browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O Reino dos Khazares, parte II final

Posted by on 21/11/2016

Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede recebe; o que busca encontra; e a quem bate, abrir-se-lhe-á”. Mateus, 7, vers. 7 e 8  

Na definição das origens dos judeus ashkenazim, Alan Brook afirma que: “A localização geográfica dos judeus Ashkenazim, baseado em referências na Torah, pode ser centrado em torno do sul da Rússia, Armênia e Ásia Menor. Ashkaenoi (askae ou askai) foram também as pessoas conhecidas como Phrygians ou Mysians (Meseque). 

Tradução, edição e imagensThoth3126@protonmail.ch 

O Reino dos Khazares – Parte II e final

Fontehttp://www.apfn.org/THEWINDS/library/khazars.html

Parte II – A ORIGEM DOS Judeus KHAZARES ASHKENAZIM 

Judá… se casou com a filha de um deus estranho. O Senhor vai cortar o homem que fizer isto. “ Malaquias 2:11, 12 

Alguns historiadores afirmam que o nome Ashkenaz aplica-se exclusivamente aos judeus alemães. Entretanto, a evidência mais recente mostra que eles imigraram a partir das regiões do sul da Rússia e da Ásia ocidental e da Ásia Menor – a região que já foi claramente identificada como o local e a origem dos khazares antigos. 

Os modernos judeus são essencialmente divididos em duas categorias principais, étnica e culturalmente: sefaradim e ashkenazim (Sefaradi e Ashkenazi). Os primeiros são principalmente de origem semita espanhola, o nome Sefaraditas sendo derivado de Sefarada palavra hebraica para a Espanha, e provavelmente eles são o mais próximo dos antigos judeus semitas reais que pode ser estabelecido. Eles foram expulsos da Espanha no início do século XVI, e emigraram em direção para o leste do Mediterrâneo e região dos Bálcãs (Croácia, Sérvia, Bósnia, Eslovênia).

Ainda em 1960 os judeus Sefaraditas eram apenas cerca de quinhentos mil, em comparação com os Ashkenazim do mesmo período estimado em cerca de doze milhões de europeus. 61 

Na definição das origens dos ashkenazim, Alan Brook afirma que: “A localização geográfica dos judeus Ashkenazim, baseado em referências na Torah, pode ser centrado em torno do sul da Rússia, Armênia e Ásia Menor. Ashkaenoi (askae ou askai) foram também as pessoas conhecidas como Phrygians ou Mysians (Meseque). “Alguns historiadores afirmam que o nome Ashkenaz aplica-se exclusivamente aos judeus alemães. Entretanto, a evidência mais recente mostra que imigraram a partir das regiões do sul da Rússia e da Ásia ocidental e da Ásia Menor – a região que foi claramente identificada como o local e a origem dos khazares antigos. 

As fronteiras do Império Khazar entre 600 e 850 d.C.

O nome inicialmente indicava iranianos e mais tarde foi dado como o nome do deus de MesequeHomens Askaenos. “Também deve ser salientado,” Brook acrescenta, “que Ashkenaz não se tornou uma denominação definitiva judaica na Alemanha até ao século XI.” 62

Segundo a “explicação do Talmud”, escreve Hugo Freiherr “, Ashkenaz foi assim, um país próximo do Mar Negro, entre o Monte Ararat e das Montanhas do Cáucaso, na região original do Império Khazar“. 63 

Essa, novamente, é precisamente a localização geográfica do Império Khazar. A observação talmúdica é auxiliada pelas Escrituras, que a denominação  Ashkenaz não é dado como descendente de Sem, mas sim através de Jafé: Gomer, e cujos tios eram Magog e Tubal. (Veja Gênesis, 10:3) 

O termo Ashkenaz (pronúnia: Asquenaz) é mencionado apenas em mais uma  escritura bíblica, além de 1 Crônicas 1:6, que é apenas uma outra referência à genealogia dos descendentes de Jafé. No livro de Jeremias, o profeta, Deus anuncia que Israel está a recorrer a outras nações como aliados para trazer os seus juízos contra a Babilônia. Entre os aliados, que , e, portanto, não poderiam ser contados como judeus, esta Asquenaz. (Ver Jeremias. 51:27) 

A UNESCO, da United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization, publicou uma série de folhetos intitulada The Race Question in Modern Science, no qual um dos autores, Harry Shapiro, afirma:

A ampla gama de variação entre as populações judaicas em suas características físicas e à diversidade das freqüências de genes de grupos sanguíneos  tornam para eles qualquer classificação racial unificada uma contradição em termos. Pois, embora a teoria racial moderna admita um certo grau de polimorfismo ou variação dentro de um grupo racial, que não se permite a grupos muito diferentes, medidos por seus próprios critérios de raça, para serem identificados como um integrante da raça. Para fazer isso tornaria os efeitos biológicos de classificação racial fútil e todo o procedimento arbitrário e sem sentido, apesar dos esforços que continuam a serem feitos, para provar de alguma forma segregando os judeus como uma entidade racial distinta. (O  dogma do povo eleito)64 

Assim, a tentativa de afirmar a existência de uma específica “raça” de judeus tem tal afirmativa, provado ser uma impossibilidade antropológica. Embora o seu deus de forma consistente os tenha advertido contra misturarem-se entre raças de não-judeus, suas tendências à miscigenação racial estão bem documentadas, e que resultou no seu completo apagamento como um povo geneticamente distinto

Quando, inevitavelmente, houve mistura de judeus europeus ocidentais e khazarianos judeus, havia uma diferença notável entre os níveis educacionais das duas sub-culturas judaicas. Os Khazares admiravam muito menos suas fileiras numerosas, mas muito mais o aprendizado ocidental (de língua alemã) dos seus irmãos em religião e rapidamente adotaram o seu idioma, a educação e práticas culturais. Isso resultou, também, em uma equiparação de seus outros talentos na área de Economia, negócios e outras coisas sobre política. 

“Os khazares eram descendentes de tribos nômades”, diz Koestler, “mas, como vimos, eles compartilharam um certo cosmopolitismo e outras características sociais, com os seus correligionários alemães.” 65  Em algum lugar incubada nas Raízes Históricas dos judeus  khazares-Ashkenazi  havia um desejo de possuir um lar nacional judaico. Esse desejo manifestou-se sob a forma de um movimento messiânico no século XII na Khazaria que assumiu a textura de uma cruzada “judaica”, cujo objetivo era a subjugação forçada da Palestina. Um judeu Khazar chamado Salomão ben Duji instigou o movimento e começou uma correspondência internacional com todos os judeus das nações circunvizinhas. 

Parece que Ben Duji estava possuído de ilusões messiânicas de sua autoria em que ele afirmou que “chegara a hora em que deus reuniria Israel, Seu povo de todas as terras em Jerusalém, a cidade santa, e que Salomão Ben Duji era Elias, e seu filho, o Messias “. 66 

Ruínas de uma fortaleza Khazar, em Sarkel, às margens do Rio Don (acima na foto), hoje situada no sul da Rússia

Este desejo de uma pátria judaica ecoou ao longo dos séculos e encontrou expressão novamente. “Foi entre os judeus ASKHENAZIM”, diz a Encyclopedia Americana“, que a idéia do sionismo político surgiu, levando finalmente à criação do moderno Estado de Israel em 1948…. No final dos anos 1960, os judeus ashkenazim contavam cerca de 11 milhões de europeus, cerca de 84 por cento da população judaica do mundo.” 67

Às vezes, Arthur Koestler, em seu tratamento amplo e abrangente do tema, aparece, como um judeu, ele mesmo, para debater com a flagrante contradição de que os judeus, que não têm identidade nem genética ou étnica verdadeira, têm direito a terras que nunca ocuparam, por qualquer direito de origem, propriedade ou da posse, e cujos ancestrais nunca a ocuparam.

Em seguida, alegando ser o Estado de Israel, criado pela vontade das Nações Unidas, foi arbitrariamente retirada a terra palestina da posse dos que legitimamente a possuíram e ocuparam há milhares de anos. Mr. Koestler afirma que esse direito “não se baseia na hipótese das origens do povo judeu, nem sobre o pacto mitológico de Abraão com Deus, é baseada no direito internacional – ou seja, sobre as Nações Unidas ter tomado a decisão em 1947 para repartição da Palestina[efetivamente declarados em 14 de maio de 1948.] ” 68 

Assim, ele elimina o que logicamente, pareciam ser os motivos mais legítimos (se houver algum) para o estabelecimento de Israel pela posse da Palestina (pela linhagem e descendência racial), e baseia a sua argumentação sobre a tese tão vaporosa do que ele chama de “direito internacional”.

O que fez as Nações Unidas, em 1948 foi sem dúvida tomar o seu primeiro ato oficial cometendo  uma violação da sua Carta na desapropriação de mais de quatro milhões de palestinos para o propósito de criar uma nação de um povo que não tinha ancestrais ou direito atual e legal,o que quer que seja  para a terra. 

O aparente conflito na mente de Koestler torna-se evidente em uma aparente contradição, quando ele conclui que a fé do judaísmo “transformou os judeus da Diáspora em uma pseudo-nação sem qualquer um dos atributos e os privilégios de nacionalidade, realizadas em conjunto frouxamente por um sistema de crenças tradicionais baseados em premissas raciais e históricas que acabam por serem ilusórias “. 69 Ele afirmou sucintamente, alegando que a idéia de uma identidade nacional judaica é baseada em uma ilusão criada por uma história que não existe. 

Será mostrado que o afluxo de que agora sabemos ser judeus não semitas, de origem Khazar constituí a primeira “invasão” de Gog da terra de Magog, como profetizado nas escrituras bíblicas. O aspecto fascinante disto é que, como virtualmente em todas as outras profecias, que aqueles que reivindicam pré-eminência teológica em seu conhecimento das Escrituras, esqueceram completamente o respeito e o cumprimento às mesmas profecias – assim como fizeram os judeus na primeira vinda do Messias.

deus-homem-animal-ets

Gog, Magog e os  Ashkenazim

Há muito que a crença do cristianismo dos anos no século XX (e, agora, vigésimo primeiro século) que perto do final da história deste mundo como descrita na Bíblia, Gog da terra de Magog, definida pelos cristãos como Rússia – o “Rei do Norte “- iria invadir a Terra Santa da atual Israel e antiga Palestina.

Ministérios locais e do mundo católico conservador gastam enormes quantidades de tempo na tentativa de “decifrar” profecias como as encontradas em Ezequiel 38 e 39, Daniel 11 e Apocalipse 20, e praticamente todos eles chegaram à conclusão anteriormente  mencionada. Na maioria dos casos, a crença na invasão de Israel pela Rússia e pela derrota do anti-Cristo na subseqüente guerra do Armagedom é acompanhada pela idéia de que haverá um reinado de mil anos de paz após o retorno de Cristo à terra. 

Representante desta crença quase universal, como Jeffrey Grant, Tim LaHaye (principal co-autor da série de livros “Deixados Para Trás”), o ministro Jack Van Impe, etc. Van Impe, amplamente conhecido evangelista de rádio e televisão nos EUA, publicou volumes de literatura sobre a profecia bíblica e muito sobre o assunto de Gog e Magog.

“Quando a Rússia se dirigir para o sul para travar a batalha”, escreve Van Impe em um artigo intituladoArmageddon: O fim ou o começo? “Ela vai ser uma força muito poderosa quando ela vier contra o exército do Anticristo com carros, cavaleiros e com muitos navios. Esta é a primeira onda militar”, disse Van Impe, que continua “, da campanha militar começando em três vertentes, o Armageddon mencionado em Daniel 11:40 quando o rei do sul (Egito e sua Federação Árabe) e o rei do norte (Rússia) começa seu movimento de pinça.

Ezequiel 38:16 diz: “E subirás contra o meu povo de Israel, como uma nuvem, para cobrir a terra e será nos últimos dias, e vou trazer-te contra a minha terra, para que as nações me conheçam a mim, quando eu me houver santificado em ti, ó Gogue, diante dos seus olhos. ” Uma vez que a Rússia fizer seu movimento, o Anticristo ficará furioso. Ele (O anti Cristo) vai entrar na “terra gloriosa”, em Israel. “Imediatamente”, concluiu Van Impe “, ele posiciona-se em Jerusalém”. 

Em referência ao ex-presidente russo Boris Yeltzin e outros líderes russos, Van Impe pergunta: “Poderia um destes líderes acima ser o” Gog “de Ezequiel 38:2?”. (Esse líder poderia ser Vladimir Putin, que já expulsou da Rússia judeus askhenazis  ( começo do século XXI) que tinham controle sobre o mercado financeiro, petróleo e outras áreas importantes de seu país.) 

Essa perspectiva bíblica de Gog invadir Israel vindo do norte em algum momento futuro é também em grande parte idealizado por teólogos judeus. Por exemplo, em 1° de Outubro de 1996, o jornal Jerusalém Post, publicou artigo intitulado “Todos à Gog”, o colunista Moshe Kohn, aborda o assunto:   “A guerra para acabar com todas as guerras esta para ser lançada contra Eretz Israel por “Gog da terra de Magog, príncipe e chefe de Meseque e Tubal ‘como predito em Ezequiel 38 e 39. 

“Nós não sabemos o que ou quem MagogMesequeTubal e Gog  são, só sabemos que Gog e seus aliados estão para descer em Eretz (Terra de) Israel pelo norteDeus irá destruir os invasores, e ‘Eu vou restaurar a fortuna de Jacó, e tenho misericórdia de toda a casa de Israel … e não vou esconder o meu rosto deles mais. 


Acima: As estrelas da Constelação do Dragão (DRACO em Latim) localizadas bem próximas do Polo NORTE (Marcada pela estrela Polaris, da Constelação da Ursa Menor-Ursa Minor) Celeste

{n.T. Esta invasão VINDA DO NORTE, poderia significar vindo dos céus ao norte, vinda do Sistema Solar de Thuban, uma das estrelas da Constelação do DRAGÃO (Origem de um tipo de reptilianos). Poderá ser uma futura guerra literalmente interplanetária, e na qual não lutaremos sozinhos, pois teremos a ajuda da Frota Interestelar (que hoje cerca e protege o planeta Terra) da Federação. Por isso esta dito que Deus não vai mais esconder o seu rosto, do seu “povo”. Finalmente nos LIVRAREMOS do jugo das raças extraterrestes reptilianas, uma delas oriunda do Sistema Estelar de Thuban, da Constelação do Dragão}


“O Novo Testamento também menciona a Guerra de Gog / Magog, em Apocalipse 20, como a batalha final entre os governantes da Terra, os exércitos liderados por Satanás e as forças de Deus (lideradas por Ashtar Sheran e cia). Nessa versão, esta guerra também poderá ser o que é chamado na tradição cristã como Batalha do Armagedon, um lugar mencionado no Apocalipse 16:16. ” 70  Como alguns historiadores vêem as origens de Gog e Magog:

  • Flavius Josephus afirmou que “Magog fundou aqueles que dele foram nomeados Magogites, mas que são chamados pelos gregos de Citas”. 71
  • Josefo viveu e morreu um meio-milênio antes da fundação do reino Khazar e, portanto, não poderia ligar os da região dos citas com os khazares. A Enciclopédia Católica observa que “Josephus e outros identificam Magog com a Cítia, na antiguidade, mas este nome foi usado para designar vagamente toda a população do norte.” 72
  • No entanto Josefo não tem um comentário interessante sobre Tubal, o irmão de Magog e  Meseque, que soa como se fosse feito especificamente para os seus descendentes, os khazares: “Tubal ultrapassou todos os homens em força, e ficou muito famoso e especialista em espetáculos marciais. ” 73
  • O escritor Vasiliev em “Os godos na Criméia”, em citações do Vida por São Abo de Tbilisi, que alegou que “os khazares eram filhos selvagens” de Magogue “que não tinham” nenhuma religião que seja, embora reconhecendo a existência de um Deus único. ” 74
  • As referências feitas pelo Rabino Petakhiah em seu diário de viagem Sibbuv ha-Olam, relativo à conversão do Rei Khazar, Bulan ao judaísmo, faz menção de que o reino era o de Meseque antigo. 75
  • Muito em harmonia com a terminologia bíblica profética, Koestler escreve que os persas e os bizantinos é que se referem a Khazaria como o “Reino do Norte” com o qual quase todos os teólogos modernos ligam Gog e Magog. 76
  • Ibn Fadlan, o famoso viajante árabe dos anos 700 fez o comentário em seu diário que “os Khazares e seu rei são todos judeus. Os búlgaros e seus vizinhos estão sujeitos a ele. Eles tratam-no com obediência reverente. Alguns são de opinião que Gog e Magog são os khazares.
  • O “Monge Vestefália, Christian Druthmar de Aquitânia, escreveu um tratado em latim Expositio in Evangelium Mattei, No qual ele relata que existem pessoas sob o céu em regiões onde os cristãos não podem ser encontrados, cujo nome é Gog e Magog, e que são os povos hunos, entre eles um povo, chamado de Gazari [khazares] que são circuncidados e observam o Judaísmo na sua totalidade. ” 77
  • “Após um século de guerra”, observa Koestler, os cronistas árabes “, obviamente, não tinham grande simpatia por khazares. Tampouco os escribas georgianos ou armênios, cujos países, de uma cultura muito mais antiga, tinham sido repetidamente devastados pelos cavaleiros Khazares. A Crônica georgiana, ecoando uma antiga tradição, identifica-os (os Khazares) com os exércitos de Gog e Magog – “homens selvagens com rostos hediondos e os costumes de feras, os comedores de sangue ‘”. 78
  • O Talmud – Avodah Zara 3B afirma: “A guerra de Gog e Magog [Rússia], será um dos principais eventos para anunciar na vinda da Era Messiânica. O Targum Jerusalém afirma que, “No final dos dias, Gog e Magog devem marchar contra Jerusalém, mas perecerão pela mão do Messias”.
  • Simplesmente falando, “Gog é um nome simbólico, representando o líder dos poderes do mundo antagônico a Deus.” [A Bíblia Imperial-dicionário]

Em resposta àqueles que acreditam que Gog, da terra de Magog é especificamente a Rússia, no livro do Apocalipse 20:8 fornece uma clarificação quanto à região geográfica verdadeira de Gog nos últimos dias: “As nações que estão nos quatro cantos da terra, Gog e Magog ,…” Esta força mundial, que para”os quatro cantos da terra” é onipresente, não existente não só na Rússia, apenas exclusiva para a área da bússola ao norte da Palestina. Os nomes Gog e Magog parecem ser usados apenas como uma indicação de suas origens, e não a sua localização geográfica final (certíssimo).

{N.T. O grande erro que os eruditos, estudiosos e entendidos cometem ao analisar as escrituras que se referem a essa batalha, é que eles não percebem que toda a narrativa É ALEGÓRICA e os locais citados não são necessariamente baseados em terra firme/regiões físicas do planeta.}

Existe um grupo identificável, mas que se encaixa à “designação” onipresente de ocupar “os quatro cantos da terra”, um grupo cuja identidade cultural-religiosa manteve-se intacta, apesar de suas origens étnicas desapareceram na Antiguidade, que, apesar de dois mil anos sendo dizimada pela perseguição, a emigração forçada, doenças e guerra, ainda sobreviveu, e cujas raízes estão justamente onde a Escritura profética diz que estaria – nas terras do norte de Magog, as estepes ao sul da Rússia.

Assim como os judeus, por má interpretação das Escrituras buscando atender seus desejos nacionalistas,perderam a primeira vinda de seu Messias, assim também os cristãos (eu diria católicos), da mesma forma,reinventando os mesmos erros, perderam as questões proféticas dos últimos dias – e — a segunda vinda do Messias. Eles colocaram a invasão da Palestina como em algum momento no futuro, quando ela já ocorreu em 1948, e de uma maneira tão inesperada como se tivesse chegado em cima deles de repente, como o Messias, como “um ladrão na noite”.

Como um profeta do século XIX, escreveu: “O mundo não esta mais pronto a dar crédito a mensagem profética para este tempo do que foram os judeus para receber os avisos do Salvador acerca de Jerusalém.” 79Este é claramente o caso, tanto agora como quando as palavras foram escritas.

UMA PÁTRIA PARA GOG E MAGOG

Se a tendência atual continuar por mais 37 anos (Começo do século XXI) na mesma direção e à mesma taxa com que aconteceu nos últimos 37 anos, a fé cristã/católica como ela é hoje professada pelos cristãos/católicos terá desaparecido da face da terra. De que forma ou por que medida a missão de Jesus Cristo será então continuada posteriormente a fazer-se manifestar aqui na terra é tão imprevisível como é inevitável. – Benjamin H. Freedman

“Em uma palavra, para resumir nosso sistema de manter sob controle os governos dos goyim (termo que designa todos os povos não judeus) na Europa, em cheque, vamos mostrar nossa força para um deles por atentados terroristas e para todos, se permitirmos que a possibilidade de um levante contra nós, aconteça, nós deveremos responder com as armas da América (que é controlada pelos judeus askhenazim)”. — Sétimo Protocolo dos Sábios de Sião 

Não é minha intenção nesta carta expor os conspiradores que estão dedicando-se à destruição da fé cristã, nem para a natureza e extensão da conspiração em si. Que a exposição iria preencher muitos volumes. A história do mundo durante os séculos passados e diversos eventos no país americano e no exteriorconfirmam a existência de tal conspiração. O clero católico/cristão parece ser mais ignorante ou mais indiferente sobre essa conspiração do que os outros cristãos. O clero católico/cristão pode ficar chocado ao saber que eles foram os maiores cúmplices dedicados aos inimigos da fé cristã. – Freedman

“A liberdade de consciência foi declarada em toda parte, de modo que agora só alguns anos faltam para o momento da completa destruição do que é a religião católico-cristã: em relação às outras religiões, teremos ainda menos dificuldade em lidar com elas. Agiremos como clérigos e através do clericalismo em tal quadro estreito para fazer seu movimento de influência ser regressivo  na mesma  proporção do seu progresso. O Décimo Sétimo Protocolo dos Sábios de Sião 

Que poder de segredo misterioso tem sido capaz de em inúmeras gerações de manter a origem e a história dos khazares e do Reino Khazar fora do contexto histórico, dos livros de história e fora das aulas e cursos de história na história de todo o mundo? A origem e a história dos khazares e do Reino Khazar certamente hoje são incontestáveis fatos históricos. – Freedman

Direita: Benjamin Freedman, como mencionado anteriormente, era um judeu Ashkenazim que foi um funcionário público altamente colocado no governo norte americano no início de meados do século XX e teve acesso livre a presidentes e estadistas mundiais até a administração Kennedy.

“Nosso poder na atual condição cambaleante de todas as formas de poder será mais invencível do que qualquer outro, porque ele permanecerá invisível e astuto até o momento em que ganhará tal força que não poderá mais ser minado.” — O Primeiro Protocolo dos Sábios de Sião 

O Sr. Freedman, sendo um rico empresário judeu, tornou-se desiludido com sua herança judaica após saber de suas origens e suas maquinações políticas em todo o mundo. Rompendo com o judaísmo organizado,gastou a maior parte da sua grande fortuna na tentativa de revelar ao mundo a verdadeira força motriz por trás da criação da nação de Israel pelas Nações Unidas, bem como outros equívocos históricos relativos às raízes khazarianas do judaísmo moderno.

Acima: Capa do livro “Fatos São Fatos” a verdade sobre os judeus khazares , escrita por UM JUDEU KHAZAR, o Sr. Benjamim H. Freedman, em foto à esquerda.

Em uma convincente narrativa da história do mundo da época, Freedman relaciona o fomento da traição que presenciou na manipulação do resultado da Primeira Guerra Mundial. A Alemanha, de acordo com Freedman e outros historiadores, estava aparentemente vencendo o primeiro conflito mundial, e tinha virtualmente ganha a guerra, quando eles fizeram, no verão de 1916, uma oferta muito magnânima e surpreendente  para a Grã-Bretanha.

A Inglaterra estava em uma posição muito precária naquele momento, essencialmente sem munição e com suprimentos de comida para cerca de uma semana restante, a serem seguidos por inanição nacional; os submarinos alemães, tendo pego os aliados completamente de surpresa, haviam cortado todos os comboios de transporte de suprimentos. Então acima de tudo veio o inesperado,– a Alemanha ofereceu condições para a paz, apesar de estar vencendo a guerra(1916).

“Naquele tempo”, disse Freedman, “o exército francês tinha se revoltado. Tinham perdido 600.000 homens na flor da juventude francesa na defesa de Verdun no vale do rio Somme. O exército russo estava desertando, eles pegaram seus brinquedos e foram para casa , eles não queriam jogar mais a guerra, eles não gostavam do Czar. E o exército italiano tinha desmoronado.

“Nem um único tiro foi disparado em solo alemão” Freedman continua. “Nem um único soldado havia atravessado a fronteira para a Alemanha” e eles ainda ofereceram a paz. Paz e não o ordinário tratado imposto pelo conquistador ao conquistado. Os alemães propuseram um status quo anterior à guerra no acordo de paz, o que significa que ambas as partes retornariam ao status de antes do início das hostilidades.

Com a sedução de tal oferta, e com todas as outras opções efetivamente eliminadas, a Grã-Bretanha não tinha outra escolha senão aceitar. No entanto, surgiu outra, muito mais atraente para o ego britânico, que traria uma vitória até aquele momento impossível. Enquanto que a Alemanha estava tentando acabar com a guerra em uma forma mais que equitativa, os judeus sionistas alemães, representando judeus sionistas da Europa Oriental, aproximou-se do Gabinete de Guerra Britânico e ofereceu-lhes uma alternativa para apenas fingir que uma guerra nunca tivesse acontecido.

Neste ponto, seria boa a definição do significado de SIONISTA. “Aqueles foram (e são) os judeus, cujo objetivo dominante era o estabelecimento (o maior interessado nesse projeto foi Rothschild e sua familia) de uma pátria judaica na Palestina“, uma proposição de que a maioria dos judeus na época não endossavam. O Webster’s Collegiate Dictionary define o “sionismo”, como “origem de um movimento internacional para o estabelecimento de uma comunidade judaica nacional e religiosa, na Palestina e, mais tarde para o apoio da nação de Israel moderna.

Uma imagem muito difícil de ser publicada nos principais meios de comunicação (controlados) , judeus protestando contra a existência do estado de Israel. Pesquise no site indicado na faixa:  www.nkusa.org

Ao mesmo tempo em que a ONU decretou que Israel seria um Estado legítimo, em 14 de maio de 1948, a mais conservadora das seitas judaicas, os Hasidimfez forte oposição à criação de um Estado secular de Israel, alegando que era errado fazer isso, além da vinda do Messias. A oferta feita aos britânicos no momento perto da vitória total da Alemanha consistiu de uma proposta para trazer os Estados Unidos na guerra apóiando a Grã-Bretanha e, assim, garantir uma vitória dos Aliados.

A Inglaterra teria que concordar, nesse caso, após a derrota da Alemanha, acordando para garantir uma grande parte da Palestina como uma pátria judaica – mantendo em mente que essa trama foi sendo criada por aqueles judeus que não tinham ascendência diretamente ligada, qualquer uma que seja, com as tribos semitas do antigo Israel, e portanto nenhum direito ancestral para fabricar ou mesmo reivindicar um controle remoto para a região da Palestina.

Outra imagem que não recebe publicidade: RABINOS ANTI-SIONISTAS JUDEUS ORTODOXOS se REÚNEM e confraternizam COM ERUDITO MUÇULMANO
01 de fevereiro de 2011: Rabinos Ortodoxos Anti-Sionistas se reuniram com o estudioso muçulmano, Shiek Yousef Al-Qaradawi em Doha, no Catar.

Foreign Office (Relações Exteriores) – 2 de novembro de 1917Freedman faz a observação de que a Inglaterra não tinha mais direito à fazer a promessa da Palestina para os judeus do que “os Estados Unidos teriam de prometer o Japão para a Irlanda” – mas é precisamente isso que eles fizeram. Esta promessa resultou na elaboração de um documento histórico pequeno chamado A Declaração de Balfour. A seguir está o texto, na íntegra (um fato muito curioso e  SINTOMÁTICO, a carta foi emitida no dia de finados, o dia dos mortos02 de novembro), do documento histórico curto e conciso:

Caro Lord Rothschild,

Eu tenho muito prazer em transmitir-lhe, em nome do governo de Sua Majestade, a seguinte declaração de simpatia com as aspirações judaicas Sionistas, que foi submetida e aprovada pelo Diretor de Gabinete.

“A visão do Governo de Sua Majestade é com favor de estabelecimento na Palestina de um lar nacional para o povo judeu, e usará seus melhores esforços para facilitar a realização do presente objeto,ficando claramente entendido que nada será feito que possa prejudicar os direitos civis e religiosos, os direitos das existentes comunidades não-judaicas na Palestina, ou os direitos e o estatuto político dos judeus desfrutados em qualquer outro país “.

Ficaria muito grato se você levar esta declaração ao conhecimento da Federação Sionista.

Atenciosamente,

Arthur James Balfour

Abaixo: Fac-símile da Carta endereçada  à Rothschild:

Observe a segunda frase (que também é o segundo parágrafo), que afirma que “que nada será feito que possa prejudicar os direitos civis e religiosos das comunidades não-judaicas existentes na Palestina. Seria, talvez, que não devesse ser considerado naquele tempo que a expropriação forçada de outras pessoas de sua terra e da sua propriedade – a saber, os árabes palestinos – foi uma violação ou prejudicou os seus direitos “civis e religiosos”? Isso parece ser um bocado forçado.

Um ponto interessante na apresentação de Freedman é que os judeus alemães foram muito bem tratados em suas terras, muitos deles fugiram da perseguição da Rússia e outros países do Leste Europeu. Como Freedman coloca, “os judeus nunca foram tão bem tratados em qualquer outro país no mundo como tinham sido na Alemanha até então.” Quase todos os grandes gigantes industriais da época,  Rathenaus,  Balins, Bleichroder, os Warburg, e claro, os Rothschilds (a quem a carta de Balfour é dirigida)eram (e continuam sendo) judeus askhenazis e residiam na Alemanha.

O que os judeus sionistas khazares e askhenazis fizeram não foi nada menos que uma clássica “VENDA” da sua própria pátria alemã. Os métodos utilizados para levar os Estados Unidos a entrar na guerra contra a Alemanha, também parecem ser clássicos e que foi um modelo padrão para muitas outras INDUÇÕES, que levaram os E.U.A. a entrar em guerras que ele não tinha razão para lutar. Tal como acontece com o conflito sérvio e muitos outros desta época recente, quando foram fabricadas atrocidades contra  minorias étnicas, mulheres e crianças foram usadas para obter o acordo do Congresso americano e os seus cidadãos, de modo que o mesmo dispositivo também foi usado para trazer os E.U.A. na Primeira Guerra Mundial.

Freedman observa que a mídia americana, que, que antes havia sido um pouco pró-Alemãnha, começou a relatar que os alemães estavam envolvidos na prática de atrocidades que, mais tarde foi provado, eram totalmente falsas: atrocidades como o assassinato de enfermeiras da Cruz Vermelha e do corte de mãos de bebês, etc

Durante envolvimento de Freedman com questões de Estado em que participou da Conferência de Paris, em 1919, onde foi apresentada a Alemanha as exigências de reparações de guerra. Nessa conferência, segundo o Sr. Freedman, havia 117 judeus presentes, sendo representados por Bernard Baruch, apresentando suas demandas para a divisão da Palestina como uma pátria judaica.

Quanto ao que tornou possível a criação efetiva do Estado de Israel, ao contrário de uma mera declaração política por parte das Nações Unidas, expõe o Sr. Freedman. “Isso é um bem-estabelecido fato histórico inegável”, escreve ele, “que a participação ativa dos Estados Unidos na conquista da Palestina, em nome dosjudeus SIONISTAS, FOI O FATOR RESPONSÁVEL PELA CONQUISTA DA PALESTINA PELOS SIONISTAS. Sem a participação ativa dos Estados Unidos”, disse Freedman, que enfatiza,”é certo que os sionistas jamais teriam tentado a conquista da Palestina pela força das armas”.

O resto, como se diz, é história.

Quando se considera toda essa história que tem envolvimento na formação do mundo e especialmente no Oriente Médio como é hoje, torna-se menos misteriosa a razão pela qual os muçulmanos palestinos são possuídos de tal animosidade e ódio daqueles que, de acordo com tudo o que foi apresentado aqui, literalmente roubou suas vidas e terras. Parece também contribuir para remover o mistério da questão do presidente americano que perguntou aos árabes por que motivo eles odeiam tanto a América como eles fazem, a América, que tem sido o principal fornecedor e chefe militar e financeiro de Gog e Magog, os judeus khazarianos askhenazis e sionistas na usurpação da Palestina. Como o Sr. GeOrGe Bush disse: “Se você apoiar os terroristas, você é um terrorista,” assim também pode ser dito pelos muçulmanos, “Se você apoiar os nossos inimigos que roubam a nossa terra e nossa dignidade e nossa história, você também é nosso inimigo”.

Essa mensagem deveria ter tocado alto e claro como um sino durante o atentado ao World Trade Center, em New York, em 11 de setembro de 2001, quando ainda dois dos melhores evangelistas cristãos da América (Pat Robertson e Jerry Falwell) alegaram que o ato foi castigo divino para os pecados da América. Eles, claro, abandonaram a posição impopular quando o sentimento do público se voltou contra eles. Seria preciso perguntar se, nesse caso, os dois homens tinham efetivamente definidos os termos convicção e compromissopara com os seguidores de sua marca de “cristianismo”.

EPÍLOGO

Muitos historiadores, alguns citados neste trabalho, amplamente citados no livro de Arthur Koestler “A Décima Terceira Tribo”, como um recurso literário credível para uma história global dos judeus Khazares. Estes escritos também tem se apoiado na obra de Mr. Koestler, bem como vários outros historiadores judeus e acadêmicos. É interessante notar que os estudiosos judeus citando o livro A Décima Terceira Tribo” em seus relatos históricos, praticamente nenhum cita tais comentários de Koestler, citados anteriormente, sobre “A história do Império Khazar, uma vez que emerge lentamente do passado, começa a parecer a mais cruel FARSA que já foi praticada na história.” Seria preciso perguntar se tais omissões não são intencionais e não constituem, de fato, uma censura em muitos aspectos impopulares deste assunto interessante e de grande alcance histórico.

A vasta maioria da humanidade vive em um mundo absolutamente controlado e se considera livre. “O melhor escravo é aquele que “pensa” que é um homem livre.”

Koestler, ele próprio um judeu Ashkenazi, expressa esses sentimentos em uma aparente decepção com a história de sua própria fé e, essencialmente, o efeito deletério que teve sobre o mundo. No entanto, ele não abandonará a religião de seus pais, nem está implícita nesta tese que deveria fazê-lo.

Para um não-judeu, como este escritor, a citá-lo e usar o seu trabalho de tal forma, incorporá-lo de modo a ilustrar que as profecias bíblicas sobre os males de Gog e Magog apontam claramente para os judeus Khazarianos  e talmúdico, corre os riscos da acusação de anti-semitismo. Tal resposta, no entanto, deveria ter sido claramente demonstrado ser vazia na melhor das hipóteses, considerando as provas aqui apresentadas que aqueles judeus que detêm poder político sobre a Palestina não são sequer remotamente descendentes de tribos semitas.

Não se pode, contudo, deixar de ficar admirado com a habilidade de consumação de seus planos esses povos que, constituído de um a seis por cento da média da população dos países fora de Israel, conseguiram adquirir posições de poder e influência muito superior a sua representação em relação a população geral dessas nações.

O Sr. Freedman, como mencionado, foi um judeu Ashkenazi também. Em seu desgosto com o que testemunhou de seus irmãos, fazendo com que ele tenha usado uma linguagem bastante violenta descrevendo suas ações e origens. No que lhes dizem respeito, inequivocamente, ele afirma:

Não houve um deles que tivesse um antepassado que tenha colocado um pé sequer na Terra Santa. Não só na história do Antigo Testamento, mas desde o começo dos tempos. Nem um deles! E ainda assim eles vêm para os cristãos e lhes pedem para apoiar as insurreições armadas na Palestina, dizendo:

“Você quer ajudar a repatriar o Povo Escolhido de Deus à Terra Prometida, seu lar ancestral, não é? É o seu dever cristão. Demos a voces um dos nossos meninos como seu Senhor e Salvador. Você agora vai à igreja no domingo, e você se ajoelha na adoração de um judeu, e nós somos judeus. Mas eles são judeus khazares askhenazis pagãos que se converteram apenas tanto quanto o mesmo que os irlandeses. É tão ridículo chamá-los de “povos da Terra Santa”, como seria chamar os 54 milhões de chineses muçulmanos de um povo “árabe”.

O fato, cristalino e sem corte, a conclusão da questão é que Gog e Magog claramente e furtivamente – embora, em uma onda de movimento lento das marés – é o invasor pelo norte, da terra santa, como na profecia bíblica. Não só invadiu a Palestina, mas o mundo inteiro, cada nação sobre os “quatro cantos da terra” estão dentro dos limites da sua influência.

Esses descendentes dos khazares “pagãos” que professam ser o verdadeiro e original povo de Deus que insinuou-se em todos os bastiões do poder nos governos dos países da terra. Se existem quaisquer exceções a esse fato, eles são tão insignificantes, em seu entender das coisas, como uma mosca a um rinoceronte.

O atual estado moderno de Israel, fundado em 1948,  e os judeus esqueceram-se do significado da estrela de David (Selo de Vishnu) em sua bandeira.

Eles (a raça de GOG) controlam totalmente uma grande percentagem do Senado dos Estados Unidos, provavelmente o mais poderoso e influente corpo legislativo na terra. Eles têm habilidade de controlar a Administração dos E.U.A., o Departamento de Defesa, Relações Exteriores (CFR) e de novo envolvendo esta nação em uma guerra na qual ela não tem interesse direto.

Esta raça extraordinariamente engenhosa e talentosa colocou óculos montados nos narizes dos políticos e cristãos que fazem com que apareça para eles como se esse conflito fosse justificado, para obter depoimentos, como os do Presidente dos E.U.A., que aqueles para os quais (Guerra do Iraque) esta nação declarou guerra são inimigos da democracia e da liberdade, quando tudo o que realmente queriam era ficarem sozinhos com seus problemas para adorar sob os princípios de sua própria religião, sem serem molestados por aqueles que já roubaram quase tudo o que têm – e tudo feito com o dinheiro, influência política e armas dos Estados Unidos da América.

Este escritor passou algum tempo em Israel testemunhando pessoalmente as injustiças perpetradas lá por um povo que não teve nenhuma direito  de reivindicação dà terra, em cima de um povo que a tem. Tendo ido lá com um pouco a favor, um “viés” pró Israel, logo se tornou evidente que qualquer classe dominante que habilmente deselvolve uma economia em que um segmento goza de uma vantagem média de 15-1 de renda sobre o outro, sob o mesmo custo de vida, não pode fingir inocência quando  experiênciam o ódio e a animosidade daqueles a quem oprimem.

Esquerda: Eis aqui o verdadeiro significado da geometria da alegada estrela de David, que na realidade é uma CÓPIA do  Selo de Vishnu (muito mais antigo), o SÍMBOLO do QUARTO CHAKRA, o Anahata, que foi tomado  emprestado pelos judeus da cultura hindu (da qual o povo hebreu é descendente) da Índia e que representa o Quarto Chakra, o cardíaco, no CORAÇÃO humano, a sede do AMOR, da doação e serviço e não do ódio, do controle, e de pretensa superioridade racial sobre as demais raças do planeta)

O “espírito de Gog” não disse que usaria as armas “da América” para realizar seus propósitos, e que agora é visto claramente, no Afeganistão, Iraque e Paquistão, como se derrama o sangue de quem querem, para realizar aquilo que eles querem, que eles não estavam de brincadeira quando fizeram aquela afirmação.

Outro elemento fascinante que inspira admiração é a maneira notável em que a profecia bíblica foi tão fielmente cumprida – E – como o cristianismo (reduzido aos dogmas e doutrinas católicos da igreja romana) atualmente perdeu essa realização. No início parece estranho que esses “eruditos” bíblicos tenham perdido as lições da história: em primeiro lugar, que as profecias nunca foram interpretadas antes da sua realização, exceto pelos profetas que as deu. No entanto, eles continuam a tentar, e o resultado é divertido no melhor dos casos, e pelo menos trágico, pois eles são abandonados em sua vaidade  e erudição para acompanhar as interpretações de sua própria invenção – fagulhas em seu próprio graveto. Eles foram tão hipnotizados e drogados” pela idéia de apoiar e financiar o “retorno maravilhoso dos judeus, o “povo escolhido/eleito” para à sua pátria” que eles são como Lêmingues sendo conduzidos de bom grado para a morte no mar, para morrerem afogados em sua própria ignorância, vaidade, empáfia, erudição e imbecilidade.

Sim, Gog e Magog invadiram o mundo inteiro, e o que é ainda mais surpreendente é que foi feito não só com a bênção do cristianismo professo (ou antes o catolicismo romano ignorante que nunca foi sequer Cristão),mas com seu apoio financeiro e incentivo litúrgico. Os católicos (e todas as demais seitas dai resultante, como os evangélicos) têm realmente cavado as suas próprias sepulturas eclesiásticas. São todos, ainda, túmulos caiados de branco.

“Eis que está a chegar, e isso é feito, diz o Senhor Deus; Este é o dia de que falei “. Ezequiel 39:8

Sugestão de leitura e Referências:

  1. Koestler, Arthur, A Décima Terceira Tribo: The Khazar Empire and Its Heritage, Nova York: Random House, 1976, p. 17
  2. Dunlop, D. M.; A History of the Jewish khazares, Princeton University Press, 1954
  3. Brook, Kevin Alan, Os judeus de Khazaria, Jason Aronson, Inc. Northvale, NJ, Jerusalém, 1999.
  4. Peter B. Golden, Khazar Estudos, Vol. 1 (Budapeste: Akademiai, 1980), pp. 55-56.
  5. Brook, Os judeus de Khazaria
  6. Bury, J. B., A História do Império Romano do Oriente (Londres, 1912).
  7. Koestler, A Décima Terceira Tribo, P. 18.
  8. Brook, Os judeus de Khazaria, p. 27
  9. Artamonov, M. I., História Khazar (Leningrado, 1962). Koestler, A Tribe Thirteeth, p. 19.
  10. Bruce G. Trigger, A History of Archaeological Thought (Cambridge, Inglaterra: Cambridge UniversityPress, 1989), p. 207.
  11. Brook, Os judeus de Khazaria, p. 3.
  12. Idem, pág. 4
  13. Peter B. Golden, Uma Introdução à História dos Povos turcos, Wiesbaden, Alemanha, 1992.
  14. Ibn Said Al-Maghribi, citado pela Dunlop, p. II. Dunlop, D. M.; A History of the Jewish khazares(Princeton, 1954).
  15. Omeljan Pritsak, O Reino Khazar conversão ao judaísmo, Faculdade de Estudos ucraniano 3:2 (setembro de 1978): 271.
  16. Andrew C. Gow, Os judeus Vermelho (Leiden, Holanda: E. J. Brill, 1995), pp. 40-41.
  17. Brook, Os judeus de Khazaria, P. 10. Andrew C. Gow, Os judeus Vermelho (Leiden, Holanda: E. J. Brill, 1995), p. 191.
  18. Brook, Os judeus de Khazaria, Pp. 10-11.
  19. Idem, pág. 16
  20. W. E. 0. Allen, A História do povo georgiano, Londres 1952.
  21. Douglas M. Dunlop, A History of the Jewish khazares, P. 113.
  22. Tirmidhi, al-Abwaab Tafseer: Surat al-Kahf (Hadith 5160), 8/597-99; Maajah Ibn al-Kitaab Fitan, (Hadith 4080), 2 / 1364. Ahmad, Musnad, 2 / 510, 511. http://www.islaam.com/ilm/gog.htm
  23. Gibbon, B., A História do Declínio e Queda do Império Romano, Vol. V (2a ed., Londres, 1901).
  24. Ibid.
  25. Koestler, A Décima Terceira Tribo, P. 27]
  26. Idem, pág. 27-8.
  27. Ibid.
  28. Dunlop, D. M., “khazares” em Enc. Judaica, 1971-2 impressão.
  29. Koestler, A Décima Terceira Tribo, P. 23-4.
  30. Bury, J. B., A História do Império Romano do Oriente, P. 120.
  31. George Vernadsky, A História da Rússia, Vol. 1 (New Haven, CT: Yale University Press, 1948), p. 346.
  32. Brook, Kevin Alan, Os judeus de Khazaria, (Jason Aronson, Inc. Northvale, NJ, Jerusalém), 1999.
  33. Omeljan Pritsak, O Reino Khazar conversão ao judaísmo, Pp. 278-9.
  34. Dunlop, D. M.; A History of the Jewish khazares, P. 90 (Princeton, 1954). al-Bakri (ob. 487/1094)
  35. Koestler, A Décima Terceira Tribo, P. 58.
  36. Ibid.
  37. Bury, J. B., A História do Império Romano do Oriente, P. 406.
  38. Ibid.
  39. Brook, Os judeus de Khazaria, P. 126.

40. Yehuda Halevi, O Kuzari, Trad. Daniel N. Korobkin (Northvale, NJ: Jason Aronson, 1998), p. 1.

  1. Koestler, A Décima Terceira Tribo, P. 66.
  2. Idem, pág. 72-4.
  3. McEvedy, C.; The Penguin Atlas de História Medieval (1961).

44. Macartney, C. A., Os magiares no século IX (Cambridge, 1930).

  1. Dunlop, D. M.; A History of the Jewish khazares (Princeton, 1954).
  2. Baron, S. W., A História Social e relgious dos judeus, Vols. III e IV (Nova Iorque, 1957).
  3. Koestler, A Décima Terceira Tribo, P. 141, 144, 152.
  4. Cecil Roth. “Judeus” em Enc. Britannica, 1973 impressão.
  5. Koestler, A Décima Terceira Tribo, P. 159.
  6. Idem, pág. 15, 16.
  7. A. N. Poliak, Khazaria – A História de um reino judeu na Europa (Mossad Bialik, Tel Aviv, 1951).
  8. Kutschera, Hugo Freiherr von, Die Chasaren (Viena, 1910), Koestler, A Décima Terceira Tribo, P. 169.
  9. Koestler, A Décima Terceira Tribo, P. 172.
  10. Mieses, M.; Die Sprache Jiddische (Berlin-Wien, 1924).
  11. Koestler, A Décima Terceira Tribo, P. 179-80.
  12. Ibid., P.17.
  13. Barker, F.; Cruzadas, Enc. Britannica, 14th ed., p. 772, 1973.
  14. Koestler, A Décima Terceira Tribo, P. 163.
  15. Baron, S. W., A História Social e relgious dos judeus, Vols. III e IV (Nova Iorque, 1957).
  16. Koestler, A Décima Terceira Tribo, P. 164-7.
  17. Idem, pág. 182.
  18. Brook, Os judeus de Khazaria, p. 300.
  19. Hugo Freiherr von Kutschera, em Die Chasaren: Historische Studie (Viena: A. Holzhausen, 1910,) (tradução Inglês).
  20. Shapiro, H., “O Povo Judeu: uma história biológica” (UNESCO, Paris, 1953).
  21. Koestler, A Décima Terceira Tribo, P. 177.
  22. Baron, S. W., A História Social e religiosos dos judeus, Vols. III e IV (Nova Iorque, 1957).
  23. Encyclopedia Americana, Edição 1985.
  24. 13th Tribe, Anexo IV, p. 223.
  25. Koestler, A Décima Terceira Tribo, Apêndice IV, p. 224.
  26. Jvim International, http://www.jvim.com/IntelligenceBriefing/Dec1996/wars.html
  27. Josefo, Antiguidades dos judeus, Livro 1, cap. 6.
  28. A Enciclopédia Católica, Volume VI, 1909, (Robert Appleton Company).
  29. Josefo, Antiguidades dos judeus, Livro 1, cap. 2.
  30. Alexander A. Vasiliev, Os godos na Crimeia (Cambridge, MA: The Mediaeval Academy of America, 1936), p. 96.
  31. Viajantes judaica, Ed. Elkan N. Adler (Londres: George Routledge & Sons, 1930), p. 83.
  32. Koestler, A Décima Terceira Tribo, P. 24.
  33. Idem, pág. 81.
  34. Schultze – Das Martyrium des Heiligen Abo von Tiflis, Texte und Untersuchungen für Geschichte der Literatur altchristlichen, XIII (1905), 13th Tribe, p. 19, 20.
  35. E. G. White, O Grande Conflito(Pacific Press Publishing Company), edição 1888.

Links para assuntos relacionados, ver em:

·         Benjamin Freedman Speaks

·         Are Today’s Jews True Israelites?

·         The Dark Side of the Israeli Connection

·         B’nai B’rith and ADL hypocritical, says critics

Mais sobre o Império Khazar ver site:  http://www.khazaria.com/

Aqui está uma lista de fontes judaicas que preservam o conhecimento da conversão ao judaísmo dos khazares:

·  Elchanan o aka Merchant Eldad o Danite – 9o século

·  Autor anónimo do Carta Schechter – Século 10

·  Ibn Hasdai Shaprut – Século 10

·  D. José dos Cazares – Século 10

·  Yehuda Halevi – Século 12

·  Rabi al-Yehuda Barseloni – 12th Century

·  Rabi Abraham ibn Daud – Século 12

·  rabino Moisés ben Nahman também conhecido por  Namãnides– Século 13

·  Rabino Shem Tov Ibn Shem Tov – Século 15

·  Rabino Gedalias – Século 16

·  Yitzhak Aqrish – Século 16

·  O rabino Yehuda Moscato – Século 16

Para saber mais:

http://thoth3126.com.br/o-reino-dos-khazares/
http://thoth3126.com.br/historia-dos-illuminati-e-da-nova-ordem-mundial-nwo/
http://thoth3126.com.br/historia-dos-illuminati-e-da-nova-ordem-mundial-nwo-parte-ii/
http://thoth3126.com.br/os-anjos-caidos-the-watchers-os-vigilantes/
http://thoth3126.com.br/os-tentaculos-dos-rothschild/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e a citação das fontes.

union-of-isis-and-thothwww.thoth3126.com.br

7 Responses to O Reino dos Khazares, parte II final

  1. marguerite

    It’s a pity you don’t have a donate button! I’d most certainly donate to this excellent blog! I suppose for now i’ll settle for book-marking and adding your RSS feed to my Google account. I look forward to fresh updates and will talk about this website with my Facebook group.

    Chat soon!

  2. Pablo

    Uma das melhores matérias que já vi aqui no site.

    Obrigado pelas fontes, Thoth.

  3. StriderOuga

    Informação fantástica

  4. Satyaraja

    Excelente matéria! Muito esclarecedora e reveladora. Pena que a maioria das pessoas não quer a verdade, e tendo ela diante de si se sente incomodada.

  5. Ionaldo

    Recomendo a que quiser se aprofundar no assunto, o livro “A invenção do povo judeu”, do professor israelita Schlomo Sand.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *