browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O ocaso do populismo na América do Sul

Posted by on 12/05/2016

POPULISTAS-FIM-FESTA-AMERICA-SULResultado das Eleições na Argentina e na Venezuela e o IMPEACHMENT DE DILMA no Brasil enfraquecem o populismo na América do Sul. 

A classe média mais madura e o agravamento da crise econômica levam a transformações nos movimentos sociais e a instituições mais fortes no continente. A eleição de Mauricio Macri para presidente da Argentina pode abrir um novo ciclo político na América Latina. Na Venezuela nas primeiras horas após a derrota nas eleições parlamentares, o presidente Nicolás Maduro, pareceu ter deixado de lado o tom aguerrido de seu discurso ao comentar o péssimo resultado nas urnas.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O resultado das eleições na Argentina e na Venezuela enfraquecem o populismo na América do Sul. No Brasil vários processos põe em risco a continuidade do mandato de Dilma Roussef.

Graziele Oliveira – http://epoca.globo.com

Diante do “perigo imediato” oferecido por novas forças políticas, o presidente da República se propôs a proteger a pátria. Ofereceu uma solução simples e direta: “O reforço do poder central”. Essas expressões foram usadas num discurso, em novembro de 1937, pelo então presidente Getúlio Vargas. Na época, Getúlio comandou um golpe que instalava o Estado Novo no Brasil, uma ditadura que durou oito anos, de 1937 a 1945.

manipulação-ocidente-nwo (2)

Sua teoria do “perigo imediato” expunha um tipo de raciocínio preguiçoso, que criou raízes e frutificou, no terreno das ideias na América Latina, com um vigor não encontrado em nenhuma outra região do mundo. Diante de desafios e instabilidades variadas, uma resposta desde sempre corriqueira por aqui é permitir a concentração de poder nas mãos de um político ou grupo (como na Roma antiga…. a história se repete, ad nauseam), incumbido de salvar o país. Ao mesmo tempo, reduz-se o poder de outros atores políticos, para evitar que eles “atrapalhem” o salvador.

Perdem autonomia e poder as instituições como o Judiciário, o Legislativo, órgãos fiscalizadores variados, partidos políticos, a imprensa e organizações da sociedade civil. Essa lógica perigosa se repete na região desde que ela se tornou independente das metrópoles europeias. E sempre dificultou o desenvolvimento por aqui.

A inépcia da América do Sul em desenvolver instituições sólidas – que nos deixam nas mãos de “ridículos tiranos” (para “governar um RIDÍCULO ELEITOR“), como diz a música de Caetano Veloso – fica evidente no ranking de competitividade feito anualmente pelo Fórum Econômico Mundial. Um dos critérios é a força das instituições. Segundo a definição do Fórum, elas são formadas pelo conjunto de leis, regras e normas que regem uma sociedade, inclusive as informais, junto com as entidades e instâncias capazes de fiscalizar e fazer valer essas leis, regras e normas.

manipulação-01

CADA POVO TEM O GOVERNO QUE MERECE… E ELEGE…

No ranking de solidez de instituições de 2015, com 140 países, Finlândia e Cingapura lideram, enquanto dez das 12 nações da América do Sul ficaram abaixo da 100ª colocação. O Brasil ficou num desolador 121º lugar. Chile e Uruguai são as boas exceções na região, com notas muito superiores aos demais. Argentina e Venezuelaficam com as piores colocações.

O populismo que carcome instituições viceja, mundo afora e ao longo da história, tanto à direita como à esquerda. Em seu surto sul-americano mais recente, a praga se difundiu com um discurso raso de esquerda, de antagonismo aos ricos, ataques a empresas, antiamericanismo infantil e promessa de crescimento fácil, sem as dores do risco e da meritocracia (ou seja, sem trabalho e esforço…). Espalhou-se por Venezuela, Argentina, Bolívia e Equador. Houve condições propícias para isso nos anos 2000.

Os populistas podiam bravatear e se gabar de seus feitos, graças ao fluxo de dinheiro vindo do exterior. As matérias-primas que a América do Sul exporta, como soja, trigo e petróleo, estavam valorizadas no mercado global. “Os experimentos populistas foram muito facilitados e tiveram sobrevida graças a um quadro internacional com preços elevados de matérias-primas”, diz Christopher Garman, cientista político e diretor para mercados emergentes da consultoria internacional Eurasia.

corrupção-reptil-petrobras

A riqueza do Petróleo, “um BILHETE PREMIADO” para governos incompetentes e corruptos, ladrões travestidos de políticos

Agora, sete décadas após o fim do Estado Novo no Brasil, o Brasil e outras nações da América do Sul veem alguns sinais de ruptura com a tradição de populismo forte e instituições fracas. Três deles são notáveis. No Brasil, pela primeira vez, a Polícia Federal prendeu um senador em exercício – Delcídio do Amaral (PT-MS). Desde que a Operação Lava Jato começou, a população vê políticos e empresários poderosos obrigados a responder por seus atos ilícitos.

Num momento raro, o cidadão vislumbra uma democracia em que valem as regras e a lei, e não a cultura da exceção, do personalismo e do “você sabe com quem está falando?”. Na Argentina, Mauricio Macrifoi eleito presidente e encerra um ciclo de 12 anos dos governos populistas de Néstor Kirchner (morto em 2010) e Cristina Kirchner. Na Venezuela, o governo do presidente Nicolás Maduro corre o risco de perder a eleição presidencial em 6 de dezembro. 

O “chavismo”, vertente do populismo de esquerda criado pelo antecessor de Maduro, Hugo Chávez (morto em 2013), enfrenta seu pior momento. O país sofre com inflação alta, escassez de produtos básicos, desemprego e recordes de violência. A parcela de venezuelanos que dá avaliação negativa para o governo Maduro subiu de 59% em junho de 2013 para mais de 80% em junho deste ano. E 61% dos cidadãos o culpam pela crise, em comparação com apenas 7% que culpam os opositores e 4% os empresários.

epoca-senador-banqueiro-bumlai

Em fevereiro deste ano, estudantes em San Cristóbal, no Estado de Táchira, protestaram contra a falta de segurança nas universidades depois que uma jovem sofreu uma tentativa de estupro. Os protestos se alastraram por outras cidades e incorporaram novas demandas. O país vive um momento semelhante ao que o Brasil viveu nas manifestações em 2013.

Além do sinais animadores nesses três países, há outros bons exemplos na América do Sul. Uruguai e Chile, com governos atualmente de centro-esquerda, exibem maturidade democrática notável. Colômbia e Peru, mais pobres e com histórico recente de território partido por guerrilhas, também animam os observadores, por terem conseguido melhorar tanto, tão rapidamente.

Garman atribui o ímpeto de mudança também à frustração de expectativas da classe média, que se expandiu e se educou na região. Esses grupos passaram a exigir políticas públicas melhores e menos corrupção e a tolerar menos os discursos simplistas. “Demandas novas de uma classe média mais madura são um problema sério para os políticos na América Latina”, diz Garman. E o ciclo benigno, caso pegue impulso, tende a se propagar entre países.

epoca-cervero-lula-propina-de-pasadena

As máscaras começam a cair para grandes expoentes do populismo na América do Sul

“A Venezuela é a fonte de muito desse populismo. É um país a se observar. Se a tendência de queda do populismo continuar, deve haver uma aproximação entre os países do Mercosul e os da Aliança do Pacífico”, afirma Antonio Sampaio, pesquisador do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, em Londres. A Aliança do Pacífico é o bloco econômico formado por Chile, Peru, Colômbia e México, mais aberto ao mercado global que seus vizinhos do Mercosul, incluindo o Brasil. As mudanças são auspiciosas. Mas o otimismo saudável requer um grau de ceticismo.

A queda dos índices de aprovação de governos na América Latina não configura uma reação exatamente contra o populismo – ela foi generalizada na região e decorre, em grande parte, do fim do ciclo de bonança das matérias-primas em alta. Num cenário pessimista, o clima de desafeto com os atuais governantes pode apenas abrir espaço para candidatos aventureiros e oportunistas.

“Uma democracia que não entregue resultados aos cidadãos, com desenvolvimento e alguma justiça social, dificilmente conseguirá legitimidade no médio e longo prazo. Isso mina a força das instituições”, diz Alfonso Dingemans, professor e pesquisador do Departamento de História na Universidade de Santiago do Chile. Se a América do Sul seguir esse caminho ruim, apenas se atolará mais em sua tradição de querer respostas rápidas e não chegar a solução nenhuma.

rato-corrupcao_no_brasil

O ministro Gilmar Mendes do STF chegou a citar que ouviu uma vez que “ladrões de sindicato transformaram o país (o Brasil) em um sindicato de ladrões” e completou dizendo que “não podemos permitir que um país se transforme em um sindicato de ladrões”.

Reforçar as instituições, em vez de concentrar poder nas mãos de indivíduos, não é uma questão de preferência moral. Leis cegas e fiscalização dura resultam em vida melhor para o cidadão. Uma corrente de economistas se dedica a estudar o assunto.

O maior deles foi o americano Douglass North, ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 1993, morto na semana passada. Seu maior mérito foi mostrar que instituições fortes, se não são um caminho curto, são o mais seguro para uma sociedade obter prosperidade, liberdade e justiça.


  • Na Era do Ouro, as pessoas não estavam conscientes de seus governantes.
  • Na Era de Prata, elas os amavam e cantavam.
  • Na Era de Bronze, elas os temiam.
  • E por fim, na Era do Ferro (a atual), elas os desprezavam.
  • Quando os governantes perdem sua confiança, as pessoas (e Deus) perdem sua fé (e o RESPEITO) nos governantes. –  Retirado do Tao Te Ching

contagem-regressiva

“Ai do mundo, por causa dos escândalos; porque é mister que venham escândalos, mas ai daquele homem por quem o escândalo vem!”Mateus 18:7


ATUALIZAÇÃO em 12-05-2016:

DILMA ROUSSEF e o PT são defenestrados do governo pelo voto de 55 senadores autorizando o IMPEACHMENT do governo Dilma pelo Senado. É o FIM do PROJETO DE PODER da esquerda mais corrupta da história da América Latina !

O plenário do Senado Federal aprovou, na madrugada desta quinta-feira (12), a instauração do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Com 78 senadores presentes, 55 senadores (70,51%) votaram favoravelmente à continuidade do processo de impedimento, enquanto 22 votaram não. Apenas o presidente da Casa, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), optou por não votar.

Antes da votação, realizada por meio de painel eletrônico, os senadores que se inscreveram tiveram a oportunidade de defender seus votos por até 15 minutos cada. Por isso, a sessão que teve início às 10h de quarta-feira, só se encerrou às 6h40 desta quinta (12), após o pronunciamento do Advogado Geral da União, José Eduardo Cardozo e da votação.


Mais informações em:

  1. http://thoth3126.com.br/dilma-rousseff-o-movimento-que-quer-derrubar-seu-governo/
  2. http://thoth3126.com.br/corrupcao-na-petrobras-usada-para-pagar-dizimo-a-igreja-evangelica/
  3. http://thoth3126.com.br/pmdb-quer-derrubar-dilma-em-ate-quatro-meses/
  4. http://thoth3126.com.br/lava-jato-senador-do-pte-banqueiro-do-btg-pactual-sao-presos/
  5. http://thoth3126.com.br/lava-jato-policia-federal-prende-amigo-de-lula-empresario-jose-carlos-bumlai/
  6. http://thoth3126.com.br/prisoes-de-senador-banqueiro-e-amigo-de-lula-provocam-um-terremoto/
  7. http://thoth3126.com.br/suprema-reacao-do-stf/
  8. http://thoth3126.com.br/dilma-sabia-das-falcatruas-da-compra-de-pasadena/
  9. http://thoth3126.com.br/aberto-processo-de-impeachment-de-dilma/
  10. http://thoth3126.com.br/planalto-teme-influencia-da-lava-jato-no-impeachment-apos-cervero-citar-dilma/
  11. http://thoth3126.com.br/o-dominio-do-fato-jurisprudencia-pode-prender-lula/
  12. http://thoth3126.com.br/o-que-esperar-da-operacao-lava-jato-em-2016/
  13. http://thoth3126.com.br/brasil-o-que-faltava-o-mosquito-da-zika/

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

4 Responses to O ocaso do populismo na América do Sul

  1. Allan

    Tchau Querida!

  2. Joaquim Caldas

    Bandidos,bandidos e ladrões. A A.L está fudida…

  3. lek

    Estão tirando o governo dilma e colocando um pessoal mil vezes pior e perigoso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *