browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O Livro perdido de Enki – 7ª Tabuleta

Posted by on 30/04/2016

Livroperdidode-EnkiO Livro Perdido de ENKI – The Lost Book of EnkiMemórias e profecias   de um ”deus  extraterrestre

Fazem cerca de 435.000 anos que astronautas de outro planeta e sistema solar chegaram à Terra em busca de ouro. Depois de aterrissar num dos mares da Terra, desembarcaram e fundaram Eridú, “Lar na Lonjura”. 

Com o tempo, o assentamento inicial se estendeu até converter-se na flamejante Missão Terra, com um Centro de Controle de Missões, um espaçoporto, operações de mineração e, inclusive, uma estação orbital em Marte. Este livro conta a história desta saga extraterrestre, contada pelo próprio Enki.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Sinopse da Sétima Tabuleta

  1. De retorno ao Abzu, Adamu e Ti-Amat têm filhos.
  2. Os Terrestres proliferam, trabalham nas minas e como serventes.
  3. Nascem os netos de Enlil, os gêmeos Utu e Inanna.
  4. Os casais Anunnaki têm outros descendentes na Terra.
  5. As mudanças climáticas provocam penúrias na Terra e no Lahmu (Marte).
  6. Uma aproximação orbital de Nibiru vem acompanhada de transtornos no sistema solar.
  7. Enki e Marduk exploram a Lua, encontram-na inóspita.
  8. Enki determina as constelações e a passagem do Tempo Celestial.
  9. Amargurado por sua própria sorte, Enki promete a Marduk a supremacia.
  10. Anu ordena a Utu, não a Marduk, a criação de um novo espaçoporto.
  11. Enki encontra e copula com duas fêmeas terrestres. Uma das mulheres tem um filho, Adapa, a outra tem uma filha, Titi.
  12. Enki mantém em segredo sua paternidade e os cria como enjeitados.
  13. Adapa, extremamente inteligente, converte-se no primeiro Homem civilizado.
  14. Adapa e Titi se cruzam e têm dois filhos: K-in e Abael Utu (Shamash) e Inanna (Ishtar).

Partes anteriores em

  1. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki/
  2. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-atestado/
  3. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-primeira-tabuleta-parte-1/
  4. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-primeira-tabuleta-parte-2-final/
  5. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-terceira-tabuleta/
  6. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-quarta-tabuleta/
  7. http://thoth3126.com.br/o-livro-perdido-de-enki-quinta-tabuleta/

A SÉTIMA TABULETA

etsdeuses

Ao Abzu, para longe do (Jardim do Éden) Edin, sejam expulsos! Assim o ordenou Enlil; Adamu e Ti-Amat foram expulsos do Edin para o Abzu. Enki os pôs em um recinto entre as árvores; deixou-os para que se conhecessem (se multiplicassem). Enki viu com alegria o que Ningishzidda tinha provocado: Ti-Amat estava pulando com um menino. Ninmah veio para observar o parto: um filho e uma filha, gêmeos, nasceram aos Seres Terrestres! 

Ninmah e Enki viam os recém-nascidos com assombro, era uma maravilha como cresciam e se desenvolviam; os dias eram como meses, os meses acumulavam anos para a Terra. Para quando Adamu e Ti-Amat tiveram outros filhos e filhas, os primeiros já estavam procriando por si mesmos! Antes que tivesse passado um Shar (um ano) de Nibiru (3.600 anos da Terra), os Terrestres estavam proliferando e se multiplicando.

Aos Trabalhadores Primitivos lhes tinha sido dotado de entendimento, entendiam as ordens; desejavam estar com os Anunnakis, trabalhavam duro e se contentavam com suas rações de comida, não se queixavam do calor nem do pó, não resmungavam dizendo estarem cansados; os Anunnaki  se viram liberados das penúrias do trabalho no AbzuO ouro vital ia chegando ao Nibiru, a atmosfera de Nibiru ia sarando lentamente. A Missão-Terra prosseguia para satisfação de todos. Entre os Anunnaki, Aqueles Que do Céu à Terra Vieram”, também havia esponsais e procriação.

Complexo de cidades construídas pelos “deuses” Anunnakis de Nibiru, onde hoje se situa o Iraque.

Os filhos de Enlil e Enki, de entre irmãs e meio-irmãs, de entre heroínas curadoras tomaram forma. A eles, nasceram-lhes filhos e filhas na Terra. Embora estivessem dotados com os ciclos vitais de Nibiru, viram-se acelerados pelos ciclos da Terra. O que ainda estaria em fraldas no Nibiru, na Terra se converteu em menino; o que havia começado a engatinhar estando no Nibiru, nascendo na Terra já estava correndo por aí. Muita alegria houve quando nasceram gêmeos a Nannar e Ningal, uma filha e um filho tiveram; Ningal os chamou Inanna e Utu. Com eles, se fazia presente a terceira geração dos Anunnaki na Terra! Se atribuíram trabalhos aos descendentes dos líderes; repartiram-se algumas tarefas de antigamente, entre os descendentes se faziam mais fáceis a divisão.

Às tarefas de antigamente, lhes acrescentavam novas tarefas. Sobre a Terra o calor era crescente, a vegetação florescia, criaturas selvagens percorriam a terra; as chuvas eram mais fortes, os rios transbordavam, terei (Enki) que reparar as moradas. Sobre a Terra cada vez fazia mais calor, as zonas de branca neve se fundiam em água, os oceanos não continham as barreiras dos mares. Das profundidades da Terra, os vulcões arrojavam fogo e enxofre. No Mundo Inferior, o lugar de cor branca de neve, a Terra grunhia; na ponta do Abzu (África do Sul), Enki estabeleceu um lugar de observação, confiou o mando a seu filho Nergal e a sua esposa Ereshkigal.

Algo desconhecido, algo insólito, está se forjando ali abaixo!, disse Nergal a seu pai, Enki. No Nibru-ki, o lugar do Enlace Céu-Terra, Enlil observava as voltas (órbitas planetárias) celestes, comparava os movimentos celestes com os ME das Tabuletas dos Destinos; Há alvoroço nos céus!, disse Enlil a seu irmão Enki. Do planeta Lahmu (Marte), o lugar da estação de passagem, Marduk se queixava a Enki, seu pai. Fortes ventos estão perturbando, estão levantando irritantes tormentas de pó! Estas palavras lhe transmitiu Marduk a seu pai, Enki: No Bracelete (Pedaços do planeta Maldek após a sua explosão) Esculpido está havendo transtornos!

Sobre a Terra, caía enxofre do céu. Demônios desumanos que causavam estragos, (meteoros e asteroides) aproximavam-se violentamente à Terra, inflamavam-se como fogos chamejantes no céu ao caírem. Traziam a escuridão a um dia claro, faziam estragos com tormentas e Ventos Malignos. Estavam atacando a Terra como projéteis de pedras, Kingu, a Lua da Terra, e Lahmu (Marte) também se viam afligidos por estes estragos. Enlil e Enki transmitiram a Anu, o rei, palavras urgentes, alertaram aos sábios do Nibiru: A Terra, a Lua e Lahmu enfrentam a uma calamidade desconhecida! 

Desde Nibiru, os sábios responderam; suas palavras não acalmaram os corações dos líderes: nos céus, a família do Sol (os planetas) estava tomando posições, os celestiais (os planetas), dos quais a Terra é o sétimo, estavam escolhendo (novos) lugares (órbitas). Nos céus, Nibiru se aproximava, aproximava-se da morada do Sol. Nibiru se via perturbado pelos sete, em uma fileira dispostos, o atalho através do Bracelete Esculpido tinha desaparecido, houve deslocamento de partes e peças do Bracelete Partido (os meteoros e asteroides que caiam na Terra)!

Despojado da barreira celestial, Lahamu com o Mummu se escondiam perto do Sol, nos céus, Lahamu tinha abandonado sua gloriosa morada, via-se atraído para  Nibiru, o rei celestial, uma rainha do céu desejava ser! Para contê-lo, Nibiru fez aparecer um monstruoso demônio da profundidade celestial (um segundo sol do sistema, uma estrela Anã Marron)Um monstro que pertenceu uma vez ao exército de Tiamat, forjado na Batalha Celestial, desde a profundidade celestial ele abriu caminho, despertado de seu sono pelo Nibiru. Como um dragão ondulante, estendia-se do horizonte até a metade do céu, uma légua tinha sua cabeça, cinqüenta léguas de comprimento tinha, sua cauda era impressionante. 

cinturao_asteroides(restos de Maldek)

Pelo dia, obscurecia os céus da Terra. De noite, arrojava um feitiço de escuridão sobre o rosto da Lua. A seus irmãos, os celestiais, Lahamu (Marte) pediu ajuda: Quem enfrentará o dragão, quem o deterá e o matará?, perguntava. Só o valente Kingu, em outro tempo protetor de Tiamat, adiantou-se para responder. Kingu se apressou para interceptar ao dragão em seu atalho: Feroz foi o encontro, uma tempestade de nuvens levantou-se sobre o Kingu; Kingu se sacudiu até seus alicerces, a Lua se estremeceu e tremeu pelo impacto.

Depois, o transtorno celeste se acalmou, Nibiru voltava para sua distante morada no (espaço) Profundo, Lahamu (Marte) não abandonou seu lugar (sua órbita) de morada, os projéteis pétreos cessaram em sua chuva sobre a Terra e Lahmu (Marte). Enki e Enlil se reuniram com Marduk e Ninurta, empreenderam a inspeção dos estragos na Terra. Enki inspecionou os alicerces da Terra, examinou o que tinha acontecido com suas plataformas. Mediu as profundidades dos oceanos, explorou as montanhas de ouro e cobre dos longínquos rincões da Terra. Não haverá escassez do ouro vital. Assim disse Enki. No Edin, Ninurta foi o inspetor, onde as montanhas tremeram e os vales se estremeceram, em sua nave celeste, elevou-se e viajou pelos ares.

Plataforma de Aterrissagem estava intacta; nos vales do norte, a Terra derramava líquidos ígneos! Assim lhe contava Ninurta a seu pai, Enlil; descobriu brumas sulfúricas e betumes. No Lahmu, a atmosfera estava danificada, as tormentas de pó interferiam com a vida e com o trabalho, Assim dizia Marduk a Enki. Desejo voltar para a Terra!, revelou a seu pai. Enlil voltou de novo sobre seus antigos planos, reconsiderou as cidades que tinha planejado e suas funções. Terá que estabelecer no Edin um Lugar do Carro Celestial!, disse a outros. Mostrou-lhes os antigos desenhos esboçados sobre a tabuleta de cristal.

O transporte do Lugar de Aterrissagem até a estação de passagem em Lahmu já não é seguro, temos que ser capazes de subir até Nibiru direto da Terra! Assim lhes falou Enlil. Da primeira aterissagem, contavam-se já oitenta Shars (288 mil anos da Terra-A data seria cerca de 162 mil anos a.C.). Vem agora o relato da viagem à Lua de Enki e Marduk, e de como Enki determinou os três Caminhos do Céu e as constelações. Que se estabeleça o Lugar dos Carros, perto de Bad-Tibira, a Cidade do Metal, dali, se leve o ouro diretamente da Terra para Nibiru nos carros (espaçonaves) celestiais! Estas palavras lhes disse Ninurta, o comandante do Bad-Tibira. Enlil teve em conta as palavras de Ninurta, seu filho; estava orgulhoso da sabedoria de seu filho.

Enlil transmitiu rapidamente o plano a Anu, o rei, em Nibiru, lhe dizendo estas palavras: Que se estabeleça um Lugar de Carros Celestiais no Edin, que se construa perto do lugar onde se funde e se refina o mineral de ouro. Leve o ouro puro nos carros celestiais diretamente da Terra até o Nibiru, que heróis e fornecimentos de materiais sejam enviados diretamente à Terra provenientes de Nibiru! De grande mérito é o plano de meu irmão!, disse Enki a seu pai Anu. Mas uma grande desvantagem alberga em seu núcleo: a atração da rede (gravidade) da Terra é muito maior que a do Lahmu (Marte); para superá-la, nossas energias ficarão exaustas! Antes que haja pressa por decidir, examinemos uma alternativa: perto da Terra há um satélite acompanhante, trata-se da Lua! A atração de sua rede é (campo gravitacional) menor, daí que se precise pouco esforço para decolar e alunissar.

anunnakis

“Naqueles dias remotos, quando os destinos foram determinados, em um ano, quando houve abundância, e as pessoas romperam na terra crescendo como ervas e plantas -, então o senhor do Abzu , o deus Enki (centro), o senhor que determina os destinos, construiu seu templo inteiramente de prata e lapis lazuli. Era na luz do dia brilhante o seu templo. Dentro do santuário do abzu ele trouxe alegria”.

Consideremo-la como uma nova estação de passagem, que se nos permita a Marduk e a mim viajar até ali! Anu, o rei, apresentou à consideração aos conselheiros e sábios os dois planos. Examine-se primeiro a Lua!, aconselharam ao rei. Examine-se primeiro a Lua!, transmitiu Anu a decisão à Enki e à Enlil. Enki se alegrou enormemente; a Lua sempre lhe tinha resultado atrativa, sempre se tinha perguntado se haveria águas ocultas em algum lugar, e que atmosfera possuía. Nas noites de insônia, tinha observado encantado seu frio disco prateado, seus crescentes e minguantes jogavam com a luz do Sol, e lhe desejavam muito uma maravilha entre as maravilhas. Enki desejava descobrir que segredos a Lua conservava desde o Princípio.

Em uma espaçonave, fizeram Enki e Marduk sua viagem até a Lua; três vezes circundaram à companheira da Terra, observaram a profunda ferida (cratera) que lhe tinha causado o dragão, a cara da Lua estava marcada com muitas depressões (crateras), obra dos destrutivos demônios (meteoros e asteroides). Em um lugar de ondulantes colinas fizeram descer a espaçonave, em sua metade aterrissaram; desde aquele lugar puderam observar a Terra e a amplitude do espaço. Tiveram que ficar com os capacetes de águias; a atmosfera era insuficiente para se respirar. Deram um passeio com facilidade pela superfície lunar, foram nesta e naquela direção; a obra do maligno dragão foi de secura e desolação. Não se parece com o Lahmu, não é adequado para uma estação de passagem!, disse Marduk a seu pai. Vamos embora daqui, voltemos para a Terra, disse Marduk!

 Não te precipite, meu filho! Assim disse Enki a Marduk. Acaso não está enfeitiçado com a dança celestial da Terra, a Lua e o Sol? Daqui, a visão está limpa, a região do Sol está à mão, a Terra não se pendura em nada, gira como um globo no vazio. Com nossos instrumentos, podemos explorar os céus distantes, nesta solidão podemos admirar a obra do Criador de Tudo! Fiquemos, observemos as voltas, como circunda a Lua à Terra, como faz suas voltas a Terra ao redor do Sol! Assim lhe falava Enki a seu filho Marduk, excitado pelo que via. Marduk se persuadiu com as palavras de seu pai; fizeram sua morada na espaçonave. Durante uma volta da Terra, durante três (anos) voltas, permaneceram na Lua; mediram seus movimentos com relação à Terra, calcularam a duração de um mês.

Durante seis voltas da Terra, durante doze voltas ao redor do Sol, mediram o ano da Terra. Tomaram nota de como se emparelhavam ambos, fazendo desaparecer às luminárias. Depois, prestaram atenção à região do Sol, estudaram os atalhos do Mummu e do Lahamu. Junto com a Terra e a Lua, Lahmu constituía a segunda região do Sol, Seis eram os celestiais das Águas Inferiores (Sol, Mercúrio, Vênus, Terra, Lua, Marte/Lahmu). Assim explicou Enki a Marduk. Seis eram os celestiais das Águas Superiores, estavam além da barreira, do Bracelete Esculpido: Anshar (Júpiter) e Kishar (Saturno), Anu (Urano) e Nudimmud (Netuno), Gaga (Plutão) e Nibiru; estes eram os outros seis, eram doze em total, doze era a conta do Sol e sua família.

Dos transtornos mais recentes, Marduk inquiriu a seu pai: por que tomaram lugares em uma fileira sete celestiais (alinhamento de sete planetas)? Assim perguntou a seu pai. Enki considerou então suas voltas ao redor do Sol. Enki observou com atenção a grande volta destes ao redor do Sol, seu progenitor, as posições da Terra e a Lua marcou Enki em um mapa, Pelos movimentos do Nibiru, não descendente do Sol, esboçou a largura (órbita) da grande volta (de Nibiru entre Sírius e o nosso sol). O Caminho de Anu, o rei, decidiu Enki nomeá-la. Na amplitude dos céus profundos, pai e filho observaram as estrelas; Enki estava fascinado com suas proximidades e grupamentos. Desenhou imagens de doze constelações (Zodíaco), de horizonte a horizonte, em toda a volta dos céus.

Na Grande Volta, o Caminho de Anu, emparelhou a cada uma com os doze da família do Sol, a cada uma designou uma estação, por nomes seriam chamadas. Logo, nos céus por debaixo do Caminho do Anu, por onde Nibiru se aproxima do Sol, desenhou um caminho parecido a uma volta, designou-o o Caminho de Enki; também atribuiu a ele doze constelações por suas formas. Aos céus por cima do Caminho do Anu, à Fileira Superior, chamou-a o Caminho de Enlil, também agrupou ali as estrelas em doze constelações. Trinta e seis foram as constelações de estrelas, nos três Caminhos estavam localizadas.

No seu caminho, quando Nibiru se aproxima da Terra e depois se vai, o seu curso (órbita) será conhecido pelas estações de estrelas, Assim se designará a posição da Terra enquanto viaja ao redor do Sol! Enki indicou a Marduk o início do ciclo, a medida do Tempo Celestial: Quando cheguei à Terra, a estação a que dava final, a Estação de (Constelação) Peixes foi chamada. Nomeei-a com meu próprio nome! «O ser das águas». Assim disse Enki, com satisfação e orgulho, a seu filho Marduk. Sua sabedoria abrange os céus, seus ensinos ultrapassam minha própria compreensão, mas na Terra e no Nibiru, o conhecimento e o governo andam separados! Assim lhe disse Marduk a seu pai. Meu filho! meu filho! O que é o que não sabe, o que é o que se joga em falta?, disse-lhe Enki. Os segredos dos céus, os segredos da Terra compartilharei contigo!

Ai, meu pai!, disse Marduk. Havia angústia em sua voz. Quando os Anunnaki no Abzu deixaram de trabalhar e te pôs a forjar ao Trabalhador Primitivo, não minha mãe, a não ser Ninmah, a mãe da Ninurta, para ajudar foi convocada, não eu, a não ser Ningishzidda, de mim o mais jovem, para ajudar foi convidado, com eles, não comigo, seus conhecimentos da vida e a morte compartilhou!

Anunnaki-deuses-nunca-mais

Meu filho!, respondeu Enki a Marduk. A seu mandato foi dado dos Igigi e Lahmu   ser supremo! Ai, meu pai!, disse-lhe Marduk. Da supremacia (como governantes), pelo destino fomos privados! Você, meu pai, é o Primogênito de Anu; entretanto, Enlil, e não você, é o Herdeiro Legal; você, meu pai, foi o primeiro em aterissar e em fundar Eridú, entretanto, Eridú está nos domínios de Enlil, os teus estão no distante Abzu. Eu sou seu Primogênito, de sua esposa legítima no Nibiru nasci, entretanto, o ouro se reúne na cidade de Ninurta, para dali enviá-lo ou retê-lo, a sobrevivência de Nibiru está em suas mãos, não em minhas mãos. Agora voltamos para a Terra; qual será meu trabalho, o destino me reserva a fama e a realeza, ou a ser humilhado de novo? Em silêncio, Enki abraçou a seu filho, na desolada Lua lhe fez uma promessa: Isso do qual fui privado será seu futuro destino! Seu tempo celestial chegará, minha estação junto à tua haverá! 

Vem agora o relato do Sippar, o Lugar dos Carros celestiais no Edin, e de como os Trabalhadores Primitivos voltaram para o Edin. Durante muitas voltas da Terra, pai e filho estiveram ausentes da Terra; na Terra, não se levava a cabo nenhum plano; no Lahmu, os Igigi estavam alvoroçados. Enlil transmitiu ao Anu palavras secretas, suas preocupações transmitiu a Anu desde o Nibru-ki: Enki e Marduk foram à Lua, durante incontáveis voltas ficaram ali. Suas ações são um mistério, não se sabe o que estão tramando; Marduk abandonou a estação de passagem do Lahmu, os Igigi estão ansiosos, a estação de passagem se viu afetada por tormentas de pó, os danos que possa haver nos são desconhecidos.

O Lugar dos Carros no Edin deve ser construído, de ali se levará o ouro diretamente da Terra ao Nibiru, a partir de então, já não será necessária uma estação de passagem no Lahmu; esse é o plano de Ninurta, seu entendimento é grande nestas matérias, Estabeleça o Lugar dos Carros celestiais no Bad-Tibira, seja Ninurta seu primeiro comandante! Anu deu muita consideração às palavras de Enlil; ao Enlil, uma resposta lhe deu: Enki e Marduk estão voltando para a Terra. Escutemos primeiro suas palavras do que na Lua têm descoberto! Da Lua partiram Enki e Marduk, à Terra retornaram; deram conta das condições ali; não é viável uma estação de passagem agora!, informaram.

Que se construa o Lugar dos Carros!, disse Anu. Seja Marduk seu comandante!, disse Enki ao Anu. Essa tarefa está reservada para Ninurta!, gritou Enlil com raiva. Já não faz falta comando para os Igigi, Marduk tem conhecimentos desses trabalhos, que se faça cargo Marduk do Pórtico do Céu! Assim lhe disse Enki a seu pai. Anu refletiu sobre o assunto com preocupação: Agora os filhos se vêem afetados pelas rivalidades! Com sabedoria estava dotado Anu, com sabedoria tomou suas decisões: O Lugar dos Carros para conduzir o ouro por novos caminhos está designado, ponhamos em mãos de uma nova geração o que deve ser a partir de agora.

Nem Enlil nem Enki, nem Ninurta nem Marduk estarão no mando, que assuma a responsabilidade a terceira geração, seja Utu o comandante! Construa o Lugar dos Carros Celestiais, seja seu nome Sippar, Cidade PássaroEsta foi a palavra de Anu; inalterável foi a palavra do rei. A construção começou no Shar oitenta e um (291.600 anos após a chegada na Terra), seguiram-se os planos do Enlil. Nibru-ki estava no centro, Enlil o designou como Umbigo da Terra, por sua localização e por distâncias, as cidades de antigamente se situaram como em círculos, dispuseram-se como uma flecha, desde o mar Inferior (atual Golfo Pérsico) para as montanhas (Montes Taurus na Turquia) ele riscou uma linha sobre os picos gêmeos da Arrata, até os céus ao norte, onde a flecha intercepta a linha da Arrata, marcou o lugar do Sippar, o Lugar dos Carros da Terra; a ele levava diretamente a flecha, desde o Nibru-ki estava exatamente localizado por um círculo igual!

arriving-anunnakis-lg

Engenhoso era o plano, todos se maravilhavam por sua precisão. No Shar número 82 (295.200 anos após a chegada na Terra) se terminou a construção de Sippar; lhe deu o mando ao herói Utu, neto de Enlil. Forjou-se para ele um capacete de águia, decorou-se com asas de águia. Anu chegou no primeiro carro que, desde Nibiru, veio diretamente até Sippar; desejava ver por si mesmo as instalações, queria maravilhar-se com o que se conseguiu. Para a ocasião, os Igigi, comandados por Marduk, desceram do Lahmu à Terra, do Lugar de Aterrissagem e do Abzu vieram os Anunnaki. Houve palmadas nas costas e aclamações, festa e celebração e abraços. Inanna, neta de Enlil, obsequiou a Anu com cantos e danças; antes de partir, Anu convocou aos heróis e às heroínas. Uma nova era começou! Assim lhes disse. Com o fornecimento direto da salvação dourada, o fim do duro trabalho está próximo!

No momento haja suficiente ouro de amparo amontoado e armazenado em Nibiru, se poderá reduzir o trabalho na Terra, heróis e heroínas voltarão para o Nibiru! Isto prometeu Anu, o rei, aos ali reunidos, transmitiu-lhes uma grande esperança: uns quantos Shars mais de duro trabalho, e voltarão para casa! Anu subiu de volta ao Nibiru com muita pompa; ouro, ouro puro levava com ele. Utu levou a cabo sua nova tarefa com carinho; Ninurta conservou o mando em Bad-Tibira. Marduk não voltou para o Lahmu; tampouco foi ao Abzu com seu pai. Desejava vagar por todas as terras, percorrer a Terra em sua nave celeste, dos Igigi, alguns no Lahmu, outros na Terra, fez-se a Utu comandante. Depois da volta de Anu a Nibiru, os líderes na Terra tinham grandes expectativas: esperavam que os Anunnaki trabalhassem com renovado vigor. Conseguir rapidamente o ouro, para voltar para casa o quanto antes. Mas isso, ai, não foi o que aconteceu!

No Abzu, as expectativas dos Anunnaki não eram as de continuar com o duro trabalho, a não ser as de liberar-se dele, agora que os Terrestres estão
proliferando, que eles se encarreguem do trabalho! Assim diziam os Anunnaki no Abzu. No Edin, os trabalhos eram maiores; faziam falta mais moradas, mais provisões. Os heróis do Edin exigiram Trabalhadores Primitivos até então confinados no Abzu, Durante quarenta Shars, só se proporcionou alívio no trabalho no Abzu!, gritavam os heróis no Edin, nosso trabalho se incrementou além de toda resistência, tenhamos também
Trabalhadores! Enquanto Enki e Enlil debatiam o assunto, Ninurta tomou a decisão em suas mãos: dirigiu uma expedição até o Abzu com cinqüenta heróis, foram providos com armas. Nos bosques e nos estepes do Abzu, perseguiram os Terrestres, com redes os capturaram, levaram varões e fêmeas ao Edin.

Treinaram-nos para fazer todo tipo de tarefas, tanto nos hortas como nas cidades. Enki se zangou com o acontecido, também se enfureceu Enlil: revogaste minha decisão de expulsar ao Adamu e a Ti-Amat! Assim disse Enlil a Ninurta. Para que não se repetisse no Edin o motim que houve uma vez no Abzu! Assim disse Ninurta ao Enlil. Com os Terrestres no Edin, os heróis se acalmaram, uns quantos Shars mais, e não terá com o que preocupar-se! Assim disse Ninurta a Enlil. Enlil não se apaziguou; Assim seja!, disse-lhe resmungando a seu filho. Amontoe-se com rapidez o ouro, voltemos todos logo para Nibiru! No Edin, os Anunnaki observavam com admiração aos Terrestres: Têm inteligência, compreendem as ordens. Encarregaram-se de todo tipo de tarefas; andam nus ao realizar seus trabalhos. Entre eles, varões e fêmeas se cruzavam, proliferando-se com rapidez.

Em um Shar, às vezes quatro, às vezes mais, tinham lugar suas gerações! Enquanto os Terrestres crescessem em número, teriam trabalhadores os Anunnaki, os Anunnaki não se saciavam com os mantimentos; nas cidades e nas hortas, nos vales e nas colinas, os Terrestres estavam procurando comida constantemente. Naqueles dias, ainda não existiam os cereais, não havia ovelhas, ainda não se tinha criado o cordeiro. A respeito de tudo isto, Enlil disse palavras iradas a Enki: Com seus atos geraste confusão, assim procure você própria a salvação! 

Vem agora o relato de como foi o Homem Civilizado, de como se criou, mediante um segredo de Enki, a Adapa e sua companheira Titi no Edin. Com a proliferação dos Terrestres, Enki estava agradado, Enki estava preocupado; o grupo dos Anunnaki se acomodou em grande medida, seu descontentamento tinha decrescido, com a proliferação, os Anunnaki fugiam do trabalho, os trabalhadores estavam se convertendo em escravos. Durante sete Shars, o grupo dos Anunnaki se acomodou muito, seu descontentamento diminuiu. Com a proliferação dos Terrestres, o que crescia por si só era insuficiente para todos; em três Shars mais houve escassez de pescado e de caça, nem Anunnaki nem Terrestres ficavam saciados com os alimentos que por si mesmo crescia. Em seu coração, Enki estava planejando uma nova empresa; concebia a criação de uma Humanidade Civilizada.

Cereais que sejam semeados por eles para serem cultivados, ovelhas e gado para que as apascentem! Em seu coração, Enki estava planejando uma nova empresa; refletia sobre como consegui-lo. Observou para estes planos aos Trabalhadores Primitivos do Abzu, refletiu sobre os Terrestres no Edin, nas cidades e nos hortas. O que lhes poderia adequar para os trabalhos? O que será que não se havia combinado na essência vital? Observou aos descendentes dos Terrestres, constatou algo alarmante: Com a repetição das cópulas, se estavam degradando retrocedendo para seus antepassados selvagens! Enki esteve olhando pelas zonas pantanosas, navegou pelos rios e observou; com ele, só ia Isimud, seu vizir, que guardava os segredos. Viu que na borda do rio se banhavam e pulavam uns Terrestres; entre eles, havia duas fêmeas de selvagem beleza, firmes eram seus seios.

caduceu-stlouis300v

Contemplando elas, Enki sentiu desejo por elas, tinha um ardente desejo. Dou um beijo nas jovens?, Perguntou Enki a seu vizir Isimud. Levarei a embarcação até ali, beija as jovens!, disse-lhe Isimud ao Enki. Isimud dirigiu a barco até ali, Enki saltou do barco para terra firme. Enki chamou uma jovem, lhe ofereceu uma fruta. Enki se inclinou para ela, abraçou-a, nos lábios a beijou; doces eram seus lábios, firmes de maturidade eram seus seios. Em sua matriz derramou seu sêmen, no emparelhamento a fecundou. Ela guardou em seu ventre o sagrado sêmen, ficou fecundada com o sêmen do senhor Enki. Enki chamou à segunda jovem, lhe ofereceu frutos do campo. Enki se inclinou para ela, abraçou-a, nos lábios a beijou; doces eram seus lábios, também firmes de maturidade eram seus seios.

Em sua matriz derramou seu sêmen, no emparelhamento a conheceu. Ela guardou em seu ventre o sagrado sêmen, ficou fecundada com o sêmen do senhor Enki. Fica com as jovens, para ver se ficaram grávidas! Assim lhe disse Enki a seu vizir Isimud. Isimud se sentou junto às jovens; por volta da quarta conta apareceram as barrigas. Para a décima conta, a novena se completou, a primeira jovem ficou de cócoras e deu à luz, dela nasceu um menino; a segunda jovem ficou de cócoras e deu à luz, dela nasceu uma menina. Ao amanhecer e ao crepúsculo, o qual delimita um dia, no mesmo dia deram a luz as duas, como as Cheias de Graça, Amanhecer e Crepúsculo, a partir de então lhes conheceu nas lendas. No nonagésimo-terceiro Shar, engendrados por Enki, nasceram os dois no Edin.

Isimud levou rapidamente a Enki notícia das iluminações. Enki estava em êxtase com as iluminações: Quem tinha ouvido falar de algo assim! Conseguiu-se a concepção entre o Anunnaki e Terrestres, trouxe à Luz o Homem (raça humana) Civilizado! Enki deu instruções a seu vizir, Isimud: Minha ação deve permanecer em segredo! Que os recém-nascidos sejam amamentados por suas mães; depois disso trará-os para minha casa. Entre as canas, em cestas de junco, encontrei-os no rio!, disse Isimud a todo o mundo. Ninki tomou carinho aos enjeitados, criou-os como a seus próprios filhos. Adapa, “o Enjeitado”, chamou o menino; Titi, “Uma com Vida”, chamou à menina. A diferença do resto dos meninos Terrestres, o casal era de crescimento mais lento que os Terrestres, muito mais rápidos de compreensão; estavam dotados de muita inteligência, eram capazes de falar com palavras.

Formosa e agradável era a menina, muito boa com as mãos. Ninki, a esposa de Enki, tomou carinho a Titi; ensinou-lhe todo tipo de ofício. A Adapa, foi o mesmo Enki quem lhe ensinou, instruiu-lhe em como fazer anotações. Enki mostrou orgulhoso ao Isimud o resultado de seus planos, criei o Homem Civilizado!, disse a Isimud. De minha semente, foi criado um novo tipo de Terrestre, a minha imagem e semelhançaDas sementes, farão crescer mantimentos; e apascentarão ovelhas, a partir de então, os Anunnaki e os Terrestres ficarão saciados! Enki enviou palavras a seu irmão Enlil; Enlil veio desde o Nibru-ki até Eridú. No deserto, apareceu um novo tipo de Terrestre!, disse Enki a Enlil. São rápidos em aprender, podemos ensinar conhecimentos e ofícios. Que nos tragam do Nibiru sementes das que se semeiam, que se tragam de Nibiru ovelhas para repartir pela Terra, ensinemos a esta nova raça de Terrestres a agricultura e o pastoreio (a civilização), nos saciemos juntos Anunnaki e Terrestres! Assim disse Enki ao irmão Enlil. Certamente, são similares aos Anunnaki em muitos aspectos!, disse Enlil a seu irmão. É uma maravilha das maravilhas que tenham aparecido por si mesmos no deserto!

Chamaram o Isimud. Entre as canas, em cestas de juncos, encontrei-os!, disse. Enlil ponderou o assunto com gravidade, sacudia a cabeça com assombro. Certamente, é uma maravilha das maravilhas, que tenha surgido uma nova raça de Terrestres, que a mesma Terra tenha feito um Homem Civilizado, que lhe pode ensinar agricultura e pastoreio, ofícios e elaboração de ferramentas! Assim dizia Enlil a Enki. Enviemos palavras a Anu da nova raça! transmitiram-se palavras da nova raça ao Anu, no Nibiru. Que nos enviem sementes que possam ser plantadas e ovelhas (animais) para o pastoreio! Isto sugeriram Enki e Enlil ao Anu. Que o Homem Civilizado sacie aos Anunnaki e aos próprios Terrestres! Anu escutou as palavras, ficou assombrado com elas. Que um tipo de essências vitais leve a (criação de) outro ser não é algo inaudito!, disse-lhes em resposta, mas nunca se ouviu algo assim, que na Terra aparecesse tão rapidamente um Homem Civilizado a partir do Adamu inicial!

Para a semeia e o pastoreio fará falta um grande número; são capazes de proliferar os seres? Enquanto os sábios do Nibiru refletiam sobre o assunto, no Eridú ocorriam coisas importantes. Adapa conheceu a Titi no emparelhamento, ele derramou seu sêmen em sua matriz. Houve concepção, houve concepção. Titi concebeu gêmeos, dois irmãos! Transmitiram-se palavras do nascimento a Anu em Nibiru: O casal é compatível para a concepção, podem proliferar! Que se repartam pela Terra sementes que se possam semear e ovelhas para o pastoreio, que comece a agricultura e o gado na Terra, nos saciemos todos! Assim disseram Enki e Enlil ao rei Anu em Nibiru. Permaneça Titi no Eridú, para amamentar e cuidar dos recém-nascidos, traga-se para o Nibiru a Adapa, o Terrestre! Assim pronunciou sua decisão Anu.

Continua com a Oitava Tabuleta

Saiba mais em:

  1. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-genesis-e-adao-e-eva/
  2. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-livro-perdido-de-enkiea/
  3. http://thoth3126.com.br/nibiru-crop-circle-enki-ea-na-italia/
  4. http://thoth3126.com.br/o-genesis-e-a-epopeia-de-gilgamesh/
  5. http://thoth3126.com.br/o-iraque-babilonia-ira-persia-e-a-luta-pela-heranca-extraterrestre/
  6. http://thoth3126.com.br/maldek-e-nibiru-mais-dois-planetas-de-nosso-sistema-solar/
  7. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-genesis-e-adao-e-eva/
  8. http://thoth3126.com.br/conselho-de-nibiru-parte-i/
  9. http://thoth3126.com.br/conselho-de-nibiru-parte-ii/
  10. http://thoth3126.com.br/cientistas-encontram-genes-extraterrestre-em-dna-humano/
  11. http://thoth3126.com.br/cidades-annunaki-encontradas-na-africa/
  12. http://thoth3126.com.br/os-quatro-rios-do-eden-o-paraisoe-din-e-nibiru/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

5 Responses to O Livro perdido de Enki – 7ª Tabuleta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *