browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O Livro perdido de Enki – 2ª Tabuleta

Posted by on 27/11/2016

Livroperdidode-EnkiO Livro Perdido de ENKI – The Lost Book of Enki – Memórias e profecias de um ”deus extraterrestre:

Fazem cerca de 435.000 anos que astronautas de outro planeta e sistema solar chegaram à Terra em busca de ouro. Depois de aterrissar num dos mares da Terra, desembarcaram e fundaram Eridú, “Lar na Lonjura”. 

Com o tempo, o assentamento inicial se estendeu até converter-se na flamejante Missão Terra, com um Centro de Controle de Missões, um espaçoporto, operações de mineração e, inclusive, uma estação orbital em Marte. Este livro conta a história desta saga extraterrestre, contada pelo próprio Enki.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Partes anteriores em

  1. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki/
  2. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-atestado/
  3. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-primeira-tabuleta-parte-1/
  4. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-primeira-tabuleta-parte-2-final/

Sinopse da Segunda Tabuleta

1. A fuga de Alalu em uma espaçonave com armas nucleares.
2. Rumando a Ki, o sétimo planeta (a Terra).
3. Por que esperava encontrar ouro na Terra.
4. A cosmogonia do sistema solar; a água e o ouro de Tiamat.
5. A aparição de Nibiru do espaço exterior.
6. A Batalha Celestial e a ruptura de Tiamat.
7. A Terra, a metade de Tiamat, herda suas águas e seu ouro.
8. Kingu, o principal satélite de Tiamat, converte-se na Lua da Terra.
9. Nibiru é destinado a orbitar para sempre ao Sol.
10. A chegada de Alalu e sua aterrissagem na Terra.
11. Alalu, ao descobrir ouro, tem a sorte de Nibiru em suas mãos.

nibiru

O símbolo sumério para o planeta Nibiru

A SEGUNDA TABULETA

Para a gelada Terra pôs rumo Alalu; por um segredo do Princípio, escolheu seu destino. Para as regiões proibidas se encaminhou Alalu; ninguém tinha ido antes ali, ninguém tinha tentado cruzar o Bracelete (o Cinturão de Asteroides) Esculpido. Um segredo do Princípio tinha determinado o curso de Alalu, a sorte de Nibiru punha em suas mãos, mediante um plano, faria sua realeza universal! Em Nibiru, o exílio era seguro, à mesma morte se arriscava. Em seu plano, havia riscos na viagem; mas a glória eterna do êxito era a recompensa!

Como uma águia, Alalu explorou os céus; abaixo, Nibiru era uma bola suspensa no vazio. Sua silhueta era atrativa, seu resplendor blasonava os céus circundantes. Seu tamanho era enorme, cintilava o fogo de suas erupções. Seu pacote sustentador de vida, seu tom avermelhado, era como espuma marinha; Em sua metade, via-se a brecha, como uma ferida escura. Olhou para baixo de novo; a ampla brecha se converteu em uma cubeta. Voltou a olhar, a grande bola de Nibiru se converteu em uma fruta pequena. Olhando de novo, Nibiru tinha desaparecido no grande mar escuro. O remorso se aferrou ao coração de Alalu, o medo o tinha entre suas mãos; a decisão se permutou em dúvida.

Alalu considerou deter sua trajetória; depois, com audácia retomou à decisão de partir. Cem léguas, mil léguas percorreu o carro celestial; dez mil léguas viajou o carro. Nos amplos céus, a escuridão foi a mais escura; na lonjura, as estrelas distantes piscavam ante seus olhos. Mais léguas viajou Alalu e, logo, seu olhar encontrou uma visão de grande alvoroço: Na extensão dos céus, o emissário dos celestiais lhe dava as boas vindas! O pequeno Gaga (Plutão), “O Que Mostra o Caminho”, dava as boas-vindas a Alalu com sua volta (órbita), até ele estendia sua saudação de bem-vindo. Perambulando esvaído, estava destinado a viajar antes e depois do celestial Antu, com o rosto para diante, com o rosto para trás, com dois rostos estava dotado.

Sua aparição, ao ser o primeiro em receber a Alalu, considerou-o este como um bom augúrio; pelos deuses celestiais é bem-vindo, assim o entendeu. Em seu carro espacial, Alalu seguiu o atalho de Gaga; até o segundo deus dos céus se dirigia. Logo o celestial Antu (Netuno), o nome que lhe deu o Rei Enshar, divisou-se na escuridão das profundidades; azul como as águas puras era sua cor; das Águas Superiores ele era o começo. Alalu ficou encantado com a beleza da visão; a certa distância continuou seu percurso. 

etsdeuses

Na lonjura, o marido de Antu começou a brilhar, por tamanho igual ao de Antu. Como o dobro de sua esposa, por um verde azulado se distinguia ao An (Urano). Uma fascinante multidão (Luas) o circundava; de chãos firmes estavam providos. Alalu lhes deu uma afetuosa despedida aos dois celestiais, discernindo ainda o atalho de Gaga. Estava mostrando o atalho para seu antigo senhor, do qual uma vez foi conselheiro: para o Anshar, o Primeiro dos Príncipes dos céus, dirigia-se o percurso.

Acelerando o carro, Alalu pôde vencer a insidiosa atração do Anshar (Saturno); com anéis brilhantes de fascinantes cores enfeitiçava o carro! Alalu dirigiu rapidamente o olhar a um lado, e desviou com força daquele Que Mostra o Caminho. Então, ante ele apareceu uma visão ainda mais temível: nos céus longínquos, a estrela brilhante da família chegou a ver! Uma visão mais atemorizadora seguiu à revelação: Um monstro gigante, movendo-se em seu destino, arrojou uma sombra sobre o Sol; Kishar se tragou a seu criador! 

Pavoroso foi o acontecimento; um mau augúrio, pensou de fato Alalu. O gigante Kishar (Júpiter), o primeiro dos Planetas Estáveis, tinha um tamanho entristecedor. Tormentas de redemoinhos obscureciam seu rosto, e moviam manchas de cores daqui para lá; Uma hoste (Luas) inumerável, uns rápidos, outros lentos, circundavam ao deus celestial.

Dificultosos eram seus caminhos, adiante e atrás se agitavam. O mesmo Kishar lançou um feitiço, estava arrojando relâmpagos  divinos. Enquanto Alalu observava, seu curso se viu afetado, distraiu-se da sua direção, seus atos se fizeram confusos. Depois, o obscurecimento da profundidade começou a passar: Kishar em seu destino prosseguiu sua volta. Movendo-se lentamente, levantou seu véu sobre o Sol radiante; Aquele do Princípio chegou a ver-se plenamente. Mas a alegria do coração de Alalu não durou muito; mais à frente do quinto planeta, espreitava o maior dos perigos, como já sabia. O Bracelete (o Cinturão de Asteroides, o que sobrou da explosão do Planeta Maldek) Esculpido dominava mais adiante, era de se esperar a destruição!

De rochas e pedras estava composto, como órfãos sem mãe e sem pai se agrupavam. Equilibrando-se por diante e por detrás, seguiam um destino passado. Seus feitos eram detestáveis; difíceis seus atalhos. Tinham devorado aos carros (espaçonaves) de exploração de Nibiru como leões famintos; negavam-se a entregar o precioso ouro, necessário para a sobrevivência. Para o Bracelete Esculpido se precipitou o carro de Alalu, a enfrentar-se audazmente em estreito combate com as ferozes pedras. Alalu atirou para cima (contra as rochas) com mais força as Pedras de Fogo de seu carro celestial, dirigiu “O Que Mostra o Caminho” com mão firme. As sinistras rochas investiram contra o carro, como um inimigo ao ataque na batalha. Alalu soltou do carro um projétil portador de morte para elas; e depois, outra e outra, contra o inimigo, as armas de terror arrojou. Como guerreiros assustados, as rochas retornaram, abrindo um atalho para Alalu passar.

Como por feitiço, o Bracelete Esculpido abriu uma porta ao rei. Na escura profundidade, Alalu pôde ver os céus com claridade; não foi derrotado pela ferocidade do Bracelete, sua missão não tinha terminado! Na distância, a bola ígnea do Sol estendia seu resplendor; estava emitindo raios de bem-vindo para Alalu. Diante do Sol, um planeta pardo (Marte) avermelhado percorria sua volta; era o sexto na conta de deuses celestiais. Alalu não pôde a não ser entrevê-lo: sobre seu predestinado percorrido, apartava-se com rapidez do atalho de Alalu. Depois, apareceu a gelada Terra, o sétimo na conta celestial (n.t. contagem de quem chega de fora para dentro do sistema solar: Plutão, Netuno, Urano, Saturno, Júpiter, Marte e a Terra). Alalu pôs rumo ao planeta Terra, para um destino mais tentador. Sua atrativa esfera era menor que Nibiru, a sua rede de atração (Gravidade) era mais fraco que a de Nibiru. Sua atmosfera era mais magra que a de Nibiru, nela se formavam redemoinhos de nuvens.

Abaixo, a Terra estava dividida em três regiões: branco de neve no topo (polo norte) e na base (polo sul), azul e marrom entre elas. Com destreza, Alalu desdobrou as asas de detenção do carro para circundar a bola da Terra. Na região média (Mesopotâmia), pôde discernir terra firme e oceanos aquosos. Dirigiu para baixo o “Raio Que Penetra”, para detectar as interioridades (riquezas minerais) da Terra. Consegui!, gritou estaticamente: Ouro, havia muito ouro, tinha indicado o raio; estava por debaixo da região de cor escura, nas águas também havia! Com o coração aos pulos no peito, Alalu estava tomando uma decisão: faria descer seu carro celestial sobre a terra seca, possivelmente para explodir e morrer? Poria rumo às águas, possivelmente para afundar-se no esquecimento? Que caminho devia tomar para sobreviver? Descobriria o valioso ouro?

No assento da Águia, Alalu não se agitou; em mãos da sorte confiou o carro. Completamente cativo na rede atrativa da Terra, o carro se ia movendo cada vez mais rápido. A asas estendidas se acenderam; a atmosfera da Terra era como um forno. Logo, o carro tremeu, emitindo um estrondo mortífero.
Abruptamente, o carro se chocou, detendo-se de repente. Sem sentidos pela sacudida, aturdido pelo choque, Alalu ficou imóvel. Logo, abriu os olhos e soube que estava entre os vivos; ao planeta do ouro tinha chegado vitorioso.

Vem agora o relato da Terra e seu ouro; é um relato do Princípio, e de como os deuses (os Planetas) celestiais foram criados. No Princípio, quando no Acima os deuses dos céus não tinham sido chamados a ser, e no Ki de Abaixo, o Chão Firme ainda não tinha sido renomado, só no vazio existia Apsu, seu Engendrador Primitivo. 

Nas alturas do Acima, os deuses celestiais ainda não tinham sido criados; nas águas do Abaixo, os deuses celestiais ainda não tinham aparecido. Acima e Abaixo, os deuses ainda não tinham sido formados, os destinos ainda não se tinham decretado. Nenhum esfera se formou ainda, nem terra pantanosa tinha aparecido; Apsu, sozinho, reinava no vazio. Depois, mediante os ventos do Apsu, as águas primitivas se mesclaram, um hábil e divino conjuro lançou Apsu sobre as águas. Sobre a profundidade do vazio, ele verteu um profundo sonho; Tiamat, a Mãe de Tudo, forjou como esposa para si mesmo.

Uma mãe celestial, era certamente uma beleza aquosa! Junto a ele, Apsu trouxe depois ao pequeno Mummu, como mensageiro seu o nomeou, para fazer um presente a Tiamat. Um presente resplandecente concedeu Apsu à sua esposa: um radiante metal, o imperecível ouro, para que só ela o possuísse! Depois foi quando os dois mesclaram suas águas, para que saíssem entre eles os filhos divinos. Varão e fêmea foram criados os celestiais; Lahmu e Lahamu por nomes lhes deram. No Abaixo, Apsu e Tiamat lhes fizeram uma morada. Antes que tivessem crescido em idade e em estatura, em que as águas do Acima, Anshar e Kishar foram formados, ultrapassando a seus irmãos em tamanho. Os dois foram forjados como casal celestial; um filho, An, nos céus distantes foi seu herdeiro. Depois, Antu, para ser sua esposa, foi criada como igual de An; a morada de ambos se fez como fronteira das Águas Superiores.

Assim foram criadas três casais celestes, Abaixo e Acima, nas profundidades; por seus nomes chamou-lhes, eles formaram a família do Apsu com o Mummu e Tiamat. Naquele tempo, Nibiru ainda não se via, a Terra ainda não tinha sido chamada a ser (criada). Estavam mescladas as águas celestes; ainda não estavam separadas por um Bracelete Esculpido. Naquele tempo, as voltas ainda não estavam de tudo desenhadas; os destinos dos deuses ainda não estavam firmemente decretados; os parentes celestiais se agrupavam; erráticos eram seus caminhos. Para o Apsu, seus caminhos eram certamente detestáveis; Tiamat, sem poder descansar, sentia-se ofendida e enfurecida. Uma multidão formou para que partissem a seu lado, uma multidão rugiente e terrível criou contra os filhos do Apsu.

Em total, onze desta espécie criou; ela fez ao primogênito, Kingu, chefe entre eles. Quando os deuses celestiais ouviram isto, em conselho se reuniram. Elevou ao Kingu, deu-lhe mando até o grau do An!, disseram-se entre si. Uma Tabuleta do Destino em seu peito pôs, para que se procure sua própria volta, instruiu a seu vasalo Kingu para combater contra os deuses. Quem resistirá a Tiamat?, Os deuses se perguntaram entre si. Nenhum em suas voltas se adiantou, nenhum levaria uma arma para a batalha. Naquele tempo, no coração do Profundo foi engendrado um deus, nasceu em uma Câmara de Sortes, um lugar dos destinos. Um hábil Criador o forjou, era filho de seu próprio Sol. Do Profundo, onde foi engendrado, o deus se separou de sua família em um arrebatamento; com ele levava um presente de seu Criador, a Semente de Vida.

anunnaki-movie (1)

Pôs rumo para o vazio; um novo destino estava procurando. A primeira em espionar ao celestial errante foi a sempre atenta Antu. Sua figura era atrativa, resplandecia radiante, senhoriais era seu andar, extremamente grande era seu curso (órbita). De todos os deuses era o mais elevado, sua volta (Órbita) ultrapassava às de outros. A primeira em vislumbrá-lo foi Antu, de cujo peito nenhum filho tinha mamado. Vêem, sei meu filho!, chamou-lhe. Deixa que eu seja sua mãe! Lhe arrojou sua rede e lhe deu as boas-vindas, fez seu rumo adequado para o propósito. Suas palavras encheram de orgulho o coração do recém chegado; aquela que o criaria o fez altivo. Sua cabeça até o dobro de seu tamanho cresceu; quatro membros a seus lados brotaram.

Moveu seus lábios em reconhecimento, um fogo divino fulgurou entre eles. Virou seu rumo para Antu, e não demorou para mostrar seu rosto a An. Quando An o viu, exaltado gritou: Meu filho! Para a liderança te confiará! junto a ti, uma hoste serão seus servos! Que Nibiru seja seu nome, conhecido para sempre como Cruzamento! Ele se prostrou ante a Nibiru, voltou seu rosto ante o passo de Nibiru; estendeu sua rede, quatro servos formou para Nibiru, para que fossem, junto a ele, sua hoste: o Vento Sul, o Vento Norte, o Vento Leste, o Vento Oeste. Com o coração contente, An anunciou ao Anshar, seu predecessor, a chegada de Nibiru. Para ouvir isto, Anshar enviou a Gaga, que estava a seu lado, como emissário. Palavras de sabedoria transmitiu a An, para atribuir uma tarefa a Nibiru. Encarregou a Gaga que pusesse voz ao que havia em seu coração, ao An lhe dizer assim: Tiamat, a que nos engendrou, agora nos detesta; pôs em pé uma hoste de guerra, está enfurecida e se enche de ira.

Contra os deuses, seus filhos, onze guerreiros partem a seu lado; de entre eles, elevou ao Kingu, e o marcou no peito um destino sem direito. Nenhum deus entre nós poderá sustentar-se frente a sua malevolência, sua hoste pôs o medo em todos nós. Que Nibiru se converta em nosso Vingador! Que ele vença a Tiamat, que salve nossas vidas! Para ele decretou uma sorte, que saia e siga em frente a nossa poderosa inimizade! Gaga partiu para An; prostrou-se ante ele e as palavras de Anshar repetiu. An repetiu a Nibiru as palavras de seu predecessor, revelou-lhe a mensagem de Gaga. Nibiru escutou maravilhado as palavras; fascinado ouviu falar da mãe que devoraria a seus filhos. Sem dizê-lo, seu coração já o tinha impulsionado a sair contra Tiamat.

Abriu a boca, e disse assim a An e a Gaga: Se para salvar suas vidas tenho que vencer a Tiamat, convoquem os deuses em assembléia, proclamem supremo meu destino! Que todos os deuses acordem em conselho para me fazer o líder, submeter-se a meu mandato! Quando Lahmu e Lahamu ouviram isto, gritaram angustiados: Estranha era a demanda, não se pode compreender seu sentido!, disseram eles. Os deuses que decretam as sortes consultaram entre si; Acessaram a fazer de Nibiru seu vingador, para ele decretaram uma sorte exaltado; a partir deste dia, inalteráveis serão seus mandatos!, disseram a ele. Nenhum de entre nós os deuses transgredirão seus limites! Vê, Nibiru, seja nosso Vingador! Forjaram para ele uma volta principesca para que avançasse para Tiamat; deram suas bençãos a Nibiru, e deram armas terríveis a Nibiru.

Anshar forjou três ventos mais de Nibiru: o Vento Maligno, o Torvelinho, o Vento Sem Par. Kishar encheu seu corpo com uma chama ardorosa, e uma rede para envolver a Tiamat. Assim, preparado para a batalha, Nibiru pôs rumo em direção a Tiamat. Vem agora o relato da Batalha Celestial, e de como a Terra deveria ser, e do destino de Nibiru. O senhor saiu; estabelecido pelas sortes, seguiu seu rumo; a terrível Tiamat encarou, com seus lábios pronunciou um conjuro. Como manto de amparo, pôs em marcha o Pulsador e o Emissor; com uma impressionante radiação foi coroada sua cabeça. A sua direita, colocou o “Que Fere”; em sua esquerda, colocou o “Repulsor”.

Os sete ventos, sua hoste de auxiliares, como uma tormenta enviou; precipitou-se para a terrível Tiamat, com um clamor de batalha. Os deuses formaram redemoinhos junto a ele, depois se separaram de seu caminho, avançou sozinho para examinar a Tiamat e a seus ajudantes, para fazer uma idéia dos planos de Kingu, o comandante de sua hoste. Quando viu o valente Kingu, lhe nublou a vista; enquanto olhava aos monstros, lhe distraiu a direção, seu rumo se transtornou, seus atos se confundiram. O grupo de Tiamat a rodeava estreitamente, tremiam de terror. Tiamat estremeceu suas raízes, um rugido poderoso emitiu; lançou um feitiço sobre Nibiru, envolveu-o com seus encantos.

A sorte entre eles estava lançada, a batalha era inevitável! Cara a cara se encontraram, Tiamat e Nibiru; avançavam um contra outro, aproximavam-se da batalha, procurando o singular combate. O Senhor estendeu sua rede, para envolvê-la e a lançou; Tiamat gritou com fúria; como possuída, perdeu seus sentidos. O Vento Maligno, que tinha estado atrás dele, a Nibiru adiantou, ante o rosto dela o soltou; ela abriu a boca para tragar-se ao Vento Maligno, mas não pôde fechar os lábios. O Vento Maligno carregou contra seu ventre, abriu-se passo em suas vísceras. Suas vísceras uivavam, seu corpo se dilatou, a boca lhe abriu. Através da abertura, Nibiru disparou uma flecha brilhante, um relâmpago divino.

A flecha lhe despedaçou as vísceras, fez-lhe pedaços o ventre; rasgou-lhe a matriz, partiu-lhe o coração. Havendo-a submetido assim, ele extinguiu seu fôlego vital. Nibiru contemplou o corpo sem vida, Tiamat era agora um cadáver massacrado. Junto à sua senhora sem vida, seus onze ajudantes tremiam de terror; ficaram capturados na rede de Nibiru, incapazes como eram de fugir. Kingu, a quem Tiamat fazia chefe de sua hoste, estava entre eles. O Senhor lhe pôs grilhões, e a sua senhora sem vida o encadeou. Arrebatou a Kingu as Tabuletas dos Destinos, que sem nenhum direito lhe tinham dado, estampou-lhe seu próprio selo, sujeitou o Destino a seu próprio peito. Ao resto do grupo de Tiamat os atou como cativos, em sua própria volta (órbita) os apanhou. Pô-los sob seu pé, cortou-os em pedaços. Atou-os a todos a sua volta; fez-lhes girar ao redor, com o rumo invertido.

arriving-anunnakis-lg

Depois, Nibiru partiu do Lugar da Batalha, anunciou a vitória aos deuses que lhe tinham renomado. Deu a volta ao redor do Apsu, para Kishar e Anshar viajou. Gaga saiu a lhe receber, e como arauto para outros viajou depois além de An e Antu, Nibiru se encaminhou para a Morada no Profundo. Sobre a sorte da inerte Tiamat e do Kingu refletiu depois, a Tiamat, a que tinha submetido, o Senhor Nibiru voltou mais tarde. encaminhou-se para ela, deteve-se para ver seu corpo sem vida; esteve planejando em seu coração dividir habilmente o monstro. Depois, como um mexilhão, em duas partes a dividiu, separou o tronco das partes inferiores.

Separou os canais internos dela, maravilhado contemplou suas veias douradas. Pisando em sua parte posterior, o Senhor cortou completamente a parte superior. O Vento Norte, seu ajudante, a seu lado chamou, que se levasse a cabeça cerceada, ordenou-lhe ao Vento, que a pusesse no vazio. O Vento de Nibiru se abateu, pois, sobre Tiamat, varrendo suas chorreantes águas. Nibiru disparou um raio, ao Vento Norte lhe deu um sinal; em um resplendor, a parte superior de Tiamat foi levada a uma região desconhecida. Com ela, também foi exilado o encadeado Kingu, para que fora companheiro da parte seccionada. Depois, Nibiru refletiu sobre a sorte da parte posterior: queria que fosse um troféu imperecível da batalha, um aviso constante nos céus, que assinalasse o Lugar da Batalha.

Com sua maça, golpeou a parte posterior até fazê-la partes pequenas, depois os enlaçou em uma banda até formar um Bracelete Esculpido, entrelaçando-os, situou-os como guardiões, um Firmamento para dividir as águas das águas. As Águas Superiores por cima do Firmamento das Águas Inferiores separou; assim forjou Nibiru suas hábeis obras. Depois, o Senhor cruzou os céus para inspecionar as regiões; da zona do Apsu até a morada de Gaga mediu as dimensões. Deteve-se e vacilou; depois, retornou lentamente ao Firmamento, ao Lugar da Batalha. Passando de novo pela região do Apsu, na desaparecida esposa do Sol, pensou com remorso. Contemplou a metade ferida de Tiamat, prestou atenção à Parte Superior; as águas de vida, generosas nela, das feridas seguiam emanando, suas veias douradas refletiam os raios do Apsu.

Da Semente da Vida, do legado do Criador, lembrou-se então Nibiru. Quando pôs seu pé sobre Tiamat, quando a partiu em pedaços, sem dúvida repartiu a semente dela! Nibiru se dirigiu ao Apsu, lhe dizendo assim: Com seus quentes raios, dá saúde às feridas! Que à parte rota, nova vida lhe seja dada, que seja em sua família como uma filha, que as águas em um lugar se reúnam, que apareça terra firme! Por Terra firme que seja chamada, Ki será seu nome a partir de agora! Apsu fez caso às palavras de Nibiru: Que a Terra se una à minha família, Ki, Terra firme do Abaixo, que Terra seja seu nome a partir de agora! Que, com seu giro, haja dia e haja noite; nos dias, proverei-a com meus raios curadores! Que Kingu seja uma criatura da noite, designarei-o para que brilhe na noite companheira da Terra, para sempre Lua será! Nibiru escutou satisfeito as palavras do Apsu. Nibiru cruzou os céus e inspecionou as regiões, aos deuses que lhe tinham elevado concedeu posições permanentes, destinou suas voltas para que nenhum transgredisse a de outros nem ficasse curto.

Fortaleceu as eclusas celestes, pôs portas em ambos os lados. Uma morada remota escolheu para si, além de Gaga estavam suas dimensões. Suplicou ao Apsu que decretasse para ele a grande volta como seu destino. Todos os deuses levantaram sua voz desde suas posições: Que a soberania de Nibiru seja sobressalente! O mais radiante dos deuses é que seja na verdade o Filho do Sol! Desde sua região, Apsu deu sua bênção: Nibiru manterá o cruzamento de Céu e Terra; Cruzamento será seu nome! Os deuses não cruzarão nem acima nem abaixo; Ele manterá a posição central, será o pastor dos deuses. Um Shar será sua volta; esse será seu Destino para sempre! Vem agora o relato de como começaram os Tempos de Antigamente, e da era que, nos Anais, foi conhecida pelo nome de Era Dourada, e como foram as missões de Nibiru à Terra para obter ouro. A fuga de Alalu desde Nibiru foi seu começo.

Alalu estava dotado de grande entendimento, muitos conhecimentos tinha adquirido em sua aprendizagem. De seu antecessor Anshargal, dos céus e das voltas tinha acumulado muitos conhecimentos, através do Enshar, seus conhecimentos aumentaram grandemente; de tudo isso aprendeu muito Alalu; com os sábios discutia, a eruditos e comandantes consultava. Assim se determinaram os conhecimentos do Princípio, assim possuiu Alalu estes conhecimentos. O ouro no Bracelete Esculpido era a confirmação, o ouro no Bracelete Esculpido era o indício de ouro na Parte Superior de Tiamat. E ao planeta do ouro chegou Alalu vitoriosamente, com um choque ensurdecedor de seu carro. Com um raio, explorou o lugar, para descobrir seus arredores; seu carro descendeu em terra seca, ao fio de amplas terras pantanosas aterrissou.

Ficou um casco de Águia, ficou um traje de Peixe. Abriu a portinhola do carro; ante a portinhola aberta se deteve com assombro. Escuro era o chão, azul-branco eram os céus; não havia sons, ninguém que lhe oferecesse as boas-vindas. Estava sozinho em um planeta estranho, possivelmente exilado para sempre de Nibiru! Baixou a terra, sobre o escuro estou acostumado a pôr o pé; havia colinas na distância; nas cercanias, havia muita vegetação. Ante ele, havia terras pantanosas, nelas se introduziu; com o frio de suas águas se estremeceu. Voltou para chão seco; estava sozinho em um planeta estranho! Viu-se possuído por seus pensamentos, esposa e descendentes com nostalgia recordava; estaria exilado de Nibiru para sempre? Perguntava-se isto uma e outra vez.

Não demorou para voltar para o carro, com alimento e bebida para manter-se. Depois, venceu-lhe um profundo sonho, uma poderosa vontade de dormir. Quanto tempo esteve dormindo, não podia recordá-lo; tampouco podia dizer o que o tinha despertado. Fora havia muito resplendor, um resplendor nunca visto em Nibiru. Estendeu um pau do carro; com um Provador estava equipado. O Provador respirou o ar do planeta; indicou sua compatibilidade! Abriu a portinhola do carro, com a portinhola aberta tomou ar. Outra vez tomou ar, e outra e outra; certamente, o ar (atmosfera) de Ki era compatível! Alalu aplaudiu, ficou a cantar uma alegre canção. Sem o casco de Águia, sem o traje de Peixe, baixou até o chão. O resplendor do exterior cegava; os raios do Sol o afligiam! Voltou para o carro, colocou uma máscara para os olhos. Tomou a arma portátil, agarrou o prático Tomador de Amostras. Baixou à terra, sobre o escuro estou acostumado a pôs o pé.

Encaminhou-se para os atoleiros; escuras e esverdeadas eram as águas. Na margem do pântano havia calhaus; Alalu tomou um calhau, jogou-o no pântano. Seus olhos vislumbraram um movimento no pântano: as águas estavam cheias de peixes! Introduziu o Tomador de Amostras no pântano, para considerar as turvas águas; a água não era adequada para beber, descobriu Alalu muito decepcionado. Afastou-se dos pântanos, e foi em direção às colinas. Passou através da vegetação; os arbustos davam passo às árvores. O lugar era como uma horta, as árvores estavam carregadas de frutos. Seduzido por seu doce aroma, Alalu tomou uma fruta; a pôs na boca. Se doce era seu aroma, mais doce era seu sabor! Alalu se deleitou enormemente.

Alalu caminhava evitando os raios do Sol, dirigindo-se para as colinas. Entre as árvores, sentiu umidade sob seus pés, um sinal de águas próximas. Pôs rumo em direção à umidade; na metade do bosque havia um lago, uma laguna de águas silenciosas. Inundou o Tomador de Amostras na lacuna, a água era boa para beber! Alalu riu; uma risada sem fim fez presa nele. O ar era bom, a água era apta para beber; havia fruta, havia peixes! Entusiasmado, Alalu se agachou, juntou as mãos fazendo uma terrina, levou água até sua boca. A água tinha frescura, um sabor diferente da água de Nibiru. Bebeu uma vez mais e logo, assustado, deu um salto: podia escutar um resmungo; um corpo se deslizava pelas margens da laguna!

Aferrou a arma portátil, dirigiu uma rajada de seu raio para o que assobiava. O que se movia se deteve, o assobio terminou. Alalu se adiantou para examinar o perigo. O corpo que se deslizava estava imóvel; a criatura estava morta, uma visão da mais estranha: seu comprido corpo era como uma corda, sem mãos nem pés era o corpo; havia olhos ferozes em sua pequena cabeça, fora da boca pendurava uma larga língua. Algo que nunca antes tinha visto em Nibiru, uma criatura de outro mundo! Seria o guardião da horta? Meditou Alalu para si mesmo. Seria o dono da água? Perguntou-se. Pôs água em um recipiente que levava; muito alerta, empreendeu o caminho até seu carro. Também tomou as frutas doces; para o carro se encaminhou. O brilhantismo dos raios do Sol tinha diminuído enormemente; era escuro quando chegou ao carro. Alalu refletiu sobre a brevidade do dia, sua brevidade lhe surpreendeu.

Sobre os pântanos, uma fria luminosidade se elevava no horizonte. Não demorou para elevar-se nos céus uma esfera esbranquiçada: Kingu, o companheiro da Terra, estava contemplando. O que nos relatos do Princípio, seus olhos podiam ver agora a verdade: os planetas e suas voltas, o Bracelete Esculpido, Ki, a Terra, Kingu, sua lua, todos foram criados, todos por seus nomes chamados! Em seu coração, Alalu conhecia uma verdade que era necessário contemplar: o ouro, o meio para a salvação, era necessário encontrá-lo. Se havia verdade nos relatos do Princípio, se foram as águas as que lavaram as veias douradas de Tiamat, nas águas de Ki, sua metade cerceada, encontraria-se o ouro!

mesopotamia-antiga

Mesopotâmia, antiga Suméria, local onde os Anunnaki de Nibiru desceram e colonizaram a Terra.

Com mãos vacilantes, Alalu desmontou o Provador do pau do carro. Com mãos trementes, vestiu o traje de Peixe, esperando ansioso a rápida chegada da luz diurna. Ao nascer o dia, saiu do carro, aos pântanos rapidamente se encaminhou. Introduziu-se em águas mais profundas, inundou o Provador nas águas. Ansioso observava sua iluminada face, o coração lhe golpeava no peito. O Provador indicava os conteúdos da água, com símbolos e números desvelava seus achados. E, depois, o batimento do coração de Alalu se deteve: Há ouro nas águas, estava dizendo o Provador! Instável sobre suas pernas, Alalu se adiantou, dirigiu-se para o mais profundo do pântano. Uma vez mais, inundou o Provador nas águas; uma vez mais, o Provador anunciou ouro!

Um grito, um grito de triunfo, da garganta do Alalu emanou: a sorte de Nibiru estava agora em suas mãos! De volta ao carro se dirigiu, tirou o traje de Peixe, ocupou o assento do comandante. Animou as Tabuletas dos Destinos que conhecem todas as voltas, para encontrar a direção para a volta de Nibiru. Levantou o Falador de Palavras, para levar as palavras a Nibiru. Depois, para Nibiru pronunciou as palavras, dizendo assim:

”As palavras do grande Alalu para Anu em Nibiru se dirigem. Em outro mundo estou, encontrei o ouro da salvação; a sorte de Nibiru está em minhas mãos; deve escutar minhas condições!”

Continua com a Terceira Tabuleta

Saiba mais em:

  1. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-livro-perdido-de-enkiea/
  2. http://thoth3126.com.br/nibiru-crop-circle-enki-ea-na-italia/
  3. http://thoth3126.com.br/o-genesis-e-a-epopeia-de-gilgamesh/
  4. http://thoth3126.com.br/o-iraque-babilonia-ira-persia-e-a-luta-pela-heranca-extraterrestre/
  5. http://thoth3126.com.br/maldek-e-nibiru-mais-dois-planetas-de-nosso-sistema-solar/
  6. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-genesis-e-adao-e-eva/
  7. http://thoth3126.com.br/conselho-de-nibiru-parte-i/
  8. http://thoth3126.com.br/conselho-de-nibiru-parte-ii/
  9. http://thoth3126.com.br/cientistas-encontram-genes-extraterrestre-em-dna-humano/
  10. http://thoth3126.com.br/cidades-annunaki-encontradas-na-africa/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Thoth-flordavidawww.thoth3126.com.br

One Response to O Livro perdido de Enki – 2ª Tabuleta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *