browser icon
You are using an insecure version of your web browser. Please update your browser!
Using an outdated browser makes your computer unsafe. For a safer, faster, more enjoyable user experience, please update your browser today or try a newer browser.

Panama Papers: escândalo internacional envolve políticos importantes

Posted by on 05/04/2016

panama_papers_mossack_fonsecaPanama Papers: vazamento de milhões de documentos revela paraísos fiscais de ricos e poderosos da política internacional. 

Os 11 milhões de documentos pertencem ao escritório de advocacia panamenho Mossak Fonseca e mostram como a empresa ajudou clientes a evitar sanções e o pagamento de impostos e a lavar dinheiro. O escritório afirma que opera há 40 anos legalmente e que nunca foi acusado de nenhum crime. Os documentos mostram ligações com 72 chefes de Estado atualmente no poder ou que já ocuparam o cargo, incluindo ditadores acusados de saquear seus próprios países.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

“Líderes internacionais” rechaçam denúncias dos “Panama Papers”

Fontes: http://www.dw.com e http://www.bbc.com

Políticos direta ou indiretamente envolvidos em vazamento de documentos sobre empresas offshore negam práticas ilegais. O Kremlin diz que objetivo é desestabilizar a Rússia, e Buenos Aires nega sonegação fiscal por Macri, o presidente recentemente eleito da argentina.

Diversos “líderes internacionais” que tiveram seus nomes ou de pessoas próximas mencionados nos documentos vazados do escritório de advocacia e consultoria panamenho Mossack Fonseca reagiram às denúncias nesta segunda-feira (04/04).

crime-politica-governo-corrupção

Os chamados Panama Papers, divulgados neste domingo pelo jornal alemão Süddeutsche Zeitung, revelaram detalhes de centenas de milhares de clientes que supostamente utilizam paraísos fiscais no exterior para evasão fiscal, lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e armas.

“Alvo principal é Putin”, diz Kremlin

Autoridades do governo russo reagiram às denúncias, feitas em diversos órgãos da imprensa internacional, segundo as quais, pessoas próximas ao presidente Vladimir Putin teriam prosperado através de diversas empresas de fachada. “É óbvio que o alvo principal desses ataques é o nosso presidente”, disse o porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, ressaltando que a divulgação dos documentos visa desestabilizar o país e as eleições parlamentares marcadas para setembro deste ano.

Ele considera que a imprensa internacional erra ao focar em Putin ao invés de outros políticos e sugere que o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, na sigla em inglês), uma das organizações por trás da publicação dos Panama Papers, possui laços com o governo americano.

Os dados envolvem pessoas ligadas às famílias e sócios do ex-presidente do Egito Hosni Mubarak, o ex-líder líbio Muammar Gaddafi e o presidente da Síria Bashar al-Assad. Também levantam a suspeita de haver um esquema de lavagem de diheiro comandado por um banco russo e pessoas muito próximas ao presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o primeiro-ministro da Islândia, Sigmundur Gunnlaugsson.

Eles foram obtidos pelo jornal alemão Süddeutsche Zeitung e compartilhados com o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, na sigla em inglês). O programa BBC Panorama está entre as 107 organizações de mídia que vêm analisando os documentos. A BBC não conhece a identidade da fonte que os forneceu.

panama-papers

Gerard Ryle, diretor do ICIJ, diz que os documentos tratam do cotidiano de negócios do Mossack Fonseca nas últimas quatro décadas. “Acredito que o vazamento será o maior golpe que o mundo de empresas offshore já sofreu por conta da dimensão dos documentos”, afirmou.

Esse nome é dado a empresas abertas por pessoas e empresas em um país diferente do que se reside, normalmente com condições fiscais mais favoráveis. Os documentos indicam a existência de 107 empresas offshore ligadas a pessoas envolvidas na Operação Lava Jato, segundo o portal UOL, que integra o ICIJJ. No Brasil, essa prática não é ilegal se tiver sido declarada à Receita Federal.

Os documentos lançam suspeitas sobre as atividades do Bank Rossiya, ao qual a União Europeia e os Estados impuseram sanções após a anexação da Criméia pela Rússia, em 2014. Eles apontam pela primeira vez como o banco opera.

Dinheiro teria sido movimentado por meio de empresas offshore, duas das quais tem como dono um dos amigos mais próximos de Putin. Eles indicam que as companhias Sonnete Overseas, International Media Overseas, Sunbarn and Sandalwood Continental lucraram com transações falsas, serviços de consultoria inexistentes e a compra de ativos suspeitas.

panama-papers-roldugin_putin_medvedev

Roldugin (esq.) é amigo de infância do presidente Putin (centro) e padrinho de sua filha

A International Media Overseas e a Sonnette Overseas são de propriedade de do violoncelista Sergei Roldugin, amigo de infância do presidente russo e padrinho da sua filha, Maria. Segundo os documentos, Roldugin faturou milhões de dólares em acordos suspeitos. Mas documentos das empresas de Roldugin afirmam: “A companhia é uma barreira corporativa criada principalmente para proteger a identidade e confidencialidade do verdadeiro beneficiário da companhia”.

A empresa de advocacia Avellum, ligada ao presidente ucraniano, Petro Poroshenko, afirma que as acusações de sonegação de impostos contra o chefe de Estado não têm fundamento. A firma foi encarregada de administrar a venda do grupo Roshen, de propriedade do presidente, através da criação de uma empresa no exterior.

Uma offshore ligada a ele teria sido criada de acordo com a legislação ucraniana, afirmaram os advogados nesta segunda-feira. “A criação de uma estrutura no exterior não afeta as obrigações tarifárias do grupo Roshen na Ucrânia, que continua a pagar impostos.”

“Assunto particular” da família Cameron

Pai do premiê britânico, David Cameron (foto), teria realizado negócios com a Mossack Fonseca

David-Cameron

David Cameron

O governo britânico tentou desviar as críticas ao primeiro-ministro, David Cameron, em razão do nome de seu pai, juntamente com outros membros do Partido Conservador, constar numa lista de clientes que teria, supostamente, realizado negócios com a Mossack Fonseca.

Ao ser questionada se a família de Cameron ainda estaria envolvida com esses fundos, a porta-voz do primeiro-ministro disse apenas que “esse é um assunto particular”. A diretora-geral da autoridade tributária britânica HMRC, Jennie Grainger, informou que pediu cópias dos documentos vazados para “examinar os dados minuciosamente e agir com com rapidez e propriedade”.

Macri nega envolvimento

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, também figura entre os políticos mencionados nas denúncias publicadas pelo Süddeutsche Zeitung.

Macri, o pai e o irmão faziam parte do conselho administrativo de uma empresa offshore registrada nas Bahamas em 1988, segundo noticiou o jornal argentino La Nación. A empresa teria funcionado até 2009, quando Macri já exercia há dois anos o cargo de prefeito de Buenos Aires. Em comunicado, o governo argentino afirma que Macri jamais foi um stakeholder da offshore Fleg Trading Ltd., tendo sido seu CEO apenas de maneira “circunstancial”.

Segundo o comunicado, a empresa, que teria como objetivo “participar de outras sociedades não financeiras como investidora ou holding no Brasil, esteve vinculada ao grupo empresarial familiar”, mas o presidente “foi designado ocasionalmente como diretor, sem participação acionária”.

Escândalo de evasão fiscal envolve celebridades e políticos de vários países

O gabinete de Macri justificou o fato de o presidente não ter incluído sua participação na empresa em suas declarações de imposto de renda, afirmando que “somente os ativos devem ser declarados, e ele nunca foi acionista dessa sociedade”.

panama-papers-jornal-alemanha

Capa da edição do “Süddeutsche Zeitung” sobre vazamento: jornal alemão recebeu dados de fonte anônima

Premiê da Islândia pego de surpresa

O primeiro-ministro da Islândia, Sigmundur David Gunnlaugsson, foi abordado sobre a existência dos documentos durante uma entrevista à rede de televisão SVT, na qual foi questionado se ele estaria envolvido em atividades ilícitas através de uma empresa offshore.

Visivelmente desconfortável com a pergunta, Gunnlaugsson respondeu apenas que sempre declarou seus bens. Ao ser confrontado pelo repórter sobre suas conexões com uma empresa chamada Wintris, o primeiro-ministro negou conhecimento e abandonou a entrevista. Desde então, aumentam em seu país as pressões para que ele renuncie.

Mais tarde, ele afirmou a um canal de televisão islandês que não irá renunciar. “Não vou deixar o cargo por causa disso.” Em sua página na internet, o primeiro-ministro insistiu que jamais escondeu dinheiro no exterior e disse que sua mulher, que herdou uma fortuna do pai, pagou todos os impostos na Islândia.

A família do primeiro-ministro paquistanês, Nawaz Sharif, também negou seu envolvimento em práticas ilegais. De acordo com os documentos vazados, muitos de seus filhos seriam proprietários de imóveis em Londres, obtidos através de empresas offshore.

islandia-panama-papers-protestos

Nesta segunda-feira, um protesto tomou a praça do Parlamento da Islândia após o primeiro-ministro da ilha, Sigmundur David Gunnlaugsson, ter sido citado nos “Panama Papers”. Os manifestantes pedem a renúncia do premier, apontado como proprietário de uma empresa em paraíso fiscal. 

Hussain, filho de Sharif, afirmou a uma emissora paquistanesa que a família não cometeu nenhuma irregularidade. “Aqueles apartamentos são nossos e as empresas offshore, também”, admitiu, explicando, porém, que “não há nada errado com isso; jamais os escondi e jamais precisei fazê-lo”.

RC/dpa/afp/ap/rtr


SOBRE O ATUAL SISTEMA (de assalto e roubo do estado) POLÍTICO EXISTENTE no mundo e no BRASIL:

Estes líderes corruptos cairãoVocês terão uma liderança política nova se desenvolvendo lentamente, chegando até vocês por toda a Terra, onde há uma nova energia de consideração com o público. “Isto é muito para pedir na política, Kryon.”  Mas observem isto. Este é apenas o início desta última fase. Assim muitas coisas estão chegando. O próximo momento está relacionado a isto, pois um país enfermo não pode sustentar uma liderança de elevada consciência. Há muita oportunidade para o poder e a ganância“-  KRYON.


countdown-contagem-regressiva

“De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”. Rui Barbosa

Mais informações em:

  1. http://thoth3126.com.br/grupo-bilderberg-entrevista-com-banqueiro-suico/
  2. http://thoth3126.com.br/hsbc-bancolavanderia-do-dinheiro-das-drogas/
  3. http://thoth3126.com.br/a-verdade-sobre-os-grandes-bancos-ocidentais/
  4. http://thoth3126.com.br/eua-multa-cinco-grandes-bancos-em-57-bilhoes-por-manipulacao-em-taxas-de-cambio/
  5. http://thoth3126.com.br/manipulacoes-do-mercado-financeiro-e-ouro/
  6. http://thoth3126.com.br/barclays-eua-uk-multam-banco-em-us-453-milhoes-por-fraude/
  7. http://thoth3126.com.br/h-s-b-c-opio-e-drogas-a-origem-do-banco-ingles/
  8. http://thoth3126.com.br/grandes-bancos-se-preparam-para-enfrentar-a-falencia-dos-eua/
  9. http://thoth3126.com.br/os-estragos-do-populismo/
  10. http://thoth3126.com.br/banqueiros-gangsters-muito-grandes-para-serem-presos/
  11. http://thoth3126.com.br/banco-mundial-ex-executiva-denuncia-elite-global/
  12. http://thoth3126.com.br/como-os-bancos-latino-americanos-continuam-lucrando-muito-apesar-da-crise/
  13. http://thoth3126.com.br/apenas-28-bancos-dominam-as-financas-do-planeta/

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *