus deveres se relacionam principalmente com a atuação como intermediário entre seronianos e quaisquer visitantes de outros mundos empregados pela Casa de Magail. 

Em breve os numerosos tipos de gente de outros mundos serão substituídos por um tipo em particular com o qual os seronianos sejam o mais compatíveis possível. Daí por diante, mesmo essas pessoas de outros mundos irão embora à medida que seus cargos forem gradualmente preenchidos pelos próprios seronianos. Quando isso ocorrer, deixarei este planeta rumo a ainda outro planeta que está bem adiantado na fase quatro de contato com a Federação. Nasci nesta vida em meu mundo natal de Moor. Os serviços prestados à Casa de Domphey em minha primeira vida qualificaram-me para o cargo que ocupo atualmente. Tive várias opções de emprego, mas escolhi vir para a fronteira para ajudar no crescimento da casa de comércio e da expansão da Federação (n.T. e das civilizações que defendem a expansão da Luz no Cosmos). 

Manti-me a par das diversas mudanças ocorridas na Barreira de Freqüência na Terra. Parece que não vai demorar muito para ela se acabar e seremos capazes de conduzir uma conversa frente a frente. 

Até lá, Eu sou Nisor de Moor. 

INFORMAÇÕES ADICIONAIS sobre TEOTIHUACAN (Miradol)

Eu sou Macshallow-Brunto, 90º Senhor de Planejamento da Federação. Você se pergunta por que a Federação queimava e enterrava a cidade de Teotihuacán? 

Eis então minha resposta. Quando qualquer acontecimento emocionalmente carregado, tal como um assassinato, ocorre, a energia psíquica liberada no local do evento pela emoção dos participantes pode influenciar as moléculas de pedra e madeira nas redondezas de onde se deu o acontecimento. As moléculas atuam de modo semelhante ao revestimento numa fita de vídeo, pois certas condições de campo vital que ocorrem posteriormente (em ciclos) podem interagir com as moléculas que armazenam o registro do evento. O acontecimento pode então se repetir nessas épocas na forma de imagens holográficas, podendo serem vistos por algumas pessoas ou então sentidos por outras. E em virtude desse fenômeno que as pessoas da Terra vêem aparições. 

As construções de pedra e madeira contém registros muito bons de tais acontecimentos, pois em geral apresentam alguma regra matemática em suas dimensões. Mas quando uma construção é erigida segundo as regras da Geometria Sagrada (usada pelos gracianos que construíram tais edifícios), em especial uma construção de pedra, a estrutura fica mais bem harmonizada com a energia psíquica liberada, sendo, portanto, um veículo de armazenamento muito mais eficiente das imagens psiquicamente impressas. 

O acontecimento emocionalmente carregado do massacre das pessoas de Miradol em épocas muito antigas, após a destruição de Maldek, foi registrado nas moléculas da assim chamada Pirâmide da Lua, a Pirâmide de Quetzalcoatl e outras edificações do local proporcionadas e construídas pelos gracianos de acordo com as regras da geometria sagrada. Posteriormente, as emoções (energia psíquica) geradas por incontáveis sacrifícios humanos realizados nos arredores também foram absorvidas pelas moléculas dessas mesmas edificações. A reprodução desses acontecimentos terríveis no campo vital universal poderia acarretar desmedidos sentimentos de infelicidade a muitas pessoas sensíveis do planeta. Em alguns casos, tais reproduções psíquicas adversas poderiam inspirar violência desenfreada. 

Ao queimar e enterrar uma edificação de construção sagrada, os efeitos de qualquer forma de registro akáshico no campo vital pode ser enfraquecido ou totalmente anulado, pois o solo contém ingredientes que interagem com água e luz do Sol, fazendo com que as sementes se transformem em plantas vivas ativas (na vida) no campo vital universal. Uma semente encerra em si muitos fatores relativos à geometria sagrada [veja os números e proporções de Fibonacci (ø 1 .6.8……..) referentes a plantas e animais]. Portanto, o solo que sustenta a vida que encobre uma edificação construída segundo as regras da geometria sagrada pode, na maioria dos casos, suprimir a repetição akáshica de quaisquer acontecimentos passados armazenados nas moléculas da edificação. 

Miradol-Gracianos

Na Grande Pirâmide de Gizé, a remoção de seu cume de cristal Astrastone, a pedra de topo, teve o mesmo resultado que teria se ela fosse enterrada no solo. A ausência do cume da pirâmide distorceu a matriz de energia da construção, destruindo sua capacidade de captar e transmitir qualquer forma de energia…  Reconstruções imprecisas de edificações de Teotihuacán ajudaram a reduzir a capacidade antes perfeita da edificação de reproduzir acontecimentos passados. Portanto, é muito pouco provável que a cidade seja novamente enterrada pela FEDERAÇÃO. 

Eu Sou Macshallow-Brunto, da Federação Galáctica. 

Saiba mais em:

  1. http://thoth3126.com.br/maldek-e-nibiru-mais-dois-planetas-de-nosso-sistema-solar/ 
  2. http://thoth3126.com.br/category/maldek/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *