browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

PMDB vai sair do governo, crise vai ser ampliada …

Posted by on 31/08/2015
dilma-temer-rompimento

“E, se uma casa se dividir contra si mesma, tal casa não pode subsistir”. Marcos 3:25

PMDB prepara o “desembarque” do GOVERNO

O maior partido da base governista planeja abandonar o governo de Dilma Roussef por um projeto próprio de poder. A saída de Michel Temer da articulação política do governo foi o primeiro passo. Por pouco, o rompimento definitivo não foi anunciado na semana passada pelo próprio vice-presidente. As divergências entre Temer e Dilma crescem – e eles mal se falam. A presidente e o vice alimentam desconfianças mútuas: um acha que está sendo sabotado pelo outro.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O PMDB prepara sua saída do governo de Dilma Roussef. A CRISE VAI SE AMPLIAR

Sérgio Pardellas – Fonte: http://www.istoe.com.br

Desde a redemocratização, o PMDB se especializou na modalidade do bicanoísmo, cujo principal atributo é saber navegar com um pé em cada canoa – a governista, preferencialmente, e a da oposição, válvula de escape para o caso de a parceria com o governo naufragar. Sem dispor de um nome capaz de triunfar nas urnas na disputa presidencial – algo que nem o doutor Ulysses Guimarães conseguiu, apesar de muitos terem botado fé no velhinho em 1989 –, o partido sempre adotou essa estratégia para se manter eternamente associado ao governo federal.

crime-politica-governo

Qualquer governo, sem distinção ideológica ou partidária. Assim, atuando como uma espécie de apêndice do Planalto, o PMDB nunca largou as benesses do poder. Em muitos casos, estabeleceu com o Executivo uma relação de dependência mútua retroalimentada pelo fisiológico toma lá, dá cá.

Mas todas as vezes em que pressentiu o barco do governo afundar, o PMDB – sustentado por uma heterogênea federação de caciques regionais – abraçou a tese da ala “oposicionista” da sigla, que já estava lá, a postos, com um pezinho na outra canoa, a convocar os demais para embarcar na nau tmais segura. A história se repete agora. Em meio ao mar revolto em que se equilibra Dilma Rousseff, o PMDB prepara o desembarque da aliança governista.

Em relação a outros momentos da política nacional, há duas diferenças cruciais: o governo, mais impopular desde Collor, nunca esteve tão refém do PMDB e o partido nunca esteve tão próximo de deixar de ser um mero coadjuvante para se tornar o protagonista principal e uma alternativa real de poder, com possibilidades concretas de chegar ao Planalto. Agora, em caso de impeachment, ou em 2018, com o lançamento de uma candidatura própria.

dilma-governo-dividido-pmdb

Ou seja, pela primeira vez, depois de quase três décadas, o partido começa a desistir de um projeto para apostar em outro mais vantajoso, só que pilotado por ele próprio, não por outra legenda. É o fio condutor capaz de unir hoje todos os peemedebistas, de qualquer vertente ou corrente.

O que se pode chamar de primeiro ato da deserção do PMDB foi a saída do vice-presidente Michel Temer da articulação política do governo, na semana passada. Temer anunciou a decisão em reunião com a presidente Dilma no Palácio do Planalto na manhã de segunda-feira 24. Na conversa, demonstrou contrariedade com o que chamou de “ambiente de intrigas e fofocas” instalado no Planalto desde que se apresentou como alguém capacitado para reunificar o País.

O estopim foi o imbróglio envolvendo a liberação de R$ 500 milhões em verbas para “políticos aliados“. Principal auxiliar de Temer, o ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha, havia recebido o sinal verde para o pagamento, mas fez papel de bobo da corte de Dilma: negociou com os parlamentares, acertou a liberação do dinheiro e, aos 45 minutos do segundo tempo, viu seus acordos serem desautorizados pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy. “Ninguém aqui é palhaço. Chega!”, teria desabafado Temer.

camara-eduardo-cunha-pmdbsaidogoverno

DISSIDENTE, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, diz que “time que não joga, não tem torcida”, ao apoiar o vôo solo do PMDB. Sua tese ganha cada vez mais adeptos

Contribuiu para a decisão uma interpretação bem particular do vice-presidente a respeito do que chamou de “sinais favoráveis a ele” emitidos por atores políticos nos dias que antecederam o anúncio oficial: as manifestações pelo impeachment e as declarações de FHC em favor da renúncia da presidente. Segundo um interlocutor de Temer, o vice acredita ter se credenciado entre segmentos organizados da sociedade como um porto seguro para o pós-Dilma. Reforçou esse sentimento a calorosa recepção a Temer na FIESP na quinta-feira 27.

Ao deixar de fazer a ponte com o Congresso, Temer abriu mão da atribuição delegada por Dilma a ele em abril, quando a presidente tentou jogar água na fervura no auge da crise, erguendo uma bandeira branca ao Congresso, onde ela havia amargado derrotas em série desde o início de seu segundo mandato. Era uma situação emergencial. Os partidos aliados sabotavam os projetos do governo e colocavam em risco o ajuste fiscal.

Ao assumir a função, Temer comandou o balcão político com as fichas de sempre. No Palácio do Jaburu, adotou um modelo de eficácia mais do que comprovada onde a máxima é: pleito combinado não é caro. É pleito atendido. Mas o vice não esperava as interferências da Casa Civil, que insistia em boicotá-lo, segundo relato de aliados do peemedebista. Temer costurava os acordos, mas não tinha poder para honrar o que prometia. Como, em Brasília, não adianta ter caneta sem tinta, Temer se viu esvaziado. Mais do que isso.

rato-corrupcao_no_brasil

Havia pelo menos dez dias que as cartas do jogo político já eram distribuídas por outro integrante da equipe. Nas últimas semanas, Dilma havia delegado a missão a Giles Azevedo, seu assessor particular. Sua primeira tarefa foi reunir-se com deputados do PP, PMDB, PT e PC do B para tentar blindar o governo nas CPIs do BNDES e dos Fundos de Pensão.

Ao saber do atropelo, Temer ficou enfurecido, como há muito não se via. Segundo apurou ISTOÉ com pessoas próximas ao vice, na segunda-feira 24 Temer estava disposto a romper definitivamente com o governo – não apenas abandonar a coordenação política. Uma romaria de parlamentares do partido dirigiu-se ao Jaburu para demovê-lo da ideia. Obtiveram êxito e o encontro produziu um novo e significativo consenso. Ficou decidido que o partido desembarcará do governo de maneira lenta e gradual.

“É melhor do que uma decisão individual de Temer agora. Não seria bom para ninguém implodir tudo de uma vez”, ponderou um peemedebista que esteve no gabinete do vice-presidente semana passada.


Cristo, porém, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: Todo o reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda a cidade, ou casa, dividida contra si mesma não subsistirá. Mateus 12:25


contagem-regressiva

Mais informações sobre o momento do BRASIL em:

  1. http://thoth3126.com.br/uma-visao-pessoal/
  2. http://thoth3126.com.br/muda-brasil-lula-passa-a-ser-investigado-pelo-mpf-por-trafico-de-influencia/
  3. http://thoth3126.com.br/o-fim-da-era-lula/
  4. http://thoth3126.com.br/muda-brasil-clima-esquenta-e-opoe-camara-contra-o-governo-de-dilma/
  5. http://thoth3126.com.br/o-brasil-definitivamente-nao-e-para-amadores/
  6. http://thoth3126.com.br/as-condicoes-para-um-impeachment-de-dilma-estao-postas/
  7. http://thoth3126.com.br/lula-pede-sigilo-sobre-inquerito-de-lobby-internacional/
  8. http://thoth3126.com.br/lula-busca-fhc-para-discutir-crise-e-conter-impeachment-de-dilma/
  9. http://thoth3126.com.br/dilma-628-querem-o-seu-impeachment-corrupcao-do-brasil-se-espalhou-pelo-mundo/
  10. http://thoth3126.com.br/michel-temer-trabalhando-para-ser-presidente/
  11. http://thoth3126.com.br/lava-jato-se-expande-e-o-medo-se-espalha-em-brasilia-almirante-preso/
  12. http://thoth3126.com.br/mudancas-climaticas-industrias-de-sp-avaliam-parar-producao-por-falta-de-agua/
  13. http://thoth3126.com.br/brasil-entra-em-recessao-crescimento-do-pib-recua-19/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth-reversowww.thoth3126.com.br

One Response to PMDB vai sair do governo, crise vai ser ampliada …

  1. ACosta

    E como já foi dito: todos cairão!…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *