browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O mais perigoso segredo de Israel

Posted by on 07/08/2016

risco-biologico

Armas Biológicas, Expondo o mais perigoso segredo de Israel

A estrutura fortaleza que é o Instituto para Pesquisas Biológicas de Israel (IIBR), onde o pais desenvolve suas armas biológicas e químicas esta preparado para qualquer eventualidade de guerra química ou biológica contra seus inimigos. É a instalação militar mais secreta em Israel. 

Com tanta força que é vigiado pela censura militar, que a imprensa israelense tem que recorrer a fontes ocidentais buscando por fragmentos de informação colocados à sua disposição, muito intermitente, por contatos especiais dentro do instituto.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

Armas Biológicas, Expondo o mais perigoso segredo de Israel

Fontehttp://www.pakalertpress.com

Enviado em Pakalert – Por SALEH EL-NAAMI

Os motoristas só dão uma olhada para a estrutura gigantesca situada nas dunas ao sul de Rishon Litsion, no sudeste de Tel Aviv de acordo com a velocidade em que passam à frente. É expressamente proibido sair da estrada de Tel Aviv para Litsion-Rishon e tomar a estrada que leva à essa instalação enorme, que está barricada e cercada por muros de cimento equipado com os mais modernos equipamentos de vigilância contra ataques terroristas e sistemas de alerta desenvolvidos pela indústria militar de Israel.

A estrutura fortaleza que é o Instituto para Pesquisas Biológicas de Israel (IIBR), onde Israel desenvolve suas armas biológicas e químicas esta preparado para qualquer eventualidade de guerra química ou biológica contra seus inimigos. É a instalação militar mais secreta em Israel. Com tanta força que é vigiado pela censura militar, que a imprensa israelense tem que recorrer a fontes ocidentais buscando por fragmentos de informação colocados à sua disposição, muito intermitente, por contatos especiais dentro do instituto.

Somente uma vez foi dada liberdade a imprensa israelense para discutir o que se passa por trás daquelas paredes de altíssima segurança. Isso foi em maio de 2011 quando o ex funcionário Avisha Klein entrou com uma ação contra a administração do IIBR por assédio e abuso emocional. Um empregado de longa data no instituto, Klein atuou em várias posições, uma das quais era como parte de uma equipe para desenvolver uma pomada para proteger a pele dos efeitos a partir da contaminação com o gás mostarda. 

Mas este é apenas um dos muitos detalhes que vieram à luz no curso do processo, que emitiram luz sobre a natureza e o alcance do trabalho do instituto IIBR.  O IIBR é composto por cerca de 300 cientistas e técnicos empregados em um ou mais dos seus vários departamentos, cada um especializado em uma área específica de pesquisa química ou biológica em geral, visando a produção de armas químicas ou biológicas. 

Um desses departamentos, por exemplo, é relatado para ter desenvolvido o veneno que foi usado pela notória unidade de assassinato do Mossad, o Kidon, em sua tentativa frustrada de eliminar o chefe do Partido Hamas, Khaled Meshaal, em 1997.  No entanto, se ainda resta alguma dúvida sobre a precisão das informações, o que foi relatado no Haaretz, ninguém contesta que a primeira vez que os produtos do instituto foram usados em uma operação de assassinato foi no final de 1977 quando o então primeiro-ministro Menachem Begin ordenou que o Mossad eliminasse Wadie Haddad.

Instalações do IIBR

O então líder da Frente Popular para a Libertação da Palestina, Haddad, foi acusado por Israel de responsabilidade pela execução de várias operações terroristas contra israelenses, a última das quais teria sido o seqüestro de um avião de passageiros de Israel a caminho de Entebbe, em Uganda, na África em 1976. De acordo com um livro publicado recentemente pelo jornalista israelense Aharon Klein, Haddad tinha um grande apreço e apetite por chocolates belgas. 

O Serviço Secreto israelense, o Mossad obteve alguns desses chocolates especiais, os cobriu com um veneno inodoro e incolor de ação lenta, que foram entregues a Haddad, para seu consumo, que então vivia em Bagdá, entrega efetuada por um funcionário iraquiano que era um agente do Mossad e que tinha uma amizade com Haddad. Klein relata que a substância mortal foi desenvolvida pela primeira vez no instituto IIBR e que suas propriedades de ação lenta e indetectável por autópsia garantiu que o agente e o instrumento de morte não seriam jamais descobertos.

E, de fato, depois de uma deterioração gradual, mas grave de sua saúde, Haddad foi levado para um hospital no leste da Alemanha, onde ele foi diagnosticado com leucemia e morreu em 28 de março de 1978. Foi necessário esperaraté 32 anos para que a verdade viesse à tona: a de que a verdadeira causa da morte foi um veneno produzido pelo institudo IIBR. Não é improvável que o Mossad conduziu muitas operações de assassinato, desta forma, de modo a não deixar suas impressões digitais

Em outras palavras, a morte aparentemente acidental de muitos indivíduos que Israel considerou como uma ameaça à sua segurança pode realmente ter sido causada por substâncias mortais produzidas pelo instituto IIBR. Provavelmente, o veneno que agentes do Mossad injetaram no líder do Hamas, Mahmoud Al-Mabhouh em Dubai, em fevereiro de 2010 tinha a sua procedência vinculada ao IIBR.

De acordo com informações que recentemente vieram à público, o instituto contém um departamento especializado na produção de vacinas contra armas biológicas. Um dos principais focos de pesquisa e desenvolvimento, era o antraz, que Israel teme que os árabes e suas organizações de resistência poderão um dia usar contra o país judeu em um confronto futuro. O instituto também tem um departamento para o desenvolvimento de remédios para minimizar e combater os efeitos das armas químicas. 

A atual situação analisada pelo seu conjunto apresenta uma imagem horrível e até bizarra de uma corrida no desenvolvimento de armas químicas e biológicas até curiosa, com o instituto praticamente competindo com ele mesmo para a produção de antídotos para armas que, ele mesmo está produzindo, ou pelo medo de que outros povos usarão contra Israel em um eventual confronto futuro.

IIBR trabalha em estreita colaboração e em plena coordenação com o exército israelense e o serviço de inteligência (leia-se MOSSAD), que fornecem ao instituto as suas listas de prioridades em função das previsões para sua ameaça estratégica. Por exemplo, a informação que veio à luz durante a cobertura do processo movido pelo ex-funcionário do IIBR, Avisha Klein revela que há muitos anos o estabelecimento militar israelense estava preocupado que os estados árabes pudessem usar agentes químicos como o gás mostarda em um ataque potencial contra Israel e, portanto, instruiu o Instituto para desenvolver uma substância química para minimizar os efeitos do gás. Não surpreendentemente, o instituto coordena de perto com o corpo médico do exército israelense, que recebe os antídotos e distribui-os para suas filiais no serviço militar, de acordo com a demanda.

O instituto também trabalha em estreita colaboração com o Mossad e o Shin Bet, os órgãos principais responsáveis pela maior parte dos assassinatos e operações de liquidação contra alvos árabes e muçulmanos (e a qualquer um que se oponha ao planos de Israel). Além disso, como o Mossad e a unidade de inteligência militar “Aman” são responsáveispela coleta de inteligência dos inimigos e, presumivelmente, monitoram programas não convencionais de armas em países árabes , eles iriam instruir o instituto IIBR para desenvolver as respostas necessárias, biológica ou química para fazer frente a estes programas.

No entanto, o IIBR tem outro propósito em cima do desenvolvimento e produção de armas biológicas e químicas e antídotos. É também um importante gerador de renda em divisas. O website Haaretz de Israel informa: “O instituto recebeu uma doação de centenas de milhões de dólares para desenvolver uma vacina contra o antraz. “A concessão se seguiu a um ataque nos EUA por um grupo terrorista nacional interno que desenvolveu uma cepa concentrada de esporos de antraz e entregou-os a várias metas individuais (políticos) nos EUA, as vacinas que o IIBR foi contratado para desenvolver foram destinados para uso nos EUA.

rmas-biologicas

Mais importante ainda, aprendemos a partir do site israelense que os soldados de Israel foram utilizados para testar as vacinas, causando algum dano físico permanente. Relatos do uso internacionalmente proibidas de cobaias humanas levantou polêmica moral em Israel e suspeitas afiadas de que a vida dos soldados israelenses tinham sido deliberadamente colocadas em risco por causa do ganho financeiro recebido para promover a segurança de outro país, ou seja, os EUA neste caso.

O IIBR tem um departamento de animais vivos, onde coelhos, porcos, macacos e outros animais são usados em experimentos. E talvez também em seres humanos, bem como, a julgar pelas ações judiciais movidas pelos soldados contra o Ministério israelense da Defesa-IDF, depois que eles foram utilizados nos experimentos com antraz. 

Os soldados exigem que sejam oficialmente reconhecidos como veteranos deficientes e recebam uma compensação em conformidade. O caso continua nos tribunais, mas o IDF, ao invés de ceder às pressões das famílias dos soldados e da opinião pública, anunciou recentemente que deixará de realizar experimentos sobre os soldados.

manipulação-ocidente-nwo

Foi o então primeiro Primeiro-Ministro de Israel, David Ben-Gurion, que ordenou a construção do IIBR com base no conselho de um bom número de cientistas judeus. Ao longo de seu governo, de 1948 (desde a fundação do estado moderno de Israel) a 1963 (com exceção dos anos 1953-1955, quando Moshe Sharett serviu como primeiro-ministro), Ben-Gurion foi diretamente responsável pelo instituto e cada detalhe dele. 

Os funcionários foram proibidos de revelar qualquer coisa, por menor que fosse de dados ou informações sem antes obter a aprovação de Ben-Gurion, que continuou a aplicar ainda durante essa pausa como primeiro ministro, quando Sharrit estava no poder, pois quando este primeiro-ministro visitou o Instituto em 1954, os cientistas tiveram que pedir desculpas por não ser capaz de mostrar-lhe os programas que estavam trabalhando naquele momento.

Embora muitos cientistas têm tomado um rumo para dirigir a IIBR, acredita-se que aquele que deixou sua maior marca é o seu atual diretor, Avigdor Shafferman. Shafferman, que foi nomeado por Klein, tem a reputação de ser uma espécie de força motriz, mas também está sendo muito rigoroso e rápido na demissão de funcionários membros por motivos disciplinares.

vírus-mortal

No entanto, tão importante quanto os detalhes que vieram à luz neste raro vislumbre público do funcionamento do IIBR, pouca atenção concentrou-se em uma verdade maior. Enquanto a comunidade internacional literalmente caça uma série de países que realizam/desenvolvem seus programas de armas convencionais que empalideceriam em escala se colocados ao lado de Israel, ele se recusa a ceder um centímetro para deter Israel, o que só incentiva o comportamento beligerante e tirânico de Tel Aviv.

Saleh El-Naami escreve para Al-Ahram, onde este artigo foi originalmente publicado.

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br 

5 Responses to O mais perigoso segredo de Israel

  1. Joseph

    Vocês teriam mais matéria sobre Israel ou armas biológicas?

  2. Sergio

    Para MIM, é muito estranho um cientista aceitar participar de qualquer projeto que visa o extermínio de um semelhante mesmo que este seja um “inimigo”.
    Porque “os olhos de Deus estão em todo lugar…”

  3. Paulo Henrique

    Cristo já nos advertiu a todos sobre esse “ninho de víboras”. Quem entendeu, sabe que deve se desapegar imediatamente deste mundo e deixá-lo para usofruto de seu criador, o DEMIURGO, representado pelos seus “filhos”. Eles o farão com proveito…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *