browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Os segredos perdidos da Arca da Aliança, final

Posted by on 24/08/2016

Capítulo V do livro “OS SEGREDOS PERDIDOS DA ARCA SAGRADA” de Laurence Gardner, Editora Madras, 2003,  páginas 67 a 79.

Como o Santo Graal ou o Velocino de Ouro, a Arca da Aliança é uma relíquia principal de demandas     sagradas de um antigo povo. Mas em contraste com as características intangíveis dos outros, a Arca mantém uma qualidade física, tendo o seu material de construção sido largamente descrito na Bíblia. Ela é, apesar disso, um enigma tão grande quanto o Graal e o Velo de ouro. Seu propósito de repositório é descrito, mas não se diz a razão de ela ser tão ricamente adornada…

Edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

5 – A ARCA DA ALIANÇA

O livro pode ser baixado (em português) aqui: 

  1. http://search.4shared.com/q/CAQD/1/books_office#  e/ou www.entreirmaos.net

Carros e Querubins

A Arca recebe sua primeira menção bíblica em Êxodo 25:10-22, quando o Senhor dá as especificações para sua manufatura. Com as medidas do cofre principal dadas em cúbitos, considerando-se 46cm como o cúbito padrão, ela tinha 1,13m de comprimento, 68cm de largura e 68cm de altura. Como o cúbito era uma medida variável, com freqüência considerado como 55cm, ela poderia ter 1,4m de comprimento por 83,5cm de altura e largura, ou algo entre essas duas medidas.

Acima: A Razão Áurea, o número PHI e como ele é utilizado para a criação de tudo na natureza, desde uma galáxia à minúscula concha do nautilus.

Qualquer que seja o caso, a razão precisa entre largura/altura-comprimento parece ser de 1 : 1,666 (n.T. – Na verdade a razão deveria ser o Número Áureo = 1,61803398875  = Φ conhecido como PHI {Φ/φ}, a razão da proporção divina usada na criação de tudo que é material, desde o corpo humano a uma galáxia, um pássaro, uma árvore, enfim a criação total. Saiba Mais em:  http://pt.wikipedia.org)

A razão Áurea é utilizada na construção harmônica do corpo humano, conforme demonstra o desenho do Homem de Vitruvio.

A caixa era de “madeira shittim” (em geral se admite que fosse acácia, mas traduzida diretamente do antigo grego da Septuaginta seria “madeira incorruptível”), folheada por dentro e por fora com ouro puro. Em torno do perímetro superior, ela era adornada com uma coroa retangular. Em cada ponta dos lados mais longos, havia um anel fixo de ouro — quatro anéis ao todo para encaixar as duas varas de transporte, também feitas de madeira shittim, folheada a ouro.

Nesse estágio da descrição, conta-se que um dispositivo chamado “propiciatório” é colocado no alto da Arca — suas dimensões são precisamente as mesmas dos cantos externos da caixa aberta: 1,13m x 68cm (1:1,666, n.T ou ainda 1,61803398875). Era, na verdade, uma tampa segura pela orla exterior que coroava o cofre. Não havia, porém, madeira na tampa; era uma laje de ouro puro, que devia ser bastante grossa para não arquear. A palavra hebraica relevante para “propiciatório” (kapporeth) se traduziria melhor como “cobertura”, enquanto a Septuaginta a especifica como uma “tampa”, definindo-a como um “propiciatório”, um lugar de apaziguamento.

Em cada ponta dessa tampa havia um querubim de ouro sólido; eles ficavam um de frente para o outro, com as asas dobrando-se para dentro, acima do propiciatório. Finalmente, conta-se que Deus comungaria com Moisés do espaço acima da tampa, entre os querubins (essas descrições são todas repetidas no Êxodo 37:1-9, que conta a confecção da Arca por Bezalel de acordo com essas especificações).

A maior dificuldade ao se pensar na Arca é a natureza dos querubins, pois o Senhor anteriormente dera a seguinte ordem: “Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há acima nos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra” (Êxodo 20:4). Se os querubins fossem representações angélicas, como popularmente se retrata, a regra divina teria sido quebrada desde seu nascimento. Não muito antes desse projeto de manufatura, Moisés, sustentando o que lhe fora ditado, admoestara Aarão por fazer um bezerro de ouro (Êxodo 32:20-21). Portanto, é inconcebível que ele houvesse pedido a Bezalel que que fizesse um par de anjos de ouro.

Reprodução de gravura do Arco do Triunfo erigido por Tito Vespasiano para comemorar sua vitória sobre os judeus e a destruição de Jerusalém e do Segundo Templo (Herodes) em 70 d.C. O quadro retrata o transporte das riquezas do templo, entre eles o Menorah e a Arca da Aliança.

Com relação a isso, não devemos ser automaticamente levados a crer que os querubins eram representações de formas de vida apenas porque tinham asas. Aviões têm asas, xícaras têm asas, cântaros têm asas. “Asa” é simplesmente uma projeção lateral que se estende a partir do corpo principal de um objeto. Não devemos também ser desviados pelas criaturas aladas encontradas no artesanato egípcio e mesopotâmico.

Isso não quer dizer que os compiladores do Êxodo no século VI a.C. não tenham sido influenciados por tais imagens ao descrever a Arca, que aparentemente estava perdida para eles naquela época (cerca de quatrocentos anos depois de ela ter sido instalada no Templo de Salomão). Se ela estivesse no Templo imediatamente antes da invasão de Nabucodonosor e nos setenta anos do cativeiro da Babilônia, em 586 a.C., o último sacerdote israelita a ter visto a Arca provavelmente devia ter morrido nesse ínterim, deixando os querubins abertos a interpretação. Mesmo excetuando-se essa possibilidade, o fato é que (em qualquer estágio de sua residência no Templo) apenas o sumo sacerdote via a Arca.

Os escribas do Êxodo não teriam uma experiência pessoal e podiam apenas basear sua descrição na tradição e no diz-que-diz. O uso angélico popular da palavra querubim foi desenvolvido pela instituição judaico-cristã como forma plural de cherub. Isso significa  que “Querubins” (de acordo com as traduções do Antigo Testamento) constitui um duplo plural, o que é impossível. O erro está parcialmente corrigido em alguns lugares — como no Êxodo 25:18-19 (na Bíblia inglesa King James), que se refere a “dois querubins”, com um “querub” em cada ponta.

O mesmo é dito em Êxodo 37:8. Porém, a Septuaginta e outros textos antigos não cometem o erro, referindo-se geralmente a querubs, em vez de querubins. Para melhores indícios quanto à natureza de querubim, devemos considerar o uso primitivo da palavra. Em termos bíblicos, encontramo-lo pela primeira vez em Gênesis 3:24, quando (mais semelhantes a carros armados que a anjos) querubins e uma espada flamejante, que se revolvia, foram usados para proteger a Árvore da Vida. Há também um tratado do século III de Alexandria, pouco relacionado à Bíblia, intitulado “A Origem”. Fala da imortal Sofia, a deusa da sabedoria, e do governador Saboath, que “criou um grande trono em um carro de querubim com quatro lados”.

O termo “querub” vem do antigo semítico kerúb, que significa “mover-se”. Assim, “querub” é nome derivado de um verbo; sua pronúncia correta é “qerub”. Conseqüentemente, é significativo que, onde quer que apareçam formas de identificação para querubs ou querubim (na Bíblia ou alhures), eles são, em todos os casos, retratados como espécies de tronos móveis, de origem celestial e associados com vôo.

A mais clara de todas as histórias bíblicas que trata dos querubim como carros ou tronos móveis vem do livro de Ezequiel — o profeta cujas visões obsessivas estão entre os episódios mais comoventes do Antigo Testamento.

Certamente não são representados como criaturas independentes. Tal identificação particular ocorre muitas vezes no Antigo Testamento. Ao falar do Senhor em uma missão de salvamento, tanto 2 Samuel 22:11 como o Salmo 18:10 afirmam: “Cavalgava um querubim, e voou; e foi visto sobre as asas do vento”. Ezequiel 9:3 refere-se a Deus sobre um querub, afirmando: “[Ele] se levantou do Querub sobre o qual estava, indo até a entrada da casa”.

Da mesma maneira, 1 Crônicas 28:18 associa diretamente os guardiães querubins da Arca no Templo de Salomão com “carros”. Sabendo que esses querubins não pertenciam à popular variedade angelical, Josefo sustentou, em seu Antigüidades Judaicas do século I, que: “Ninguém pode dizer, ou mesmo conjeturar, qual era a forma desses querubins. “Na mesma época, o filósofo judeu Filo (30 a.C.-45 d.C.) escreveu que, não importando a aparência dos querubins da Arca, ele sentia que deviam simbolizar a sabedoria.

A Oxford Word Libraryy especifica que a raiz fundamental de “querub” é obscura. Era, porém, ligada a uma noção de transporte; uma antiga alternativa a kerüb (mover-se) era erüb. Temos, assim, uma associação direta com as formas variantes Choreb e Horebe, como era chamada a montanha sagrada de Moisés. Era, portanto, o Monte dos Querub, ou a Montanha Querub.
Quanto à associação dos querubs com tronos, a Bíblia certamente conta que, em certas ocasiões, o Senhor sentou-se no propiciatório da Arca: “Ele está entronizado acima dos querubins”. Também se confirma que Ele comungou com Moisés a partir desse trono: “[Ele] ouvia a voz que lhe falava de cima do propiciatório”. A esse respeito, não há dúvida, segundo o texto, de que estamos no mundo físico de El Shaddai.

Mas havia também o aspecto metafísico da Arca-luz (a presença percebida do Deus onipotente), que residia permanentemente entre os querubins e era classificada como uma “perigosa custódia” para os levitas. O Judaísmo filosófico entende que a Arca representa um trono celestial, mas concentrou sua admiração no “tubo de fogo” e nas “faíscas que saíam do querubim”, mais do que naquilo que a caixa poderia conter. Porém, no Talmude, aponta-se que Moisés pusera duas safiras (pedras sappir) na Arca. Eram feitas do mesmo cristal Schethiyâ do qual a própria vara de Moisés era feita (no relatório de Petrie dos itens descobertos no Templo de Serâbit, no monte Horebe, havia varas de um material azul-esverdeado, duro e não identificado).

A mais clara de todas as histórias bíblicas que trata de querubim como carros ou tronos móveis vem do livro de Ezequiel — o profeta cujas visões obsessivas estão entre os episódios mais comoventes do Antigo Testamento. Não obstante tudo o que descobrimos a respeito de tronos móveis e da corrida dos kerübs ao vento, Ezequiel acrescentou uma intrigante dimensão extra, pois seus querubs têm asas. Ezequiel era um dos sacerdotes de Jerusalém que, em 598 a.C, foram deportados para a Babilônia, junto com o rei Joaquim de Judá (2 Reis 24:12-16). Com outros exilados, ele se estabeleceu onde hoje era o Iraque, na Babilônia e provavelmente passou ali o resto de sua vida.

Não é importante debater se o que conta Ezequiel é verdadeiro ou não; de qualquer maneira, ele chama suas histórias de visões. O importante é que elas servem, melhor do que qualquer outra história bíblica, para identificar a natureza dos querubins como eram vistos naquele tempo — não como garotos celestiais, mas formidáveis maquinismos que subiam e se elevavam aos ares por meios mecânicos.

Hoje são chamados de ovnis e/ou UFOs, no passado poderiam ter sido chamados de querubim?

 Ezequiel explica: “Olhei, e eis quatro rodas junto aos querubins… o aspecto das rodas era brilhante como pedra de berilo. Quanto ao seu aspecto, tinham as quatro a mesma aparência; eram como se estivesse uma roda dentro da outra. Andando, elas podiam ir em quatro direções, e não se viravam quando iam; para onde ia a primeira seguiam as outras… Andando os querubins, andavam as rodas juntamente com eles; e levantando os querubins as suas asas, para se elevarem de sobre a terra, as rodas não se separavam deles”.

Em outra ocasião, Ezequiel acrescenta ainda mais informação a respeito de luzes e anéis giratórios ruidosos. Ele conta que um grande furacão veio do norte, cuspindo fogo. Do meio das chamas surgiria aquilo que parecia ser quatro seres viventes, cada um com quatro asas e pernas direitas, brilhando como bronze polido. Seus pares de asas estavam unidos; tinham, todos, as faces de um homem, um boi, um leão e uma águia, uma de cada lado. Elas voaram para frente, resplandecendo como lâmpadas e soltando relâmpagos (essa cena misteriosa e intrigante foi extraordinariamente representada na dramática pintura Visão de Ezequiel de Sir Peter Robson; ver prancha 5).

Havia anéis assustadores sobre elas, ruidosos como águas caudalosas; o fenômeno voador era verde como o berilo e parecia ser cheio de olhos. Elas também tinham rodas que se dobravam junto a elas ao voar, e cada uma delas tinha um cristal semelhante ao firmamento sobre a cabeça. Mas quando eles pararam e abaixaram suas asas, havia um trono; sobre ele estava sentada uma figura semelhante a um homem, por cima de cada firmamento iluminado. Espetáculos flamejantes com rodas aparecem novamente em Daniel 7:9: “O seu trono era chamas de fogo, cujas rodas eram fogo ardente”. Há menção a um veículo similar em 2 Reis 2:11, que conta como um carro de fogo levou Elias em um redemoinho para o céu. No livro de Isaías (6:1-2), também se fala de um querub transportado pelo ar, que nos apresenta outro fenômeno intimidante do Antigo Testamento. Isaías descreve o trono esvoaçante e continua: “Serafins estavam por cima dele; cada um tinha seis asas”.

Serafins flamejantes aparecem com grande regularidade em antigos documentos. O fato de eles serem ígneos é consistente com a palavra seraph, que está relacionada a um antigo termo hebreu que significa “chama”. Algumas vezes eles têm propriedades destrutivas espantosas, como em Números 21:16, quando grande parte da população de Israel morreu depois que o Senhor mandou serpentes de fogo (serafim) sobre eles. Tais histórias não se limitam aos países do Oriente Médio. Relatos similares do mesmo período vêm do Tibete, da Índia, da Escandinávia e de outros lugares. Todos os escritos falam de carros celestiais que cospem fogo e mercúrio e de pássaros trovejantes com asas de bronze. Sem uma boa quantidade de especulação, é impossível examinar os porquês e os para quês exatos de tais dispositivos aparentemente automáticos, com suas asas rotativas barulhentas, rodas dobráveis, compartimentos polidos e iluminados e homens dentro.

O Batismo de Jesus do artista holandês Aert de Gelder, que está no Fitzwilliam Museum.

Apenas se pode apresentá-los assim como aparecem nos antigos textos. É certo que esses carros voadores (querubim) com os serafim que os acompanham (auxiliares igneos, em forma de dragão) nunca foram, naquela época, classificados como anjos, cuja posição na Bíblia e em outros lugares era bastante diferente. Um fato interessante, e possivelmente relacionado, é que a noção de dispositivos voadores não desapareceu com a antiga mitologia. O mundo da arte pictórica, desde os tempos primitivos, através da Renascença européia e depois, traz uma variedade de imagens com óvnis lançando raios de luz que de alguma maneira se relacionam com importantes acontecimentos religiosos na Terra. Um exemplo do século XVII seria “O Batismo de Jesus”, do artista holandês Aert de Gelder, que está no Fitzwilliam Museum, Cambridge .

Uma Essência Divina
Apesar disso tudo, deve-se concluir que os querubim que encimavam a Arca da Aliança não eram tronos móveis dos deuses. São apresentados como extensões funcionais da tampa de ouro; não há referências a uma suposta capacidade voadora da Arca; apenas de levitar e se mover por vontade própria. Esses querubs não podiam ser muito grandes mas, qualquer que fosse seu formato e tamanho, seu significado aparentemente estava ligado à força mortal que supostamente habitava entre eles, sobre a grande laje de ouro. Entretanto, eles eram chamados kerübs e portanto deveriam ter alguma ligação com o fenômeno de Ezequiel, Isaías, Elias e Daniel. Sob esse aspecto, a Arca e os tronos esvoaçantes eram artefatos extraordinários de poder, que cuspiam fogo e luz de um tipo que claramente não eram chamas comuns. Eles eram igualmente espantosos em sua habilidade destrutiva, o que, novamente, não era a regra durante aquele período. Se a palavra kerüb denotava um aparelho dirigível, uma palavra comparativa de hoje em dia seria “mecanismo” (em inglês, engine, de ingeny: uma invenção engenhosa), igualmente aplicável a uma máquina estacionária ou um dispositivo voador.

Além do Urim e do Tumim se ativarem na presença da Arca, a Bíblia a explica também que o poder da Arca era mortal. Dois dos filhos de Aarão, Nadab e Abihu, foram mortos pelo fogo que jorrou da Arca (Levítico 10:1-2), que o Talmude diz serem raios “tão finos quanto linhas”. E quando Uzá, o carreteiro, tentou segurar a Arca quando os bois tropeçaram, foi fulminado no momento em que a tocou (1 Crônicas 13:10-11). Quando não estava no carro, a Arca tinha de ser carregada com varas independentes, que eram passadas por anéis; apenas os sumos sacerdotes levitas (Aarão, Eleazar e seus sucessores), vestidos de maneira muito particular, tinham a permissão de se aproximar muito. Eles tinham grande quantidade de ouro em seu traje especialmente desenhado — um peito de armas de ouro, preso a anéis de ouro, correntes e diversos outros acessórios em torno de seus corpos (Êxodo 28:4-38). Eram também instruídos a tirar seus sapatos e lavar seus pés “para que não morressem” ao se aproximar da Arca (Êxodo 30:21).

Da mesma maneira, aqueles que transportavam a Arca em suas varas eram instruídos a andar descalços. As descrições de trajes e procedimentos especiais para se aproximar da Arca, embora aparentemente muito precisas no texto, são na verdade vagas e confusas. Isso não surpreende, pois os escribas do Antigo Testamento de uma época posterior não partiam de nenhum conhecimento prático. Seu ponto de vista vinha de uma base tradicional enquanto, ao mesmo tempo, eles confundiam em todos os momentos toda a experiência do Sinai com uma religião resultante que se desenvolvera nesse ínterim (devoção, em oposição à oficina). Considerando tudo, porém, há informação suficiente para determinar que, seja no chão ou no ar, o extraordinário poder arcano dos kerübs era eletricidade de alta tensão.

Podemos voltar agora à etimologia arquita com a qual este capítulo se iniciou, continuando a partir do grego ark, com seu equivalente latino arca: uma caixa ou baú. Na antiga França, arca se tornou arche, que passou para o inglês no início da Idade Média. A impressão de William Caxton, em 1483, da The Golden Legend, de Jacobus de Voragine, refere-se à Arca da Aliança como a “Arche dos Testamentos”. Posteriormente, a palavra arche se tornou arch, e depois are, que é a forma própria do inglês para ark, hoje em dia. Nesse período, foi feita uma associação direta, no período gótico, com um arco, como em “arquitetura”, “arcada”, e “arquitrave”.

Dado que “arquear” significava ir além ou estender-se, a palavra começou a ser usada como “acima” ou “cabeça”, como em “arquiduque”, “arcanjo” e “arcebispo”. Unindo esses aspectos da morfologia, há a emblemática representação da Maçonaria do Real Arco, projetada em 1783 por Laurence Dermott, Secretário da Antiga Grande Loja da Inglaterra. Sua imagem representa um arco arquitetônico que abriga a Arca da Aliança, uma arca dentro de um arco. O ponto, aqui, é que arca e arco são mutuamente dependentes, pois cada um deles está em um estágio de recinto protetor (latim: archeo).

Se o Antigo Testamento fosse escrito hoje em dia, a Arca da Aliança seria corretamente chamada Arco do Testemunho. Como recinto protetor, o Arco do Testemunho supostamente incorporava a verdadeira essência da luz e da energia; era uma manifestação do supremo poder de Deus. Mas, uma vez que se tratava de um dispositivo manufaturado, de onde derivava essa essência elétrica? Encontramos imediatamente uma pista na utilização original da palavra hebraica ãron que, conforme já vimos (como arca), definia uma caixa. Porém, era mais especificamente uma caixa de acumulação; o significado da antiga raiz de ãron era o verbo “reunir” ou “reunião”.

O poder era reunido e estocado pela própria caixa, enquanto a mais terrível descarga (quando o Urim e o Tumim estavam presentes) era vista como um julgamento definitivo. Era percebida como a Luz e a Perfeição, uma inspiração oracular divina do grande Arconte (antiga palavra grega que significa “recipiente” ou “arco”). Os Arcontes que proferiam seus poderosos julgamentos eram conhecidos como Governantes da Totalidade; um antigo texto grego intitulado “A Hipóstase dos Arcontes” trata do carro da Fundação, que se elevava acima das forças do Caos — um carro chamado Querubim.

Fim 

Primeira parte em:

  1. http://thoth3126.com.br/os-segredos-da-arca-da-alianca-dada-aos-hebreus/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *