browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Petrobras assinou contrato em branco !!!!!

Posted by on 16/12/2014

corrupcao-brasil

Petrobras assinou contrato em branco (sem especificar nenhum valor) com a empresa holandesa  SBM  (Single Buoy Moorings) Offshore.

O Contrato de construção da plataforma P-57 sem a identificação (em BRANCO – sem especificar nenhum valor) de valores foi analisado pela CPMI

Empresa holandesa SBM Offshore, que fornece plataformas de exploração de petróleo à Petrobras e confessou ter pago US$ 102,2 milhões em subornos a dirigentes da estatal entre 2005 e 2011, se recusa a ser vista como “o cara mau” do mercado; “O mercado offshore é um mundo escuro como o breu. Mas há alguns anos tomamos um novo caminho”, disse Sietze Hepkema, executivo da companhia.

Edição e imagens:  Thoth3126@gmail.com

O Contrato de construção da plataforma P-57 sem a identificação (em BRANCO – sem especificar nenhum valor) de valores foi analisado pela CPMI

Por José Casado, Ramona Ordoñez, Bruno Rosa, Krla Mendes, Antonio Werneck e Thiago Herdy –  / Atualizado 

Fonte: http://oglobo.globo.com

RIO — Bruno Chabas resolveu atualizar a correspondência quando viu um recado de Zoe Taylor-Jones, advogado da SBM, empresa holandesa que possui US$ 27,6 bilhões em contratos de navios e plataformas marítimas com a Petrobras. Eles lideravam a equipe que há meses revolvia os arquivos da diretoria recém-demitida. Rastreavam pagamentos de US$ 102,2 milhões em propinas a dirigentes da Petrobras, intermediados pelo agente da companhia no Brasil Julio Faerman.

“Cavalheiros, sinto muito, mas esta é a última cereja do bolo”, ele escreveu a Chabas, presidente da SBM, e a mais quatro diretores, acrescentando: “Nós pagamos também a conta de telefone e de internet de Faerman”. Anexou uma fatura pendente de R$ 1.207,00 da operadora Sky.

petrobras-corrupção-ratos

Era 1h35m da madrugada de terça-feira, 17 de abril de 2012. Com a agenda da manhã seguinte sobrecarregada pela auditoria, Chabas mandou uma resposta irônica antes de dormir: “Essa relação nunca pára de me surpreender”.

Mais surpreendidos ficaram, dias atrás, os auditores e advogados do Tribunal de Contas da União, da Receita Federal e do Banco Central que analisaram para o Congresso a documentação dos negócios da Petrobras com a SBM.

Comprovaram, por exemplo, que a diretoria da estatal subscreveu (assinou) um contrato em branco para a construção do navio-plataforma P-57. Isso aconteceu na sexta-feira 1º de janeiro de 2008.

O contrato de construção da plataforma P-57 (nº 0801.0000032.07.2), que chegou à CPMI, não contém “informação expressa sobre seu valor”, relataram os técnicos, por escrito, à Comissão Parlamentar de Inquérito.

Na cláusula específica (“Quinta — Preço e Valor”), os campos simplesmente não foram preenchidos. Ficaram assim:

“5.1 O valor total estimado do presente CONTRATO é de R$ xxxxx (xxxx), compreendendo as seguintes parcelas:

5.1.1 R$ xxxxx (xxxx), correspondente aos serviços objeto do presente CONTRATO, sendo R$ _____ ( ) referente a serviços com mão-de-obra nacional e R$ _____ ( ), referente a serviços com mão de obra não residente;

5.1.2 R$ xxxxx (xxxx), correspondente aos reembolsos contratualmente previstos”.

SBM-offshore-petrobras-contrato

QUASE UM ANO DEPOIS

Somente 207 dias depois — ou seja, passados sete meses — é que “esses valores foram ‘preenchidos’”, registraram os assessores da CPMI. O “Aditivo nº 1” foi assinado na terça-feira 26 de agosto de 2008, mas ainda sem especificar os valores completos dos serviços nacionais e estrangeiros.

A plataforma P-57 foi vendida por US$ 1,2 bilhão à Petrobras. Por esse negócio, a SBM pagou US$ 36,3 milhões em propinas — o maior valor entre seus casos de corrupção no Brasil, como admitiu, em acordo de leniência com a promotoria da Holanda e o Departamento de Justiça dos EUA.

A empresa holandesa confessou ter distribuído US$ 102,2 milhões em subornos a dirigentes da Petrobras, entre 2005 e 2011. Assim, obteve 13 contratos de fornecimento de sistemas e serviços à estatal. Foram suas operações mais relevantes no país, durante os últimos cinco anos da administração Lula e no primeiro ano do governo Dilma Rousseff.

As propinas foram “para funcionários do governo brasileiro”, constataram a Receita e o Ministério Público da Holanda. Os pagamentos, segundo eles, fluíram a partir de empresas criadas pelo agente da SBM no Rio, Julio Faerman, no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas. Faerman controlava três (Jandell Investiments Ltd., Journey Advisors Co. Ltd. e Bien Faire Inc.) e partilhava outra (Hades Production Inc.) com o sócio carioca Luis Eduardo Barbosa da Silva.

SBM-offshore-petrobras

A empresa holandesa confessou ter distribuído US$ 102,2 milhões em subornos a dirigentes da Petrobras, entre 2005 e 2011.

Quem assinou o contrato da P-57 foi Pedro José Barusco Filho, que, na época, era gerente executivo da Diretoria de Engenharia e Serviços, comandada por Renato de Souza Duque.

No mês passado, Barusco se apresentou à procuradoria federal. Entregou arquivos, contas bancárias e se comprometeu a fazer uma confissão completa em troca da atenuação de penalidades. Informou possuir US$ 97 milhões guardados no exterior, dos quais US$ 20 milhões na Suíça já estão bloqueados. Duque foi preso e depois liberado. Agora, enfrenta acusações de corrupção, lavagem de dinheiro e tráfico de influência com políticos do Partido dos Trabalhadores. Ele nega tudo.

A comissão parlamentar de inquérito identificou outros sete funcionários da Petrobras envolvidos no processo de compra da P-57. Eles são: Márcio Félix Carvalho de Bezerra; Luiz Robério Silva Ramos; Cornelius Franciscus Jozef Looman; Samir Passos Awad; Roberto Moro; José Luiz Marcusso e Osvaldo Kawakami.

Um ano depois da assinatura do contrato, a P-57 entrou no projeto de propaganda eleitoral do governo. Foi em outubro de 2009, quando Lula preparava Dilma Rousseff, chefe da Casa Civil, para disputar a eleição presidencial de 2010.

corrupção-reptil-petrobras

O então presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, que é filiado ao PT, formatou um calendário de eventos. Escolheu o período entre o primeiro e o segundo turnos, em outubro de 2010, para o “batismo” da plataforma, sob a justificativa do 57º aniversário da estatal …

Mais informações em:

  1. http://thoth3126.com.br/ex-diretor-da-petrobras-vai-falar-o-que-sabe/
  2. http://thoth3126.com.br/petrobras-incompetencia-e-corrupcao-atrai-inferno-astral/
  3. http://thoth3126.com.br/petrobras-e-o-estopim-de-uma-grave-crise/
  4. http://thoth3126.com.br/equinocio20marco/
  5. http://thoth3126.com.br/abril-e-o-brasil/
  6. http://thoth3126.com.br/revoltas-populares-unem-se-contra-governos-incompetentes-e-corruptos/
  7. http://thoth3126.com.br/pao-e-circo/
  8. http://thoth3126.com.br/os-anjos-caidos-the-watchers-os-vigilantes/
  9. http://thoth3126.com.br/petrobras-ex-diretor-faz-acordo-e-denuncia-corrupcao-bomba/
  10. http://thoth3126.com.br/petrobras-empreiteiras-propoem-acordo-para-revelar-corrupcao-na-empresa/
  11. http://thoth3126.com.br/brasil-represa-da-corrupcao-se-rompe-vem-ai-um-diluvio/
  12. http://thoth3126.com.br/brasil-represa-da-corrupcao-se-rompe-tsunami-a-vista/
  13. http://thoth3126.com.br/brasil-corrupcao-na-petrobras-problemas-a-vista-para-gente-grande/
  14. http://thoth3126.com.br/petrobras-investigacao-nos-eua-ameaca-arranhar-imagem-da-empresa-no-exterior/
  15. http://thoth3126.com.br/petrobras-processo-de-limpeza-do-pais-avanca-muito-rapido/

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

thoth-escribawww.thoth3126.com.br

14 Responses to Petrobras assinou contrato em branco !!!!!

  1. Andreia

    Acho de extrema importância que assuntos desta proporção venham ao conhecimento da população. Sinal de que os órgãos e instituições responsáveis pela fiscalização estão comprometidos com a probidade das operações realizadas no país. Me parece muito estranho que durante os governos anteriores muitas operações obscuras não eram divulgadas, sobretudo pela mídia “corporativa”. Não sou petista, e estou muito decepcionada com o governo atual, porém percebo um forte emprenho dessa mídia tão ou mais corrupta que esses partidos em vincular todas essas falcatruas ao PT, Dilma e ao Lula.

  2. Juliana

    Falou tudo Andreia. E fico muito triste com o fato de que só publicam críticas ao governo federal nesse site, o que me deixa chateada, pois protagonizam o que a grande mídia faz, contrapondo todo o belo conteúdo que apresentam (não relacionado a política).

  3. Mauro Ribeiro

    Independente do partido que assumisse o governo, eu acho que estamos em tempos de internet, da difusão de informações quase instantâneas, da digitalização de documentos, a malha de cruzamentos de dados está cada vez mais sofisticada, a comunicação instituicional está mais rápida e tudo isso é um caminho quase sem volta que facilita muito a transparência dos processos e das investigações. PT, PMBD ou qualquer outro não escapariam desse movimento. Muito bom! Saudações Cordiais Mauro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *