browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O Livro perdido de Enki – 13ª Tabuleta

Posted by on 24/05/2016

Livroperdidode-Enki

O Livro Perdido de ENKI – The Lost Book of Enki – Memórias e profecias   de um ”deus  extraterrestre

Faz cerca de 435.000 anos que alguns astronautas de outro planeta e sistema solar chegaram à Terra em busca de ouro. Depois de aterrissar num dos mares da Terra, desembarcaram e fundaram Eridú, “Lar na Lonjura”. 

Com o tempo, o assentamento inicial se estendeu até converter-se na flamejante Missão Terra, com um Centro de Controle de Missões, um espaçoporto, operações de mineração e, inclusive, uma estação orbital em Marte. Este livro conta a história desta saga extraterrestre, contada pelo próprio Enki.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O Livro Perdido de ENKI – The Lost Book of Enki – Memórias e profecias   de um ”deus  extraterrestre de Nibiru

http://www.bibliotecapleyades.net

Sinopse da Décima-Terceira Tabuleta

  1. Surgem cidades reais com recintos sagrados para os “deuses”.
  2. Os semideuses servem como reis e sacerdotes em palácios e templos.
  3. Marduk promete a seus reais seguidores uma vida eterna.
  4. Na Suméria, Inanna estimula a crença na Ressurreição.
  5. Augúrios celestiais e oráculos premonitórios ganham partidários.
  6. Marduk proclama a chegada da Era do Carneiro (2.308 a.C.) como o seu signo.
  7. Ningishzidda constrói observatórios de pedra para mostrar o contrário.
  8. Insurreições, guerras e invasões desestabilizam as terras enlilitas.
  9. Um emissário misterioso aparece a Enlil, prediz-lhe uma calamidade. Dá instruções a Enlil para que selecione a um Homem Digno (surge o patriarca Abraão) que lidere a sobrevivência humana na Terra.
  10. Enlil escolhe a Ibruum (Abraão), varão de uma família real sacerdotal.
  11. Os exércitos postos em armas por Nabu intentam conseguir o controle do espaçoporto.
  12. Desautorizando a Enki, os deuses recorrem às Armas de Terror. Ninurta e Nergal arrasam o espaçoporto (na Península do Sinai) e as cidades pecadoras (Sodoma e Gomorra, por volta de 2.025 a.C).
  13. À deriva da nuvem nuclear radioativa leva à morte a tudo na Suméria. 
  14. O Deus dos Montes e o Homem.

DÉCIMA-TERCEIRA TABULETA

Na Terceira (o Vale do Rio Indus) Região, a Humanidade Civilizada não floresceu de todo; Inanna desatendeu o que se lhe havia confiado; em seu coração, cobiçava outros domínios, não os que lhe tinham concedido. Quando, na conta de mil anos (2.760 a.C.), retirou a realeza a Unug-ki, quem tivesse previsto a calamidade que ia acontecer ao final do próximo milênio, quem poderia prever o desastre? 

Indus-Valley-Civilization,_Early_Phase_(3300-2600_BCE)

A “Terceira Região” onde foi implantada a civilização humana pelos “deuses” Anunnakis de Nibiru

Quem podia predizer que, em menos de um terço (1.200 anos) de um Shar (período-ano orbital de Nibiru de 3.600 anos), ia acontecer uma calamidade desconhecida, mas provocada pelos Anunnaki? Inanna daria início ao amargo fim; Marduk, como Ra, se comprometeria com o Destino mais uma vez (Karma).

Ninurta e Nergal liberariam com suas próprias mãos (as armas do) o inexprimível final! por que Inanna não ficou satisfeita com os domínios que lhe tinham concedido? Por que seguiu sem perdoar a Marduk? Viajando entre o Unug-ki e Aratta, Inanna não se sentia gratificada, estava inquieta; ainda chorava a morte de seu amado Dumuzi, seu desejo de amor seguia sem apagar-se. Quando voava, via a imagem trêmula de Dumuzi chamando-a nos raios do Sol, pela noite, lhe aparecia em visões-sonhos; Voltarei!, dizia-lhe. Lhe prometia as glórias de seus domínios na Terra dos Dois Estreitos (Egito e norte da África). No recinto sagrado do Unug-ki, Inanna estabeleceu uma Casa para o Prazer Noturno.

A este Gigunu atraía com enganos e doces palavras aos jovens heróis para as suas bodas: prometia-lhes larga vida e um ditoso futuro; ela imaginava que seu amante era Dumuzi. À manhã seguinte, a todos encontrava mortos na cama de Inanna. Foi então quando o herói Banda, ao que lhe tinha dado por morto, regressou ao Unug-ki vivo! Banda tinha retornado de entre os mortos por graça de Utu, de cuja semente ele era um descendente. Milagre! Milagre!, gritou Inanna excitada. Meu amado Dumuzi volta para mim! Na morada de Inanna se banhou Banda, com tecidos lhe colocaram um manto com franjas. Dumuzi, amado meu!, chamou-lhe Inanna. Atraiu-o até seu leito, enfeitada com flores.

Na manhã seguinte, quando viu que Banda estava vivo, Inanna gritou alegre: pôs-se em minhas mãos o poder de não morrer, através de mim se concedeu a imortalidade! Depois, Inanna decidiu chamar-se a si mesma de deusa, implicava o Poder da Imortalidade. Nannar e Ningal, os pais de Inanna, não estavam satisfeitos com sua autoproclamação; Enlil e Ninurta ficaram desconcertados com as palavras de Inanna; Utu, seu irmão, ficou pensativo. Não é possível se reviver os mortos!, disseram-se entre si Enki e Ninharsag. Nas terras de Ki-Engi, o povo elogiava a boa fortuna que tinham: Os deuses estão entre nós, eles podem abolir a morte! Assim se diziam uns aos outros entre as pessoas do povo.

Banda sucedeu a seu pai Enmerkar no trono do Unug-ki; Lugal, Homem Grande, foi seu título. A deusa Ninsun, da semente de Enlil, tomou para que fora seu marido, o herói Gilgamesh, filho de ambos, sucedeu a Lugal-Banda no trono de Unug-ki. À medida que passavam os anos e Gilgamesh se fazia maior, falava a sua mãe Ninsun da vida e a morte, se perguntava sobre a morte de seus antepassados, apesar de ser descendentes dos Anunnaki. Os deuses morrem?, Perguntou a sua mãe. Também eu, ainda sendo em duas terceiras partes divino, subirei ao muro (vou morrer) como um mero mortal? perguntava a ela.

Enquanto viva na Terra, a morte de um Terrestre te confundirá!, dizia-lhe Ninsun a seu filho. Mas se te leva ao Nibiru, obterá ali uma larga vida! Ninsun pediu ao Utu, o comandante, que se levasse a Gilgamesh ao Nibiru, Incessantemente o pediu Ninsun ao Utu, um dia atrás de outro o rogou: Que vá Gilgamesh ao Lugar de Aterrissagem!, aceitou por fim Utu. Para lhe guiar e lhe proteger, Ninharsag elaborou um (clone) idêntico de Gilgamesh. Enkidu, “Como por Enki Criado”, lhe chamaram, não era nascido de ventre, não tinha sangue em suas veias.

gilgamesh

Gilgamesh viajou com seu camarada Enkidu até o Lugar de Aterrissagem, Utu fiscalizou seu progresso com oráculos; na entrada do bosque de cedros, um monstro que cuspia fogo lhes bloqueou o caminho. Com truques conseguiram confundir ao monstro, romperam-no em pedaços. Quando encontraram a entrada secreta aos túneis dos Anunnaki, desafiou-lhes o Touro do Céu, uma criatura de Enlil de bufos mortais. O monstro lhes perseguiu até as portas de Unug-ki; Enkidu o derrotou ante as muralhas da cidade.

Quando Enlil ouviu isto, chorou em sua angústia; seus lamentos se escutaram nos céus de Anu; pois em seu coração sabia Enlil: Realmente mau era o augúrio! Enkidu foi castigado a perecer nas águas por ter dado morte ao Touro do Céu. Gilgamesh, por ter sido instruído pelo Ninsun e Utu, foi absolvido do crime. Procurando ainda a larga vida do Nibiru, Utu permitiu a Gilgamesh que entrasse no Lugar dos Carros celestiais. Depois de muitas aventuras alcançou a Terra do Tilmun, a Quarta Região; entrou em seus túneis subterrâneos, em um jardim de pedras preciosas se encontrou com Ziusudra!

Ziusudra relatou a Gilgamesh os acontecimentos do Dilúvio, revelou-lhe o segredo da longa vida. No manancial do jardim crescia uma planta que impedia que envelhecessem Ziusudra e sua esposa! Era única entre todas as novidades da Terra; um homem em seu pleno vigor a pode recolher, o Homem em sua Velhice ficará Jovem de novo! Esse é o nome da planta, disse Ziusudra a Gilgamesh. Um presente de Enki, com a bênção de Enlil, nos concedeu no Monte da Salvação! Quando Ziusudra e sua esposa estavam dormindo, Gilgamesh se atou pedras aos pés.

Inundou-se no manancial, tomou e arrancou a planta de Ser Jovem de novo. Com a planta em sua bolsa, atravessou precipitadamente os túneis, encaminhou-se para o Unug-ki. Quando estava cansado, dormiu; e uma serpente se viu atraída pela fragrância da planta. A planta fez que a serpente se aproveitasse de que Gilgamesh estava dormido; com a planta se desvaneceu. À manhã seguinte, ao descobrir sua perda, Gilgamesh se sentou e pôs-se a chorar. Voltou para o Unug-ki com as mãos vazias, ali morreu como um mortal.

Depois de Gilgamesh reinaram sete reis, mas no Urug-ki; logo, sua realeza tocou a seu fim. Foi exatamente quando se completou a conta de mil anos da Terra (2.760 a.C.)! A realeza da Primeira Região se transferiu ao Urim, a cidade de Nannar e Ningal. Marduk tinha muito em conta todos os assuntos do que acontecia nas outras Regiões. Ra estava inquieto com os sonhos e as visões de Inanna que aludiam aos domínios do Dumuzi. Estava decidido a rebater os planos de expansão da Inanna; encontrou muito que ponderar em questões de ressurreição e imortalidade. Resultava-lhe enormemente atrativo o pensamento da divindade, de modo que se anunciou a si mesmo como um grande deus!

Ra (Marduk) se enfureceu pelo que se tinha permitido a Gilgamesh, em boa medida um Terrestre, mas estimou um caminho mais hábil com o qual conservar a lealdade dos reis e do povo: Se aos semideuses lhes mostra o pórtico para a imortalidade, que aplique aos reis de minha região! Assim se disse Marduk, conhecido com o nome de Ra na Segunda Região: Que os reis de minha Região que sejam descendentes dos Neterus (Anunnakis), viajem ao Nibiru na Outra Vida! Isto decretou Ra em seu reino. Ensinou aos reis a construir tumbas orientadas para o leste, lhes ditou um comprido libero aos escribas-sacerdotes, nele se descrevia com detalhe a viagem à Outra Vida. 

anunnaki-movie (1)

No livro se contava como chegar ao Duat, o Lugar dos Navios Celestiais, como, dali, por meio de uma Escada ao Céu, viajar até o Planeta Imperecível, da Planta da Vida comer, beber até não poder mais das Águas da Juventude. Ra falou com os sacerdotes da chegada dos deuses à Terra. O ouro é o esplendor da vida!, disse-lhes. É a carne dos deuses!, disse Ra aos reis. Deu instruções aos reis para fazerem expedições ao Abzu e aos Domínios Inferiores para obterem ouro. Quando os reis de Ra conquistaram pela força das armas as terras que não eram suas, invadiu os reino de seus irmãos, fez nascer e crescer neles a ira.

O que está tramando Marduk, perguntavam-se os irmãos Anunnakis entre si, que vem a nos pisotear? Apelaram a seu pai Enki (então conhecido por Ptah), seu pai, Ra (Marduk) não escutou. Ra ordenou aos reis de Magan e Meluhha que capturassem todas as terras adjacentes, o plano de seu coração era ser o senhor das Quatro Regiões. A Terra é minha, para que eu a governe! Assim, inflexivelmente, falou com seu pai. Vem agora o relato de como Marduk declarou sua própria supremacia e construiu Babili, e de como Inanna, ao mando de reis guerreiros, fez correr sangue e permitiu sacrilégios.

Depois que se transferisse a realeza desde o Unug-ki ao Urim, Nannar e Ningal sorriram sobre o povo. Como correspondia a sua Fila de Trinta, a Nannar se adorava como deus da Lua; decretou doze festividades cada ano, igual ao número de meses da Lua em um ano, a cada um dos doze grandes Anunnaki lhe dedicou um mês e sua festividade. Por toda a Primeira Região, aos deuses Anunnaki, maiores e menores, lhes construíram santuários e lugares de culto, o povo podia orar diretamente a seus deuses.

Na Primeira (Suméria) Região, a civilização do Ki-Engi se difundiu às terras vizinhas, nas Cidades do Homem se designou aos governantes locais como Governadores Justos; artesãos e granjeiros, pastores e tecelões, intercambiavam seus produtos por todas as partes, se decretaram leis de justiça, honraram-se contratos de comércio, de esponsais e de divórcio. Nas escolas, os jovens estudavam, os escribas tomavam nota de hinos, provérbios e da sabedoria. Havia abundância e felicidade nas terras; também havia disputas e usurpações. 

Enquanto isso, Inanna vagava com sua nave celeste de terra em terra; cerca do Mar Superior pulava com Utu. Foi aos domínios de seu tio Ishkur, Dudu, Amado, chamava-lhe. Inanna tomou carinho  às pessoas que viviam na planície superior dos dois rios; resultava-lhe agradável o som de sua língua, aprendeu a falar sua linguagem. Eles a chamavam pelo nome do planeta Lahamu (Vênus) em sua língua, Ishtar, à sua cidade, Unug-ki, chamaram Uruk; Dudu, como Adad, pronunciavam em sua linguagem. Sem, Senhor dos Oráculos, chamaram a seu pai, Nannar; à cidade Urim a chamaram Ur. Shamash, Sol Brilhante, chamaram Utu em sua língua, também lhe adoravam.

A Enlil, chamavam-lhe Pai Enlil, Nibru-ki era para eles Nippur; Ki-Engi, Terra dos Vigilantes Nobres, foi chamada em sua linguagem Sumer. No Sumer, a Primeira Região, a realeza rodava entre as cidades; na Segunda Região (Egito e norte da África), Ra-Marduk não permitia a diversidade, ele desejava reinar sozinho. O maior do Céu, primogênito que está na Terra! Assim queria ser reconhecido pelos sacerdotes. O principal deus desde os primeiros tempos! Assim decretou que lhe chamassem nos hinos; o senhor da eternidade, que criou a eternidade, que preside sobre todos os deuses. Aquele que não tem igual, o grande solitário e único!

Assim se situava a si mesmo Marduk-Baal-Lúcifer, como , acima de todos os outros deuses, por si mesmo se atribuía seus poderes e atributos: Sou como Enlil quanto a senhorio e decretos, como Ninurta na enxada e no combate; como Adad pelo raio e o trovão, como Nannar por iluminar a noite; como Utu sou Shamash, como Nergal reino sobre o Mundo Inferior; como Gibil, conheço as profundidades douradas, de onde cobre e prata vêm; como Ningishzidda mando sobre os números e suas contas, os céus falam de minha glória! Os líderes Anunnaki se alarmaram enormemente com estas autoproclamações, os irmãos de Marduk falaram com seu pai Enki, Nergal transmitiu a Ninurta suas preocupações. O que é que passa?, disse Enki a seu filho Marduk. Inauditas são suas pretensões!

Marduk_and_pet

Representação suméria do “deus” Marduk (Rá-Baal-Lúcifer) e seu dragão.

Os céus, os céus falam de minha supremacia!, respondeu-lhe Marduk a seu pai Enki. O Touro do Céu, signo da constelação de Enlil, foi morto por seu próprio descendente, nos céus, a era do Carneiro (Áries), minha era, está chegando, os augúrios são inequívocos! Em sua morada, no Eridú, Enki examinou o círculo das doze constelações, no primeiro dia da primavera, o começo do ano, observou-se atentamente o amanhecer; aquele dia se elevou o sol nas estrelas da constelação do Touro. No Nibru-ki e no Urim, Enlil e Nannar fizeram as observações, no Mundo Inferior, onde tinha estado a Estação dos Instrumentos, Nergal testemunhou os resultados: O tempo do Carneiro ainda é remoto, segue sendo a Era de Touro de Enlil!

Em seus domínios, Marduk não se abrandava em suas afirmações. Nabu lhe ajudou, não enviou seus emissários aos domínios, para anunciar às pessoas que seu tempo tinha chegado. Os líderes Anunnaki apelaram a Ningishzidda, como ensinar ao povo a observar os céus. Em sua sabedoria, Ningishzidda desenhou estruturas de pedra, Ninurta e Ishkur ajudaram-no a contruí-las. Nas terras povoadas, perto e longe, ensinaram aos povos terrestres como observar os céus, mostraram às pessoas que o sol seguia saindo na Constelação de Touro. Enki observava com pesar estes acontecimentos, analisava de que forma o Fado estava dando um giro imprevisto à ordem legítima: depois de declararem-se a si mesmos deuses, os Anunnaki ficaram dependentes do apoio da Humanidade!

Na Primeira Região, os Anunnaki decidiram unificar as terras com um único líder, desejavam um rei guerreiro. Confiou a Inanna, a adversária de Marduk, a tarefa de encontrar um homem adequado. Inanna indicou a Enlil um homem forte ao qual tinha conhecido e amado em suas viagens, Arbakad, comandante de quatro guarnições, era seu pai, sua mãe era uma suma sacerdotisa. Enlil lhe deu cetro e coroa, Sharru-kin, o Regente Justo, designou-lhe Enlil. Como uma vez se fez em Nibiru, se fundou uma nova cidade central para unificar as terras, Agadé (Acad), a Cidade Unificada, chamaram-na, não longe de Kish estava se localizada.

Enlil deu poderes ao Sharru-kin; Inanna acompanhava a seus guerreiros com armas de brilhantismo. Todas as terras, desde o mar Inferior até o Mar Superior, renderam obediência a seu trono, suas tropas se estacionaram nos limites da Quarta Região, para protegê-la. Com olho precavido observava Ra, sem pestanejar, a Inanna e Sharru-kin; depois, como um falcão, se arremeteu sobre sua presa: do lugar onde Marduk tinha pretendido construir a torre que alcançasse o céu, Sharru-kin considerou chão sagrado desde ali até a cidade de Agadé, para implantar nele o Objeto Brilhante Celestial. Enfurecido, Marduk se manteve sobre a Primeira Região, com Nabu e seus seguidores chegaram ao lugar da torre.

Do chão sagrado sou o único possuidor, por mim se estabelecerá um pórtico dos deuses! Assim, veementemente, anunciou Marduk, deu instruções a seus seguidores para que desviassem o rio. Levantaram diques e muralhas no Lugar da Torre, construíram o Esagil, Casa para o Deus Supremo. Babili, o Pórtico dos Deuses, chamou-a Nabu em honra a seu pai, Marduk se estabeleceu no coração do Edin, no meio da Primeira Região! A fúria de Inanna não teve limites; com suas armas infligiu a morte aos seguidores de Marduk. O sangue do povo, como nunca antes na Terra, corria como rios. Até o irmão Marduk, Nergal chegou a Babili, para lhe persuadir de que abandonasse Babili pelo bem do povo.

Esperemos pacificamente os verdadeiros sinais do céu!, disse-lhe Nergal a seu irmão. Marduk aceitou partir, viajou de terra em terra para observar os céus, Amun, o Invisível, passou a se chamar Ra-Marduk a partir de então na Segunda Região. Durante um tempo se aplacou Inanna, dois filhos do Sharru-kin foram seus pacíficos sucessores. Depois, subiu ao trono do Agadé o neto do Sharru-kin; Naram-Sem, Amado por Sem, lhe chamaram. Na Primeira Região, Enlil e Ninurta estavam ausentes, tinham ido às terras de além dos oceanos; na Segunda Região, Ra não estava, viajava como Marduk por outras terras. Inanna viu então uma oportunidade em suas mãos para fazer-se com todos os poderes, ordenou ao Naram-Sem que se apoderasse de todas as terras.

Deu instruções ao Naram-Sem para que partisse contra Magan e Meluhha, domínios de Marduk-Rá. Naram-Sem cometeu o sacrilégio de cruzar a Quarta Região com um exército de terrestres, invadiu Magan, tentou entrar no selado Ekur (a grande Pirâmide), Casa Que Como uma Montanha É. Enlil se enfureceu com seus sacrilégios e suas transgressões; lançou uma maldição contra Naram-Sem e Agadé: Naram-Sem morreu pela picada de um escorpião, por mandato de Enlil foi aniquilada Agadé. Isto aconteceu na conta de mil e quinhentos anos da Terra. Vem agora o relato da profecia de Galzu a Enlil, dada em uma visão; tratava da supremacia de Marduk, de como escolher a um homem para sobreviver a uma calamidade.

Depois que Marduk se converteu em Amun, desintegrou-se a realeza na Segunda Região, reinaram a desordem e a confusão; depois que Agadé fora aniquilada, na Primeira Região reinaram a desordem e a confusão. Na Primeira Região, a realeza estava sumida no desconcerto, transladavam-se das Cidades dos Deuses às Cidades do Homem, Unug-ki, Lagash, Urim e Kish, Isin e lugares mais longínquos, a realeza foi trocando. Depois, Enlil, depois de se consultar com Anu, depositou a realeza em mãos de Nannar; pela terceira vez se concedeu a realeza a Urim, em cujo lugar estava acostumado, para em seguida implantado o divino Objeto Brilhante Celestial.

Stonehenge_(sun)

STONEHENGE, na Inglaterra, é um dos calendários astronômicos erigidos pelos “deuses” Anunnakis na antiguidade.

No Urim, Nannar designou como rei a um homem justo e condutor de homens, seu nome era Ur- Nammu. Ur-Nammu estabeleceu a igualdade nas terras, pôs fim à violência e aos conflitos, em todas as terras fluiram então uma abundante prosperidade. Foi naquele tempo que, durante a noite, Enlil teve uma visão: Apareceu-lhe a imagem de um homem, era brilhante e resplandecente como os céus; aproximou-se e ficou de pé junto ao leito de Enlil, então reconheceu Enlil a Galzu, o do cabelos brancos!

Galzu sustentava na mão esquerda uma tabuleta de lápis lázuli, nela estavam desenhados os céus estrelados; os céus estavam divididos nos doze signos das constelações, Galzu os assinalava com a mão esquerda. Galzu deixou de indicar ao Touro para assinalar ao Carneiro; três vezes repetiu o movimento. Depois, na visão-sonho, Galzu falou e disse a Enlil: O tempo justo da benevolência e da paz virá seguido pela maldade e o derramamento de sangue. O Carneiro de Marduk substituirá ao Touro de Enlil em três porções celestiais (um grau na abóbada celeste é igual a passagem de 72 anos, três graus, 216 anos), aquele que a si mesmo se declarou como Deus Supremo se apoderará da supremacia do governo na Terra.

Por decreto do Fado, acontecerá uma calamidade como nunca ocorreu antes na Terra! Como nos tempos do Dilúvio, terás que escolher a um homem justo e digno, por ele e por sua semente se preservará a Humanidade Civilizada, tal como pretende o Criador de Tudo Que É! Assim disse Galzu, o emissário divino, a Enlil na visão-sonho. Quando Enlil despertou da visão-sonho noturna, não havia nenhuma tabuleta junto a seu leito. Era um oráculo do céu, ou o imaginei tudo em meu coração? Perguntava-se Enlil a si mesmo. Não contou a visão-sonho a nenhum de seus filhos, Nannar entre eles, nem a Ninlil.

Entre os sacerdotes, no templo do Nibru-ki, Enlil inquiriu aos sábios celestiais sobre os céus e os astros, ao supremo sacerdote indicou a Tirhu, um sacerdote oracular. Era descendente do Ibru, neto do Arbakad, pertencia à sexta geração de sacerdotes do Nibru-ki, estavam casados com as filhas reais dos reis do Urim. Vê o templo de Nannar no Urim, observa o tempo celestial nos céus: Setenta e dois anos da Terra é a soma de uma Porção Celestial, toma cuidadosa nota do passo de três delas (216 anos)! Assim disse Enlil ao Tirhu, o sacerdote, fez-lhe contar o tempo profetizado. Enquanto Enlil refletia sobre a visão-sonho e seus portentos, Marduk ia de terra em terra.

Às pessoas ia falando de sua supremacia, ganhar seguidores era seu objetivo. Nas terras do Mar Superior e nas terras da fronteira do Ki-Engi, Nabu, o filho de Marduk, ia incitando ao povo; seu plano era apoderar-se da Quarta Região. Houve enfrentamentos entre os habitantes do oeste e os habitantes do leste, os reis formaram hostes de guerreiros, as caravanas deixaram de andar, se levantaram as muralhas nas cidades. Está ocorrendo o que Galzu predisse! Disse Enlil a si mesmo. Enlil pôs seu olhar sobre o Tirhu (o Terá bíblico, filho de Naor e pai de Abraão) e seus filhos, descendentes de digna linhagem: Este é o homem a escolher, aquele que Galzu indicara, disse Enlil a si mesmo.

A Nannar, sem lhe revelar a visão-sonho, disse-lhe Enlil: Na terra entre os rios, de onde veio Arbakad, há uma cidade como Urim, será para ti e para o Ningal uma morada longe do Urim. Em sua metade, erige um santuário-templo, e ponha a seu cargo ao Príncipe-Sacerdote Tirhu! Atendendo à palavra de seu pai, Nannar fundou a cidade do Jarán na terra do Arbakad. Para que fora supremo sacerdote em seu santuário-templo enviou ao Tirhu, e a sua família com ele; quando se completaram duas porções celestiais das três profetizadas, Tirhu foi ao Jarán.

Naquele tempo, Ur-Nammu, a Alegria do Urim, caiu de seu carro e morreu nas terras ocidentais. Seu filho Shulgi lhe sucedeu no trono do Urim; Shulgi estava cheio de baixeza e de ânsia por batalhas. No Nibru-ki, ele mesmo se ungiu supremo sacerdote, no Unug-ki procurou os gozos da vulva de Inanna; incluiu em seu exército a guerreiros das terras montanhosas, que não serviam a Nannar, com sua ajuda, invadiu as terras ocidentais e ignorou a santidade do Centro de Controle de Missões dos Anunnakis (Jerusalém). Na sagrada Quarta Região pôs seu pé, Rei das Quatro Regiões se declarou a si mesmo.

mohenjodaro-01

Enlil se enfureceu pelas profanações, Enki e Enlil se falaram sobre as invasões. Os soberanos de sua região ultrapassaram todos os limites!, disse-lhe com rispidez Enki a Enlil. Sei filho Marduk é a fonte de todos os problemas!, replicou Enlil. Guardando para si ainda a visão-sonho, Enlil voltou sua atenção sobre o Tirhu. Enlil tinha posto o olhar sobre o Ibru-Um (Abraão), o filho maior do Tirhu. Ibruum era de ascendência principesca e valente, e estava familiarizado com os segredos sacerdotais. Enlil mandou Ibruum proteger os lugares sagrados e permitir as ascensões e descidas dos carros celestes dos deuses Anunnakis.

Logo que Ibruum partiu do Jarán chegou Marduk a essa cidade; ele também tinha observado as profanações, considerava-as como as dores de parto de uma Nova Ordem. Desde o Jarán, nas soleiras da Suméria, planejou seu golpe final, desde Jarán, situada nos limites dos domínios do Ishkur, dirigiu o levantamento dos exércitos. Depois de passar vinte e quatro anos terrestres de estadia no Jarán, Marduk, com lágrimas nos olhos, fez uma chamada ao resto dos deuses, fossem quais fossem seus ascendentes. Confessando suas transgressões, mas insistindo em seu senhorio, lhes disse assim:

OH deuses do Jarán, OH grandes deuses que julgam, conheçam meus segredos! Enquanto me rodeio a bandagem, recordo minhas memórias: Eu sou o divino Marduk (Baal-Lúcifer), um grande deus, em meus domínios sou conhecido como Ra. Por meus pecados fui ao exílio, às montanhas fui, por muitas terras perambulei, desde onde o sol se eleva até onde o sol se põe fui, até a terra do Ishkur cheguei. No meio de Jarán me aninhei durante vinte e quatro anos, em seu templo procurei um augúrio. Até quando?

Pedi um augúrio no templo a respeito de meu governo. Seus dias de exílio terminaram! Dirijo-me ao oráculo no templo. OH grandes deuses que determinam os fados, deixem que eu me encaminhe a minha cidade, que estabeleça em meu templo Esagil uma morada imperecível, que instale um rei no Babili; que se reúnam em minha casa todos os deuses Anunnaki, que aceitem a minha aliança! Assim anunciou Marduk sua chegada aos outros deuses, confessando e apelando. Os deuses Anunnaki se inquietaram e se alarmaram ante a chamada da submissão feita por Marduk.

Enlil convocou a todos para uma grande assembléia para tomar conselho. Todos os líderes Anunnaki se reuniram em Nibru-ki; também foram Enki e os irmãos de Marduk. Todos estavam inquietos pelos acontecimentos, todos se opunham a Marduk e a Nabu. No conselho dos grandes deuses, as acusações se desenfrearam, as recriminações enchiam a câmara. Ninguém pode impedir o que se aproximava; aceitemos a supremacia de Marduk!, unicamente Enki aconselhou. Se se aproximar o tempo do Carneiro (Era astronômica de Áries iniciada em 2.308 a.C), privaremos Marduk do Enlace Céu-Terra! Propôs Enlil irado.

Todos, salvo Enki, concordaram em arrasar o Lugar dos Carros Celestiais; Nergal sugeriu para isso utilizar as Armas de Terror; só Enki se opôs: Da decisão, a Terra transmitiu as palavras a Anu em Nibiru; Anu repetiu as palavras à Terra. O que estava destinado (pelo Criador de Tudo Que É) a ser, fracassará pela decisão de se fazer ao contrário pelos Anunnaki! Assim falou Enki enquanto partia. Para levar a cabo a maldade escolheu-se a Ninurta e a Nergal. Vem agora o relato de como o Fado e o Destino osquestrou, passo a passo, em tempos já esquecidos, para que acontecesse a Grande Calamidade! Fique agora registrado e recordado para sempre:

Quando se tomou a decisão de usar as Armas de Terror, Enlil guardava dois segredos para si: A ninguém, antes que se tomasse a terrível decisão, revelou-lhe Enlil o segredo da visão-sonho que tivera com Galzu; a ninguém, até que se tomou a fatídica decisão, tinha-lhe revelado Enlil seu conhecimento do lugar onde se ocultava o terror! Quando, a despeito de todo os protestos, o conselho permitiu o uso das Armas do Terror, quando Enki, zangado e muito turbado abandonou a câmara do conselho, Enki sorria em seu coração: Só ele sabia onde estavam ocultas as armas!

arriving-anunnakis-lg

Assim acreditava Enki. Pois foi ele, antes que Enlil chegasse à Terra, que ocultou as armas, junto com Abgal, em um lugar desconhecido. Enki não sabia que Abgal contou o lugar a Enlil durante seu exílio! Quando Enki se inteirou deste segundo segredo, deu refúgio em seu coração a um desejo: Que, depois de tanto tempo guardadas, o terror das armas tivesse se evaporado! Pouco esperava Enki que as armas com tão larga estadia fossem provocar uma grande calamidade como nunca antes se havia conhecido na Terra. E assim foi que, sem necessidade de Enki, Enlil revelou aos dois heróis o lugar da ocultação das Armas (Bombas atômicas) do Terror:

As sete Armas de Terror moram em uma montanha!, disse-lhes Enlil. Moram no interior de uma cavidade da terra, é necessário revesti-las com o terror! Depois, Enlil lhes revelou o segredo de como despertar às armas de seu profundo sono. Antes que os dois filhos, um de Enlil, um de Enki, partissem para o lugar oculto, Enlil lhes deu palavras de advertência: antes que se usem as armas, o lugar dos carros deve estar vazio de Anunnakis; as cidades devem ser perdoadas, as pessoas não devem perecer!

Em sua nave celeste, Nergal se dirigiu ao lugar oculto, Ninurta se atrasou por causa de seu pai. Enlil desejava lhe dizer uma palavra a seu filho a sós, lhe revelar a ele sozinho um segredo: falou com Ninurta da profecia de Galzu e da eleição do Ibruum. Nergal é irrefletido, te assegure de que as cidades sejam perdoadas, terás que advertir ao Ibruum!, disse-lhe Enlil a Ninurta. Quando Ninurta chegou ao lugar das armas, Nergal já as tinha tirado da cavidade, enquanto despertava seus MEs do comprido sono, Nergal deu um nome de trabalho a cada uma das sete: à primeira arma a chamou A Que Não Tem Rival; à segunda, chamou-a de Ardorosa; à terceira a chamou de A Que Desmorona com Terror; Fundidora de Montanhas chamou à quarta; Vento Que Busca os Limites do Mundo chamou à quinta; A Que Acima e Abaixo a Ninguém Perdoa foi chamada a sexta; a sétima se encheu com um monstruoso veneno, chamou-a Vaporizadora dos Seres Viventes.

Com a bênção de Anu lhes deram as sete armas do Terror a Nergal e a Ninurta, para com elas causar a destruição. Quando Ninurta chegou ao lugar das Armas de Terror, Nergal estava disposto para destruir e aniquilar. Eu matarei ao filho, eu aniquilarei ao pai!, gritava Nergal com ares de vingança. As terras que cobiçam se desvanecerão, destruirei as cidades pecadoras! Valente Nergal, destruirá ao justo com o injusto?, perguntou-lhe Ninurta a seu camarada. As instruções de Enlil são claras! Eu levarei o rumo aos objetivos selecionados, você me seguirás detrás!  A decisão dos Anunnaki me é conhecida!, disse Nergal a Ninurta. Ambos esperaram o sinal de Enlil durante sete dias e sete noites.

Tal como era sua intenção, quando terminou sua espera, Marduk voltou para Babili, em presença de seus seguidores, providos com armas, declarou sua supremacia sobre os deuses e a Terra; a conta de anos terrestres era então de mil setecentos e trinta e seis (ano 2.025 a.C). Naquele dia, naquele fatídico dia, Enlil enviou o sinal a Ninurta; Ninurta partiu para Monte Mashu, depois dele ia Nergal. O Monte e a planície, no coração da Quarta Região, inspecionou Ninurta dos céus. Com o coração encolhido, fez um sinal a Nergal: Fique aí!, assinalou-lhe. Então, Ninurta soltou dos céus a primeira arma de terror; com um resplendor, o topo do Monte Mashu se rachou, as vísceras do monte se fundiram em um instante.

Sobre o Lugar dos Carros Celestiais liberou a segunda arma, com o resplendor de sete sóis, as rochas da planície se converteram em uma ferida aberta, a Terra se sacudiu e se desmoronou, os céus se obscureceram depois do resplendor; a planície dos carros celestiais se cobriu de pedras queimadas e trituradas, de todos os bosques que tinham rodeado a planície, só três troncos ficaram em pé. Feito!, exclamou Ninurta da nave celeste, seu Divino Pássaro Negro. Do controle que Marduk e Nabu tanto cobiçavam lhes privou para sempre! Então, Nergal desejou emular a Ninurta, seu coração lhe urgia a ser Erra, o Aniquilador; seguindo o Caminho do Rei, voou até o verde vale das cinco cidades.

Nergal planejava esmagar o verde vale onde Nabu estava convertendo às pessoas, esmagá-lo como um pássaro enjaulado! Sobre as cinco cidades, uma atrás de outra, Erra enviou uma arma de terror dos céus, destruiu por completo as cinco cidades do vale, converteram-se em desolação. Com fogo e enxofre foram arrasadas, tudo o que ali vivia se converteu em vapor. Com tão terríveis armas, as montanhas se vieram abaixo, a barreira que continha as águas do mar se partiu, as água do mar se derramou no vale, o vale ficou alagado pelas águas; quando as águas se derramaram sobre as cinzas das cidades, elevou-se o vapor para os céus.

bomba_nuclear

Feito!, gritou Erra-Ninurta em sua nave celestial. No coração do Nergal já não havia vingança. Inspecionando sua maligna obra, os dois heróis ficaram confundidos com o que viram: os resplendores foram seguidos pelo obscurecimento dos céus, depois ficou o vento da tormenta. Formando redemoinhos dentro de uma escura nuvem, um Vento (radioativo) Maligno levava a penumbra dos céus, com o transcurso do dia, o Sol desapareceu sobre o horizonte com a escuridão, com a noite, um pavoroso resplendor desenhava suas bordas, fez desaparecer à Lua quando saía.

Quando chegou o amanhecer do dia seguinte, do oeste, do Mar Superior, ficou a sopro um vento de tormenta, a nuvem marrom escura se dirigiu para o leste, para as terras habitadas se estendeu a nuvem; ali aonde chegava, trazia sem misericórdia a morte a tudo o que vivia; do Vale de Sem, sem compaixão, engendrada pelos resplendores, a morte foi transportada para a Suméria. Ninurta e Nergal deram a voz de alarme a Enlil e Enki: Implacável, o Vento Maligno leva a morte a todos! Enlil e Enki transmitiram o alarme aos deuses da Suméria: FUJAM!

Fujam, escapem!, gritaram a todos. Que se disperse todo o povo! Que o povo se oculte! Os deuses fugiram de suas cidades, como pássaros assustados escaparam de seus ninhos. Os habitantes das terras caíram sob as garras do Vento Maligno; inútil foi sua tentativa de fuga. Sigilosa era a morte, (a radioatividade) atravessava os muros mais grossos como as águas de uma  inundação, não havia porta que pudesse lhe deixar fora, nem ferrolho que pudesse lhe impedir entrada. Aqueles que, por detrás de portas fechadas, ocultaram-se dentro de suas casas, como moscas caíram mortos, aqueles que fugiram às ruas, nas ruas amontoaram seus cadáveres.

Os pulmões cheios de cuspes e escarros, as bocas transbordantes de saliva e espuma escura; quando o Vento Maligno apanhava às pessoas sem ser visto, suas bocas se empapavam em sangue. Lentamente soprou o Vento Maligno sobre as terras, cruzou do oeste a leste sobre planícies e montanhas; matando tudo o que vivia, depois dele ficava tudo morto e moribundo, a população, vegetação e animais pereciam por igual. As águas se envenenaram, nos campos morreu toda vegetação. Desde o Eridú no sul até o Sippar no norte, o Vento Maligno arrasou o país da Suméria. Babili, onde Marduk tinha declarado a sua supremacia, livrou-se do Vento Maligno.

Continua …

Saiba mais em:

  1. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-genesis-e-adao-e-eva/
  2. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-livro-perdido-de-enkiea/
  3. http://thoth3126.com.br/nibiru-crop-circle-enki-ea-na-italia/
  4. http://thoth3126.com.br/o-genesis-e-a-epopeia-de-gilgamesh/
  5. http://thoth3126.com.br/o-iraque-babilonia-ira-persia-e-a-luta-pela-heranca-extraterrestre/
  6. http://thoth3126.com.br/maldek-e-nibiru-mais-dois-planetas-de-nosso-sistema-solar/
  7. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-genesis-e-adao-e-eva/
  8. http://thoth3126.com.br/conselho-de-nibiru-parte-i/
  9. http://thoth3126.com.br/conselho-de-nibiru-parte-ii/
  10. http://thoth3126.com.br/cientistas-encontram-genes-extraterrestre-em-dna-humano/
  11. http://thoth3126.com.br/cidades-annunaki-encontradas-na-africa/
  12. http://thoth3126.com.br/os-quatro-rios-do-eden-o-paraisoe-din-e-nibiru/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

2 Responses to O Livro perdido de Enki – 13ª Tabuleta

  1. Eminem

    Great blog! Do you have any tips and hints for aspiring writers?
    I’m hoping to start my own site soon but I’m a little lost on everything.
    Would you propose starting with a free platform
    like WordPress or go for a paid option? There are so many options
    out there that I’m completely confused .. Any suggestions?
    Bless you!

  2. Roger Malahi

    Vc só. Pode ser o deus filho de Enki Ningishzida(O Escriba)para informar as pessoas sobre tais coisas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *