browser icon
You are using an insecure version of your web browser. Please update your browser!
Using an outdated browser makes your computer unsafe. For a safer, faster, more enjoyable user experience, please update your browser today or try a newer browser.

O Retorno de Inanna: 17 – Descida

Posted by on 08/11/2016
inanna-maça-serpente-direita

“Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos, até quando desprezarão o conhecimento?” – Provérbios 1:22

O Retorno de Inanna: “Eu, Inanna, retorno para contar como faz cerca de 500 mil anos, a minha família de Nibiru tomou posse da Terra e alterou o genoma humano com o fim de produzir uma raça de trabalhadores criada para extrair ouro destinado à esgotada atmosfera de Nibiru, nosso planeta e lar original.

Como somos tecnologicamente muito superiores, esta raça de trabalhadores — a espécie humana — nos adorava como a deuses. Aproveitamo-nos deles (de voces) para liberar guerras em meio de nossas disputas familiares intermináveis até que, de um modo estúpido, desatamos sobre a Terra a terrível arma Gandiva (artefatos nucleares), que enviou uma onda de radiação destrutiva por toda a galáxia”

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Capítulo XVII do livro “O Retorno de Inanna (Nibiru). Os deuses ancestrais e a evolução do planeta Terra“, de V.S. Ferguson

“Isto chamou a atenção dos membros da Federação Intergaláctica. E então, por causa de nossas próprias ações irresponsáveis em seu planeta, vimo-nos restringidos pela BARREIRA DE FREQUÊNCIA, imposta pela FEDERAÇÃO, uma prisão de freqüência que congelou a nossa evolução.

Retornem comigo à antiga Suméria, a Babilônia, ao vale do rio Indus e ao Egito. Dentro de meus Templos do Amor, dou a conhecer segredos antigos da união sexual cósmica nibiruana e de meus matrimônios sagrados. Através de meus olhos contemplem a Torre de Babel, o Grande Dilúvio, os Túneis das Serpentes e os cristais em espiral na pirâmide de Gizé.

piramide-vortice-luz-02

Viajem comigo pelo tempo até a Atlântida, a Cachemira e o Pacífico Noroeste dos Estados Unidos à medida que encarno em meu Eu multidimensional para pôr a funcionar os códigos genéticos que estão latentes dentro de sua espécie e para libertar a Terra do controle por freqüências que exerce meu primo, o tirano deus Marduk (Baal, LÚCIFER)“.

Partes anteriores:

  1. http://thoth3126.com.br/o-retorno-de-inanna-nibiru-inanna-fala/
  2. http://thoth3126.com.br/o-retorno-de-inanna-nibiru/
  3. http://thoth3126.com.br/o-retorno-de-inanna-ninhursag-03/

XVII – DESCIDA

Fui ver meus amigos Matali e Tara e pedi que desejava retornar a ver a Velha Mulher Serpente. Tara me guiou para suas cavernas no mundo subterrâneo dos reptilianos e ela não pareceu surpresa. Embora não pronunciasse palavras, eu compreendi que devia empreender uma viagem sozinha.

A sábia dama me conduziu a um túnel escuro. No extremo do túnel vi um ovoide transparente, como uma matriz rodeada de uma auréola translúcida de luz suave incessante. Entrei e me sentei durante um tempo que me pareceu uma eternidade. Não aconteceu nada. Eu então comecei um programa de austeridades, disciplina para elevar minhas freqüências por meio da concentração. Respirei,  senti calor divino, jejuei. Parei-me estática sobre um dedo do pé durante dois mil anos; prostrei-me, chorei. Minha alma se derramou para esse ovoide à medida que o silêncio me afligia.

ereshkigal-inanna-povo-serpente

Não obstante, nada acontecia. Repassei minha vida como Inanna. Tudo o que eu tinha sido ou feito passava através do olho de minha mente. O desejo veemente de verdade e conhecimento afligiu todo meu ser e meu corpo formoso se levantou e se sacudiu em meio de soluços e desespero. Finalmente, esqueci o desespero e me perdi em um calor de fogo, enquanto sacrificava meu orgulho e já não sabia quem eu era. O ego da Inanna se desvaneceu.

À medida que toda identidade inferior caía de meu ser como as lágrimas de meus olhos, começou-se a formar uma luz frente a mim. Lentamente, esta luz assumiu a forma do ser mais esquisitamente belo que eu já tenha visto. Não era nem homem nem mulher, mas sua forma era humana. Estava composta de milhares de luzinhas que disparavam e se moviam constantemente em cores diferentes. O rosto era o rosto de mil seres e irradiava tudo o que eu esperava poder ser; graça, sabedoria, poder e qualidades para as quais não tenho palavras.

-“Qual é seu nome?”, perguntei.

O Ser respondeu desta maneira:

“Tenho muitos nomes de uma multidão de experiências e estados de ser, mas meu verdadeiro espírito, onde reside minha alma não é mais que uma freqüência de luz, não é um nome. Eu sou o que não pode ser nomeado. Se buscas me dar um nome, sou Altair da Constelação da Águia (Aquila), Estrela de Estrela. Eu sou aquilo que você sempre foi.

“Seu desejo veemente da verdade me trouxe para cá. Estes são os momentos de seu despertar; aceite-os. A revelação se está dando agora nesta fuga do tempo. Você é um sistema de reação. Eu me conecto contigo. Estive realinhando seus circuitos para que haja uma melhor recepção. Te harmonize comigo.

“Recorda, amada. Recorda teu verdadeiro Lar. Quando o tempo começou para ti, eras uma luz branca pura. Agora você tem muitas cores, muitos matizes, muitas experiências. Flutua através do infinito, pulsando beleza. Amo-te imensamente”.

inanna-kundalini-dragao

Senti que uma brisa suave acariciava meu corpo. O imenso amor deste ser me rodeou me curando e secando minhas lágrimas. Senti-me mais ligeira e pelo meu corpo correram ondas de suprema alegria.

O ser falou de novo:

“Amo-te, Inanna.

NUNCA te julguei.

Regozijei-me com seus feitos, com sua coragem.

Chorei quando você chorou.

Procurei sabedoria em sua beleza.

Apoiei-te em suas horas mais difíceis.

Nunca estive separado de ti. Permiti-te ir pelos caminhos que escolhestes para que me trouxesse experiências.

Faria qualquer ser menos por seu filho, sua criação?

Em tranqüilidade de nosso encontro, abro a ti.

Apresso a ti para me encher dentro de ti e de ti.

Você é minha criação e com ansiedade esperei seu retorno.

Sem exigir você volta para mim, brandamente como as flores seguem ao sol.

OH minha amada, unidos estamos!

Desde todos os atalhos e caminhos,

Através dos compridos e solitários corredores do tempo,

Como as correntes da Terra,

Como o sangue que flui por suas veias,

Encontramo-nos no coração.

Para nos queimar ali nos fogos de nossa Realização”.

INANNA-ISHTAR

Assim era! Eu estava acesa, todo meu ser ardia em amor e experimentei um êxtase que nunca antes me tinha imaginado. Em silêncio, o ser transportou um entendimento a minha mente. O amor se esvaziou dentro de mim com uma força de paixão indescritível. Dentro de meu coração sabia o que faria. O calor do fogo me mudou para sempre.

Vi meu futuro. Eu teria que descer para a forma humana, converter-me em um ser humano, um Lulu da Terra e tentaria ativar o gene divino em minhas Projeções, em todos os seres humanos que eu tinha criado. Separaria-me em porções variáveis e assumiria muitas encarnações. Atreveria-me a ser vulnerável e a nascer na carne humana. Escolhi uma gama de experiências através de castas particulares. Embora eu fosse descer para o tempo da Terra, eu sabia que este Ser de Luz estaria comigo sempre e que eu já nunca estaria sozinha.

Tenho que admitir que no princípio estava um pouco relutante em descer e encarnar na forma humana. Eu sabia exatamente o que tinha sido feito ao DNA humano e quão difícil seria recordar quem eu era uma vez que estivesse encarnada. Mas eu estava decidida a OBEDECER.

Decidi começar lentamente. Nas montanhas do Himalaia vivia um grupo de humanos que se reuniram em busca da sabedoria. Com a oração e a meditação eles esperavam que lhes chegasse uma visão que lhes mostrasse a verdade. A maneira de experimento, produzi uma imagem holográfica de mim mesma um pouco modificada e apareci desse jeito.

Eu estava vestida numa túnica branca e me rodeei de uma modesta quantidade de luz. Enfoquei-me no pensamento de amor que me mostrou o Grande Ser no ovoide. Concebi uma coluna de luz que saía do ovoide, passava através de mim para as montanhas e aos corações e mentes destes buscadores.

reencarnaçãociclo

O ciclo de encarnações da alma humana …

Sua inocência e gratidão me impulsionaram a amá-los, e quanto mais os amava, mais sólida me voltava. Tinha um pouco de medo, mas não podia evitar amá-los. Seu gozo era uma tranqüilidade que nunca tinha conhecido. À medida que minha densidade física aumentava, eu sabia que rapidamente esqueceria e não recordaria quem era nem o que tinha vindo fazer aqui. Pensei em todos os outros seres em que me converteria. A força de meu amor e compaixão pôs em movimento cem vistas, enquanto eu, Inanna, disfarçada de Lulu, descia à Terra para experimentar todas as limitações da carne e do sangue.

Eu esperava que minha tarefa fosse ser fácil, uma aventura a mais. Depois de tudo, eu como Inanna era de uma freqüência de tempo diferente e estava acostumada a viajar no tempo. Quão difícil isso poderia ser? Não obstante, fui muito otimista. A densidade das freqüências da Terra, unida a um corpo cujo DNA desativado somente permitia um décimo de sua função cerebral, deixaram-me afligida pelos cinco sentidos. A confusão e o temor me invadiram vida após vida, encarnação após encarnação. As técnicas de lavagem cerebral de Marduk, a propaganda e o controle por meio das freqüências foram muito para mim. O sistema religioso da época simplesmente me esmagaria e eu me perderia.

Como homem, escolhi a vida de um sacerdote ainda em Atlântida. Eu era o guardião dos cristais sagrados. Apaixonei-me por uma virgem Santa, violei-a e meus companheiros me executaram. Na antiga Irlanda me converti em um forte guerreiro. Esgrimindo minha tocha, decapitei a centenas de homens e amontoei suas cabeças à frente de meu castelo como ostentação de minha riqueza.

Comecei a beber em excesso e golpeava a minha esposa. Um dia enquanto dormia, minha esposa e meu irmão persuadiram a meu filho de que me cortasse o pescoço, roubando desta forma minha vida e minha riqueza. No Egito me converti no bibliotecário da grande loja dos papiros e as tabuletas de argila da biblioteca de Alexandria. Como temia a todo sentimento, vivia sozinho em meio da palavra escrita. Morri como um homem rígido e solitário quando os soldados romanos colocaram fogo à biblioteca.

Como mulher, fui uma bailarina na Cachemira. Isto o fiz em honra de minha amiga Tara. Era uma órfã que chegou ao palácio graças à dança e decidiu educar-se aprendendo línguas e arquitetura. Era muito admirada pelos homens, mas as mulheres do harém me desprezavam e me envenenaram. No ocidente da América fui uma menina, a índia que montava em pônei e caçava nas pradarias. Meu nome era Donzela do Céu e, me comunicando com as estrelas, benzi a Terra com as energia dos céus.

redindianwoman-puma

Apaixonada por um índio valente e bom moço, Pluma de Fogo, morri ao dar a luz quando um curandeiro supersticioso me amarrou no piso de meu tipi. Na Espanha me converti em uma formosa mulher judia. Durante a Inquisição fui encarcerada, torturada e queimada viva. Antes de morrer baixaram anjos para me liberar de meu corpo e minha dor.

Converti-me em muitos seres. Experimentei a vida como homem e como mulher. Percorri os mesmos caminhos que os humanos percorrem. Senti o que eles têm sentido, a mesma esperança e o mesmo desespero. Tive um menino em meus braços; fui uma menina órfã. Degolei a muitos homens e amei a muitos outros. Perguntei-me amargamente, o que importava? O que importava algo?

Suplicando ajuda, sentei-me sobre o piso frio e olhei firme e veementemente às estrelas. Tratei de recordar quem eu realmente era.

Saiba mais em:

  1. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-genesis-e-adao-e-eva/
  2. http://thoth3126.com.br/o-vaticano-e-o-regresso-do-planeta-x/
  3. http://thoth3126.com.br/cidades-annunaki-encontradas-na-africa/
  4. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-livro-perdido-de-enkiea/
  5. http://thoth3126.com.br/conselho-de-nibiru-parte-i/
  6. http://thoth3126.com.br/conselho-de-nibiru-parte-ii/
  7. http://thoth3126.com.br/cientistas-encontram-genes-extraterrestre-em-dna-humano/
  8. http://thoth3126.com.br/emmanuel-origens-da-humanidade-racas-de-ets-arcanjos/
  9. http://thoth3126.com.br/naves-gigantes-se-aproximam-da-terra/
  10. http://thoth3126.com.br/maldek-e-nibiru-mais-dois-planetas-de-nosso-sistema-solar/
  11. http://thoth3126.com.br/baalbek-antiga-plataforma-de-pouso-para-espaconaves-extraterrestres/
  12. http://thoth3126.com.br/nibiru-o-livro-perdido-de-enkiea/
  13. http://thoth3126.com.br/o-retorno-de-inanna-nibiru-inanna-fala/
  14. http://thoth3126.com.br/o-retorno-de-inanna-nibiru/
  15. http://thoth3126.com.br/insider-da-dhs-fala-de-crise-de-magnitude-sem-precedentes-sendo-preparada-nos-eua/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione autor e fontes.

Thoth-flordavidawww.thoth3126.com.br

2 Responses to O Retorno de Inanna: 17 – Descida

  1. Vanda M. M. Matiazi

    Este livro O Retorno de INANNA ; é uma linda oportunidade de autoconhecimento que temos nesta evolução de aprendizado ; pois nos expande a Mente ; em saber sobre nós mesmos ; antes deste livro existem os 11 livros de Zecharia Sitchin ; que nos dá toda a trajetória para sabermos o que é este planeta Holográfico onde estamos sendo enganados desde os primórdios da humanidade ! Que todos nós possamos DESPERTAR em AMOR INCONDICIONAL pois somente assim podemos mudar tudo aqui em GAIA e partirmos para a QUINTA dimensão e sairmos da RODA DE SANSARA definitivamente ! Gratidão irmãos de luz do THOTH 3126 !!!!!!! Amor e luz

  2. Arthur

    Concordo com vc Vanda.

    Busquemos dentro de nós, com afinco e determinação, as grandes respostas e todo o amor e compaixão de que somos dotados.
    Luz, paz, amor e sabedoria a vc e a todos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *