browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

PMDB em contagem regressiva para derrubar Dilma?

Posted by on 27/03/2016

michel-temer-dilma-sapiens-otariaPMDB, em contagem regressiva para dar xeque-mate em Dilma?

O futuro do Governo de Dilma Rousseff estará em jogo no próximo dia 29 de março. É a data em que se realizará a reunião do diretório nacional do PMDB, e caciques do partido do vice-presidente, Michel Temer, já sinalizaram que a aliança com o PT está por um fio. Uma das mais graves consequências para o Planalto deste possível desembarque peemedebista, além de uma redução maior ainda da governabilidade – que já é praticamente nula -, seria a perda de votos que podem garantir a presidenta no cargo até o final do seu mandato.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Encontro do diretório nacional do partido do vice pode oficializar saída do Governo

Gil Alessi – Afonso Benites – São Paulo / Brasília

Fonte: http://brasil.elpais.com

Se confirmado, o PT de DILMA terá de entrar em uma corrida contra o tempo para tentar garantir os 172 votos necessários para barrar o impeachment quando o processo for para votação no plenário da Câmara, o que deve ocorrer em abril ou maio. Com 67 deputados, o PMDB tem a maior bancada da Casa, e seria peça chave para derrubar (ou aprovar) o pedido de impedimento capitaneado por Eduardo Cunha (PMDB).

Estima-se que ao menos 30 peemedebistas na Câmara integram a chamada ala rebelde do partido, favorável a Cunha e hostil a Dilma, mas com o rompimento esse número deve aumentar. Principalmente porque os sete ministérios que a legenda ocupa no Governo teriam de ser entregues caso se oficialize o desembarque.

dilma-temer-rompimento

Nas últimas semanas algumas seções importantes do PMDB, como o diretório fluminense, que era até então um dos maiores defensores da aliança com o PT, sinalizou a intenção de votar pela saída do Governo. Nos últimos dias circularam versões de que mesmo alguns aliados de Dilma no Estado, entre eles o prefeito e o governador do Rio, Eduardo Paes e Luiz Pezão, respectivamente, e o líder da bancada na Câmara, Leonardo Picciani, podem migrar para a rebelião.

A situação do Rio é uma espécie de termômetro do que o Governo deve esperar da reunião nacional, e o que se apresenta não parece positivo para o Planalto. No total, 125 membros do PMDB terão direito a voto no dia 29 de março, e uma maioria simples basta para aprovar o rompimento ou a manutenção da aliança. A bancada fluminense é a maior, com direito a 12 votos no encontro.

O crucial grupo do vice Michel Temer, entre eles os ex-ministros Moreira Franco e Eliseu Padilha, já dão o rompimento como certo. Temer não se manifestou publicamente sobre a questão, mas já deu sinais de que concorda com a ruptura. Ele cancelou uma viagem a Portugal, onde participaria de evento promovido pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes para, de acordo com nota de sua assessoria, para “intensificar as conversas” referentes ao encontro. Caso o impeachment de Dilma se concretize, Temer herdará a presidência.

impeachment-dilma-03

A eventual saída do PMDB poderia levar a reboque outros partidos da base. O PP, por exemplo, já sinalizou que deve seguir os passos da legenda de Temer. Em 17 de março o pastor Marcos Pereira, presidente nacional do PRB, anunciou que sua sigla deixaria o Governo, que se vê cada vez mais isolado no Congresso. Dilma tenta como pode para frear a debandada.

Nesta quinta-feira o Planalto exonerou Antônio Henrique de Carvalho Pires, então presidente da Fundação Nacional de Saúde, indicado pelo vice-presidente. A medida foi considerada uma retaliação da presidenta à decisão de lideranças do PMDB de manter a reunião que decidirá o futuro da aliança para o dia 29. Antes, o Planalto havia tentado, sem sucesso, adiar o encontro em uma tentativa de recompor a já esgarçada aliança.

A relação entre os dois partidos se deteriorou ainda mais depois que Dilma convidou o deputado Mauro Lopes (PMDB-MG) para assumir a secretaria de Aviação Civil. A indicação, feita após a executiva nacional do PMDB proibir, em convenção, que seus correligionários aceitassem novos cargos no Governo, foi vista como uma afronta. Nem a entrada na negociação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva parece ter surtido efeito.

dilma-governo-dividido-pmdb

Esquadrão governista

O cenário no PMDB, no entanto, não é homogêneo. Ministros do Governo confiam que conseguirão barrar o rompimento dentro do diretório nacional.Katia Abreu, Marcelo Castro e Celso Pansera foram escalados pelo Planalto para convencer outros peemedebistas a se opor ao desembarque. Por outro lado, deputados do PMDB governista desconfiam da possibilidade de manter a aliança.

“A tendência é de desembarque, mas tudo pode acontecer até o dia 29”, diz o deputado maranhense Hildo Rocha. Entre os deputados de oposição, o clima é de “já rompeu”.

“Não vamos falar em números, mas sei que teremos os votos necessários. 14 diretórios pediram para antecipar a reunião que estava marcada para 12 de abril. Vejo isso como um indicativo”, afirmou o gaúcho Darcisio Perondi. O PMDB de seu Estado já oficializou a posição pelo rompimento. As executivas estaduais de Santa Catarina e do Espírito Santo também já se declararam favoráveis ao desembarque.

michel-temer-presidente

A ala ligada ao presidente do Senado, Renan Calheiros, é mais cautelosa. O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira, por exemplo, mudou de posicionamento nos últimos dias. Na véspera da convenção, há duas semanas, Eunício disse ao EL PAÍS que o governo Dilma nem existia mais.

Agora foi mais cauteloso dizendo que, se houver rompimento, o PMDB não será irresponsável no Congresso e continuará votando nos projetos de interesse nacional. Ele também desvinculou um eventual desembarque ao apoio automático pelo impeachment. “Uma coisa não tem nada a ver com a outra”, afirmou.

Debandada do PMDB do Rio deve acelerar impeachment

Decisão do diretório fluminense já faz aliados do vice Michel Temer falarem na possibilidade de ele assumir o governo já em maio

O anúncio do PMDB fluminense de que pretende se afastar da presidente Dilma Rousseff abalou a ala governista do partido e também o Palácio do Planalto. Em sentido inverso, deu força ao grupo peemedebista pró-impeachment, que decidiu acelerar o trâmite do processo na Câmara dos Deputados. A previsão é votar o pedido de afastamento antes de 17 de abril. O Planalto teme o reflexo da debendada peemedebista nos demais partidos da base.

lulaministroAliados do vice-presidente Michel Temer afirmaram nesta sexta-feira ao jornal O Estado de S. Paulo que ele se prepara para assumir o governo em maio e, por isso, também intensificou nos últimos dias as articulações no mundo político e empresarial nesse sentido.

A pressa e o otimismo dos peemedebistas pró-impeachment também se deve às dificuldades do Planalto e do PT em definir na Justiça a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Casa Civil. Sem o cargo e os poderes dele, Lula está praticamente impossibilitado de fazer a articulação com o PMDB e demais partidos da base.

A intenção do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), manifestada a aliados, é aprovar o impeachment o mais rápido possível. O relator do pedido de afastamento na Comissão Especial, Jovair Arantes (PTB-GO), já teria, segundo apurou o Estado, avisado Cunha de que vai apresentar parecer favorável à saída de Dilma.

A pressa e o otimismo dos peemedebistas pró-impeachment também se deve às dificuldades do Planalto e do PT em definir na Justiça a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Casa Civil. Sem o cargo e os poderes dele, Lula está praticamente impossibilitado de fazer a articulação com o PMDB e demais partidos da base. O petista, no entanto, recorreu ao Supremo em busca de recuperar o direito de assumir a pasta.


countdown-contagem-regressiva

“De tanto ver triunfar nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto”  – (Ruy Barbosa)

Mais informações em:

  1. http://thoth3126.com.br/semana-terrivel-para-governo-federal-tera-impacto-no-processo-de-impeachment-de-dilma/
  2. http://thoth3126.com.br/oas-e-odebrecht-ja-negociam-delacao-premiada/
  3. http://thoth3126.com.br/fim-do-governo-dilma-e-questao-de-tempo/
  4. http://thoth3126.com.br/justica-de-sp-encaminha-denuncia-contra-lula-para-sergio-moro-julgar/
  5. http://thoth3126.com.br/maior-manifestacao-de-todos-os-tempos-joga-dilma-contra-as-cordas/
  6. http://thoth3126.com.br/delacao-premiada-de-delcidio-do-amaral-e-homologada/
  7. http://thoth3126.com.br/a-limpeza-acelera-pgr-pedira-investigacao-de-aecio-mercadante-lula-e-temer/
  8. http://thoth3126.com.br/dilma-roussef-decretou-o-fim-do-proprio-governo/
  9. http://thoth3126.com.br/impeachment-avanca-na-camara/
  10. http://thoth3126.com.br/maioria-dos-ministros-do-stf-acha-que-governo-de-dilma-acabou/
  11. http://thoth3126.com.br/empresarios-dizem-basta-ao-governo-dilma/
  12. http://thoth3126.com.br/grupo-odebrecht-decide-fechar-delacao-premiada/
  13. http://thoth3126.com.br/lava-jato-ja-descobriu-mais-de-mil-contas-secretas-na-suica/
  14. http://thoth3126.com.br/os-7-pecados-crimes-de-dilma-roussef/

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *