browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O Livro perdido de Enki – 8ª Tabuleta

Posted by on 04/05/2016

Livroperdidode-EnkiO Livro Perdido de ENKI – The Lost Book of Enki– Memórias e profecias   de um ”deus  extraterrestre

Há cerca de 435.000 anos que astronautas de outro planeta e sistema solar chegaram à Terra em busca de ouro. Depois de aterrissar num dos mares da Terra, desembarcaram e fundaram Eridú, “Lar na Lonjura”. 

Com o tempo, o assentamento inicial se estendeu até converter-se na flamejante Missão Terra, com um Centro de Controle de Missões, um espaçoporto, operações de mineração e, inclusive, uma estação orbital em Marte. Este livro conta a história desta saga extraterrestre, contada pelo próprio Enki.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Sinopse da Oitava Tabuleta

  1. A ampla compreensão de Adapa assombra aos sábios em Nibiru. Por ordem do Anu, levam Adapa ao planeta Nibiru. 
  2. A primeira viagem espacial (a Nibiru) de um Terrestre. 
  3. Enki revela a Anu a verdade da sua paternidade de Adapa. Enki justifica sua ação pela necessidade de produção de alimentos. 
  4. Se envia de volta Adapa à Terra para que comece com a agricultura de cereais e o pastoreio de animais. 
  5. Enlil e Enki criam sementes de cultivo e linhagens de ovelhas. Ninurta ensina o cultivo a Ka-in.
  6. Marduk ensina a Abael o pastoreio e a elaboração da lã. Lutando pela água, Ka-in golpeia e mata ao seu irmão Abael. 
  7. Ka-in é julgado por assassinato e sentenciado ao exílio. 
  8. Adapa e Titi têm outros descendentes que se casam entre eles. 
  9. Em seu leito de morte, Adapa benze a seu filho Sati (Seth) como seu herdeiro. 
  10. Um descendente, Enkime, é levado a Lahmu (Marte) por Marduk. 
  11. Ninurta e seu símbolo da Águia Divina. 

Fonte: http://www.bibliotecapleyades.net

Partes anteriores em

  1. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki/
  2. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-atestado/
  3. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-primeira-tabuleta-parte-1/
  4. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-primeira-tabuleta-parte-2-final/
  5. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-terceira-tabuleta/
  6. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-quarta-tabuleta/
  7. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-quinta-tabuleta/
  8. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-sexta-tabuleta/
  9. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-setima-tabuleta/ 

A OITAVA TABULETA

Traga-se para Nibiru a Adapa, o Terrestre! Assim pronunciou sua decisão Anu. A Enlil não agradava essa decisão: Quem ia pensar que isto, que forjado um Trabalhador Primitivo, o ser se faria como nós, dotado de conhecimento (consciência), que entre o Céu e a Terra viajaria! Em Nibiru, beberá das águas da longa vida, comerá o alimento da longa vida, como um de nós, os Anunnaki, o ser da Terra, Adapa se converterá! Assim dizia Enlil a Enki e outros líderes. Enki tampouco estava de acordo com a decisão de Anu; depois da ordem dada por Anu, seu rosto ficou sombrio. depois do que falou Enlil, Enki se mostrou de acordo com seu irmão Enlil. É certo, quem o ia pensar! Assim disse Enki aos outros anunnaki. Os irmãos se sentaram e refletiram; Ninmah também se sentou com eles para deliberar. A ordem de Anu não se pode evitar!, disse-lhes ela.

Anunnaki-deuses-nunca-mais

Que nossos jovens acompanhem Adapa a Nibiru, seu medo a diminuir, explique tudo a Anu! Assim disse Enki aos outros. Que Ningishzidda e Dumuzi sejam seus acompanhantes, e que, de passagem, vejam com seus próprios olhos Nibiru pela primeira vez! Ninmah apoiou a sugestão: Nossos jovens, nascidos na Terra, estão se esquecendo de Nibiru, seus ciclos vitais se estão sendo superados pelos da Terra; viajem os dois filhos de Enki, sem casar ainda, a Nibiru, Possivelmente encontrem noivas ali para si mesmos! Quando chegou a Sippar a seguinte câmara celestial procedente do Nibiru, Ilabrat, um vizir do rei Anu, desembarcou da câmara celestial. Venho em busca do Terrestre Adapa! Assim disse aos líderes da Terra. Os líderes apresentaram Adapa ao Ilabrat; também mostraram a Titi e a seus filhos.

Certamente, eles são feitos à nossa imagem e semelhança! Assim disse Ilabrat. Apresentaram a Ilabrat a Ningishzidda e a Dumuzi, filhos de Enki nascidos na Terra. Lhes escolheu para que acompanhassem Adapa em sua viagem!, disse-lhe Enki. Anu estará agradado de ver seus netos! Assim disse Ilabrat. Enki convocou ante ele a Adapa para lhe dar instruções. A Adapa lhe disse assim: Adapa, vá a Nibiru, ao planeta de onde viemos, vai, perante o Anu, nosso rei, lá chegará, ante sua majestade te apresentará; ante ele te inclinará. Fala só quando te perguntarem, dá breves respostas às perguntas! Te darão roupas novas; ponha objetos novos. Darão um pão que não se encontra na Terra; o pão é mortal, não o coma! Darão-lhe um elixir em um cálice para que o beba; o elixir é mortal, não bebas dele! Contigo irão meus filhos, Ningishzidda e Dumuzi, atende as suas palavras, e viverás!

Assim instruiu Enki a Adapa. Recordarei-o!, disse Adapa. Enki convocou  a Ningishzidda e a Dumuzi e lhes deu uma bênção e conselhos. Vão ante Anu, o rei, e meu pai; ante ele lhes inclinarão e lhe renderão homenagem; não se encolham ante os príncipes nem perante os nobres de Nibiru, pois voces são seus iguais. Sua missão é trazer Adapa de volta à Terra, não se deixem enfeitiçar pelas delícias de Nibiru! Recordaremo-lo!, disseram Ningishzidda e Dumuzi. Enki abraçou ao mais jovem, Dumuzi, beijou-lhe na face; Enki abraçou ao sábio, a Ningishzidda, beijou-lhe na face. Às escondidas, pôs uma tabuleta selada na mão da Ningishzidda, A meu pai, Anu, entregará esta tabuleta em segredo! Assim disse Enki a Ningishzidda.

Depois, partiram para o Sippar os dois juntos com Adapa, ao Lugar dos Carros Celestiais foram, ante o Ilabrat, o vizir do Anu, apresentaram-se os três. A Ningishzidda e a Dumuzi lhes deu o traje dos Igigi, vestiram-se como águias celestiais. Quanto a Adapa, cortou seu cabelo solto, lhe deu um capacete como o de uma águia, em lugar de sua tanga, fizeram-lhe vestir uma vestimenta ajustada, lhe puseram entre a Ningishzidda e Dumuzi no interior do carro celestial, o Que Ascende. Quando se deu o sinal, o Carro Celestial rugiu e se estremeceu; Adapa se encolheu de medo e gritou: A águia sem asas se está elevando! Ningishzidda e Dumuzi lhe puseram os braços nos ombros, com palavras tranqüilas o acalmaram.

Quando se elevaram no alto uma légua, deram uma olhada sobre a Terra; viram suas terras, separadas em partes por mares e oceanos. Quando estavam a duas léguas de altura, o oceano se tinha feito pequeno como uma banheira, a terra era do tamanho de uma cesta. Quando estavam a três léguas de altura, novamente jogaram uma olhada ao lugar de que tinham partido; a Terra era agora uma bola pequena, tragada por muita escuridão na vastidão do espaço. De novo, Adapa se agitou; encolheu-se e gritou: me levem de volta!, gritou. Ningishzidda pôs a mão na nuca da Adapa; em um instante, Adapa se tranqüilizou. Quando aterrissaram em Nibiru, havia muita curiosidade, para verem os filhos de Enki, nascidos na Terra, mas também mais por se encontrarem com um ser humano Terrestre: chegando em Nibiru um ser de outro mundo! Assim diziam as massas.

cosmos

Foram levados com o vizir Ilabrat ao palácio, para serem lavados e perfumados com ungüentos. Lhes deram vestimentas frescas e adequadas. Tendo em conta as palavras de Enki, Adapa ficou com as novas roupas. No palácio, nobres e heróis formavam grupos; no salão do trono, reuniam-se os príncipes e os conselheiros do rei. Ilabrat lhes levou até o salão do trono, Adapa atrás dele; logo, os dois filhos de Enki. No salão do trono, perante Anu, o rei, inclinaram-se; Anu se adiantou desde seu trono. Meus netos! Meus netos!, exclamava. Abraçou a Dumuzi, abraçou a Ningishzidda, com lágrimas nos olhos os abraçou, beijou-os. Ofereceu a Dumuzi que se sentasse a sua direita, e Ningishzidda se sentou a sua esquerda. Depois, Ilabrat apresentou Adapa, o ser Terrestre, para Anu.

Entende o que falamos?, perguntou-lhe o rei a Ilabrat. É obvio, ensinou-lhe o senhor Enki!, respondeu Ilabrat. Vêem aqui!, disse Anu a Adapa. Como lhe chamas e qual é sua ocupação? Adapa se adiantou, de novo se inclinou: Meu nome é Adapa, servo do senhor Enki! Assim falou Adapa; suas palavras causaram grande assombro. Maravilha das maravilhas conseguida na Terra!, declarou Anu. Maravilha das maravilhas conseguida na Terra!, exclamaram os reunidos. Que se celebre, damos as boas-vindas a nossos convidados!, disse Anu. Então o rei levou a todos os que se haviam reunido até o salão de banquetes, indicando alegremente para as mesas.

Nas mesas ofereceram a Adapa pão de Nibiru; Adapa não comeu. Nas mesas ofereceram a Adapa elixir de Nibiru; Adapa não bebeu. Anu, o rei, ficou confuso com isto, estava ofendido: por que enviou Enki a Nibiru a este mal educado Terrestre, para lhe revelar os caminhos celestes? Venha, Adapa!, disse Anu a Adapa. Por que não come nem bebe, por que rechaça nossa hospitalidade? Meu professor, o senhor Enki, ordenou-me: Não coma pão, não beba elixir! Assim respondeu Adapa ao rei Anu. Que estranho é isto!, disse Anu. Para que lhe ia proibir Enki de nossa comida e nosso elixir a um Terrestre?

Perguntou ao Ilabrat, perguntou ao Dumuzi; Ilabrat não sabia a resposta, Dumuzi não pôde explicar-lhe. Perguntou a Ningishzidda. Possivelmente se encontre aqui a resposta!, disse Ningishzidda a Anu. E então deu a Anu, o rei, a tabuleta secreta que tinha sido escondida. Anu estava confuso, Anu estava preocupado; foi a sua câmara privada para decifrar a tabuleta. Vem agora o relato de Adapa, o progenitor da Humanidade Civilizada, e de como por seus filhos, Ka-in e Abael, deu-se início à sociedade humana na Terra. Em sua câmara privada, Anu rompeu o selo da tabuleta, inseriu a tabuleta no explorador para decifrar o mensagem de Enki. Adapa nasceu por minha semente de uma mulher Terrestre! Assim dizia a mensagem de Enki.

Do mesmo modo, Titi foi concebida por minha semente em outra mulher Terrestre. Estão dotados de sabedoria e de palavra; mas não da longa (duração da) vida de NibiruAdapa não deveria comer do pão da larga vida, tampouco deveria beber do elixir da larga vida. Adapa deve voltar para viver e morrer na Terra, a mortalidade deve ser sua sorte, com a agricultura e o pastoreio de seus descendentes, haverá saciedade de alimentos na Terra! Assim revelou Enki o segredo de Adapa a seu pai, Anu. Anu ficou surpreso com a mensagem secreta de Enki; não sabia se ficava zangado ou se ria. Chamou o Ilabrat, seu vizir, à sua câmara privada, lhe disse: Este meu filho, Ea, nem sequer como Enki emendou sua libertinagem com as mulheres!

Ao Ilabrat, seu vizir, mostrou-lhe a mensagem da tabuleta. Quais são as normas, o que deve fazer o rei?, Perguntou Anu a seu vizir. Nossas normas permitem as concubinas (desde que sejam mulheres de Nibiru); mas não existem normas de coabitação interplanetáriaAssim lhe respondeu Ilabrat ao rei. Se houver algum prejuízo, que se restrinja, que Adapa volte imediatamente para a Terra, que Ningishzidda e Dumuzi fiquem mais tempo! Depois, Anu chamou a Ningishzidda à sua câmara privada; Sabe o que dizia a mensagem de seu pai?, Perguntou a Ningishzidda. Ningishzidda baixou a cabeça, com um sussurro disse: Não sei, mas posso adivinhá-lo. Eu submeti à prova a essência vital de Adapa, é da mesma semente de Enki! Essa é na verdade a mensagem!, disse-lhe Anu. Adapa deve voltar para a Terra imediatamente, seu destino será converter-se no progenitor do Homem Civilizado!

ninurta-livroperdidodeEnki

Quanto a ti, Ningishzidda, voltará para a Terra com Adapa, da Humanidade Civilizada, ao lado de seu pai, será dele o professor! Essa foi a decisão de Anu, o rei; ele determinou o destino de Adapa e o de Ningishzidda. Anu e os outros dois voltaram junto aos sábios e nobres reunidos, junto aos príncipes e os conselheiros, Anu anunciou palavras de decisão perante os da assembléia: Não se deve estender em demasia as boas-vindas ao Terrestre, em nosso planeta não pode comer nem beber; todos vimos suas assombrosas capacidades, deixemos que volte para a Terra, que lavrem os campos na Terra seus descendentes, e pastoreiem nas pradarias os animais! Para cuidar de sua segurança e evitar sua agitação, Ningishzidda voltará com ele, com ele se enviarão as sementes de cereais de Nibiru, que se multiplicarão na Terra.

Dumuzi, o mais jovem, permanecerá conosco durante um Shar, Depois voltará com ovelhas e a essência das ovelhas! Esta foi a decisão de Anu. Ante as palavras do rei todos inclinaram a cabeça em sinal de acordo. No momento certo, Ningishzidda e Adapa foram levados até o Lugar dos Carros Celestiais de Nibiru, Anu e Dumuzi, Ilabrat e os conselheiros, nobres e heróis foram se despedir. Houve estrondo e estremecimento, e o carro se elevou; viram como o planeta Nibiru se fazia menor, depois viram os céus do horizonte até o zênite. Na viagem, Ningishzidda falou com Adapa dos deuses planetas. Do Sol, sobre a Terra e a Lua lhe deu lições, ensinou-lhe como se seguem os meses e as estações e como se conta o ano da Terra.

Quando retornaram à Terra, Ningishzidda relatou a seu pai, Enki, tudo o que tinha acontecido. Enki riu e deu palmadas em suas coxas: Tudo foi como eu esperava!, disse com regozijo; Exceto a retenção de Dumuzi, que é desconcertante para mim! Assim disse Enki. Enlil ficou muito desconcertado pela rápida volta de Ningishzidda e de Adapa. O que ocorreu, o que aconteceu em Nibiru? Perguntou a Enki e a Ningishzidda. Chamemos também a Ninmah, que quer saber também o que aconteceu!, disse-lhe Enki. Depois que Ninmah chegou, Ningishzidda contou tudo a Enlil e a ela. Enki também contou de sua coabitação com as duas fêmeas Terrestres. Não tenho quebrado nenhuma norma, assegurei nossa produção de alimentos! Assim lhes disse Enki.

Não quebrou nenhuma norma, mas com uma ação precipitada determinaste os fados dos Anunnaki e dos Terrestres! Assim disse Enlil, enfurecido. Agora, a sorte está arremessada, o fado se há imposto ao destino! Enlil se deixou levar pela fúria, com ira deu a volta e os deixou plantados. Marduk chegou ao Eridú, havia-lhe chamado sua mãe Damkina. Ele queria verificar os estranhos acontecimentos de seu pai e seu irmão. Pai e irmão decidiram ocultar o segredo de Marduk; Anu estava cativado com o Homem Civilizado, deu a ordem de que todos na Terra se saciassem imediatamente! Assim, só revelaram parte da verdade a Marduk. Marduk ficou impressionado com Adapa e Titi, tomou carinho aos meninos. Enquanto Ningishzidda instrui a Adapa, deixem que eu seja o professor dos meninos!

Assim disse Marduk a seu pai Enki e a seu tio Enlil. Que Marduk ensine a um, que Ninurta ensine ao outro!, respondeu-lhes Enlil. Ningishzidda ficou no Eridú com Adapa e com Titi, ensinou a Adapa os números e a escrita. Ninurta levou o gêmeo que nasceu primeiro à sua cidade, ao Bad-Tibira, Ka-in, Aquele Que no Campo Faz Crescer Mantimentos, chamou-lhe. Ensinou-lhe a cavar canais de irrigação, a semear e a colher lhe ensinou. Ninurta fez para Ka-in um arado com madeira das árvores, para que com ele lavrasse a terra. Ao outro irmão, filho de Adapa, o levou Marduk às pradarias, Abael, o das Pradarias Molhadas, chamou-lhe a partir de então. Marduk lhe ensinou como construir redis; para começar com o pastoreio, esperaram a volta de Dumuzi.

Quando se cumpriu mais um Shar, Dumuzi retornou à Terra, a semente essencial da ovelha e ovelhas para a cria trouxe com ele, transportou animais quadrúpedes de Nibiru até a Terra! Sua volta com semente essencial e ovelhas foi causa de muitas celebrações, aos cuidados de seu pai, Enki, Dumuzi retornou com sua preciosa carga. Então, os líderes se reuniram, refletiram sobre como  proceder com a nova espécie de Adapa: Nunca antes tinha havido uma ovelha na Terra, nunca se tinha deixado cair um cordeiro dos céus à Terra, nunca antes uma cabra tinha iluminado a seu cabrito, nunca antes se tinha tecido lã de ovelha! Os líderes Anunnaki, Enki e Enlil, Ninmah e Ningishzidda, que foram os criadores, decidiram estabelecer uma Câmara de Criação, uma Casa de Elaboração.

ANUeNibiru

Sobre o puro montículo do Lugar de Aterrissagem, nas Montanhas dos Cedros, estabeleceu-se, a Câmara de Criação se estabeleceu perto de onde se plantaram as 55 sementes de elixir que havia trazido Ninmah, ali começou a multiplicação de cereais e de ovelhas na Terra. Ninurta era o mentor de Ka-in para a semeadura e a colheita de cereais, Marduk era o mentor de Abael nas artes de cria e pastoreio de ovelhas e cordeiros. Quando se recolherem as primeiras colheitas, quando maturar a primeira ovelha, far-se-á a Celebração das Primícias! Proclamou Enlil como decreto.

Ante os Anunnaki reunidos se apresentaram os primeiros grãos, os primeiros cordeiros, aos pés de Enlil e Enki, Ka-in pôs sua oferenda, dirigido por Ninurta; aos pés de Enlil e Enki, Abael pôs sua oferenda, dirigido por Marduk. Enlil deu aos irmãos uma alegre bênção, elogiou seus trabalhos. Enki abraçou a seu filho Marduk, levantou o cordeiro para que todos o vissem. Carne para comer, lã para vestir chegou à Terra!, disse Enki. Vem agora o relato das gerações de Adapa, e do assassinato de Abael por Ka-in, e o que aconteceu depois.

Quanto terminou a Celebração das Primícias, o rosto de Ka-in estava sombrio; sentia-se muito ferido porque Enki não lhe tinha abençoado. Quando os irmãos voltaram para seus trabalhos, Abael alardeou diante de seu irmão Ka-in: Eu sou o que traz a abundância, que sacia aos Anunnaki, que dá força aos heróis, que proporciona lã para suas roupas! Ka-in se sentiu ofendido com as palavras de seu irmão, objetou contundentemente seu alarde: Sou eu o que enche de abundância as planícies, que faz pesados de grão os sulcos, em cujos campos se multiplicam os pássaros, em cujos canais se fazem abundantes os peixes, o pão sustentador produzo eu, com pescado e caça variei a dieta dos Anunnaki!

Uma e outra vez, os gêmeos discutiam entre si, com o passar do inverno discutiram. Quando chegou o verão, não houve chuva; as pradarias estavam secas, os pastos diminuíam. Abael levou seus rebanhos aos campos de seu irmão, para que bebessem água dos sulcos e dos canais. Ka-in se enfureceu por isso; ordenou a seu irmão que se levasse os rebanhos. Agricultor e pastor, irmão contra irmão, palavras de acusação pronunciaram. Cuspiram-se um a outro, com os punhos brigaram. Extremamente enfurecido, Ka-in tomou uma pedra e golpeou na cabeça de Abael. Uma e outra vez lhe golpeou, até que Abael caiu, emanando sangue dele. Abael ficou no chão imóvel, sua alma havia partido. Ka-in ficou junto ao seu irmão que tinha matado, durante muito tempo esteve sentado, chorando.

Foi Titi a primeira em saber, por uma premonição, do assassinato. Em uma visão-sonho, enquanto dormia, viu o sangue de Abael, que estava na mão de Ka-in. Ela despertou Adapa de seu sonho, lhe contou sua visão-sonho. Um grande pesar encheu meu coração, haverá acontecido algo terrível? Assim disse Titi a Adapa; ela estava muito agitada. À manhã seguinte, partiram os dois do Eridú; foram até onde estavam acostumados a encontrar-se Ka-in e Abael. Encontraram no campo a Ka-in, ainda estava sentado junto ao morto Abael. Titi soltou um grande grito de angústia, Adapa jogou barro sobre a cabeça. O que tem feito? O que tem feito? Gritaram a Ka-in. Silêncio foi a resposta de Ka-in; ele caiu no chão e chorou.

eridu-localização_gr

Adapa voltou para a cidade do Eridú, contou-lhe ao senhor Enki o que havia acontecido. Enki enfrentou a Ka-in com fúria. Maldito seja!, disse-lhe. Tem que ser expulso do Edin, não te vais ficar entre os Anunnaki e os Terrestres Civilizados! Quanto a Abael, seu corpo não pode ficar nos campos devido às aves selvagens; como é costume entre os Anunnaki, será enterrado em uma tumba, debaixo de um montão de pedras. Enki mostrou a Adapa e a Titi como enterrar Abael, pois o costume lhes era desconhecido. Durante trinta dias e trinta noites, foi Abael chorado por seus pais. Ka-in foi levado ao Eridú para ser julgado, Enki desejava que se pronunciasse uma sentença de exílio. Por sua ação, Ka-in deve ser morto! Assim, com ira, disse Marduk.

Que se reúnam os Sete Que Julgam! Assim disse Ninurta, o mentor de Ka-in. Quem ouviu falar alguma vez de uma reunião assim?, gritou Marduk, Que para um que não é de Nibiru terei que chamar os líderes Anunnaki para que julguem? Não é suficiente que o apadrinhado por Ninurta tenha assassinado àquele a quem eu favorecia? Não é assim como Ninurta venceu ao Anzu, assim se levantou Ka-in contra seu irmão? A sorte de Ka-in deve ser como a sorte de Anzu, tem que se lhe extinguir o fôlego vital! Assim lhe disse Marduk, cheio de ira, a Enki, Enlil e Ninurta. Ninurta se entristeceu com as palavras de Marduk; silêncio, não palavras, foi sua resposta. Deixem que eu fale em privado com meu filho Marduk!, disse-lhes Enki. Quando nas câmaras privadas de Enki estiveram ele e Marduk, meu filho! meu filho!

Enki falou brandamente com Marduk. Sua angústia é grande. Não agravemos a angústia com mais angústia! Deixa que te conte um segredo que muito me pesa no coração! Em certa ocasião, enquanto passeava pelo rio, duas donzelas Terrestres cativaram meu capricho, por elas, de minha semente, foram concebidos Adapa e Titi, uma nova classe de Terrestres, um Homem Civilizado, deste modo se criou na Terra; nosso rei, Anu, tinha dúvidas se seriam capazes de procriar, com o nascimento de Ka-in e de Abael, Anu e o conselho em Nibiru se convenceram. Uma nova fase da presença Anunnaki neste planeta foi bem-vinda e passada; agora que Abael foi assassinado, e se a Ka-in se extinguir também, a saciedade chegará a seu final, os motins se repetirão, tudo o que se há conseguido se desmoronará!

Não é de surpreender que tomasse carinho por Abael, era o filho de seu meio-irmão! Agora, tenha piedade do outro, deixa que sobreviva a linhagem de Adapa! Este segredo revelou Enki a Marduk com tristeza. A princípio, Marduk se surpreendeu com a revelação, depois se viu vencido pela risada: De suas proezas fazendo o amor muito se há rumores, agora estou convencido disso! Perdoe a vida de Ka-in, que o desterre aos limites da Terra! Assim lhe disse Marduk a seu pai, trocando da ira à risada. No Eridú, Enki pronunciou a sentença sobre Ka-in: Ka-in deve partir para o leste, a uma terra pela qual errará por sua má ação, mas sua vida deve ser perdoada, a ele e a suas gerações lhes distinguirá! Assim Ningishzidda alterou a essência vital de Ka-in.

Ninghishzidda trocou a essência vital de Ka-in para que em sua face não crescesse a barba. Com sua irmã Awan como esposa, Ka-in partiu do Edin, à Terra de Errar se encaminhou. Então, os Anunnaki se sentaram e se perguntaram entre si: Sem Abael, sem Ka-in, quem fará crescer o cereal e fará pão para nós, quem será o pastor, as ovelhas multiplicará, de lã para roupa proverá? Que por Adapa e Titi haja mais proliferação! Assim disseram os Anunnaki. Com a bênção de Enki, Adapa conheceu uma e outra vez a sua esposa Titi; uma filha, outra filha, cada vez mais, uma e outra vez nasciam. No nonagésimo (ano 342 mil) quinto Shar, Adapa e Titi tiveram finalmente um filho; Sati, O Que Ata a Vida de novo, chamou-lhe Titi; por ele se contaram as gerações de Adapa. No total, trinta filhos e trinta filhas tiveram Adapa e Titi, deles, houve lavradores da terra e pastores que trabalharam para os Anunnaki, por eles voltou a saciedade aos Anunnaki e aos Terrestres Civilizados.

4-riosdoparaíso-Iraque

No nonagésimo (ano 349.200) sétimo Shar, ao Sati nasceu um filho de sua esposa Azura. Lhe anotou nos anais com o nome de Enshi; Professor da Humanidade significava seu nome. Adapa, seu pai, fez-lhe compreender a escritura e os números, e Adapa contou ao Enshi  quem eram os Anunnaki e tudo sobre o planeta Nibiru. Os filhos de Enlil lhe levaram ao Nibru-ki; ensinaram-lhe os segredos dos Anunnaki. Nannar, o major na Terra de Enlil, mostrou-lhe o modo dos ungüentos perfumados, Ishkur, o mais jovem de Enlil, ensinou-lhe a preparar o elixir dos frutos Inbu. Foi a partir de então que os Anunnaki foram chamados senhores pelo Homem Civilizado. E foi o começo dos ritos de culto aos Anunnaki (como deuses). Depois, Enshi teve um filho com sua irmã Noam; Kunin, o dos Fornos, significava seu nome. Seu tutor foi Ninurta, no Bad-Tibira aprendeu de fogos e de fornos, lhe ensinou como fazer fogos com betumes, como fundir e refinar metais; na fundição e a refinação do ouro para o Nibiru trabalharam ele e seus descendentes.

No nonagésimo (ano 352.800) oitavo Shar ocorreu tudo isto. Vem agora o relato das gerações de Adapa depois que fora exilado Ka-in, e das viagens celestiais do Enkime e da morte de Adapa. No nonagésimo-nono Shar lhe nasceu um filho ao Kunin, pelo Mualit, meio irmã do Kunin, foi concebido. Malalu, o Que Interpreta, nomeou-lhe ela; sobressaía-se em música e em canto. Para ele fez Ninurta uma harpa com cordas, conformou uma flauta para ele. Malalu interpretava hinos a Ninurta; junto com suas filhas, cantava-os ante a Ninurta. A esposa do Malalu era a filha do irmão de seu pai, Dunna era seu nome.

No centésimo (ano 360.000) Shar desde que começou a conta (a chegada dos Anunnaki) na Terra, nasceu-lhes um filho ao Malalu e a Dunna, era seu primogênito. Irid, o das Águas Doces, chamou-lhe sua mãe Dunna. Dumuzi lhe ensinou como escavar poços, como prover de água aos rebanhos em distantes pradarias. Foi ali, junto aos poços nas pradarias, que pastores e donzelas se reuniram, onde os esponsais e a proliferação da Humanidade Civilizada abundou sobremaneira. Em seus dias, os Igigi vinham com mais freqüência à Terra. Para observar e ver, os céus pouco a pouco abandonaram, vigiavam e viam o que ocorria na Terra, isso desejavam cada vez mais; Enki suplicou a Marduk para que estivesse com eles no Lahmu (Marte), mas também vigiar e ver o que ocorria na Terra desejava Marduk ardentemente.

Em um poço, nas pradarias, encontrou-se Irid com sua esposa; Baraka era seu nome, era a filha do irmão de sua mãe. À conclusão do segundo centésimo Shar, nasceu-lhes um filho, com o nome de Enki-Me, pelo Enki ME, Compreensão, lhe chamou nos anais. Era sábio e inteligente, compreendeu com rapidez os números. Tinha muita curiosidade pelos céus e por todas as matérias celestiais. O senhor Enki tomou carinho por ele, lhe contou todos os segredos que uma vez revelou a Adapa.  

Da família do Sol e dos doze deuses celestiais lhe ensinou Enki, e de como os meses se contavam pela Lua e os anos pelo Sol, e de como se contavam os Shars pelo Nibiru, e de como Enki combinava as contas, de como o senhor Enki tinha dividido o círculo dos céus em doze partes, de como tinha atribuído Enki uma constelação a cada uma, doze estações em um grande círculo tinha disposto, de como, para honrar aos doze grandes líderes Anunnaki, tinha posto nomes às estações. Enkime ansiava explorar os céus; fez duas viagens celestiais. E este é o relato das viagens do Enkime aos céus, e de como deu começo Marduk aos matrimônios mistos e aos problemas com os Igigi. 

anunnaki-religiões

Enviou-se Enkime para que estivesse com Marduk no Lugar de Aterrissagem, dali, Marduk o levou em uma espaçonave até a Lua. Ali, Marduk ensinou a Enkime o que tinha aprendido de seu pai, Enki. Quando Enkime voltou para a Terra, lhe enviou para que estivesse com o Utu no Sippar, o Lugar dos Carros celestiais. Ali, Utu deu ao Enkime uma tabuleta para escrever o que estava aprendendo, Utu o instalou em sua brilhante morada como um Príncipe dos Terrestres. Ensinou-lhe todos os ritos para começar com as funções do sacerdócio. Enkime residia no Sippar, com sua esposa Edinni, uma meio-irmã, a eles lhes nasceu um filho no quarto centésimo Shar, Matushal lhe chamou sua mãe, o Que se Elevou pelas Brilhantes Águas significava seu nome. Foi depois disso que Enkime fez sua segunda viagem aos céus, esta vez também foi Marduk, seu mentor e companheiro. Em um carro celestial se remontaram para o céu, para o Sol e além dele fizeram um círculo.

Marduk o levou para visitar os Igigi, no Lahmu (Marte), os Igigi tomaram carinho, dele aprenderam sobre os Terrestres Civilizados. Dele se diz nos Anais que partiu para os céus, que nos céus ficou até o final dos dias. Antes que Enkime partisse para os céus, de tudo o que nos céus lhe tinha ensinado, fez um registro por escrito Enkime, para que seus filhos soubessem o escreveu; tomou nota de tudo o que há nos céus na família do Sol, e das regiões da Terra e suas terras e seus rios também. Confiou seus escritos em mãos de Matushal, seu primogênito, para que, junto com seus irmãos Ragim e Gaidad, os estudasse e seguissem a eles. No quarto centésimo Shar tinha nascido Matushal, ele foi testemunha dos problemas dos Igigi e do que Marduk fazia. Ao Matushal nasceu um filho de sua esposa Ednat, Lu-Mach, Homem Poderoso, foi seu nome.

Em seus dias, as condições sobre a Terra se fizeram mais difíceis; nos campos e nas pradarias, os trabalhadores se queixavam. Os Anunnaki designaram ao Lu-Mach como capataz, para fazer cumprir as cotas, para reduzir as rações. Em seus dias foi quando a Adapa chegou a hora de morrer; e quando Adapa soube que seus dias tinham chegado a seu fim, Que todos meus filhos e os filhos de meus filhos se reúnam ante mim!, disse. Para que antes que eu morra possa lhes benzer, e lhes fale antes de morrer. E quando Sati e os filhos dos filhos se reuniram, Onde está Ka-in, meu primogênito? Perguntou-lhes Adapa. Vão lhe buscar!, disse a todos eles. Sati apresentou o desejo de seu pai ante o senhor Enki, perguntou-lhe ao senhor o que fazer.

Então, Enki chamou a Ninurta: Que o banido, de quem você foi mentor, seja trazido ante o leito de morte da Adapa! Ninurta subiu em seu Pássaro do Céu, até a Terra de Errar voou; sobre as terras perambulou, procurou dos céus a Ka-in. E quando o encontrou, levou a Ka-in até a Adapa como sobre as asas de uma Águia. Quando informou a Adapa da chegada de seu filho, que venham ante mim Ka-in e Sati!, disse Adapa. Os dois foram ante seu pai; Ka-in, o primogênito, a sua direita. Sati, a sua esquerda. E falhando a visão a Adapa, para reconhecer a seus filhos tocou seus rostos; e o rosto de Ka-in, à direita, era imberbe, e o rosto de Sati, à esquerda, tinha barba. E Adapa pôs sua mão direita sobre a cabeça de Sati, o da esquerda, e lhe benzeu e disse: De sua semente se encherá a Terra, e de sua semente, como uma árvore com três ramos, a Humanidade sobreviverá a uma Grande Calamidade (o dilúvio, no afundamento de Atlântida).

E pôs sua mão esquerda sobre a cabeça de Ka-in, a sua direita, e lhe disse: Por seu pecado, de seu direito de nascimento está privado, mas de você sementes virão. Sete nações, em um reino à parte crescerão, terras distantes habitarão; mas por ter assassinado a seu irmão com uma pedra, por uma pedra chegará seu fim. E quando Adapa terminou de dizer estas palavras deixou cair as mãos e disse: Chamem agora a minha esposa Titi, e a todos os filhos e a todas as filhas, e depois de que meu espírito me deixe, me levem ao lugar em que nasci, junto ao rio, e me enterrem com o rosto para o Sol nascente. Titi gritou como uma besta ferida, caiu sobre seus joelhos ao lado de Adapa.

E os dois filhos da Adapa, Ka-in e Sati, envolveram seu corpo em um tecido, em uma cova que lhes mostrou Titi, junto às bordas do rio, enterraram a Adapa. Em metade do nonagésimo-terceiro (ano 333 mil) Shar tinha nascido, ao final do centésimo oitavo Shar (ano 388.800, portanto Adapa teria tido uma longa vida de 55.800 anos) morreu. Uma larga vida para um Terrestre; mas que não tinha o ciclo vital de Enki. E depois que Adapa fora enterrado, Ka-in se despediu de sua mãe e de seu irmão. 

tabletes-sumerios

Ninurta o levou de volta em seu Pássaro do Céu à terra dos Errantes. E em um distante reino (as Américas, do Norte, Central e do Sul, a raça Vermelha), Ka-in teve filhos e filhas, e para eles construiu uma cidade (Tenochtitlan, cidade de Enoch, primeiro filho de Ka-in), e enquanto a construía, a queda de uma pedra lhe matou. No Edin, Lu-Mach serviu aos Anunnaki como seu capataz, nos dias de Lu-Mach, Marduk e os Igigi se casavam com as mulheres Terrestres. 

Continua com a Nona Tabuleta

Saiba mais em:

  1. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-genesis-e-adao-e-eva/
  2. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-livro-perdido-de-enkiea/
  3. http://thoth3126.com.br/nibiru-crop-circle-enki-ea-na-italia/
  4. http://thoth3126.com.br/o-genesis-e-a-epopeia-de-gilgamesh/
  5. http://thoth3126.com.br/o-iraque-babilonia-ira-persia-e-a-luta-pela-heranca-extraterrestre/
  6. http://thoth3126.com.br/maldek-e-nibiru-mais-dois-planetas-de-nosso-sistema-solar/
  7. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-genesis-e-adao-e-eva/
  8. http://thoth3126.com.br/conselho-de-nibiru-parte-i/
  9. http://thoth3126.com.br/conselho-de-nibiru-parte-ii/
  10. http://thoth3126.com.br/cientistas-encontram-genes-extraterrestre-em-dna-humano/
  11. http://thoth3126.com.br/cidades-annunaki-encontradas-na-africa/
  12. http://thoth3126.com.br/os-quatro-rios-do-eden-o-paraisoe-din-e-nibiru/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *