browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Os segredos perdidos da Arca da Aliança, parte 1

Posted by on 23/08/2016

“OS SEGREDOS PERDIDOS DA ARCA SAGRADA” – Capítulo V do livro de Laurence Gardner, Editora Madras, 2003, páginas 67 a 79.

Como o Santo Graal ou o Velocino de Ouro, a Arca da Aliança é uma relíquia principal de demandas  sagradas de um antigo povo. Mas em contraste com as características intangíveis dos outros, a Arca mantém uma qualidade física, tendo o seu material de construção sido largamente descrito na Bíblia.

Ela é, apesar disso, um enigma tão grande quanto o Santo Graal e o Velocino de Ouro. Seu propósito de repositório é descrito, mas não se diz a razão de ela ser tão ricamente adornada…

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A ARCA DA ALIANÇA

O livro pode ser baixado (em português) aqui: http://searc h.4shared.com/q/CAQD/1/books_office#  e/ou www.entreirmaos.net

Conflito no Deuteronômio

… A Arca é retratada com poderes espantosos e mortais, que não são, porém, satisfatoriamente pormenorizados. Não há dúvida de que era a posse mais valiosa dos antigos hebreus; mesmo assim, após quase quatro séculos de registros históricos de sua trajetória, ela desaparece do registro bíblico sem nenhuma explicação.

Segundo a definição, “arca” é equivalente ao latim arca: um baú, caixa ou cofre. Uma coisa escondida ou ocultada em tal caixa é chamada “arcano”, enquanto um profundo mistério é um arcanum (plural arcana), como na alquimia e no tarô.

Um repositório para preservar documentos é um “arquivo” e um item de grande antigüidade é  “arcaico” ou “arqueano”. Daí, o estudo de tais itens por meio da escavação e da análise se tornou a “Arqueologia”. As arcas também foram identificadas como naves fechadas, como a Arca de Noé.

A palavra “arca”, como aparece na Bíblia e traduzida do antigo grego da Septuaginta, tem seu paralelo hebraico em ãron — uma caixa ou recipiente, palavra usada para descrever um esquife em Gênesis 50:26 e uma caixa de dinheiro em 2 Reis 12:10.

Desde o livro do Êxodo e durante grande parte do Antigo Testamento, a Arca da Aliança é mostrada em destaque,  desempenhando um papel importante na conquista da Terra de Canaã (Palestina) pelos Israelitas. Durante sua história, a Arca matava sem aviso, se as regras para seu manuseio não fossem obedecidas, e a fúria de seu poder desenfreado causava tumores e doenças em uma escala epidêmica. Quanto ao abrigo dos Dez Mandamentos, nada mais se fala além da descrição original. Como vimos, Êxodo 40:20 afirma que Moisés depositou o Testemunho na Arca, mas a referência relacionada aos Mandamentos aparece em uma retrospectiva posterior em Deuteronômio.

Aqui, antes que os israelitas levassem a Arca à Jordânia, Moisés relembra-os de seu grande poder e dos eventos ocorridos no monte Horeb (Sinai). Diz que as tábuas de pedra, escritas pelo dedo de Deus, eram aquelas que ele atirara no chão e quebrara diante de seus olhos. Em seguida, conta como fora instruído a talhar mais duas tábuas, nas quais escreveria o que havia nas anteriores e que esses eram os “mandamentos” que ele pusera na Arca.

O fato de as tábuas originais (que supostamente haviam sido escritas com o dedo de Deus) nada terem a ver com as que devem ter sido postas na Arca causou muita consternação ao longo dos séculos. Em termos religiosos, todo o conhecimento a respeito da Arca se baseou nesse ideal, mas os estudiosos do judaísmo sabem que essa é uma falácia histórica. Na tentativa de harmonizar o assunto com o ensinamento clerical, nasceu um conceito de meio-termo durante a Idade Média, quando os teólogos  determinaram que provavelmente havia duas arcas! Aquela construída por Bezalel abrigava a Pedra do Testemunho, como explicado no Êxodo 40:20, enquanto a outra (uma cópia) continha as tábuas que haviam sido quebradas por Moisés!

Porém, decidiu-se que a verdadeira Arca de Bezalel foi a que acabou sendo depositada no Templo do rei Salomão. O destino ou fortuna da suposta duplicata com os Mandamentos nunca foi discutido, ao menos pelos historiadores judeus. A noção de uma “segunda” Arca foi agarrada com entusiasmo pela fraternidade cristã na Etiópia. Se os judeus não estivessem interessados em capitalizar sobre a fábula, os cristãos certamente poderiam construir uma nova tradição ao redor dela.

Foi assim que, nos anos 1300 (final do período dos Cavaleiros Templários) , um livro etíope anônimo surgiu, intitulado Kebra Nagast (Glória dos Reis). Durante essa era de infiltração européia nos países africanos, o objeto desse livro era estabelecer a lenda de uma cultura judaico-cristã de longa duração na antiga Abissínia.

Segundo  ele, os reis daquele país descendiam de um certo Menieleque, que seria o filho secreto do rei Salomão de Judá e da rainha de Sabá. Não só isso, mas também que Menieleque havia levado a Arca com os Mandamentos à Etiópia. Surpreendentemente, a lenda perdura até hoje, encorajada pela Igreja Ortodoxa Etíope e pela indústria turística de Axum. Diz-se que a relíquia é guardada em uma capela rústica dos anos de 1960 cuja entrada é, obviamente, proibida. De acordo com um porteiro de confiança, que se recusa a falar a respeito da Arca, ninguém (nem mesmo o Patriarca) jamais a viu!.

As discrepâncias entre a passagem de Deuteronômio e o relato mais antigo do Êxodo são consideráveis, mesmo na medida em que, em Deuteronômio, diz-se que o próprio Moisés construiu a Arca (Deuteronômio 10:5). Isso contrasta completamente com os relatos detalhados originais da confecção da Arca pelo artesão Bezalel, que culmina com: “Fez também Bezalel a Arca de madeira de acácia; de dois côvados e meio era o seu comprimento, de um côvado e meio a largura, e de um côvado e meio a altura. De ouro puro a cobriu: por dentro e por fora a cobriu…” (Êxodo 37:1-2). Antes disso, explica-se que Bezalel (assistido por Aoliabe) foi especialmente escolhido pelo Senhor para o trabalho. Assim, por que há um conflito entre o relato do Êxodo e a análise retrospectiva posterior do Deuteronômio?

Atualmente, os estudiosos aceitam que o Pentateuco (Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio) teve mais de um escritor, desde o comecinho do Antigo Testamento. Não apenas houve mãos diferentes a redigir esse livro e o Antigo Testamento em geral, como os livros em separado emanam de diferentes épocas. Em suma, o Antigo Testamento é uma mistura de relatos colados juntos, cuja presença se faz sentir desde o início. Em Gênesis 1:27 conta-se que Deus criou Adão. Em seguida, em Gênesis 2:7, vê-se Adão ser criado novamente, demonstrando que a mesma história foi contada por dois escritores diferentes.

Na verdade, há duas histórias da Criação  bastante distintas em Gênese. A primeira (Gênesis 1:1-2:4) é  considerada o trabalho de um clérigo escritor do século VI a.C. (chamado academicamente de “P”) e sua proposta era a glorifícação de Deus por ele ter tirado a Terra da escuridão do Caos. O segundo relato da Criação (Gênesis 2:5-25) vem de uma tradição um pouco mais antiga; seu autor com freqüência é chamado javista (conhecido como “J”) porque introduziu o nome divino de Jeová (Javé). Entre os  outros escritores do Pentateuco estão o eloísta (“E”) e o deuteronomista (“D”).

Os livros do Antigo Testamento foram compilados entre os séculos VI e II a.C. Foram iniciados durante o cativeiro dos israelitas na Babilônia e concluídos pelas gerações subseqüentes que haviam voltado à Judéia. Assim, não era uma composição coesa, mas uma série de relatos separados de fontes judaicas e mesopotâmicas. Por isso a repetição maciça em certos pontos: os livros de Reis e Crônicas, por exemplo.

Algo do Antigo Testamento é profético, parte é histórica e parte é escritura assumidamente religiosa. Dentro dessas categorias, o livro de Deuteronômio tem uma base religiosa muito judaica; seus escritores estavam profundamente empenhados em unir as pessoas em uma estrutura comum de crença em uma época de severa penúria e opressão.

Cerca de 800 anos após o período mosaico, Deuteronômio foi moldado intencionalmente como se viesse diretamente da boca de Moisés. Não se tratava tanto de registro histórico (como era mais no caso do Êxodo), mas de criar um ambiente de conhecimento que deveria se tornar Lei. Sua utilização da história foi inteiramente manipulativa; um dos principais objetivos era justificar a violenta invasão de Canaã pelos israelitas, dizendo ter sido a vontade de Deus.

A esse respeito, vemos Moisés afirmar que Deus “destruirá estas nações diante de ti e tu as possuirás” (Deuteronômio 31:3). Outros enunciados similares incluem: “destruí-las-ás totalmente” (20:17) e “Não farás com elas aliança, nem terás piedade delas” (7:2). Claro, não há nenhum registro de que Moisés tenha dito tais coisas, e mesmo antes disso (no Êxodo) nós o vemos enunciando este mandamento completamente oposto: “Não Matarás”.

Esses aspectos historicamente ajeitados de Deuteronômio são apresentados como o roteiro de uma peça; é nesse contexto que encontramos as referências espúrias aos Mandamentos e à Arca. Na prática, Deuteronômio é um relato totalmente reflexivo. Relembra os tempos de Moisés, quando os israelitas eram os invasores, porém expressa as preocupações aplicáveis quando eles próprios estavam sendo invadidos pelo exército babilônico de Nabucodonosor em uma época muito posterior.

A Origem da Bíblia
Vale a pena lembrar que, mesmo no século I da era dos Evangelhos, não havia um simples texto composto à disposição dos judeus em geral. Os diversos livros existiam apenas como textos individuais, como indicam os 38 rolos dos 19 livros do Antigo Testamento encontrados em Qumrân, na Judéia, entre 1947 e 1951. Eles incluíam um rolo hebreu de 23 pés (7 metros) do livro de Isaías, o mais longo de todos os Manuscritos do Mar Morto. Datado de cerca de 100 a.C., é o mais antigo texto bíblico descoberto até hoje.

Tais rolos eram usados em sinagogas, mas não estavam disponíveis para as pessoas em geral. O primeiro conjunto de livros compilados a ser aprovado como Bíblia judaica surgiu após a queda de Jerusalém sob o general romano Tito Vespasiano, no ano 70 d.C. Ela fora compilada com a intenção de restaurar a fé no Judaísmo em uma época de alvoroço social (a palavra Bíblia vem do substantivo plural grego bíblia, que significa “uma coleção de livros”).

Em sua forma composta do século I, o Antigo Testamento foi escrito em um estilo hebraico que consistia apenas em consoantes. Em paralelo com isso, uma tradução grega surgiu para atender ao número crescente de judeus helenistas falantes de grego. Essa versão ficou conhecida como a Septuaginta (do latim septuaginta: setenta), porque 72 estudiosos trabalharam na tradução. Tempos depois, no século IV d.C., São Jerônimo fez uma tradução em latim a partir do hebreu para subseqüente utilização cristã; essa versão foi chamada de Vulgata por causa de sua aplicação “vulgar” (geral). 

Por volta de 900 d.C., o antigo texto hebreu surgiu em uma nova forma, produzido por estudantes judeus conhecidos como Masoretas porque anexaram a Masorah (um conjunto de notas tradicionais) ao texto. Conhecido como Codex Petropolitanus, a cópia mais antiga existente dessa versão vem de menos de mil e cem anos atrás, em 916 d.C. 

Atualmente, podemos trabalhar a partir do texto masorético, da Vulgata latina ou das traduções para o português ou outras línguas. Mas, qualquer que seja o caso, permanece o fato de que esses livros todos pertencem a nossa era atual, tendo sido submetidos a correções tradutórias e interpretativas. A Septuaginta grega é um pouco mais confiável (pois é baseada em textos do século III a.C), mas retificações do século I e subseqüentes, assim como variações de tradução, acabaram por separar até mesmo essa versão do verdadeiro original. 

A Morada de Deus
Costumeiramente, considera-se o Tabernáculo da Congregação como o elaborado santuário erigido no Sinai para abrigar a Arca da Aliança. Essa extravagante construção, porém, está confinada aos aspectos Clericais (“P”) do Pentateuco e não se conforma à Tenda da Congregação, muito mais simples, descrita em outra parte do texto. A esse respeito, os registros eloísticos (“E”) fazem afirmações como: “Ora, Moisés costumava tomar a tenda e armá-la para si, fora, bem longe do arraial” (Êxodo 33:7-11).

Mais adiante, há um apontamento dos mais interessantes, que traz muita semelhança ao item do Gênesis 3:8-9, quando o Senhor andava pelo Jardim do Éden, tendo perdido Adão de vista. No Êxodo, somos novamente lembrados, algo abruptamente, de que havia uma diferença distinta entre o Deus misterioso cuja presença emanava da radiância da Arca e o Senhor da Montanha El Shaddai, retratado com um comportamento muito equilibrado.

O Êxodo 33:11 relata que, na entrada da Tenda da Congregação, “falava o Senhor a Moisés face a face, como qualquer homem fala a seu amigo”. Referências similares podem ser encontradas em Números 11:16-30 e 12:4-9. Não há similaridade aparente entre a honesta tenda do eloísta, armada fora do arraial, e o poderoso Tabernáculo do Clérigo, situado no centro do arraial com seu exército de assistentes e guardiães levitas. Porém, esse Tabernáculo imensamente opressivo, com seu grande altar de bronze, é o mais lembrado como o protótipo, mais tarde reproduzido pelo Templo construído em Jerusalém por Salomão.

O que restou do segundo templo, construído em torno de 535 a.C. e destruído pelas legiões romanas de Tito Vespasiano em 70 d.C. sobrando apenas o hoje denominado “Muro das Lamentações”, tendo acima a Mesquita O Domo da Rocha, com sua cúpula dourada adornada por folhas de ouro.

Além de todo o seu mobiliário, tapeçarias, anéis e adornos ricamente descritos as paredes do Tabernáculo eram construídas de tábuas retas de 4 metros de altura e 69 cm de largura. Havia mais de quatro dúzias de tábuas na largura, com cantoneiras adicionais, em uma proporção de 3:1 de 13,7m x 4,6m e 4,5m de altura. Era todo coberto e envolvido de linho pesado e peles de bode; dentro dele, em um cortinado de 4,5 metros, ficava o Santuário da Arca. Já se sugeriu que a definição citada de “tábuas” talvez fosse má tradução de “molduras”, mas os antigos termos técnicos são obscuros, de forma que é difícil dizer qual deles é mais acurado.

De qualquer modo, temos aqui algo que não era nada portátil — como supostamente deveria ser. Porém, há mais. Essa construção (uma construção coberta de madeira, mais que uma tenda) foi feita dentro de um recinto de 45,7m x 22,8m: o Átrio da Morada (45,6 x 22,8m) — o tamanho aproximado de uma piscina olímpica. Era limitado por 60 colunas de madeira com bases de bronze e cerca de 137m de cortinado pesado, até uma altura de 2,28m.

Para o transporte, as dimensões, o volume e o peso disso tudo seriam imensos, se a descrição fosse verdadeira. Não surpreende que o Tabernáculo (hebreu: Mishkan, Morada) tenha diminuído na narrativa que vem logo depois de a jornada dos israelitas ter-se iniciado. Em Josué 18:1, menciona-se que ele foi erigido em Siloé após a batalha de Jericó e, de acordo com 1 Reis 18:4, foi erguido novamente em Jerusalém quando Salomão dedicou o Templo. Nesse ínterim, 1 Crônicas 15:1 explica que Davi armara uma nova tenda para a Arca. Publicado em Dezembro de 2013.

Continua …

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

8 Responses to Os segredos perdidos da Arca da Aliança, parte 1

  1. Tania

    Esse site é muito bom e nos passa a verdade sobre muitas coisas. Agradeço por vc. compartilhar td. isso comigo.

  2. Monica

    O livro possue um relato bastante detalhado, creio que seja um dos melhores no assunto. A questão toda , inclusive a histórica, está envolta em mitos e medos.A Bíblia relata que havia complexos rituais para se estar na presença da Arca sem ser morto por ela – daí que tais teóricos explicam a potência nuclear do objeto sagrado, necessitanto proteção especial para estar em sua presença. Estes alegam ainda que ela foi dada por Deus, e que este seria, de verdade, um ser de outro planeta.
    Ainda segundo as Escrituras, Deus revelava-se como fumaça e que tocá-la era um ato insano, uma vez que ao encostar-se a tal manifestação, conhecida como “shekináh”, o indivíduo seria morto, razão pela qual existiam varas para seu transporte quando necessário.A investigação hoje , sobre este artefato , é puramente científica e não religiosa. E o “mistério” dela, é o ouro de que está revestida.Ela poderia ser um transmissor alienígena?A posição das figuras e as dimensões do objeto, poderiam estar relacionadas ?
    Ainda vamos ouvir muito falar dela.De qualquer forma, bastante elucidativo. Vamos aguardar a parte 2.

    • Sergio Rosa

      Achei interessante a parte que relata a origem da Bíblia e como a essência dos textos podem ter sido alterados em função da dificuldade da tradução.

      Obrigado Thoth por nos iluminar com sua sabedoria!

  3. izabel correa

    Eu não consegui baixar o livro, alguém pode me ajudar? gratidão, paz e luz

  4. izabel correa

    obrigada amado Thoth

  5. lukas

    na minha opiniao a arca da aliança era apenas um aparelho comunicador, nao tem nada de sagrado, comunicador de radio de alienigenas com os israelitas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *